divulgação
Créditos: divulgação
Pixinguinha morreu durante o Carnaval de 1973
A morte de Pixinguinha, no dia 17 de fevereiro de 1973, não poderia ter sido mais poética. No dia, ele recebeu uma visita dos amigos Hermínio Belo de Carvalho e Walter Firmo, autor da mais famosa fotografia do músico.
Por conta do abatimento de Pixinguinha, Walter nem levou a máquina fotográfica para não registrar as marcas da decadência física do compositor. No entanto, revelou ao biógrafo Sérgio Cabral o seu arrependimento. O fotógrafo contou que, ao se despedir do Pixinguinha, o gesto do músico na janela de sua casa foi "a foto que não fez".
Também nesta data, a Banda de Ipanema sairia pela primeira vez no ano. O músico, contudo, seria o padrinho do filho de um rapaz que ajudara em sua chegada no Rio de Janeiro. O batizado havia sido marcado na igreja de Nossa Senhora da Paz, um dos pontos em que a banda passaria. No meio do evento, Pixinguinha faleceu.
Naquele instante, caía um temporal sobre Ipanema. Albino Pinheiro, que comandava a orquestra da banda, foi avisado que Pixinguinha acabara de morrer. Ao invés de cancelar o desfile, deu continuidade sem comentar o fato com ninguém.
O céu chorou a perda de um dos maiores músicos do Brasil, que faleceu em pleno Carnaval, ao som da Banda de Ipanema, dentro de um dos lugares mais bonitos do Rio de Janeiro. Pixinguinha, conhecido como um santo na terra, morreu aos 75 anos.