quarta-feira, 31 de agosto de 2011

CARANDIRU - INFORMAÇÕES RECEBIDAS EM 31 DE AGOSTO DE 2011

Recebo essas informações do CUSTÓDIO PEREIRA, via Internet; Custodio Pereira31 de agosto de 2011 20:12


CARANDIRU

(para você mesmo julgar)



Você sabia que para poder julgar alguém ou mesmo uma situação é necessário que se conheça

a fundo as condições e o andamento do processo?



Você sabia que lá nos "autos do processo" tem o depoimento de um dos presos onde afirma que: "Nós preparamos uma emboscada para a Tropa de Choque" ?



Você sabia que os jurados que julgaram o Coronel Ubiratan da primeira vez concluíram que ele agiu no "Estrito Cumprimento do Dever" e mesmo assim ele foi condenado?



Você sabia que se a Tropa de Choque não interviesse e os amotinados se matassem entre si, eles teriam que responder na justiça por não terem cumprido o seu dever?



Você sabia que nos "autos do processo" está a declaração de um perito que à época afirmou que: "Caso a Tropa de Choque não tivesse invadido o pavilhão 9, provavelmente a maioria dos presos ou em sua totalidade poderia morrer pelo fogo ou asfixiados" ?



Você sabia que naquele pavilhão 9 estavam quase 2200 (dois mil e duzentos) presos e que quando a Tropa de Choque estava chegando ao terceiro andar (andar onde ocorreu a confusão), já tinham mortos pelas escadarias, além de óleo e sangue para os policiais escorregarem?



Você sabia que o Cel Ubiratan não deu um tiro sequer e muito menos ordenou à sua tropa que

matasem alguém? Que o que aconteceu foi uma fatalidade?



Você sabia que o Cel Ubiratan, ainda nas escadas abrindo caminho para os bombeiros, foi atingido pela explosão de um botijão de gás, motivo pelo qual foi imediatamente tirado dali e conduzido ao pronto-socorro?



Você sabia que na primeira barricada montada pelos presos na entrada do pavilhão já tinha um dos presos degolado pendurado de cabeça para baixo?



Você sabia que em mais barricadas os policiais se depararam com presos já totalmente mutilados pelos demais. As fotos estão nos autos!



Você sabia que os presos tinham armas de fogo, estiletes, barras de ferro, facas?



Você sabia que para fazer o filme do Carandiru , Hector Babenco não fez qualquer consulta ou mesmo contato com nenhum dos policiais e muito menos com o Cel Ubiratan? Que este filme que tanto mexeu com a opinião pública foi baseado somente no depoimento de presos? Que na verdade ali tinha mais ficção do que realidade?



Você sabia que as verdades que coloco aqui não são veiculadas pela grande mídia porque os interesses pela proteção dos criminosos no Brasil são muito maiores? Que a inversão de valores está tomando espaço cada vez mais do nosso dia-a-dia e na maioria das vezes não nos damos conta disso?



Todas as informações aqui contidas fazem parte dos "autos do processo" do Coronel Ubiratan Guimarães, que por muitos anos foi acusado pelo que ficou conhecido como "Massacre do Carandiru". São informações públicas e então no Tribunal de Justiça de São Paulo, na Praça da Sé, à disposição de todos aqueles que tiverem dúvidas sobre o que ocorreu de verdade. E foi nestes autos que os 24 Desembargadores se basearam para inocentar o acusado. E a Justiça foi feita!

SOLENIDADE DE ENTREGA DE MEDALHAS DURANTE REVISTA GERAL DO 29º BPMM - NÚCLEO MMDC LESTE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC

Evento de Comemoração do Aniversário dos 79° Anos da Juventude Constitucionalista


Sociedade Veteranos de 32 – NÚCLEO “MMDC LESTE”

Data: 30AGOSTO2011 Horário: 09:00h

Local: Igreja Tabernáculo Brasil Para Cristo – R. Ten Laudelino Ferreira do Amaral

REVISTA GERAL DO 29º BPM/M – Alusão Comemorativa ao “Dia do Soldado”

Relação de Pretendentes a serem Agraciados com Medalhas da Sociedade Veteranos de 32:

Medalha: CONSTITUCIONALISTA



Ordem Posto/Grad +

NOME COMPLETO FUNÇÃO

EXERCIDA – BTL / Cia TIPO

MEDALHA

1 CB PM EDILSON ALEXANDRE DE ARAUJO Eq Cmdo Fça Ptr 29º M Constitucionalista

2 SD PM LUIZ CARLOS LOPES RP 190- 2ª Cia do 29ºM Constitucionalista

3 SD PM ANTONIO DA CRUZ MESQUINHO Eq Cmdo Fça Ptr 29º M Constitucionalista

4 SD PM ELI DE LIRA VAZ Eq Cmdo Fça Ptr 29º M Constitucionalista

Medalha: MMDC

5 Cap PM MARCELO ZACARIAS GONÇALVES Esc Sup Sgt MMDC

6 1º TEN MAURO ZACARIAS GONÇALVES 2º BPM/M MMDC

7 1º TEN PM MAURÍCIO ZACARIAS GONÇALVES 48º BPM/M MMDC

8 1° Ten PM REINALDO RISI DE ALMEIDA Cmdo Pol Rodoviário MMDC

9 1º Sgt PM PAULO CESAR DE OLIVEIRA 11º BPM/M MMDC

10 3º Sgt PM WOLNEY FROIS BARRETO Cmt Eq FT 29º BPM/M MMDC

11 CB PM LAERTE LORENÇATO JUNIOR Mot Eq FT 29º BPM/M MMDC

12 CB PM MARCELO DA SILVA Eq FT 29º BPM/M MMDC

13 CB PM EDINA LOURDES DA SILVA Eq FT 29º BPM/M MMDC

14 SD PM ROBERTO BRITO DA COSTA Eq FT 29º BPM/M MMDC

15 SD PM RICARDO DE SOUZA FIGUEIREDO Eq FT 29º BPM/M MMDC

16 SD PM RENATO DONIZETE ADÃO Eq FT 29º BPM/M MMDC

17 SD PM MILTON CARLOS PALMA Eq FT 29º BPM/M MMDC

18 SD PM JULIO CESAR SOTERO DOS SANTOS Eq FT 29º BPM/M MMDC

19 SD PM KLINGER VALADARES Eq FT 29º BPM/M MMDC

20 Sd PM JOSÉ LUIS EVANGELISTA DOS SANTOS 3ª Cia do 29°M MMDC

21 Sd PM REGINALDO AVELINO 3ª Cia do 29°M MMDC

22 Sd PM LAERCIO ROCHA ALBUQUERQUE 4ª Cia do 29°BPM/M MMDC

23 Sd PM VALMIR ALVES DE LIMA 29° BPM/M MMDC

24 Sd PM SIDNEY MARTINS FERREIRA 29° BPM/M MMDC

Medalha: Governador PEDRO DE TOLEDO

25 Cap PM CLEBER GABRIEL Cmt Cia FT 2º BPM/M Pedro de Toledo

26 1° Ten PM CLEBER TENÓRIO VASCO Oficial PPJM CPA/M-4 Pedro de Toledo

27 2º TEN PM BRUNO FELIX ARAUJO Cmdo Fça Ptr 29º BPM/M Pedro de Toledo

28 CB PM RIALINDO ALVES GUIMARÃES Eq Mot Cmt Btl Pedro de Toledo

29 CB PM MÁRCIO TELES DOS SANTOS Eq Mot Cmt Btl Pedro de Toledo

30 Mj PM WALTER CASTRO GARCIA Diretoria MMDC Leste 29°M Pedro de Toledo

31 Cb PM ROSALIN DIAS PRIMO Diretoria MMDC Leste 29°M Pedro de Toledo

32 Sd PM VANDERLEI CONCEIÇÃO DE LIMA Diretoria MMDC Leste 29°M Pedro de Toledo





terça-feira, 30 de agosto de 2011

DIA 29 DE AGOSTO DE 2011 PALESTRA NA LOJA MAÇÔNICA DELPHOS, EM BARUERI, SOBRE O MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 E ENTREGA DE MEDALHAS

DIA 29 DE AGOSTO DE 2011 : - SEGUNDA-FEIRA


OFÍCIO 01/2011

A SOCIEDADE VETERANOS DE 32

ILMO SR. CEL PM MARIO FONSECA VENTURA

DIGNÍSSIMO PRESIDENTE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC

Assunto: Indicação de Medalhas e Condecorações

Anexo: Relação Nominal



Com o objetivo de reconhecer e valorizar membros de nossa Ordem, Sociedade Civil, bem como de nossa Polícia Militar, através de nossa Loja e da Sociedade Veteranos de 32-MMDC – Núcleo LAPA, solicito a Vossa Senhoria, a concessão de Medalhas aos indicados pelos relevantes serviços prestados ao Povo Paulista, honrando, desta forma os ideais da Revolução de 32.

Para a materialização de entrega, realizaremos uma SESSÃO MAGNA PÚBLICA DE PALESTRA, em 29 de agosto de 2011, às 20 horas, na Rua Festival, 96, Vila Barros, Barueri, São Paulo / SP.

Desde já agradecemos a oportunidade e seria grande importância que tivéssemos um palestrante para falar sobre a Participação da Maçonaria na Revolução de 32, sendo certo que, para o assunto de ordem geral a respeito da Epopéia Cívica, o Professor JOSÉ CARLOS do Núcleo Lapa, confirmou conosco a presença;

Atenciosamente

AUGUSTA E RESPEITÁVEL LOJA SIMBOLICA DELPHOS

ANDREY RICARDO MENDES

SECRETÁRIO.

Conforme as orientações do Prof José Carlos, do Núcleo MMDC – Lapa, encaminho a V.Sª os currículos, e abaixo, informo qual medalha a ser outorgada.

Armando Reis Filho MMDC

Saulo Ortega Trevisan MMDC

Mario Holderegger MMDC

Waldemar dos Santos Filho MMDC

Andrey Ricardo Mendes MMDC

André Luiz Cottet MMDC

Octávio Vinicius da Câmara Leal Magalhães MMDC

Edson Luiz Vitorello MMDC

Gabriel Rodrigues Benites Alves MMDC

Patrícia Mota da Silva MMDC

Euclides Cachioli de Lima MMDC

Ricardo Candido Lima MMDC

Paulo Dimas Mique MMDC

André Luis Rodrigues Ribeiro MMDC

Francisco Diassis de Souza Teixeira MMDC

Jefferson Carvalho Sales MMDC

Marcelo da Silva MMDC

Fernando Russo dos Santos MMDC

Samir Felipe de Souza MMDC

Francislaine Francisco MMDC

Cláudio Geromim Valente Pedro de Toledo

Mario Alves da Silva Filho Pedro de Toledo



Para esse evento em BARUERI acertamos os últimos detalhes quanto a palestra nesta manhã. Serão três os palestrantes: CORONEL PM VENTURA (falará sobre o Sentido Nacional da EPOPÉIA DE 32); Professor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA (abordará a importância da criação dos núcleos da Sociedade Veteranos de 32-MMDC) e CORONEL PM ANTÔNIO CARLOS MENDES (focalizará ao envolvimento da maçonaria no episódio de 32).

Por volta das 17 horas iniciamos a viagem até BARUERI. Na loja maçônica DELPHOS vamos encontrar todos aqueles que irão ser condecorados, principalmente os dirigentes da loja, oficiais e praças da PM, numa parceria entre os membros da DELPHOS e do núcleo da LAPA. O Professor JOSÉ CARLOS é um dos primeiros a chegar.

A sessão tem início com a ritualística maçônica (sob a presidência do Venerável Mestre MÁRIO HOLDEREGGER), para depois dar entrada às “cunhadas” e as pessoas que não são maçons.

Os palestrantes fazem uso da palavra, conforme o combinado. Em seguida, são entregues as medalhas “MMDC” e “GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO”. CORONEL PM VENTURA, CORONEL PM MENDES e Professor JOSE CARLOS DE BARROS LIMA recebem uma placa da LOJA DELPHOS, jurisdicionada ao GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO – GOSP – federada ao GRANDE ORIENTE DO BRASIL – GOB.



quinta-feira, 25 de agosto de 2011

COMEMORAÇÃO DO DIA DO SOLDADO NO 44º BPMM EM GUARULHOS - ENTREGA DE MEDALHAS DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC

DIA 25 DE AGOSTO DE 2011 – 16 HORAS.


EVENTO ALUSIVO EM COMEMORAÇÃO A REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 – DIA DO SOLDADO.

LOCAL: ALAMEDA DAS AZALÉIAS, 283 PARQUE CECAP GUARULHOS.



Ontem, dia 24 de agosto, completaram-se 57 anos do suicídio de GETÚLIO VARGAS. Em 1932, quando foi deflagrada a contra-revolução constitucionalista, GETÚLIO VARGAS era o ditador.

Senhores e Senhoras. Faço menção a esse fato para demonstrar que o Poder é efêmero. A epopéia de 32 foi uma guerra cívica entre irmãos. Hoje, apenas fica a lição de que não devemos vilipendiar a Carta Magna do País. Passados 79 anos do Movimento Constitucionalista, vamos fazer uma viagem no tempo e ver que o ditador também teve o seu fim, e de maneira trágica:

Num trecho de sua carta-testamento lemos:

“....Nada mais vos posso dar, a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida. Escolho este meio de estar sempre convosco. E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço de seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.”



Hoje comemoramos o DIA DO SOLDADO. Os soldados de 32, os soldados de 2011, reverenciaram e reverenciam o Duque de Caxias.



Como líder de combate seu maior momento foi na conquista da ponte de Itororó. Ao perceber que o seu Exército poderia ali ser detido, desembainhou sua invencível espada de 5 campanhas, brandiu-a ao vento, e voltou-se decidido e convincente para seus liderados e apelou com energia com o brado -"Sigam-me os que forem brasileiros !"Ato continuo lançou-se sobre a ponte de Itororó com o seu cavalo de guerra, indiferente ao perigo e arrastando atrás de si todo o Exército detido, para, em seguida, colher expressiva vitória tática que removeu obstáculo que quase colocou em perigo toda a sua brilhante manobra estratégica através do Chaco.



Caxias nasceu em 25 ago. 1803 no local do atual Parque Histórico Duque de Caxias do município de Duque de Caxias - RJ , que recebeu o nome de seu título por ele ali haver nascido. Faleceu em 7 mai. 1880, aos 77 anos, na Fazenda de Santa Mônica ,em Juparanã - Valença -RJ, a vista do rio Paraíba do Sul e onde se recolhera e passara os dois últimos anos de sua vida, viúvo e aos cuidados de sua filha mais velha a baronesa de Santa Mônica. .

Falou junto a sua sepultura interpretando os sentimentos do Exército Brasileiro, o já consagrado escritor e historiador Major de Engenheiros Alfredo de Taunay que assim concluiu a sua antológica oração:

"Só a maior concisão, unida a maior singeleza e que poderá contar os seus feitos! Não há pompas de linguagem! Não há arroubos de eloqüência capazes de fazer maior esta individualidade, cujo principal atributo foi a simplicidade na grandeza."

Capistrano de Abreu, grande historiador do Brasil, assim interpretou os sentimentos do Exército Brasileiro ao saber que o Duque de Caxias havia dispensado as honras militares:

"O Duque de Caxias dispensou as honras militares! Acho que ele fez muito bem! Pois as armas que ele tantas vezes conduziu à vitória, talvez sentissem vergonha de não terem podido libertá-lo da morte!"

O Duque de Caxias sublimou as Virtudes Militares de Coragem, Abnegação, Honra Militar , Devotamento e Bravura..

O Exército manifestou-se oficialmente em Ordem do Dia alusiva ao seu falecimento concluindo suas considerações elogiosas com esta afirmação:

"Se houve quem prestasse serviços excepcionais ao Brasil foi o Duque de Caxias. Se houve quem menos os fizesse valer, foi o Duque de Caxias!"

Desde 1931 os cadetes do Exército portam como arma privativa o Espadim de Caxias, cópia fiel em escala do glorioso e invicto sabre de campanha de Caxias.

Deve-se lembrar com apreço e reconhecimento a figura universal do Soldado nesse dia especial. É o momento certo para se reverenciar o idealista que tem por diferencial o fato de assumir o compromisso de defesa da Pátria, da ordem e da sociedade em geral, se preciso for com o sacrifício da própria vida.

Os Soldados merecem tal consideração por tudo o que já foi realizado sob o alto preço de tantos sacrifícios, em prol do bem comum. Cada Soldado defende esse ideal, independentemente se integrando as Forças Armadas, as Polícias Militares ou os Corpos de Bombeiros Militares, exercendo função propriamente militar, ou se na condição de civil orientado por suas convicções pessoais em benefício da comunidade e agindo como Soldado do bem. Nessa abordagem, é sempre ele o legionário que sustenta, em última instância, o equilíbrio das relações da vida em sociedade.

Não é o Soldado - profissional - um militar por simples capricho de representação das Instituições, para perfilar-se em uniformes vistosos e garbosos, mas para condicionar-se ao cumprimento das ordens regulares, com base nos princípios da hierarquia e da disciplina. Por isso ele, o profissional, não pode fazer greve, não pode sindicalizar-se e está sujeito aos rigores da Justiça Militar e dos regulamentos disciplinares capazes de lhe impor inclusive a privação de liberdade em situações inimagináveis para um civil; já, em contrapartida, e bem por isso, o Estado deve prover-lhe em tratamento igualmente diferenciado.

Mas a condição de militar, que caracteriza o Soldado profissional - aí subentendidas todas as graduações e postos, do Recruta ao General - representa um meio e não um fim em si mesmo. Essa característica militar se revela eficiente e mesmo imprescindível para a consecução das missões constitucionais e, porque não dizer, para a própria garantia do Estado Democrático de Direito hoje consolidado.

A figura emblemática do Soldado que é capaz de empenhar a própria vida, na luta pelo que acredita, fazendo cumprir um juramento de sangue, induz à reflexão sobre o que de fato se crê. É possível, então, alcançar o âmago de questões profundas de ordem ética, na análise individual do que é permitido ou daquilo que é correto, levando em conta que não se vive isolado e cada ação, boa ou ruim, tem o potencial de interferir na vida dos outros. Resulta o convencimento, pelo seu exemplo, de que a posição individual nunca pode suplantar o interesse maior da coletividade. Diferentemente do simples mercenário, o Soldado exerce uma missão e não apenas um trabalho; faz valer sua vocação e acredita na causa que defende com todas as suas forças.

Por tudo isso, que cada vez mais seja possível identificar o idealismo do Soldado nos integrantes de nossa sociedade, como modelo de seriedade, de pureza, de esforço e de tenacidade.

Assim, que cada político ou ocupante de cargo público seja um Soldado da integridade moral e do interesse coletivo; que cada juiz, promotor ou advogado seja um Soldado da Justiça e não somente do Direito; que cada policial seja um Soldado da paz e da harmonia social; que cada religioso seja um Soldado de Deus, tendo por princípio a caridade; que cada profissional de imprensa seja um Soldado da verdade; que cada professor seja um Soldado da formação plena do indivíduo, não somente do seu intelecto; enfim, que cada cidadão seja um Soldado do bem. Estaremos todos irmanados nas fileiras da vida, acreditando e lutando por um mundo melhor.

Autor: Adilson Luis Franco Nassaro

Maj PM Resp p/ Comando do 32. BPM/I

Região de Assis - 18 3322-2750

www.32bpmi.blogspot.com

Estamos hoje reverenciando o DIA DO SOLDADO e os 79 anos do Movimento Constitucionalista de 1932. Concito o povo guarulhense e minha querida Polícia Militar que saudemos nossos heróis com uma SALVA DE PALMAS!

RELAÇÃO DE INDICADOS PARA RECEBEREM A


“MEDALHA CONSTITUCIONALISTA” 25/05/2011 GUARULHOS:

1 MAJOR PM JOÃO CLAUDIO DA SILVA 44º BPM/M/ EM

2 MAJOR PM ITALO CAUZZO 44º BPM/M/ EM

3 CAP PM DAVI TENÓRIO DE CARVALHO 44º BPM/M/ 2ª Cia

4 Cap WAGNER TADEU MATIOTA 15º BPM/M

5 CAP PM VANDERLEI RAMOS 31º BPM/M

6 CAP PM MARCO ANTÔNIO DE OLIVEIRA CAMPOS 31º BPM/M

7 CAP PM ALIPIO DE LIMA RIOS 31º BPM/M

8 2º TEN PM PEDRO CAMPOS DE CARVALHO LUIZ 44º BPM/M / FT

9 2º TEN PM VICENTE GONÇALLO Pai Ten Bernardini

10 TEN RODRIGO ALEX SANDER SANTIAGO UGE CPAM-7

11 1º SGT WERNER ITNER 44º BPM/M/ EM

12 1º SGT PM MANOEL ALVES SAMPAIO 44º BPM/M/ EM

13 1º SGT PM JOEL ARCELINO PIMENTEL 44º BPM/M/ 1ª Cia

14 3º SGT PM IVANILDO ALZIRO DA SILVA 44º BPM/M/ 2ª Cia

15 3º SGT PM ANDER RICARDO CABRAL DA SILVA 44º BPM/M/ EM

16 3º SGT PM MARIO LUIS DOS SANTOS 44º BPM/M/ P2

17 SD PM ANDERSON PREZZOTO DA SILVA 44º BPM/M/ 1ª Cia

18 SD PM PAULO ROBERTO FAGUNDES 44º BPM/M/ 1ª Cia

19 SD PM AILTON PEREIRA DE ALMEIDA 44º BPM/M / FT

20 SD PM TANIA CRISTINA MORA 44º BPM/M/ 1ª Cia

21 SD PM REGINA LÚCIA CORREA 44º BPM/M/ 1ª Cia

22 SD PM PATRICIA MAIOLINO MARCHINI 44º BPM/M/ EM

23 SD PM M CLAUDIA MARIA QUEIROZ ABREU 44º BPM/M/ EM

24 SD PM SAMUEL RODRIGUES DOS SANTOS 44º BPM/M/ 2ª Cia

25 Sr LUIZ ALVES DOS SANTOS AMBEV

26 Sr LAUDCEA MARTINS SAMPAIO D. Célia

27 Sr ANTONIO MARTINHO RISSO Vice Presidente da ASEC

28 Sr AARAÃO RUBENS DE OLIVEIRA Presidente da ASEC

29 Srª LOREDANA EMILIA PIOVEZAN GLASSER Empresa Glasser

30 CARLOS PEREIRA Presidente do Naja

31 Sr Osvaldo da silva Padaria Flor de Cumbica

32 MARCELO BRUMER HENRIQUES RODRIGUES Filho do Sgt Rodrigues





domingo, 21 de agosto de 2011

CONVIVÊNCIA PACÍFICA - JOSÉ GERALDO PIMENTEL REVELAÇÕES SOBRE IDELI SALVATTI

Convivência pacifica


No Ministério da Defesa tem de tudo. Desde ‘idiotas’, como asseverou o ex ministro da Defesa, Nelson Jobim, até agentes militares americanos (falando bem o português) infiltrados; e também o ex guerrilheiro José Genoino, mandando mais do que os comandantes militares.

Houve mudança de comando no Ministério da Defesa, mas o seu lugar de assessor especial é intocável. Na condição de agente secreto colocado no órgão não pode ser removido. Ele é olhos e ouvidos dos canalhas que governam o pais.

O assessor especial José Genoino é um dos ‘formuladores’ do plano de Estratégia Nacional de Defesa, como afiançou o monturo de merda que entregou seu cargo recentemente. Ele opina em tudo, inclusive aplaude quando o comandante militar do Exército exonera altos chefes militares, como o fez na saída do chefe do Departamento-Geral do Pessoal do Exército, general Maynard Marques de Santa Rosa. E como não poderia deixar de faltar, o órgão está locupletado (mobiliado na terminologia petista) com centenas de oficias superiores e generais, todos de pijama, ganhando os tubos, apenas para dizer ‘Amém’ e concordarem silenciosamente com a derrocada das Forças Armadas.

Em falar em desservir às FFAA, sugeria ao ministro Celso Amorim convocar o capitão recentemente defenestrado do Exército, Luis Fernando Ribeiro de Sousa, ex ‘movimento capitanismo’. Ele faria uma boa parceria ao lado do espia José Genoino.

Melhor que servir no Ministério da Defesa, só fazendo parte do lupanar do Lago Paranoá, em Brasília, aquele local paradisíaco onde confraternizam prostitutas da alta sociedade e os notáveis freqüentadores que fazem tráfico de influência, onerando os contratos de licitação das obras nos ministérios. Enriquecer sem fazer esforço, é o lema dos bandidos.

José Geraldo Pimentel

Rio de Janeiro, 21 de agosto de 2011.

http://www.jgpimentel.com.br/

IDELI SALVATTI -
"Eu tô apavorada com essa movimentação. Apavorada!"


Ideli, sobre a possibilidade de seu afilhado político ser afastado do DNIT

Durante a investigação de um crime de conotação sexual, a Polícia Civil de Santa Catarina usou o Sistema Guardião para, durante quatro meses, gravar as conversas telefônicas dos envolvidos. Essas gravações acabaram registrando conversas que nada tinham a ver com a investigação, mas contam com alto teor político. Os grampos revelam os diálogos que o principal investigado, o ex-deputado Nelson Goetten, então presidente do PR catarinense, manteve com diversas autoridades, entre elas a então ministra da Pesca, Ideli Salvatti. As gravações das conversas de Ideli com Goetten mostram a íntima relação entre os dois e aconteceram no dia 18 de abril. Duraram pouco mais de dez minutos. Foi a ministra quem ligou para o celular do ex-deputado, que estava sendo monitorado pela Polícia Civil, com autorização da Justiça. Ideli, hoje ministra das Relações Institucionais, não estava defendendo apenas um de seus indicados para cargos públicos. Ela defendia um administrador acuado por denúncias de irregularidades e com a cadeira disputada por outros petistas de Santa Catarina. O engenheiro João José dos Santos, desde 2003 superintendente do DNIT catarinense, até agora escapou incólume da faxina ética promovida pela presidente Dilma Rousseff na pasta dos Transportes. Mas pesa contra ele uma série de suspeitas (leia quadro). O TCU, por exemplo, já apontou indícios de superfaturamento em obras importantes, como a BR-101. E o Ministério Público Federal abriu investigações para apurar atrasos e inexplicáveis aditivos nos contratos das obras de ampliação de várias rodovias tocadas pelo departamento chefiado por Santos. Sua gestão é um retrato acabado da situação que provocou a razia oficial sob o comando do Ministério dos Transportes.

"Nós garantimos aquele dinheiro para iniciar a obra da duplicação...

Eles não tomaram as providências legais para iniciar.

E, não iniciando, a gente perde o dinheiro"

Ideli reclama da ineficiência de seu protegido



SUPERFATURAMENTO

Obra da BR-101, comandada por João José, é alvo de

investigação do TCU e do Ministério Público Federal

O parceiro da cruzada por João José dos Santos, o agora presidiário Nelson Goetten, foi um dos principais apoiadores da campanha de Ideli para o governo de Santa Catarina em 2010 (ela perdeu a eleição para Raimundo Colombo, do PSB, ficou sem mandato no Senado e acabou premiada com o Ministério da Pesca). Segundo um cacique do PR, Goetten se apresentava como arrecadador da campanha. Ele diz ainda que, depois que virou ministra, Ideli dividia com Goetten o controle dos projetos do DNIT em Santa Catarina. O ex-deputado sempre teve acesso ao gabinete da ministra, a quem tratava como amiga. Eles estavam juntos, como mostra a gravação da polícia, para enfrentar a articulação capitaneada pelo ex-deputado Claudio Vignatti, rival de Ideli no PT estadual e até então o número dois na Secretaria de Relações Institucionais, que pleiteava no Planalto o posto de João José dos Santos. Em grampos de conversas com outros interlocutores, Goetten tratava do assunto sem cerimônias. “Vão ter que passar por cima de mim e da Ideli, cara!”, diz o ex-deputado para seu secretário Sérgio Faust. Segundo ele, a indicação era fruto de um acerto entre PT e PR. “Eu avisei o Luis Sérgio (então ministro de Relações Institucionais): se romperem o acordo, nem o capeta vai me fazer sentar com o PT de novo”, afirmou Goetten.

"Não preciso fazer nada. É trabalhar nos ouvidos de quem precisa saber das coisas"

Ideli revela a estratégia que adota nas articulações



Goetten também mantinha contatos frequentes com Claudinei do Nascimento, ex-coordenador de campanha e homem de confiança de Ideli. Hoje secretário-executivo de Relações Institucionais, Claudinei do Nascimento era chefe de gabinete no Ministério da Pesca. Em 12 de maio, às 10h49, ele telefona a Goetten para avisá-lo de que fora promovido a secretário-executivo da pasta após demissão de Evandro Gonçalo, acusado de direcionar emendas parlamentares para Santa Catarina sem autorização de Ideli. “Melhor para nós. Você e ela têm uma relação muito forte”, comemora o ex-deputado. Na sequência, Nascimento diz que a ministra pediu para avisá-lo que Gilberto Carvalho estaria em Florianópolis no dia seguinte. “A hora que tu falar com o Nelson vê com ele para a gente arrumar uma conversa com o Gilberto”, pediu Ideli, segundo o secretário. Em outra ligação, Nascimento recomenda que Goetten não telefone para o celular usado por Ideli em Santa Catarina e fornece o número de Brasília.



As relações de Ideli e com o presidente do PR catarinense não eram segredo para ninguém. Em 12 de maio, às 17h41, Goet­ten ligou para o também ex-deputado José Carlos Vieira (PR), e num diálogo cifrado avisou que estaria em Brasília. “Está combinado um jantar com a Ideli, o Ederaldo e o Pagot, na casa do Ederaldo”, afirma. Goetten se referia a Hideraldo Caron, petista que ocupava a direção de infraestrutura rodoviária. É atribuído a Caron, que acabou caindo por pressão do PR, o controle da obra de duplicação da BR-101, entre Palhoça (SC) e Osório (RS). A rodovia com 348 quilômetros de extensão já recebeu em seis anos 268 termos aditivos que aumentaram o custo do empreendimento em R$ 317,7 milhões. Ao todo, o governo federal já gastou na ampliação da BR-101 quase R$ 2 bilhões, cifra que deve subir com a construção de novos túneis e pontes que não estavam previstos no projeto original. A BR-101 é alvo de várias auditorias no TCU. Em 2009, o tribunal incluiu a obra na lista de irregularidades graves e determinou ao DNIT a retenção do pagamento de R$ 3,1 milhões, proibindo reajustes em contratos que já estivessem em andamento.



João José dos Santos, o protegido de Ideli, é acusado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) de má gestão. Projetos recheados de falhas e uma fiscalização precária têm provocado atrasos nas obras e criado um emaranhado de trocas de empreiteiras, que abandonam as obras depois de embolsar parte do orçamento ou se alimentam de constantes aditivos. O lote 26, de 28,6 quilômetros de extensão entre os municípios de Tubarão e Sangão, foi aditivado 12 vezes, elevando o preço da obra em 24,99% (o limite legal é de 25%), de R$ 92,6 milhões para R$ 115,8 milhões. As obras nesse trecho se arrastam desde 2005 e ainda não foram concluídas pela construtora Triunfo, que também teve problemas com sobrepreço nas obras do lote 29, entre Araranguá e Sombrio. Neste caso, o DNIT acabou rescindindo o contrato, e teve que abrir nova concorrência. Apesar das irregularidades, a Triunfo virou sócia da concessionária de pedágio do trecho da BR-101 que passa no Rio Grande do Sul. O caso está sendo investigado pelo procurador federal Celso Três. “Além das vidas perdidas em decorrência dos atrasos na obra, a lentidão e os problemas verificados na duplicação da BR-101 trazem prejuízos incalculáveis para a economia catarinense e de todo o Sul do País”, alerta o presidente da Fiesc, Glauco José Corte.



EM CAMPANHA

Em outubro de 2010, Goetten fez campanha eleitoral ao lado da ministra Ideli

Outra obra suspeita, sob responsabilidade de João José dos Santos, é a duplicação da BR-280, incluída no pacote de projetos suspensos pela presidente Dilma Rousseff no início de julho. Com uma extensão de 73,9 quilômetros, a rodovia foi orçada inicialmente em R$ 941 milhões. O valor depois foi revisto para R$ 885 milhões. O procurador do Ministério Público Federal, em Joinville, Mário Sérgio Barbosa, instaurou inquérito civil para apurar suspeita de direcionamento na concorrência. Não é a primeira vez que a estrada apresenta problemas. Em auditoria realizada em 2009, em obras de recuperação da BR-280, os técnicos do TCU descobriram que as “distâncias médias de transporte” (DMT) utilizadas no projeto e orçamento do lote 1 da licitação eram superiores às reais, havendo sobrepreço de R$ 4,1 milhões. Antes que o Tribunal deliberasse pelo saneamento da irregularidade, o Dnit rompeu o contrato com a empreiteira e abriu nova licitação. Os técnicos também questionaram por que o cimento para a obra estava sendo adquirido em Curitiba e não em Florianópolis, que seria mais barato. Com a rescisão do contrato, o processo foi arquivado e João José não precisou dar mais explicações. No MPF de Santa Catarina há outros inquéritos em curso. Um deles apura a omissão na recuperação e na fiscalização das rodovias BR-163, BR-292 e BR-158. A Procuradoria catarinense também instaurou inquérito para investigar denúncia de superfaturamento na obra emergencial da ponte sobre o rio Hercílio Luz, no km 117 da BR-470, no valor de R$ 13 milhões. Além das rodovias, o MPF investiga um possível favorecimento de empreiteiras e transportadoras com o atraso do DNIT na instalação dos postos de pesagem, que impede a fiscalização e acarreta prejuízo para os cofres públicos. Pelo que se vê, a então ministra da Pesca, Ideli Salvatti, ao apadrinhar João José dos Santos, estava pescando em águas turvas.





sábado, 20 de agosto de 2011

FRASE DE AYAN RAND - TIRE SUAS CONCLUSÕES

Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa:


“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

MARIANO TAGLIANETTI - BILHERES AVULSOS - AGOSTO 2011

Bilhetes avulsos






EXPECTATIVA, às vésperas da “XXI Conferência Nacional dos Advogados”, evento a ser realizado entre 20 e 24 de novembro do andante...





Consigno este pronunciamento, de “XI de AGOSTO”, aos meus confrades, na esperança de que nossa Entidade assuma definitivamente a luta pela politização democrática...





A OAB - Paraná, louva-se no patronato de JOSÉ DE OLIVEIRA FAGUNDES designado em outubro de 1.791 para defender JOAQUIM DA SILVA XAVIER, Tiradentes - e demais Inconfidentes mineiros.



Nascido em Paranaguá, na década de 50 do século XVIII, diplomou-se em Portugal, pela Faculdade de Direito de Coimbra. Assumiu na plenitude a responsabilidade da causa, revelando a fibra dos verdadeiros advogados paranaenses, não se intimidando diante da hostilidade do Conde de Resende, êmulo de D. Maria I, a louca, de memória inglória.



Nos 79 anos de sua existência a OAB, tem sido intransigente em defesa dos princípios fundamentais democráticos (art estatutário 44-I), defendidos pelos presidentes: JOÃO PAMPHILO VELLOSO DE ASSUMPÇÃO seu fundador;- ARTHUR FERREIRA DOS SANTOS; - LAERTES DE MACEDO MUNHOZ; - ADOLPHO DE OLIVEIRA FRANCO; - JOSÉ RODRIGUES VIEIRA NETO;- ATHOS MORAES DE CASTRO VELOZZO; - RUI FERRAZ DE CARVALHO; - ÉLIO NAREZI; - EDUARDO ROCHA VIRMOND; - NEWTON JOSÉ DE SISTI; - ALCIDES MUNHOZ NETTO; - ANTONIO ALVES DO PRADO FILHO; - JOSÉ CID CAMPELO; -FRANCISCO ACCIOLY RODRIGUES DA COSTA NETO; - ALFREDO DE ASSIS GONÇALVES NETO; -ALBERTO DE PAULA MACHADO, entre outros eméritos...



A saga da OAB paranaense., consolidada por esses paladinos não pode entreter-se apenas, no combate da avalanche de escândalos políticos postergando luta pela cidadania, coluna mestra da politização.



Nesse sentido é atual o manifesto de 2.008 em prol do SISTEMA ELEITORAL DISTRITAL (protocolo 135108 - 12/01/2.009 - OAB/Pr ), sendo oportuno relembrar alguns itens: - “...VOTAR É O ATO CÍVICO MAIS IMPORTANTE. O ELEITOR DEVE COLHER O MÁXIMO DE INFORMAÇÕES SOBRE SEU CANDIDATO. É A PARTIR DO VOTO CONSCIENTE QUE TEREMOS CONDIÇÕES DE TRANSFORMAR A REALIDADE BRASILEIRA (Alberto de Paula Machado)”; - “...Todavia, é imperativo que a Ordem dos Advogados do Brasil, de hoje, forjada em passado de lutas com prevalecimento de princípios que tornaram sua finalidade social indispensável, descortine, com vigor, a continuidade dessa conscientização, não só a nível estadual mas sobretudo nacional, deflagrando campanha pela reforma eleitoral, pugnando pelo advento do VOTO DISTRITAL que culminaria no real fortalecimento das Instituições Republicanas, visto que os esforços que se praticam, em prol da almejada conscientização, estão inexoravelmente vinculados ao sistema eleitoral”; - “...A democracia brasileira não pode ficar mercê do sistema eleitoral vigente, por ser difuso estimulando a irresponsabilidade dos eleitos que colhem votos a esmo, aqui e acolá, tornando o cidadão um analfabeto, em seu direito fundamental - : A IDENTIFICAÇÃO MEDIATA DO ELEITO EM UM COLÉGIO DEFINIDO DE ELEITORES” - “...Nesta alvorada de século XXI o Brasil permanece de portas fechadas para democracia, em virtude de possuir um sistema eleitoral que obstrui a politização do eleitorado, esse é o óbice determinante do rodamoinho inconseqüente do analfabetismo eleitoral em que vive nosso mundo político que traz, em seu bojo a parafernália que assistimos” ; - “...A Ordem dos Advogados do Brasil não pode ficar inerte diante de tal cegueira sob pena de ser julgada pelas gerações futuras como infiel à vocação e tradição de suas lutas,...”.



Saliente-se que estamos às vésperas da “XXI Conferência Nacional dos Advogados” na qual espera-se que o presidente José Lucio Glomb concretize as ilações proferidas, ao saudar o “11 de Agosto” - “...ESTAMOS PRESENTES NA LUTA PELA MORALIZAÇÃO DO PAÍS, PELO APRIMORAMENTO DAS INSTITUIÇÕES”; - “...SÃO INÚMERAS AS RAZÕES QUE NOS FAZEM RESISTIR”; e - “...NÃO FOMOS FEITOS PARA DESISTIR, ANTES PERSEVERAR”; espelhando-se na “VII CONFERÊNCIA NACIONAL” realizada, nesta Capital, em Maio de 1.978, na qual o presidente Eduardo Rocha Virmond, assessorado por Newton José de Sisti, advogou ampla mobilização da sociedade pela anistia, culminando com espontâneo apoio popular, para restabelecimento das eleições diretas.



O presidente do Conselho Federal da OAB Ophir Cavalcante, ao longo de seus pronunciamentos, tem clamado por Reforma Eleitoral, dando crédito de confiança ao parlamento. Estigmatizado por interesses alheios à responsabilidade o Congresso, já deu mostras cabais de não corresponder... As conclusões da comissão senatorial, que vieram a lume desaguaram na bombástica declaração de Francisco Dornelles: - “é mais fácil um elefante passar pelo fundo de uma agulha do que implantarmos o Sistema Eleitoral Distrital...”. Em síntese, condenou a nacionalidade a conviver com a irresponsabilidade da maioria parlamentar eleita, chafurdando-a no abismo da corrupção...



Lesando o aperfeiçoamento democrático, a maioria dos congressistas não corresponde à ânsia da sociedade, uma vez que propositadamente não está tratando de prover uma Reforma Eleitoral, em substituição ao atual modelo, escudo da irresponsabilidade. Timbra em desconhecer as duas opções de que dispõe: - o projeto Arnaldo Madeira, já aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara - CCJ, aguardando pauta para discussão em plenário e posterior remessa ao Senado, - ou convocar PLEBISCITO, possibilitando amplo debate de confronto entre o sistema eleitoral vigente e a indiscutível politização que irá aflorar com o Sistema Eleitoral Distrital.



Exaurida a confiança manifesta pelo presidente Ophir Cavalcante (entrevista de 16 de abril do andante ao jornalista Sergio Montenegro Filho B-Blogger), resta concretizar seu pronunciamento: - “Precisamos de um novo modelo porque o atual está esgotado”, desencadeando pressão popular, a nível da histórica “DIRETAS JÁ”, a qual mobilizará os segmentos operosos latentes da sociedade, com sua liderança.



A Ordem dos Advogados do Brasil possui um plantel de aproximadamente meio milhão de integrantes, dos quais oito mil são esperados em Curitiba, por ocasião da “XXI Conferência Nacional”. É oportunidade ímpar para fomentar consciência por Reforma Eleitoral, tendo por tema: - “DISTRITAL JÁ”. Esvaziada a fase das meras entrevistas, a Entidade está capacitada a exteriorizar vontade institucional através de congressos, conferências e simpósios elucidativos, por todo território nacional, com vistas a um PLEBISCITO.



Nos ombros dos presidentes, Glomb e Ophir, está o dever patriótico de liderança desse movimento que fará ressurgir a democracia brasileira, e que culminará com a polarização da cidadania em alvíssaras, pela conquista da almejada politização.



Essa é a EXPECTATIVA histórica que traz em seu âmago a “XXI Conferência Nacional dos Advogados”, honrando seu passado de lutas...



Mariano Taglianetti – adv.constitucionalista.

e-mail : mtaglianetti@uol.com.br



Semanário Impacto Paraná – 19/08/2.011.



sábado, 13 de agosto de 2011

MENSAGEM DE UMA JUÍZA ÀS FORÇAS ARMADAS.

JUÍZA ÀS FORÇAS ARMADAS


“Os militares precisam descobrir a força que a instituição tem.

Há anos venho acompanhando as notícias sobre o desmantelamento das Forças Armadas e sobre a relu­tância dos governos de FHC e de Lula em reajustar dignamente os salários dos militares.

O cidadão ingênuo até pensaria que os sucessivos cortes no orçamento do Ministério da Defesa e a insis­tência em negar os reajustes salariais à categoria poderiam, mesmo, decorrer de uma contenção de gastos, dessas que as pessoas honestas costumam fazer para manter em equilíbrio o binômio receita/despesa, sem com­prometer a dignidade de sua existência.

Mas, depois de tanto acompanhar o noticiário nacional, certamente já ficou fácil perceber que não é esse o motivo que leva o governo a esmagar a única instituição do país que se pauta pela ampla, total e irrestrita serie­dade de seus integrantes e que, por isso mesmo, goza do respaldo popular, figurando sempre entre as duas ou três primeiras colocadas nas pesquisas sobre credibilidade.

A alegação de falta de dinheiro é de todo improcedente ante os milhões (ou bilhões?) de reais que se des­viaram dos cofres públicos para os ralos da corrupção política e financeira, agora plenamente demonstrada pelas CPIs em andamento no Congresso Nacional.

O reajuste salarial concedido à Polícia Militar do Distrito Federal, fazendo surgir discrepâncias inadmissí­veis entre a PM e as Forças Armadas para os mesmos postos, quando o dinheiro provém da mesma fonte paga­dora - a União - visa criar uma situação constrangedora para os que integram uma carreira que sempre teve entre suas funções justamente a de orientar todas as Polícias Militares do país, consideradas forças auxiliares e reser­va do Exército (art. 144, § 6º da Constituição Federal). Mas agora a charada ficou completamente desvendada. E se você, leitor, quer mesmo saber por que raios o governo vem massacrando as Forças Armadas e os militares, a ponto de o presidente da República sequer re­ceber seus Comandantes para juntos discutirem a questão, eu lhe digo sem rodeios: é por pura inveja e por medo da comparação que, certamente, o povo já começa a fazer entre os governos militares e os que os sucede­ram. Eis algumas das razões dessa inveja e desse medo:

1) Porque esses políticos (assim como os 'formadores de opinião'), que falam tão mal dos militares, sabem que estes passam a vida inteira estudando o Brasil - suas necessidades, os óbices a serem superados e as soluções para os seus problemas - e, com isso, acompanham perfeitamente o que se passa no país, podendo detectar a verdadeira origem de suas mazelas e também as suas reais potencialidades. Já os políticos profissionais - salvo exceções cada vez mais raras - passam a vida tentando descobrir uma nova fórmula de enganar o eleitor e, quando eleitos, não têm a menor idéia de por onde começar a trabalhar pelo país porque desconhecem por com­pleto suas características, malgrado costumem, desde a candidatura, deitar falação sobre elas como forma de impressionar o público. Sem falar nos mais desonestos, que, além de não saberem nada sobre a terra que pre­tendem governar ou para ela legislar, ainda não têm o menor desejo de aprender o assunto. Sua única preocu­pação é ficar rico o mais rápido possível e gastar vultosas somas de dinheiro (público, é claro) em demonstra­ções de luxo e ostentação.

2) Porque eles sabem que durante a 'ditadura' militar havia projetos para o país, todos eles de longo prazo e em proveito da sociedade como um todo, e não para que os governantes de então fossem aplaudidos em comícios (que, aliás, jamais fizeram) ou ganhassem vantagens indevidas no futuro.

3) Porque eles sabem que os militares, por força da profissão, passam, em média, dois anos em cada região do Brasil, tendo a oportunidade de conhecer profundamente os

aspectos peculiares a cada uma delas, dedicando-se a elaborar projetos para o seu desenvolvimento e para a solução dos problemas existentes. Projetos esses, diga-se de passagem, que os políticos, é lógico, não têm o mínimo interesse em conhecer e implementar.

4) Porque eles sabem que dados estatísticos são uma das ciências militares e, portanto, encarados com seriedade pelas Forças Armadas e não como meio de manipulação para, em manobra tipicamente orwelliana, justificar o injustificável em termos de economia, educação, saúde, segurança, emprego, índice de pobreza, etc.

5) Porque eles sabem que os militares tratam a coisa pública com parcimônia, evitando gastos inúteis e conservando ao máximo o material de trabalho que lhes é destinado, além de não admitirem a negligência ou a malícia no trabalho, mesmo entre seus pares. E esses políticos porto não suportariam ter os militares como espelho a refletir o seu próprio desperdício e a sua própria incompetência.

6) Porque eles sabem que os militares, ao se dirigirem ao povo, utilizam um tom direto e objetivo, falando com honestidade, sem emprego de palavras difíceis ou de conceitos abstratos para enganá-lo.

7) Porque eles sabem que os militares trabalham duro o tempo todo, embora seu trabalho seja excessivo, perigoso e muitas vezes insalubre, mesmo sabendo que não farão jus a nenhum pagamento adicional, que, de resto, jamais lhes passou pela cabeça pleitear.

Porque eles sabem que para os militares tanto faz morar no Rio de Janeiro ou em Picos, em São Paulo ou em Nioaque, em Fortaleza ou em Tabatinga porque seu amor ao Brasil está acima de seus anseios pessoais.

9) Porque eles sabem que os militares levam uma vida austera e cultivam valores completamente apartados dos prazeres contidos nas grandes grifes, nas mansões de luxo ou nas contas bancárias no exterior, pois têm consciência de que é mais importante viver dignamente com o próprio salário do que nababescamente com o dinheiro público.

10) Porque eles sabem que os militares têm companheiros de farda em todos os cantos do país, aos quais juraram lealdade eterna, razão por que não admitem que deslize algum lhes retire o respeito mútuo e os envergonhe.

11) Porque eles sabem que, por necessidade inerente à profissão, a atuação dos militares se baseia na confiança mútua, vez que são treinados para a guerra, onde ordens emanadas se cumpridas de forma equivocada podem significar a perda de suas vidas e as de seus companheiros, além da derrota na batalha.

12) Porque eles sabem que, sofrendo constantes transferências, os militares aprendem, desde sempre, que sua família é composta da sua própria e da de seus colegas de farda no local em que estiverem, e que é com esse convívio que também aprendem a amar o povo brasileiro e não apenas os parentes ou aqueles que possam lhes oferecer, em troca, algum tipo de vantagem.

13) Porque eles sabem que os militares jamais poderão entrar na carreira pela 'janela' ou se tornar capitães, coronéis ou generais por algum tipo de apadrinhamento, repudiando fortemente outro critério de ingresso e de ascensão profissional que não seja baseado no mérito e no elevado grau de responsabilidade, enquanto que os maus políticos praticam o nepotismo, o assistencialismo, além de votarem medidas meramente populistas para manterem o povo sob o seu domínio.

14) Porque eles sabem que os militares desenvolvem, ao longo da carreira, um enorme sentimento de verdadeira solidariedade, ajudando-se uns aos outros a suportar as agruras de locais desconhecidos - e muitas vezes inóspitos -, além das saudades dos familiares de sangue, dos amigos de infância e de sua cidade natal.

15) Porque eles sabem que os militares são os únicos a pautar-se pela grandeza do patriotismo e a cultuar, com sinceridade, os símbolos nacionais notadamente a nossa bandeira e o nosso hino, jamais imaginando acrescentar-lhes cores ideológico-partidárias ou adulterar-lhes a forma e o conteúdo.

16) Porque eles sabem que os militares têm orgulho dos heróis nacionais que, com a própria vida, mantiveram íntegra e respeitada a terra brasileira e que esses heróis

não foram fabricados a partir de interesses ideológicos, já que, não dependendo de votos de quem quer que seja, nunca precisaram os militares agarrar-se à imagem romântica de um guerrilheiro ou de um traidor revolucionário para fazer dele um símbolo popular e uma bandeira de campanha.

17) Porque eles sabem que para os militares, o dinheiro é um meio, e não um fim em si mesmo. E que se há anos sua situação financeira vem se degradando por culpa de governos inescrupulosos que fazem do verbo inútil - e não de atos meritórios - o seu instrumento de convencimento a uma população em grande parte ignorante, eles ainda assim não esmorecem e nem se rendem à corrupção.

1 Porque eles sabem que se alguma corrupção existiu nos Governos Militares, foi ela pontual e episódica, mas jamais uma estratégia política para a manutenção do poder ou o reflexo de um desvio de caráter a contaminá-lo por inteiro.

19) Porque eles sabem que os militares passam a vida estudando e praticando, no seu dia-a-dia, conhecimentos ligados não apenas às atividades bélicas, mas também ao planejamento, à administração, à economia o que os coloca em um nível de capacidade e competência muito superior ao dos políticos gananciosos e despreparados que há pelo menos 20 anos nos têm governado.

20) Porque eles sabem que os militares são disciplinados e respeitam a hierarquia, ainda que divirjam de seus chefes, pois entendem que eles são responsáveis e dignos de sua confiança e que não se movem por motivos torpes ou por razões mesquinhas.

21) Porque eles sabem que os militares não se deixaram abater pelo massacre constante de acusações contra as Forças Armadas, que fizeram com que uma parcela da sociedade (principalmente a parcela menos esclarecida) acreditasse que eles eram pessoas más, truculentas, que não prezam a democracia, e que, por dá cá aquela palha, estão sempre dispostos a perseguir e a torturar os cidadãos de bem, quando na verdade apenas cumpriram o seu dever, atendendo ao apelo popular para impedir a transformação do Brasil em uma ditadura comunista como Cuba ou a antiga União Soviética, perigo esse que já volta a rondar o país.

22) Porque eles sabem que os militares cassaram muitos dos que hoje estão envolvidos não apenas em maracutaias escabrosas como também em um golpe de Estado espertamente camuflado de 'democracia' (o que vem enfim revelar e legitimar, definitivamente, o motivo de suas cassações), não interessando ao governo que a sociedade perceba a verdadeira índole desses guerrilheiros-políticos aproveitadores, que não têm o menor respeito pelo povo brasileiro. Eles sabem que a comparação entre estes últimos e os governantes militares iria revelar ao povo a enorme diferença entre quem trabalha pelo país e quem trabalha para si próprio.

23) Porque eles sabem que os militares não se dobraram à mesquinha ação da distorção de fatos que há mais de vinte anos os maus brasileiros impuseram à sociedade, com a clara intenção de inculcar-lhe a idéia de que os guerrilheiros de ontem (hoje corruptos e ladrões do dinheiro público) lutavam pela 'democracia', quando agora já está mais do que evidente que o desejo por eles perseguido há anos sempre foi - e continua sendo - o de implantar no país um regime totalitário, uma ditadura mil vezes pior do que aquela que eles afirmam ter combatido.

24) Porque eles sabem que os militares em nada mudaram sua rotina profissional, apesar do sistemático desprezo com que a esquerda sempre enxergou a inegável competência dos governos da 'ditadura', graças aos quais o país se desenvolveu a taxas nunca mais praticadas, promovendo a melhoria da infra-estrutura, a segurança, o pleno emprego, fazendo, enfim, com que o país se destacasse como uma das mais potentes economias do mundo, mas que ultimamente vem decaindo a olhos vistos.

25) Porque eles sabem que os militares se mantêm honrados ao longo de toda a sua trajetória profissional, enquanto agora nos deparamos com a descoberta da verdadeira face de muitos dos que se queixavam de terem sido cassados e torturados, mas que aí estão, mostrando o seu caráter abjeto e seus pendores nada democráticos.

26) Porque eles sabem que os militares representam o que há de melhor em termos de conduta profissional, sendo de se destacar a discrição mantida mesmo frente aos atuais escândalos, o que comprova que, longe de terem tendências para golpes, só interferem - como em 1964 - quando o povo assim o exige.

27) Porque eles sabem que os militares, com seus conhecimentos e dedicação ao Brasil, assim como Forças Armadas bem equipadas e treinadas são um estorvo para quem deseja implantar um regime totalitarista entre nós, para tanto se valendo de laços ilegítimos com ditaduras comunistas como as de Cuba e de outros países, cujos povos vêem sua identidade nacional se perder de forma praticamente irrevogável, seu poder aquisitivo reduzir-se aos mais baixos patamares e sua liberdade ser impiedosamente comprometida.

2 Porque eles sabem que os militares conhecem perfeitamente as causas de nossos problemas e não as colocam no FMI, nos EUA ou em qualquer outro lugar fora daqui, mas na incompetência, no proselitismo e na desonestidade de nossos governantes e políticos profissionais.

29) Porque eles sabem que ninguém pode enganar todo mundo o tempo todo, o governo temia que esses escândalos, passíveis de aflorar a qualquer momento, pudessem provocar o chamamento popular da única instituição capaz de colocar o país nos eixos e fazer com que ele retomasse o caminho da competência, da segurança e do desenvolvimento.

30) Porque eles sabem, enfim, que todo o mal que se atribui aos militares e às Forças Armadas - por maiores que sejam seus defeitos e limitações – não tem respaldo na Verdade histórica que um dia há de aflorar”.

Juíza Dra. Marli Nogueira,

Juíza do Trabalho em Brasília.

Abraços a todos da família militar

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

11 DE AGOSTO DE 1827 - CRIAÇÃO DOS CURSOS JURÍDICOS NO BRASIL - 11 DE AGOSTO DE 2003: COMEMORAÇÃO DOS 100 ANOS DO CENTRO ACADÊMICO 11 DE AGOSTO

Os CURSOS JURÍDICOS no BRASIL foram criados em 11 de agosto de 1827. Logo após a Independência do BRASIL, já se realizavam debates na Assembléia Constituinte, em prol da criação dos cursos jurídicos. Em agosto de 1827 foram criados os dois primeiros cursos, um em SÃO PAULO, outro em PERNAMBUCO (OLINDA). Também havia o desejo de criar uma instituição que acolhesse e orientasse os advogados, o que aconteceu em 1843, com a criação do Instituto dos Advogados Brasileiros. Esse Instituto tinha como principal objetivo constituir uma Ordem dos Advogados do Império. Mesmo com o projeto de criação apresentado ao Senado, em 1851, depois detido na Câmara dos Deputados e discutido exaustivamente, a Ordem dos Advogados, durante o período do Brasil Império, nunca conseguiu se constituir.


Somente após a Revolução de 1930, instalado o Governo Provisório, em 18 de novembro de 1930, foi criada a Ordem dos Advogados do BRASIL numa época em que advogados e juristas já participavam ativamente da movimentação em torno da renovação e das mudanças na política do país (em uma época da chamada REPÚBLICA VELHA). O Instituto dos Advogados Brasileiros foi criado em 7 de agosto de 1843 por Aviso firmado pelo Ministro de Estado da Justiça, HONÓRIO HERMETO CARNEIRO LEÃO, que manda a Secretaria Imperial dos Negócios da Justiça aprovar os seus estatutos. Instalado na capital do Império no dia 7 de setembro de 1843, o seu Regimento Interno foi aprovado em 15 de maio de 1844, em reunião no COLÉGIO PEDRO II, na qual estiveram presentes os senhores ministros de Negócios da Justiça, de Estrangeiros e da Marinha, com a finalidade precípua de organizar a Ordem dos Advogados do BRASIL.





A instalação do Primeiro Tribunal de Alçada foi no dia 11 de agosto de 1951, no Palácio da Justiça, com a presença do então Governador, o engenheiro LUCAS NOGUEIRA GARCEZ. A primeira sede dessa Corte de Justiça, presidida pelo então juiz THRASYBULO DE ALBUQUERQUE, situava-se na Rua 7 de abril, num prédio onde antes funcionara a Biblioteca Municipal de SÃO PAULO, sendo constituído por quatro câmaras, duas cíveis e duas criminais, cada uma integrada por quatro juízes, exceto as câmaras criminais, com apenas três juízes, de maneira a totalizar quatorze juízes.





“Quando se sente bater no peito heróica pancada, deixa-se a folha dobrada, enquanto vai se morrer”. Os versos são de TOBIAS BARRETO e foram escritos no século XIX. Mas se tornaram lema das tantas lutas dos estudantes do CENTRO ACADÊMICO 11 DE AGOSTO, da FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO, no centro de SÃO PAULO. O ONZE, como é chamado carinhosamente por todos, comemorou no dia 11 de agosto de 2003 CEM ANOS de sua fundação. São muitas as histórias do Centro Acadêmico. Invasões, choques com a polícia, protestos, lutas contra a ditadura, mortes, além de episódios hilários. Tudo está detalhadamente contado no livro A HERÓICA PANCADA – CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO: 100 ANOS DE LUTA, que foi lançado no dia 11 de agosto de 2003, como parte das comemorações. A obra é uma parceria do centro acadêmico e do Instituto Brasileiro de Memória Jurídica e Social. Foram duas semanas de solenidades, apresentações artísticas e debates. Na solenidade de abertura estiveram presentes: o governador GERALDO ALCKMIN, a prefeita MARTA SUPLICY, o secretário de JUSTIÇA ALEXANDRE DE MORAES, renomados juristas, ex-alunos e professores. Na noite de 23 de agosto de 2003 noite, os ministros da Justiça e da Agricultura e Reforma Agrária: MÁRCIO THOMAZ BASTOS e MIGUEL ROSSETO participaram de um ato político. Os presidentes do PT e do PSDB, JOSÉ GENOINO e JOSÉ ANIBAL, travaram um debate no LARGO DE SÃO FRANCISCO, no dia 18 de agosto, sobre os seis primeiros meses do governo de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA.

Os alunos enterraram uma arca com diversos documentos próximo da TRIBUNA LIVRE, em frente ao prédio da Faculdade. A arca só será desenterrada e aberta pelos alunos do LARGO DE SÃO FRANCISCO em 2103. Uma campanha entre os estudantes pediu sugestões para compor a arca. Além de uma carta aos colegas de 2103, foram sugeridos para serem enterrados a Constituição de 1988, fotos dos alunos e da faculdade, uma cerveja e um papel higiênico do PORÃO – como é chamado a sede do centro – e um preservativo, entre outros.



53º ANIVERSÁRIO DO MUSEU MILITAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Criação do MUSEU DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO em 11 de agosto de 1958. Vinculado à Secretaria da Educação, o Museu da Polícia Militar do Estado de São Paulo tinha o objetivo de retratar a ação das históricas "Força Pública" e "Forças Armadas" do Estado. Em 1976, foi estrategicamente transferido à Secretaria da Segurança Pública, ficando sob a responsabilidade da Polícia Militar, e ganhou um novo contorno museológico, retratando a evolução e epopéia das polícias militares. Atualmente, está instalado no antigo prédio do Hospital Militar da Força Pública, um edifício projetado pelo ilustre arquiteto Ramos de Azevedo ainda em 1896. Esta edificação preserva muito de suas linhas originais, destacando a simetria, paredes largas, pé-direito com mais de 4,5m, amplas janelas, portas em pinho-de-riga, ladrilhos portugueses e detalhes em mármore de carrara. No acervo do museu predominam os objetos pertencentes às coporações policiais paulistas, como a "Força Pública do Estado", a "Guarda Civil de São Paulo", a "Polícia Marítima e Aérea", "Polícia Feminina", "Polícia Especial", "Guarda Noturna de São Paulo", entre outras corporações nacionais e internacionais. Uma inestimável coleção de uniformes de época, acessórios, distintivos, bonés, capacetes, gorros, platinas e dragonas dividem espaço com objetos da Revolução Constitucionalista de 1932, armaria, medalhística, equipamentos de comunicação e de operações de guerra, além de viaturas e fotografias, mapas e outros documentos históricos. No arquivo museuológico, há milhares de itens que são expostos em mostras temáticas, facilitando o acesso à informação histórica.



SENHOR COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.


COM A PERMISSÃO DE V. EXCELÊNCIA, CONSIDERO COMO EXTENSÃO DA MESA DE AUTORIDADES TODAS AS DEMAIS QUE ABRIGAM NOSSOS CONVIDADOS.

AUTORIDADES PRESENTES.

AS 6.00H. –

AO TOQUE DA ALVORADA A TROPA ESTÁ ACORDADA.

AS LUZES SÃO ACESAS E OS ALUNOS SE LEVANTAM. É MADRUGADA.

INICIA-SE A JORNADA.

OS NOVOS ALUNOS ENTRAM EM FORMA. O COMANDANTE PROCEDE A REVISTA E APRESENTA O PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES. TRANSMITE AS PRIMEIRAS ORDENS E SEGUE AS ORIENTAÇÕES PROGRAMADAS.

ASSIM COMEÇAVA A ATIVIDADE PROFISSIONAL NO SAUDOSO CFA.

CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO.

MEUS AMIGOS!

PERMITAM-ME FALAR-LHES COM O CORAÇÃO DE ARTISTA E ACOMPANHAR O PROTOCOLO COM A ALMA BENEVOLENTE DE CADA UM DOS SENHORES: CUJAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TRANSFORMAM ESTE AMBIENTE NO PALCO DA VIDA, QUE MARCARÁ MAIS UM DETALHE HISTÓRICO DO MUSEU DE POLICIA MILITAR.

ACOMPANHAR O PROTOCOLO PORQUE OS SENHORES SÃO TESTEMUNHAS VIVAS DE QUE A AUTORIDADE DECORRE DA COMPETÊNCIA ATRIBUÍDA PELO ORDENAMENTO JURÍDICO, E QUE O RESPEITO PELO COMPANHEIRO PERMANECE NA AMIZADE.

TUDO PODE MUDAR NUM MINUTO.

AQUI ESTAMOS REUNIDOS PARA COMEMORAR O 53º (QÜINQUAGÉSIMO TERCEIRO) ANIVERSÁRIO DO MUSEU DE POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

O MUSEU SE MANTEVE FIEL A SUA CRIAÇÃO GRAÇAS AO TRABALHO DE NOSSOS ANTECESSORES AOS QUAIS RENDEMOS AS NOSSAS HOMENAGENS.

CORONEL EDILBERTO DE OLIVEIRA MELO SÍMBOLO DE UMA ÉPOCA CUJA TRAJETÓRIA ACOMPANHEI POR MAIS DE QUARENTA E CINCO ANOS. MENOS DA METADE DE SEUS NOVENTA E UM ANOS. CORONEL GERALDO MENEZES GOMES MEU COMPANHEIRO CONSELHEIRO DO CLUBE DOS OFICIAIS DESDE 1970.

PERMITA-ME COMANDANTE DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR, EXPRESSAR MEUS AGRADECIMENTOS PELA CONVOCAÇÃO PARA FAZER PARTE DE SUA COMITIVA NESTA CAMINHADA DA VIRADA CULTURAL.

A DIREÇÃO DO MUSEU PAUTARÁ SEU TRABALHO NA INFORMATIZAÇÃO DOS ACERVOS, DANDO ÊNFASE AOS FATOS HISTÓRICOS, ÀS AÇÕES DOS HERÓIS ANÔNIMO, CUJA HISTÓRIA NÃO FOI REGISTRADA E AS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS, PARA FINS DE PRESERVAÇÃO, ESTUDO, PESQUISA E DIVULGAÇÃO, DA CULTURA POLICIAL MILITAR.

O MUSEU ESTARÁ ALINHADO COM O PENSAMENTO DO COMANDO E SEGUIRÁ, PAR E PASSO, AS ORIENTAÇÕES COM A FINALIDADE DE PRODUÇÃO, INTERPRETAÇÃO E EXPOSIÇÃO DO CONHECIMENTO TÉCNICO, CIENTÍFICO, EDUCACIONAL E ARTÍSTICO; COM O OBJETIVO DE PRESERVAR O PATRIMÔNIO CULTURAL, VALORIZAR A DIGNIDADE HUMANA DO POLICIAL MILITAR E PROMOVER A CIDADANIA.

A PRIMEIRA EXPOSIÇÃO DO ANO DE 2011 É “IN MEMÓRIA” DO CAPITÃO ALBERTO MENDES JUNIOR PELA EFETIVA AÇÃO DE SERVIR A COMUNIDADE COM O SACRIFÍCIO DA PRÓPRIA VIDA.

COMANDANTES.

A REVOLUÇÃO CULTURAL É SILENCIOSA, EXIGE MUDANÇA, PARTICIPAÇÃO EFETIVA E COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE.

O MUSEU ESTÁ EM RESTAURAÇÃO PARA SE AJUSTAR ÀS EXIGÊNCIAS DA NOVA LEGISLAÇÃO E AO INTERESSE DA POPULAÇÃO.

ESSA EXPOSIÇÃO É RESULTANTE DA PARCERIA DO MUSEU COM AS UNIDADES POSSUIDORAS DE ACERVOS PARTICULARES DE SEUS COMANDANTES E DE SEUS ANTECESSORES.

RESULTA DA PARCERIA COM OS ARTISTAS DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR.

DO ENTENDIMENTO DE QUE A CULTURA POLICIAL MILITAR FAZ PARTE DO ESTADO E QUE É NECESSÁRIA A DIVULGAÇÃO DOS FEITOS DOS HERÓIS QUE NOS ANTECEDERAM.

NASCEU A PARCERIA COM AS FILIAIS, SECCIONAIS E NÚCLEO DE VOLUNTÁRIOS QUE INTEGRARÃO A ESTRUTURA DO MUSEU.

AS PRÓXIMAS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS TERÃO ESPAÇOS E ACERVO PARA RESSALTAR A HISTÓRIA DOS FEITOS QUE TRANSCENDEM AS FRONTEIRAS DA NAÇÃO BRASILEIRA.

REVERENCIAR O PASSADO É RESPEITAR A FAMÍLIA QUE NOS DEU VIDA. É REVIVER AS EXPERIÊNCIAS QUE NOS TORNARAM O QUE SOMOS. É AGRADECER A DEUS PELA ENERGIA QUE NOS FEZ VENCER OS OBSTÁCULOS E CHEGAR AO FINAL DA JORNADA.

CADA ETAPA FOI UMA VITÓRIA. E ESTA É UMA RAZÃO ESPECIAL PARA HOMENAGEARMOS ÀQUELES A QUEM DEVEMOS GRATIDÃO.

ESSE DIRETOR DESEJA QUE AS PALAVRAS EVOQUEM DA MEMÓRIA DE CADA UM A HISTÓRIA DA PRÓPRIA VIDA;

QUE AS LEMBRANÇAS SEJAM COMPARTILHADAS COM OS NOVOS COMANDANTES, PARA QUE O HISTÓRICO DE UMA GERAÇÃO PARTICIPATIVA, QUE VIVENCIOU PROFUNDAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS E CONCEITUAIS NORTEADORAS DA FORMAÇÃO E DA CONDUTA DOS NOVOS INTEGRANTES DA POLÍCIA MILITAR, POSSA SER REFERÊNCIA INTERNACIONAL.

QUE O ACERVO DO MUSEU VIRTUAL SEJA AGIGANTADO ATRAVÉS DO LINK IMPLANTADO NA MEMÓRIA DOS QUE ME AUXILIAREM NA TAREFA DE DIVULGAR O ARDOR DO INFANTE, A PREPARAÇÃO DOS MEIOS DE PESQUISA E ENSINO PARA COMPREENSÃO DO NOVO CONCEITO DE MUSEOLOGIA.

FORÇA PÚBLICA – GUARDA CIVIL – MARÍTIMA - POLÍCIA FEMININA - POLÍCIA MILITAR. CADA ÉPOCA UMA ORGANIZAÇÃO.

CADA CORPORAÇÃO UMA HISTÓRIA. HISTÓRIA CONSTRUÍDA POR PESSOAS.

PESSOAS QUE FAZEM E NÃO ESPERAM ACONTECER. PESSOAS QUE ESTÃO PRESENTES - QUE SEUS FEITOS FALAM POR SI SÓ E QUE SERÃO REGISTRADOS PELOS HISTORIADORES DO MUSEU.

1970- LEMBRO-ME DO SAUDOSO AMIGO PAULO DE TARSO AUGUSTO E ODILON GONZAGA COM OS QUAIS FORMAMOS A PRIMEIRA EQUIPE DA POLÍCIA MILITAR PARA TRABALHAR, EM HORÁRIO DE FOLGA E GRACIOSAMENTE, COM O PELOTÃO DE RECUPERAÇÃO DE ALCOÓLATRAS E DROGADOS, NO QUARTEL DA INVERNADA, PRÓXIMO DA LINHA DO TREM DA CANTAREIRA.

1972 – EFA - A ESCOLA DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO - PRÉDIO DO ANTIGO BG/ BATALHAO DE GUARDAS/ AQUI EM FRENTE / DO OUTRO LADO DA RUA ONDE TEMOS O SEGUNDO BATALHÃO DE CHOQUE.

AO ASSUMIR A PRIMEIRA COMPANHIA COM 150 ALUNAS SARGENTOS DA POLÍCIA FEMININA E 90 SARGENTOS MASCULINOS DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DEPAREI-ME COM A EXPERIÊNCIA ÚNICA DE COMANDAR HOMENS E MULHERES, UMA EXPERIÊNCIA MUITO ESPECIAL, PORQUE NÃO HAVIA PRECEDENTE E TAMPOUCO NORMAS DE COMANDO PARA TROPA MISTA. PELA PRIMEIRA VEZ DEPARAMOS COM PROBLEMA ESPECIFICAMENTE FEMININO, QUE INTERFERIAM NA EXECUÇÃO DAS MANOBRAS E NO CONVÍVIO EM SALAS DE AULA.

RECORREMOS AO COMANDO DA POLÍCIA FEMININA E EM ESPECIAL A CORONEL DOUTORA HILDA MACEDO, COM QUEM APRENDI A SUTILEZA DE DAR ORDENS PARA MULHERES E AINDA SER OBEDECIDO.

COM AS POLICIAIS FEMININAS APRENDI A DESENVOLVER A SENSIBILIDADE E A TERNURA NO TRATO AO SEMELHANTE, COM FIRMEZA E CAPACIDADE OPERACIONAL; O QUE FACILITOU O CUMPRIMENTO DA MISSÃO DE FORMAR NOVAS TURMAS DE SARGENTOS DO QUADRO FEMININO.

COLABORADORES E AMIGOS PRESENTES.

NÃO HÁ CARÊNCIA SOCIAL QUE NÃO SEJA ATENDIDA PELA AÇÃO DE UM POLICIAL MILITAR. A PARTICIPAÇÃO DA PM DECORRE DE SUA PRESENÇA NOS DIVERSOS RINCÕES DO TERRITÓRIO PAULISTA. TODO FATO CONSTITUI UM DETALHE DA HISTÓRIA QUE MERECE SER REGISTRADA.

O MUSEU DE POLÍCIA MILITAR SERÁ UM ESPAÇO CULTURAL DE RESPEITO À MEMÓRIA DE NOSSOS HERÓIS E DE HOMENAGEM AOS SEUS FEITOS.

FEITOS QUE SERÃO ETERNAMENTE LEMBRADOS E CULTUADOS EM RAZÃO DO MÉRITO E DO EXEMPLO A SER SEGUIDO.

ESTE É UM MOMENTO HISTÓRICO DE RELEVÂNCIA PARA A HISTÓRIA DO MUSEU, QUE ATENDENDO A NECESSIDADE DE MUDANÇAS CONCEITUAIS TRANSFORMAR-SE-Á NO NÚCLEO BÁSICO PARA ACOMPANHAR A VIRADA CULTURAL E RECEPCIONAR COMO FILIAIS OS MÚLTIPLOS MUSEUS EXISTENTES NOS BATALHÕES.

SENHOR COMANDANTE/ O DESTINO REUNIU SEUS COLABORADORES E AMIGOS/ PARA QUE TESTEMUNHASSEM A NOVA ETAPA DE DESENVOLVIMENTO DO MUSEU/ QUE ORA SE PROPÕE A DIVULGAR TODOS OS ASPECTOS DA CRIATIVIDADE CIENTÍFICA/ DA FORMAÇÃO ACADÊMICA, DA SENSIBILIDADE DO POLICIAL MILITAR, DA SUTILEZA DE SEUS ATOS DE HEROÍSMO/ SEMPRE PRESENTE NAS AÇÕES DE MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA E NA EXPRESSÃO DE SEUS DOTES ARTÍSTICOS.



AS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS SERÃO INTENSIFICADAS PARA QUE OS FATOS OCORRIDOS E REGISTRADOS COMO ACERVO POSSAM SAIR DA PRATELEIRA E RESGATAR O VALOR DO SER SENSÍVEL, DISCIPLINADO, GUARDIÃO DOS PRINCÍPIOS E VALORES MORAIS DO POVO BRASILEIRO.

DIVULGAREMOS AQUELES QUE PELA COMPETÊNCIA E ESPÍRITO DE HUMANIDADE ESTIVERAM PRESENTES NAS PEQUENAS OU NAS GRANDES OPERAÇÕES.

OPERAÇÕES DE RESGATE, DE SALVAMENTO, DE COMBATE A CRIMINALIDADE OU DE AÇÃO SOCIAL.

A HISTÓRIA DE NOSSOS ANTEPASSADOS E DE NOSSO PRESENTE É FABULOSA/ COMO SERÁ A DE NOSSOS SEGUIDORES.

NA SUA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR SENHOR COMANDANTE OLHAMOS PARA PESSOAS QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE PENSAR E AGIR, ENTRE OLHAR E FAZER E ENTRE FAZER BEM FEITO E FAZER COM CORAÇÃO, ENTRE FAZER COM DISCIPLINA E PLANEJAMENTO E DEDICAR-SE COM INTERESSE E ENTUSIASMO À CAUSA SOCIAL. QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE FAZER O ESTRITAMENTE NECESSÁRIO E FAZER COM E POR AMOR.

SABEMOS QUE NÃO EXISTEM CARGOS SEM IMPORTÂNCIA, ENTRETANTO A PUJANÇA E O BRILHO DA ATIVIDADE DA GRADUAÇÃO SÃO DO TAMANHO DO ESPLENDOR DO SEU DETENTOR.

GRANDE É O HOMEM QUE SABE FAZER OPÇÕES E CRIAR NA EQUIPE DE TRABALHO ESCOLHIDA O ESPÍRITO DE CORPO.

COMANDANTE CAMILO! SUAS ESCOLHAS FORAM FEITAS PELO BRILHANTISMO DE SUA INTELIGÊNCIA E PELA INDICAÇÃO DO COMANDANTE DO UNIVERSO. AQUELE QUE TEM O PODER DE VIDA E DE MORTE SOBRE TODOS NÓS.

CADA SER QUE AQUI SE ENCONTRA TEM UMA MISSÃO ESPECIAL A CUMPRIR. E ATÉ O MOMENTO EM QUE FORMOS RECRUTADOS, PARA SERVIR EM OUTRO REGIMENTO, DO QUAL NÃO PODEMOS RECUSAR; SUA EQUIPE CUMPRIRÁ A MISSÃO ESPECIAL QUE DEUS NOS RESERVOU COMO INTEGRANTES DE UM CÍRCULO ENERGÉTICO, CAPAZ DE CRIAR A HISTÓRIA QUE TRANSFORMARÁ O MUNDO CORPORATIVO.

AO RETORNAR APÓS 17 ANOS DE INATIVIDADE, RECONHEÇO NO ROSTO DE CADA COMANDANTE AQUI PRESENTE A FIGURA DO MENINO ADOLESCENTE, QUE ME OUVIA FALAR SOBRE A DEDICAÇÃO COMO DETALHE DIFERENCIAL NO CAMINHO DO SUCESSO.

AO OBSERVAR OS BRILHANTES CORONÉIS QUE FAZEM PARTE DA CÚPULA DA POLÍCIA MILITAR MEU PENSAMENTO É TOCADO PELA LUZ QUE BRILHA EM SEUS CORAÇÕES. MINHA MEMÓRIA, AO MESMO TEMPO QUE REGISTRA A ALEGRIA CONTAGIANTE DO AMBIENTE, EVOCA A LEMBRANÇA DOS IDOS DE 1980, QUANDO ESTE PROFESSOR DE PSICOLOGIA TECIA A REDE DE DETALHES QUE FAZIA A DIFERENÇA ENTRE OS BONS E OS ÓTIMOS.

NAQUELA ÉPOCA O PROFESSOR TRANSMITIA ESPERANÇA NO FUTURO PARA AQUELES QUE SE DEDICASSEM COM ENTUSIASMO: TRANSMITIA FÉ E DIZIA: - ALGUNS DE CADA TURMA CHEGARIA AO POSTO MÁXIMO: AO POSTO DE CORONEL FULL.

O QUE O CAPITÃO RICO NÃO SABIA É QUE O RESPONSÁVEL PARA ESCALAR A SELEÇÃO DO ALTO COMANDO JÁ ESTAVA DEFINIDO E QUE ELE ESTARIA PRESENTE PARA REGISTRAR A HISTORIA DA EQUIPE.

MAIS DE TRINTA ANOS SE PASSARAM E 61 SÃO OS CORONÉIS QUE CHEGARAM AO TOPO DA PIRÂMIDE CONSTITUÍDA POR 100.000 POLICIAIS MILITARES.

QUIS O COMANDANTE SUPREMO QUE AQUELE ORIENTADOR DA APMBB, FOSSE ORIENTADO POR UMA INTELIGÊNCIA SUPERIOR IMPLANTADA NO CEREBRO DO ADOLESCENTE ALUNO OFICIAL ALVARO BATISTA CAMILO. O ILUMINADO COMANDANTE GERAL DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

CORONEL YARA E SEU MARIDO FUCKS. COM QUEM TIVE O PRIVILÉGIO DE APRENDER SOBRE O COMPORTAMENTO FEMININO QUANDO INVESTIDO NO PODER DE COMANDAR.

CORONEL FUCKS O FIEL ESCUDEIRO DE YARA COM A MISSÃO DE CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA POLÍCIA FEMINA ORA COMO SUBORDINADO DE SUA ESPOSA, ORA COMO COMPANHEIRO NA MESMA GRADUAÇÃO.

CORONEL DANILO ANTÃO FERNANDES - SUBCOMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR QUE CARINHOSAMENTE É REFERENCIADO COMO FIEL ESCUDEIRO POR SUA EXCELÊNCIA O SENHOR COMANDANTE GERAL.

MEU AMIGO DANILO! ALUNO INTELIGENTE SENSÍVEL E HUMILDE NASCIDO EM UMA FAMÍLIA DE MÚSICOS QUE APRENDI A ADMIRAR A PARTIR DO CONVÍVIO COM SEU TIO MAJOR ANTÃO HOJE TENENTE CORONEL DA RESERVA. NETO DO CRIADOR DO CORPO MUSICAL O FAMOSO MAJOR ANTÃO.

CORONEL DANILO ANTÃO! CITEI ALGUNS PREDICADOS QUE A MÍDIA DESCONHECE, POIS NOTICIOU O IMPACTO DE UM TIRO QUE V. Sª RECEBEU NO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL, QUANDO NO COMANDO DE POLICIAIS MILITARES COM O ESCOPO DE MANTER A ORDEM PÚBLICA E RESTAURAR A PAZ SOCIAL. EU O CONHEÇO COMO O PROFESSOR CONHECE SEUS ALUNOS E POR ISSO POSSO AFIRMAR QUE FOI FEITA A MELHOR ESCOLHA PARA A CHEFIA DO ESTADO MAIOR DO CORONEL CAMILO.



EM 1981 RECEBERAM A ESPADA 198 ASPIRANTES.

ENTRE OS PRIMEIROS COLOCADOS DA TURMA ESTAVAM O COMANDANTE GERAL E SEU SUBCOMANDANTE.

O JOVEM ALUNO OFICIAL CAMILO TRANSFORMOU-SE EM HOMEM COMPETENTE PARA CONDUZIR UMA ORGANIZAÇÃO COMPOSTA DE 100.000 HOMENS E MULHERES.

O PROFESSOR DE PSICOLOGIA DA APMBB, HOJE, RECEBE COMO MISSÃO A ATIVIDADE DE RESGATAR A MEMÓRIA DOS HERÓIS DE TODOS OS TEMPOS.

A APMBB NOS ENSINOU A RESPEITAR A DIFERENÇA DE CENTÉSIMOS NA NOTA FINAL DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS/ PORQUE INTELIGÊNCIA E DESEMPENHO DETERMINAM A ANTIGUIDADE E ANTIGUIDADE É POSTO.

MEU CARO CORONEL ANTÃO ENCONTRA-SE PRESENTE ALGUEM QUE EM TÃO POUCO TEMPO APRENDEU A ADMIRAR SUA SENSIBILIDADE ARTÍSTICA COMO MÚSICO E SUA MAGNITUDE COMO SUBCOMANDANTE: O DOUTOR JOSÉ CARLOS COLOMO DO INSTITUTO CARLOS GOMES.

UM AGRADECIMENTO ESPECIAL AO DOUTOR EDUARDO AOS PROPRIETÁRIOS E DIRETORES DE MUSEUS AQUI PRESENTES E QUE EM AÇÃO CONJUNTA NOS AUXILIAM NA OBTENÇÃO DE RELÍQUIAS QUE SERÃO PEÇAS DAS COLEÇÕES DO MUSEU DE POLÍCIA MILITAR E NO APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO DA ATIVIDADE MUSEOLÓGICA.

AO DR. JOSÉ HÉLIO M PIRÁGINE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO E SUA ESPOSA BEATRIZ TALIBERTE AGUIAR TETRA NETA DE DOMITILIA DE CASTRO E MELLO MARQUESA DE SANTOS E DO BRIGADEIRO RAFAEL TOBIAS DE AGUIAR,

EM 1965 O CFA - CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO FORMOU 147 ASPIRANTES.

PEDRO ANTONIO CARLINI FOI O PRIMEIRO COLOCADO DA TURMA RECEBEU A ESPADA DA MÃO DO GOVERNADOR ADEMAR DE BARROS FOI UM DOS 31 PROMOVIDOS AO POSTO MÁXIMO DA CORPORAÇÃO.

TIVE A SATISFAÇÃO DE CONTINUAR COMO SEU COMPANHEIRO ATÉ PERTENCERMOS AO ALTO COMANDO.

SENHOR COMANDANTE GERAL E AMIGOS PRESENTES. ESTE É UM VERSÍCULO HISTÓRICO DOS MUITOS CAPÍTULOS QUE CONSTAM DO LIVRO DE NOSSAS VIDAS.

É A FAMÍLIA POLICIAL MILITAR QUE O SENHOR COMANDA QUE FAZ ACONTECER.

A INTERNET SERÁ UMA FERRAMENTA IMPORTANTE PARA QUE O MUSEU DE POLÍCIA MILITAR REGISTRE E DIVULGUE A FANTÁSTICA HISTÓRIA DAQUELES QUE VIVENCIAM O PRESENTE, RESPEITANDO O PASSADO PARA PRODUZIR O FUTURO.

NO PALCO DA VIDA TODOS SOMOS ARTISTAS E O MUSEU ESTA SE INFORMATIZANDO PARA REGISTRAR OS DETALHES QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE O ÓTIMO E O EXCELENTE.

ESTÁ SE PREPARANDO PARA SER UM ESPETÁCULO, DIGNO DE SER COMENTADO.

APROVEITO ESTA OPORTUNIDADE PARA HOMENAGEAR TODAS AS MULHERES QUE CONSEGUIRAM ATINGIR O SUCESSO POR MÉRITOS PRÓPRIOS, NA PESSOA DE MINHA ESPOSA, COMAPNHEIRA DE TODAS AS HORAS DOUTORA LYCANTHIA CAROLINA RAMAGE, JUIZA FEDERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO.

A NOVA MISSÃO:

QUIS O DESTINO QUE O VETERANO PROFESSOR FOSSE CONVOCADO, NÃO MAIS PARA COMANDAR OU ENSINAR, MAS PARA REGISTRAR OS FEITOS DOS NOVOS COMANDANTES E PARA QUE A MEMÓRIA INSTITUCIONAL SE PROTRAIA NO TEMPO.

O DIRETOR DO MUSEU TEM A MISSÃO DE REESTRUTURAR A VISÃO HISTÓRICA DE NOSSOS FEITOS DIVULGANDO A CULTURA PM ORIGINADA NOS CENTO E TRINTA DE TRINTA E UM.



ESSA É A HISTORIA QUE O MUSEU PRETENDE RESGATAR E REGISTRAR PARA GERAÇÕES FUTURAS. O CHIP QUE TEMOS NA NOSSA MEMÓRIA SERÁ IMPLANTADO NOS COMPUTADORES QUE PERPETUARÃO A CULTURA DA POLÍCIA MILITAR.

MISSÃO CUMPRIDA: - NOSSO LUGAR ESTÁ RESERVADO, O NOSSO POSTO SERÁ ATRIBUÍDO, NÃO PELA COMPETÊNCIA QUE A LEI NOS CONFERE, MAS PELOS MÉRITOS QUE SERÃO JULGADOS POR OCASIÃO DO ENCERRAMENTO DE NOSSA JORNADA. SE ASSIM NÃO FOSSE A MÃO QUE O AMPARA NÃO O TERIA CONSTITUÍDO O SEU GALARDÃO.

QUE DEUS NÓS ABENÇÕE E MUITO OBRIGADO A TODOS QUE ME HORARAM COM SUAS PRESENÇAS.





São Paulo, 11 de agosto de 2011



JOSÉ AUGUSTO FONTES RICO

Diretor técnico do Museu PM






terça-feira, 9 de agosto de 2011

MENSAGEM MEDIÚNICA DE BEZERRA DE MENEZES

MENSAGEM MEDIÚNICA DE BEZERRA DE MENEZES


Por Divaldo Franco

(13.11.2010 – Los Angeles)

Meus filhos:

Que Jesus nos abençoe

A sociedade terrena vive, na atualidade, um grave momento mediúnico no qual, de forma inconsciente, dá-se o intercâmbio entre as duas esferas da vida. Entidades assinaladas pelo ódio, pelo ressentimento, e tomadas de amargura cobram daqueles algozes de ontem o pesado ônus da aflição que lhes tenham proporcionado. Espíritos nobres, voltados ao ideal de elevação humana sincronizam com as potências espirituais na edificação de um mundo melhor. As obsessões campeiam de forma pandêmica, confundindo-se com os transtornos psicopatológicos que trazem os processos afligentes e degenerativos.

Sucede que a Terra vivencia, neste período, a grande transição de mundo de provas e de expiações para mundo de regeneração.

Nunca houve tanta conquista da ciência e da tecnologia, e tanta hediondez do sentimento e das emoções. As glórias das conquistas do intelecto esmaecem diante do abismo da crueldade, da dissolução dos costumes, da perda da ética, e da decadência das conquistas da civilização e da cultura...

Não seja, pois, de estranhar que a dor, sob vários aspectos, espraia-se no planeta terrestre não apenas como látego mas, sobretudo, como convite à reflexão, como análise à transitoriedade do corpo, com o propósito de convocar as mentes e os corações para o ser espiritual que todos somos.

Fala-se sobre a tragédia do cotidiano com razão.

As ameaças de natureza sísmica, a cada momento tornam-se realidade tanto de um lado como de outro do planeta. O crime campeia a solta e a floração da juventude entrega-se, com exceções compreensíveis, ao abastardamento do caráter, às licenças morais e à agressividade.

Sucede, meus filhos, que as regiões de sofrimento profundo estão liberando seus hóspedes que ali ficaram, em cárcere privado, por muitos séculos e agora, na grande transição, recebem a oportunidade de voltarem-se para o bem ou de optar pela loucura a que se têm entregado. E esses, que teimosamente permanecem no mal, a benefício próprio e do planeta, irão ao exílio em orbes inferiores onde lapidarão a alma auxiliando os seus irmãos de natureza primitiva, como nos aconteceu no passado.

Por outro lado, os nobres promotores do progresso de todos os tempos passados também se reencarnam nesta hora para acelerar as conquistas, não só da inteligência e da tecnologia de ponta, mas também dos valores morais e espirituais. Ao lado deles, benfeitores de outra dimensão emboscam-se na matéria para se tornarem os grandes líderes e sensibilizarem esses verdugos da sociedade.

Aos médiuns cabe a grande tarefa de ser ponte entre as dores e as consolações. Aos dialogadores cabe a honrosa tarefa de ser, cada um deles, psicoterapeutas de desencarnados, contribuindo para a saúde geral. Enquanto os médiuns se entregam ao benefício caridoso com os irmãos em agonia, também têm as suas dores diminuídas, o seu fardo de provas amenizados, as suas aflições contornadas, porque o amor é o grande mensageiro da misericórdia que dilui todos os impedimentos ao progresso – é o sol da vida, meus filhos, que dissolve a névoa da ignorância e que apaga a noite da impiedade.

Reencarnastes para contribuir em favor da Nova Era.

As vossas existências não aconteceram ao acaso, foram programadas.

Antes de mergulhardes na neblina carnal, lestes o programa que vos dizia respeito e o firmastes, dando o assentimento para as provas e as glórias estelares.

O Espiritismo é Jesus que volta de braços abertos, descrucificado, ressurreto e vivo, cantando a sinfonia gloriosa da solidariedade.

Dai-vos as mãos!

Que as diferenças opinativas sejam limadas e os ideais de concordância sejam praticados. Que, quaisquer pontos de objeção tornem‑se secundários diante das metas a alcançar.

Sabemos das vossas dores, porque também passamos pela Terra e compreendemos que a névoa da matéria empana o discernimento e, muitas vezes, dificulta a lógica necessária para a ação correta. Mas ficais atentos: tendes compromissos com Jesus...

Não é a primeira vez que vos comprometestes enganando, enganado-vos. Mas esta é a oportunidade final, optativa para a glória da imortalidade ou para a anestesia da ilusão.

Ser espírita é encontrar o tesouro da sabedoria.

Reconhecemos que na luta cotidiana, na disputa social e econômica, financeira e humana do ganha-pão, esvai-se o entusiasmo, diminui a alegria do serviço, mas se permanecerdes fiéis, orando com as antenas direcionadas ao Pai Todo-Amor, não vos faltarão a inspiração, o apoio, as forças morais para vos defenderdes das agressões do mal que muitas vezes vos alcança.

Tende coragem, meus filhos, unidos, porque somos os trabalhadores da última hora, e o nosso será o salário igual ao do jornaleiro do primeiro momento.

Cantemos a alegria de servir e, ao sairmos daqui, levemos impresso no relicário da alma tudo aquilo que ocorreu em nossa reunião de santas intenções: as dores mais variadas, os rebeldes, os ignorantes, os aflitos, os infelizes, e também a palavra gentil dos amigos que velam por todos nós.

Confiando em nosso Senhor Jesus Cristo, que nos delegou a honra de falar em Seu nome, e em Seu nome ensinar, curar, levantar o ânimo e construir um mundo novo, rogamos a Ele, nosso divino Benfeitor, que a todos nos abençoe e nos dê a Sua paz.

São os votos do servidor humílimo e paternal de sempre,

Bezerra.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

9 DE JULHO - O DESPERTAR CÍVICO - TRINCHEIRA DAS TREZE LISTRAS POR REINALDO BRESSANI

“09 DE JULHO”




REINALDO BRESSANI – MTb 57.696





O povo paulista precisa saber

- E não só ele, mas o país inteiro -,

De um fato que foi decisivo,

Tanto quanto, à história, verdadeiro.



Um dia, uniu-se convicção e denodo,

Em razão de seus pátrios ideais,

Afrontados pela tirania atroz,

Que à liberdade, era dura demais.



Augusta epopeia paulistana, quando,

Heróis o seu sangue derramaram

Pela justa causa da liberdade,

Na qual eles tanto acreditavam.



Sucumbiram à batalha, é verdade,

Mas, também, não perderam a causa.

Devolveu-se à pátria, a democracia,

Inda que, no entanto, por breve pausa.



São Paulo, com sua fibra, não se calara.

Mostrara aos quatro cantos do Brasil,

Exemplo de sua pungente vocação:

Lutar e morrer para não ser servil.



E morreram seus mártires/heróis.

E não foram apenas seus soldados,

Mas, gente de seu povo unido.

Todos voluntários civis... Chamados.







Povo que ouviu o apelo do coração.

Que ouviu o apelo da liberdade.

Homens, mulheres, crianças... Todos,

Com suas almas cheias de garbosidade.



Aí porque, esse momento tão sublime,

Precisa, por nós, ser lembrado.

Lembrado não só como um marco histórico,

Mas, de vigília ao bem mais sagrado.



Portanto, você que é paulista.

Você que é brasileiro e de paz,

Lembre-se de aplaudir “32”

- Movimento cívico, real, tenaz,



Que, impávido, ousou peitar o déspota.

De maneira entusiasta... Viril!

Uníssona voz contra a opressão

- Ato de democrático amor... Febril!



É por essa razão que “09 de Julho”

Reveste-se da síntese do patriotismo,

E deve ser comemorado por todos,

Face ao voo majestoso do idealismo.



Salve a liberdade democrática.

Salve o sagrado poder de ir-e-vir.

Salve nossos heróis bandeirantes,

Aos quais devemos, sempre, aplaudir.






O DESPERTAR CÍVICO



REINALDO BRESSANI MTb 57.696





Em trinta e dois nosso Estado sucumbiu.

Mas, da esperança, a chama floresceu.

O constitucionalismo derrotado,

Qual Fênix, logo, das cinzas renasceu.



O sagrado direito à liberdade,

Usurpado, fora ferido de morte.

Mas, a oportuna bravura paulista,

De indômito clamor, reverteu a sua sorte.



Sóbrias visões de uma nação agrilhoada

E sufocada por cruel saga tirana,

Açoitavam a consciência dos paulistas,

Ainda mais, sem sua Carta Soberana.



O ir-e-vir logo se viu atrofiado.

Voz jogada nas brumas da profundeza.

Terrível sorte fora imposta ao Brasil.

Sem liberdade – a nossa maior riqueza.



Então São Paulo, como esteio da nação,

Mobilizou-se e insurguiu-se prontamente.

Ergueu-se em armas contra tudo e contra todos.

Plantou um altar entrincheirado com sua gente.



E evocando a tradição dos bandeirantes

- Sempre viçosa nos corações paulistas -,

Seguiu impávido à luta que acreditava

Ser causa justa de morrer de um idealista.





E, sob o som da marcha “Paris-Belfort”,

Foi à luta contra as tropas federais.

Forjado da sigla M.M.D.C,

O movimento explode por ideais.



Explode a revolução do civismo.

Da grandeza superior dos valores

De um povo que sempre quis a Pátria Livre,

E vibra com a esperança de suas cores.



Mas, apesar da disposição e bravura,

Vergou-se à capitulação e ao armistício.

Noventa dias de tragédias comoventes,

Sem, no entanto, ser em vão o sacrifício.



Semeou uma nova constituição,

Difundindo seus ideais de liberdade.

Trouxe a implantação do voto secreto,

E, às mulheres, o direito de igualdade.



Outro fruto foi a Justiça Eleitoral,

Que consolidou o processo democrático.

Foram conquistas que mudaram o país,

Com regramento de conceitos pragmáticos.



São Paulo, traído, sucumbiu sim, às armas.

Mas sua derrota trouxe a vitória moral.

E esta, direitos inalienáveis ao povo,

Máxime a liberdade... Luz capital.



É por isso, que a Revolução de trinta e dois,

Deve ser sempre lembrada com orgulho,

Pois ela nos trouxe o despertar cívico,

Com a trincheira plantada em mês de julho.



Magnífica alma paulista, que na fé,

Pela democracia, pelejou, sangrou.

Foi grito sufocado daquela epopéia.

Porém, com orgulho, sua bandeira elevou.



Salve a veemência daqueles herois,

Que nasceram do sagrado chão paulista.

Salve essa liberdade entrincheirada,

Que ao futuro desta pátria foi conquista.



TRINCHEIRA TREZE-LISTRAS




REINALDO BRESSANI





Treze-listras sobre o peito

Ondeando a voz calada.

Pois, por sua pátria livre,

Foi lutar sua cruzada.



Não curvou ante o arbítrio

De um déspota ensandecido.

À liberdade deu a vida,

Nosso soldado aguerrido.



Não importa se Miragaia,

Camargo, Dráusio ou Martins.

Pois, cada um teve seu brio...

E virtudes até o fim.



Com seu orgulho altruísta -

Firme qual barra de aço -,

Conduziu-se na grande luta,

Com coração... O seu traço.



Foi guerreiro de ideais.

Foi trincheira de valores.

Foi vontade solidária.

Foi paulista, sim senhores.



Trincheira de nossa glória.

Bandeira de nós paulistas.

Seu gesto será lembrado,

E o seu nome... Idealista.











domingo, 7 de agosto de 2011

AGOSTO 2011 - PALAVRAS DO PRESIDENTE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC

Quando estou completando o primeiro mês na Presidência da Sociedade Veteranos de 32-MMDC recebo como presente a sétima edição do “32 EM MOVIMENTO”, o jornal eletrônico do MMDC, muito bem concebido pela nossa Diretora de Comunicação Social CAMILA GIUDICE e nosso Diretor do Cerimonial MARKUS RUNK.


A eles devo uma revolução eletrônica na Sociedade Veteranos de 32-MMDC, justamente quando estamos em fase de transição. Infelizmente estamos perdendo os heróis de 32. Precisamos oxigenizar a Entidade. MARKUS e CAMILA são os jovens do século 21 que irão dar continuidade ao nosso trabalho. A idéia de criar esse jornal, concebida em fins de dezembro de 2010 e posta em prática em janeiro deste ano, tornou-se uma realidade palpável com o trabalho primoroso dessa dupla de timoneiros da safra nova do MMDC.

A edição de julho de 2011 é histórica. Está sendo muito bem recebida pelos leitores. Tenho notícias de associados que elogiaram o trabalho exemplar de CAMILA e MARKUS, filhos do MMDC, participantes da COFAM (Comissão dos Familiares dos Heróis de 32). Devo a eles, realmente, algo sensacional, a propagação do ideário da EPOPÉIA DE 32 através da Internet.

Vocês vão encontrar nessa sétima edição do jornal o presente e o passado juntos para o desencadeamento de nossos planos para um futuro muito mais abrangente do MMDC. CAMILA e MARKUS foram a fundo em suas pesquisas, trouxeram o 9 de Julho em várias regiões do Estado de SÃO PAULO e manifestações de autoridades do PARANÁ e RIO GRANDE DO SUL, dando a dimensão nacional do movimento constitucionalista.

Aponta nas trinta páginas do jornal o nosso trabalho nesse primeiro mês na presidência, desde a posse em 7 de julho, como os grandes eventos de SÃO MIGUEL PAULISTA (dia 06), CORREGEDORIA PM (dia 28), OLÍMPIA (dia 29), GUARULHOS (dia 30), BELA VISTA, no centro da cidade (dia 31). Reporta também às nossas visitas às cidades de CORDEIROPOLIS e ITAPETININGA, em princípios do mês.

Meu preito de gratidão ao jovem de 32, GINO STRUFFALDI, que me deixa um legado sadio na Sociedade Veteranos de 32, após seus seis anos na presidência e a transformação do MMDC em algo que merece respeito de todos nos dias atuais. Tenho certeza que saberei honrar o seu trabalho elogiável na Sociedade, dado o seu espírito calmo, agregador, que enraizou os ideais de 32 nos dias atuais. Soube ele compreender todo o nosso esforço quando criamos os núcleos da Sociedade e, bem mais recente, a COFAM.

Tenho grandes esperanças nos descendentes dos heróis de 32, que estão chegando à Sociedade e se irmanando conosco na COFAM. Breve iremos escolher um presidente para essa Comissão, um embrião do futuro do MMDC, pois teremos de deixar essa organização em mãos de pessoas que possam carregar a bandeira do Ideal do Direito para a frente.

Na composição de minha Diretoria escolhi o jovem médico, doutor RODRIGO GUILHERME VAZZOTTI PEREIRA para o cargo de Diretor da JUVENTUDE. Em pouco tempo já apresentou uma série de idéias que agradaram sobremaneira a presidência e vaticina como um dos futuros pilares da Instituição.

Nosso querido CAPITÃO PM ANISIO DOS SANTOS está conosco há muitos anos. Ajudou sobremaneira a Sociedade, em momentos de penúria, quando chegou a pagar de seu próprio bolso duas faxineiras que ele mandava ao MMDC duas vezes por semana. Hoje é, com reais méritos, o nosso secretário e responde pela tesouraria até surgir o nome de uma pessoa que tenha méritos para assumir esse delicado cargo. Durante anos foi um verdadeiro “calcanhar de Aquiles” da Sociedade.

O Professor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA é outro baluarte do MMDC. Presidente da Comissão do Resgate da Memória da Revolução Constitucionalista, Presidente do núcleo da LAPA é também o Diretor do Museu “MARIA SOLDADO”, no Colégio SANTO IVO, num sobrado cedido graciosamente pelo professor. Tem feito muito pela Sociedade e trabalhará, como todos nós, pelo sucesso dos 80 anos do Movimento Constitucionalista, o Jubileu de Carvalho de 2012.

MARGARIDA ROSA foi confirmada na Diretoria do Acervo Histórico da Sociedade. Tem verdadeiro carinho pelo acervo dos livros e papéis da Revolução Constitucionalista.

Está sendo indicado o nome da doutora MARIA LÚCIA DE CAMARGO para a Diretoria do Serviço Social. Acredito que ela aceitará o cargo e estará conosco na reunião marcada para 12 de agosto. Ela luta pela constitucionalidade do país há muitos anos.

A Diretoria Jurídica está há anos nas mãos do doutor CARLOS ALBERTO MACIEL ROMAGNOLI, um dos fundadores do núcleo de GUARULHOS. Esse núcleo foi fundado juntamente com JANAÍNA EXPÓSITO PINTO, primeira presidente desse braço da Sociedade naquele município. Devo muito ao doutor ROMAGNOLI na resolução de problemas judiciais emperrados na Sociedade.

Mas nada poderemos realizar sem a colaboração efetiva e afetiva dos nossos associados. Graças a Deus o MMDC tem gente muito boa no seu quadro e isso nos dá ânimo para continuar avante.

Menção especial devo dirigir à nossa querida Polícia Militar, herdeira da Força Pública que em 1932 fez a Revolução. Sem a Força Pública não teria havido aquela revolução e sem a Polícia Militar não teremos a nossa Sociedade. Centenas de oficiais e praças se dedicam aos grandes eventos do nosso calendário estatutário, como o 23 de maio, 9 de julho e 2 de outubro. Mas os núcleos que estão surgindo em diversas regiões da cidade de São Paulo e do próprio Estado deve-se à PMESP. Meu preito de gratidão ao Comandante Geral, CORONEL PM ÁLVARO BATISTA CAMILO, que nos tem ajudado sobremaneira. Vários núcleos estão sendo presididos por majores, capitães e tenentes, dando um apoio extraordinário ao nosso trabalho.

Sem desmerecer os demais coronéis, meu singelo reconhecimento ao CORONEL PM JAIRO PAES DE LIRA, presidente de uma Assembléia Geral tumultuada por pessoas que não queriam as necessárias modificações estatutárias por força do novo Código Civil em dezembro de 2004. Vale dizer que naquela época, por várias razões, a Sociedade estava em vias de fechar as portas. Em 2005, o JAIRO assume a presidência do Conselho Deliberativo da nova Sociedade e continua conosco na gestão 2011-2012. Ao seu lado, no Conselho Fiscal, está a pessoa certa do doutor FERNANDO LOPES DAVID, um dos mentores dos nossos acertos financeiros.

Nossas metas principais para o biênio 2011-2012: honrar os heróis que já passaram pelo MMDC, como o nosso querido GINO STRUFFALDI, nosso presidente de honra; lutar pelo brilhantismo do JUBILEU DE CARVALHO do Movimento Constitucionalista em 2012; participar ativamente da campanha de revalorização da Pensão Especial de nossas viúvas de combatentes, que ganham uma miséria de R$450,00; a implementação da COFAM, o futuro da Sociedade; a luta pelo “TÚNEL NOVE DE JULHO PARA A SEMPRE” e, principalmente pela UNIÃO DE TODOS QUE AMAM O MMDC.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

MEMÓRIAS DO VENTURA COMPLETAM DOIS ANOS EM 5 DE AGOSTO.

MEUS AMIGOS, MINHAS AMIGAS

Minhas memórias completam dois anos em 5 de agosto de 2011.
A postagem de 5 de agosto de 2009 está sendo atualizada.
Para que o leitor encontre esse dia precisa ir ao "ARQUIVO DO BLOG" e procurar o ano de 2009.
Clique nesse ano. Irão aparecer os meses. Clique em agosto e aí é só escolher o dia.
Assim se deve proceder para achar outras datas. De janeiro em diante as postagens foram feitas em 2010.
Uma data muito solicitada é o 9 de julho. Como a primeira postagem foi feita em 2010, deve-se procurar primeiramente o ano. Abertos os meses, procure o julho e aí vão surgir os dias desse mês.
QUERO AGRADECER A TODOS QUE MANTÉM CONTATO COM O MEU BLOG.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

BRASIL, PAÍS DOS INGRATOS

BRASIL, PAÍS DOS INGRATOS,




Quinhentos anos levou a construção de nosso país. Foi produto de muito trabalho, amor à terra, pioneirismos e iniciativas de homens e mulheres que nos abriram caminhos e perspectivas de dias melhores, graças aos quais estamos vivendo hoje. Contudo, assistimos atualmente, ao pouco caso com que é tratada a história pátria. As biografias e memórias dos construtores da nacionalidade, daqueles que se destacaram por suas contribuições aos mais diversos setores: liberdade, direito e democracia, progresso científico e seus reflexos na saúde, na educação, nas residências, no urbanismo, além de uma série de escritores, artistas e intelectuais que elevaram nossas letras e artes ao reconhecimento internacional - fariam o orgulho de qualquer país que se pretende civilizado. Para começar, citemos os bandeirantes, homens indômitos, que saíram à procura de ouro, prata e pedras preciosas, com o auxílio dos próprios indígenas, e dilataram de Norte a Sul e de Leste a Oeste, o território hoje pertencente ao Brasil. Porém, caíram no descrédito dos novos historiadores por terem se voltado à captura e escravização dos índios, em vista dos trabalhos agrícolas. Como se os impérios que se formaram ao longo da história da civilização partiram para a conquista com o fito de realizar obras de caridade...

Está esquecida a sucessão dos heróis que saíram em defesa da pátria, além de escritores, poetas, cientistas e compositores que a enalteceram. Eram orgulho nacional, reverenciados nas escolas e nas cédulas e moedas de prata e cobre: Tiradentes, d. Pedro II, a princesa Isabel, Castro Alves, Gonçalves Dias, Duque de Caxias, o pacificador, o Barão do Rio Branco, Rui Barbosa, Santos Dumont, o “Pai da Aviação”. O sertanista Marechal Cândido Rondon, que implantou o telégrafo no território nacional, descobriu novos cursos de água e tribos indígenas até então ignoradas. Seu lema era: “Morrer se preciso for, matar, jamais”. Entre os cientistas, Carlos Chagas, Oswaldo Cruz ,Vital Brasil, Adolfo Lutz, Emilio Ribas, etc., os compositores Carlos Gomes, Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e muitos outros. Hoje, desapareceram de circulação, substituídos nas notas de reais circulantes pela fria esfinge republicana e por peixes e felinos pertencentes à fauna tropical.

Houve os que caíram de seus pedestais, tradicionalmente plantados em ruas, praças e jardins públicos, vitimados pelo vandalismo dos larápios, à cata de materiais valorizados no mercado como o bronze e o cobre, ou pelo descaso da população a qual, por falta de esclarecimento, não consegue participar de sua própria historicidade. Em São Paulo, entre outros, sumiram o capacete de Ayrton Senna, no monumento colocado em homenagem ao corredor, na entrada do túnel do mesmo nome, o busto da benemérita Pérola Byinton, na praça do mesmo nome, o da pianista Antonieta Rudge, o do poeta Goethe, etc. para não mencionarmos uma longa série danificada de bustos, hermas, torsos e outros objetos, entre os quais se incluem a réplica do “14 Bis”, o avião pioneiro de Santos Dumont, que esteve durante muitos anos na praça do mesmo nome.

De importância capital para a história de São Paulo e do país, o Monumento do Ipiranga homenageia a Independência do Brasil, ocorrida naquela local. Obra de Ettore Ximenes, inaugurada em 1922, é também chamada ”Altar da Pátria”. Abriga a Capela Imperial contendo os restos mortais de D. Pedro I, de D. Leopoldina, sua primeira esposa, e de D. Amélia sua segunda esposa. Construído com dinheiro dos paulistas, arrecadado junto à população, foi tombado pelas três esferas de poder: municipal, estadual e federal. Contudo, encontra-se sujo e maltratado. Apesar de pertencer ao povo de São Paulo, o Estado de São Paulo decidiu doá-lo ao governo federal. Entretanto, se este não se acha na obrigação de conferir-lhe maiores cuidados, muito menos o Estado e a Prefeitura.

Outra característica a ressaltar é o gosto e a pena volúveis dos prefeitos e vereadores de São Paulo, sujeitos a modismos, à ideologia e ao jogo de interesses eleitoreiros ditados pelas alternâncias do poder. Facilmente se esquecem das fases históricas pelas quais passou a cidade e constantemente trocam os nomes dos logradouros públicos tradicionais referentes ao nascimento e à evolução da cidade. Tal foi o caso do “Túnel 9 de Julho”, evocativo da Revolução Constitucionalista de 1932. Inaugurado em 1939, seu nome foi substituído na gestão de Marta Suplicy pelo de um particular. Há casos em que nomes tradicionais e pitorescos, preservados durante séculos no espaço urbano tais como a Avenida Águas Espraiadas, Ponte Pequena, Praça Silva Teles, Ponte Cidade Jardim, Ponte dos Bandeirantes, etc. foram trocados sem consultas populares, adotando-se os das comunidades formadas por recém chegados.

Outras vezes, é o próprio equipamento urbano que é alterado, substituído por outro mais moderno, embora de um imponente mau gosto. Lembremos das luminárias colocadas recentemente na Avenida Paulista, verdadeiras muletas que surgiram da noite para o dia, em nome de uma iluminação mais eficiente. Enquanto as capitais européias, as mais famosas e formosas, como Paris, Viena, Bruxelas, Madrid, etc. ainda dispõem de seus antigos lampiões, complementados por luzes modernas e indiretas que iluminam os monumentos e a vegetação ornamental e arbórea.

Ora, a cidade é depositária de equipamentos, nomes e tradições relativas aos diferentes períodos de sua história. É esse o espírito que prevalece em todas as cidades do mundo civilizado. Parece que são poucas as esperanças de que nosso patrimônio histórico e artístico se torne alvo de valorização e de maiores cuidados. Recentemente, a Comissão de Gestão de Obras e Monumentos Artísticos em Espaços Públicos do Município de São Paulo declarou, a propósito da oferta que lhe fizeram de uma nova obra para figurar na cidade de São Paulo: “pontuar praças e canteiros centrais da cidade com bustos e cabeças (...) nada mais representa que poluir a paisagem”. Além do que, “não se pode ficar preso a uma idéia do século XIX”, segundo palavras atribuídas à presidente da referida Comissão[1]!

Reconhecemos que, neste caso, o personagem a ser homenageado é um ilustre desconhecido do grande público, concordamos, mesmo, em que há necessidade de se fazer uma triagem com relação às obras a serem incluídas no patrimônio municipal. Contudo, causam preocupação os argumentos apresentados como justificativa que expressam os avanços da contracultura. Diremos que os monumentos de bronze e granito, representantes de uma época em que a estética era ética, ainda podem e muito cumprir a função a que vieram e ornamentar ruas, praças e jardins, desde que bem conservados. O que polui a paisagem urbana é o lixo acumulado nas ruas, o mau cheiro que exalam e os insetos e ratos que criam, em meio a soluções urbanas imediatistas, montadas às pressas, sem preocupação com o acabamento, que fazem da cidade que mais arrecada no país - a quinta maior do mundo - uma das mais maltratadas do planeta.

Assim, a história vai se apagando, à revelia da população. Sempre pega de surpresa, esta é vítima de decretos camuflados por obra de traições de vereadores, prefeitos, governadores e ministros e dos órgãos cuja função é exatamente a de preservar o patrimônio histórico e artístico nacional.



Ass. MARIA CECÍLIA NACLÉRIO HOMEM, RG 2249899, formada em Letras Neolatinas pela USP, doutora pela FAU-USP em “Estruturas Ambientais Urbanas”; tradutora. Escreveu Higienópolis, Grandeza de um Bairro Paulistano, EDUSP, 2011, O Palacete Paulistano, WMF Martins Fontes Editora, 2ª Ed., 2010, O Prédio Martinelli: A Ascensão do Imigrante e a Verticalização de São Paulo, Projeto Ed;, 1984, Membro da Academia Cristã de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, do Conselho Cívico e Cultural da Associação Comercial de São Paulo e da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, e. mail: mcecilianh@gmail.com