terça-feira, 21 de junho de 2011

25º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR - ITAPECERICA DA SERRA - COMEMORA O 79º ANIVERSÁRIO DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932

HISTÓRICO DO 25º BATALHÃO


DE POLÍCIA MILITAR METROPOLITANO


O 25º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano foi criado através do Decreto Nº 29.911/89, de 12 de maio de 1989, com instalação provisória no município de Taboão da Serra/SP.

Toda a região que abrange os municípios de Taboão da Serra, Embu, Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, São Lourenço da Serra e Juquitiba, com uma população superior a 630.500 (seiscentos e trinta mil e quinhentos) segundo o último censo demográfico realizado (IBGE 2000), era de encargo do 14º BPM/M, sediado em Osasco/SP, que ainda detinha a incumbência de manter a Ordem Pública nos municípios de Osasco, Carapicuíba, Barueri, Jandira, Itapevi, Santana de Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Cajamar, Cotia e Vargem Grande Paulista.

Recentemente, o 25º BPM/M teve sua circunscrição diminuída com a criação do 36º BPM/M, hodiernamente a área do 25º Batalhão compreende as cidades de Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, São Lourenço da Serra e Juquitiba e estamos subordinados ao Comando de Policiamento de Área Metropolitana Oito, sediado em Osasco/SP.

SECRETÁRIA DE ESTADO DOS NEGOCIOS DA SEGURANÇA PUBLICA


POLICIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

CPA/M-8 – 25º BPM/M

“Medalha MMDC e Constitucionalista”

“No dia de hoje, estamos realizando a outorga das medalhas MMDC e Constitucionalista, alusivas ao movimento de 1932, que, na realizada, teve seu início em outubro de 1930, em razão do descontentamento do povo paulista em relação a maneira extremamente ditatorial e repressiva com que o então Presidente da República, Getúlio Vargas, comandava o país.

Diante desse quadro, em abril de 1931, um grupo de jovens Oficiais da então Força Pública de São Paulo, atual Polícia Militar, tentou modificar a situação da época, o que infelizmente não conseguiu. Foram presos e encarcerados em situação degradante.

Em 23 de maio de 1932, na Praça da República, no centro de São Paulo, ocorreu um conflito armado que resultou nas mortes dos estudantes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. Um quinto, Alvarenga, morreria semanas após. Entre outros, estes realizavam uma manifestação pública contra o Governo Federal. Foi a partir daí que surgiu o Movimento MMDC, que passou a exercer importantíssimo papel no episódio de 32, dentre os quais o de preparar, secretamente, uma luta armada contra a ditadura.

Por ser, o Estado de São Paulo, a maior potência do país, e não suportando mais o intervencionismo e a ingerência direta do governo de Getúlio Vargas, em 09 de julho de 1932, houve o início da Revolução, com o apoio de apenas um Estado brasileiro: Mato Grosso.

Durante 85 dias de batalha os 35.000 homens das tropas paulistas, dentre estes, inúmeros civis voluntários, combateram os 100.000 homens das Tropas Federais, onde resultou oficialmente 830 vítimas fatais, sendo que 1/3 dos mortos eram da Força Pública.

No transcurso dessas batalhas, ocorreu um fato interessante e criativo. Em razão da falta de armamento, os engenheiros paulistas criaram a famosa “matraca”, uma caixa com manivela que produzia um alto som, semelhante ao de uma metralhadora, o que fez com que as Forças Federais, numericamente superiores à paulista, fossem detidas em razão do ‘poderoso armamento paulista’.

O Movimento Constitucionalista de 1932, sem dúvida, foi um brado à liberdade e à democracia, pois os sentimentos e os desejos dos paulistas permaneceram vivos na alma de cada um, mesmo após o silêncio dos canhões, uma vez que, em 1934, em razão da Revolução de 32, a Assembléia Nacional Constituinte foi convocada, dando a São Paulo, e aos paulistas, a verdadeira vitória do campo de batalha, a restauração da Democracia, havendo um único beneficiado: o Brasil.

Em 1997, durante o Governo de Mário covas, com a edição da Lei Estadual Nº 9.497, foi instituído o dia “9 de julho” como feriado civil e data magna do Estado de São Paulo.

Em memória daqueles bravos e corajosos heróis, Soldados da então Força Pública, atual Polícia Militar do Estado de São Paulo, e dos estudantes Martins, Miragaia, Dráusio, Camargo e Alvarenga, além de tantos outros que não exitaram em assumir a causa paulista, devemos permanecer fiéis, leais e compromissados com a defesa da vida, da integridade física e da dignidade das pessoas, sobretudo sob a proteção de Deus, pois assim poderemos perpetuar os ideais dos valorosos revolucionários de 1932 ostentando no peito juvenil dos Policiais Militares e líderes, cidadãos de hoje, as medalhas MMDC e Constitucionalista. Tais medalhas tem o objetivo de reconhecer e homenagear as pessoas que prestaram serviços relevantes à sociedade de São Paulo e ao município de Itapecerica da Serra mantendo viva a chama da incansável busca por um mundo melhor. Dessa forma, relembro a frase de Edmund Burke para que o mal triunfe basta que os bons fiquem de braços cruzados”.

WAGNER SERAFIM DE QUEIROZ
Maj PM Cmt Int
CONDECORADOS COM A MEDALHA MMDC:


MAJOR PM WÁGNER SERAFIM DE QUEIROZ, Comandante Interino do 25º BPMM;

CAPITÃO PM FÁBIO MARCELO BUENO PRADO, Comandante da 1ª Companhia do Batalhão;

CAPITÃO PM ADILSON JÚLIO ROCHA, Oficial P1 da Unidade;

CABO PM RICARDO LUIZ GRAZIANO, do Policiamento Rural;

Soldados PM ADALBERTO CÍCERO OTAVIANO DA SILVA,

JERRY ATÍLO DE ANDRADE,

CARLOS ROBERTO DE FREITAS, todos do policiamento motorizado;

Senhor HIDEO KURAMOTO, Empresário da Companhia das Folhas Produtos Hidropônicos e

Senhor ITACYR JOSÉ TURMINA, Empresário da Churrascaria CAMINHOS DO SUL.



Condecorado com a Medalha CONSTITUCIONALISTA o 3º SARGENTO ALEXANDRE LUCCI, Comandante do Grupo de Patrulha da 1ª Companhia da Unidade.