quinta-feira, 11 de agosto de 2011

11 DE AGOSTO DE 1827 - CRIAÇÃO DOS CURSOS JURÍDICOS NO BRASIL - 11 DE AGOSTO DE 2003: COMEMORAÇÃO DOS 100 ANOS DO CENTRO ACADÊMICO 11 DE AGOSTO

Os CURSOS JURÍDICOS no BRASIL foram criados em 11 de agosto de 1827. Logo após a Independência do BRASIL, já se realizavam debates na Assembléia Constituinte, em prol da criação dos cursos jurídicos. Em agosto de 1827 foram criados os dois primeiros cursos, um em SÃO PAULO, outro em PERNAMBUCO (OLINDA). Também havia o desejo de criar uma instituição que acolhesse e orientasse os advogados, o que aconteceu em 1843, com a criação do Instituto dos Advogados Brasileiros. Esse Instituto tinha como principal objetivo constituir uma Ordem dos Advogados do Império. Mesmo com o projeto de criação apresentado ao Senado, em 1851, depois detido na Câmara dos Deputados e discutido exaustivamente, a Ordem dos Advogados, durante o período do Brasil Império, nunca conseguiu se constituir.


Somente após a Revolução de 1930, instalado o Governo Provisório, em 18 de novembro de 1930, foi criada a Ordem dos Advogados do BRASIL numa época em que advogados e juristas já participavam ativamente da movimentação em torno da renovação e das mudanças na política do país (em uma época da chamada REPÚBLICA VELHA). O Instituto dos Advogados Brasileiros foi criado em 7 de agosto de 1843 por Aviso firmado pelo Ministro de Estado da Justiça, HONÓRIO HERMETO CARNEIRO LEÃO, que manda a Secretaria Imperial dos Negócios da Justiça aprovar os seus estatutos. Instalado na capital do Império no dia 7 de setembro de 1843, o seu Regimento Interno foi aprovado em 15 de maio de 1844, em reunião no COLÉGIO PEDRO II, na qual estiveram presentes os senhores ministros de Negócios da Justiça, de Estrangeiros e da Marinha, com a finalidade precípua de organizar a Ordem dos Advogados do BRASIL.





A instalação do Primeiro Tribunal de Alçada foi no dia 11 de agosto de 1951, no Palácio da Justiça, com a presença do então Governador, o engenheiro LUCAS NOGUEIRA GARCEZ. A primeira sede dessa Corte de Justiça, presidida pelo então juiz THRASYBULO DE ALBUQUERQUE, situava-se na Rua 7 de abril, num prédio onde antes funcionara a Biblioteca Municipal de SÃO PAULO, sendo constituído por quatro câmaras, duas cíveis e duas criminais, cada uma integrada por quatro juízes, exceto as câmaras criminais, com apenas três juízes, de maneira a totalizar quatorze juízes.





“Quando se sente bater no peito heróica pancada, deixa-se a folha dobrada, enquanto vai se morrer”. Os versos são de TOBIAS BARRETO e foram escritos no século XIX. Mas se tornaram lema das tantas lutas dos estudantes do CENTRO ACADÊMICO 11 DE AGOSTO, da FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO, no centro de SÃO PAULO. O ONZE, como é chamado carinhosamente por todos, comemorou no dia 11 de agosto de 2003 CEM ANOS de sua fundação. São muitas as histórias do Centro Acadêmico. Invasões, choques com a polícia, protestos, lutas contra a ditadura, mortes, além de episódios hilários. Tudo está detalhadamente contado no livro A HERÓICA PANCADA – CENTRO ACADÊMICO XI DE AGOSTO: 100 ANOS DE LUTA, que foi lançado no dia 11 de agosto de 2003, como parte das comemorações. A obra é uma parceria do centro acadêmico e do Instituto Brasileiro de Memória Jurídica e Social. Foram duas semanas de solenidades, apresentações artísticas e debates. Na solenidade de abertura estiveram presentes: o governador GERALDO ALCKMIN, a prefeita MARTA SUPLICY, o secretário de JUSTIÇA ALEXANDRE DE MORAES, renomados juristas, ex-alunos e professores. Na noite de 23 de agosto de 2003 noite, os ministros da Justiça e da Agricultura e Reforma Agrária: MÁRCIO THOMAZ BASTOS e MIGUEL ROSSETO participaram de um ato político. Os presidentes do PT e do PSDB, JOSÉ GENOINO e JOSÉ ANIBAL, travaram um debate no LARGO DE SÃO FRANCISCO, no dia 18 de agosto, sobre os seis primeiros meses do governo de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA.

Os alunos enterraram uma arca com diversos documentos próximo da TRIBUNA LIVRE, em frente ao prédio da Faculdade. A arca só será desenterrada e aberta pelos alunos do LARGO DE SÃO FRANCISCO em 2103. Uma campanha entre os estudantes pediu sugestões para compor a arca. Além de uma carta aos colegas de 2103, foram sugeridos para serem enterrados a Constituição de 1988, fotos dos alunos e da faculdade, uma cerveja e um papel higiênico do PORÃO – como é chamado a sede do centro – e um preservativo, entre outros.



53º ANIVERSÁRIO DO MUSEU MILITAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Criação do MUSEU DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO em 11 de agosto de 1958. Vinculado à Secretaria da Educação, o Museu da Polícia Militar do Estado de São Paulo tinha o objetivo de retratar a ação das históricas "Força Pública" e "Forças Armadas" do Estado. Em 1976, foi estrategicamente transferido à Secretaria da Segurança Pública, ficando sob a responsabilidade da Polícia Militar, e ganhou um novo contorno museológico, retratando a evolução e epopéia das polícias militares. Atualmente, está instalado no antigo prédio do Hospital Militar da Força Pública, um edifício projetado pelo ilustre arquiteto Ramos de Azevedo ainda em 1896. Esta edificação preserva muito de suas linhas originais, destacando a simetria, paredes largas, pé-direito com mais de 4,5m, amplas janelas, portas em pinho-de-riga, ladrilhos portugueses e detalhes em mármore de carrara. No acervo do museu predominam os objetos pertencentes às coporações policiais paulistas, como a "Força Pública do Estado", a "Guarda Civil de São Paulo", a "Polícia Marítima e Aérea", "Polícia Feminina", "Polícia Especial", "Guarda Noturna de São Paulo", entre outras corporações nacionais e internacionais. Uma inestimável coleção de uniformes de época, acessórios, distintivos, bonés, capacetes, gorros, platinas e dragonas dividem espaço com objetos da Revolução Constitucionalista de 1932, armaria, medalhística, equipamentos de comunicação e de operações de guerra, além de viaturas e fotografias, mapas e outros documentos históricos. No arquivo museuológico, há milhares de itens que são expostos em mostras temáticas, facilitando o acesso à informação histórica.



SENHOR COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.


COM A PERMISSÃO DE V. EXCELÊNCIA, CONSIDERO COMO EXTENSÃO DA MESA DE AUTORIDADES TODAS AS DEMAIS QUE ABRIGAM NOSSOS CONVIDADOS.

AUTORIDADES PRESENTES.

AS 6.00H. –

AO TOQUE DA ALVORADA A TROPA ESTÁ ACORDADA.

AS LUZES SÃO ACESAS E OS ALUNOS SE LEVANTAM. É MADRUGADA.

INICIA-SE A JORNADA.

OS NOVOS ALUNOS ENTRAM EM FORMA. O COMANDANTE PROCEDE A REVISTA E APRESENTA O PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES. TRANSMITE AS PRIMEIRAS ORDENS E SEGUE AS ORIENTAÇÕES PROGRAMADAS.

ASSIM COMEÇAVA A ATIVIDADE PROFISSIONAL NO SAUDOSO CFA.

CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO.

MEUS AMIGOS!

PERMITAM-ME FALAR-LHES COM O CORAÇÃO DE ARTISTA E ACOMPANHAR O PROTOCOLO COM A ALMA BENEVOLENTE DE CADA UM DOS SENHORES: CUJAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TRANSFORMAM ESTE AMBIENTE NO PALCO DA VIDA, QUE MARCARÁ MAIS UM DETALHE HISTÓRICO DO MUSEU DE POLICIA MILITAR.

ACOMPANHAR O PROTOCOLO PORQUE OS SENHORES SÃO TESTEMUNHAS VIVAS DE QUE A AUTORIDADE DECORRE DA COMPETÊNCIA ATRIBUÍDA PELO ORDENAMENTO JURÍDICO, E QUE O RESPEITO PELO COMPANHEIRO PERMANECE NA AMIZADE.

TUDO PODE MUDAR NUM MINUTO.

AQUI ESTAMOS REUNIDOS PARA COMEMORAR O 53º (QÜINQUAGÉSIMO TERCEIRO) ANIVERSÁRIO DO MUSEU DE POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

O MUSEU SE MANTEVE FIEL A SUA CRIAÇÃO GRAÇAS AO TRABALHO DE NOSSOS ANTECESSORES AOS QUAIS RENDEMOS AS NOSSAS HOMENAGENS.

CORONEL EDILBERTO DE OLIVEIRA MELO SÍMBOLO DE UMA ÉPOCA CUJA TRAJETÓRIA ACOMPANHEI POR MAIS DE QUARENTA E CINCO ANOS. MENOS DA METADE DE SEUS NOVENTA E UM ANOS. CORONEL GERALDO MENEZES GOMES MEU COMPANHEIRO CONSELHEIRO DO CLUBE DOS OFICIAIS DESDE 1970.

PERMITA-ME COMANDANTE DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR, EXPRESSAR MEUS AGRADECIMENTOS PELA CONVOCAÇÃO PARA FAZER PARTE DE SUA COMITIVA NESTA CAMINHADA DA VIRADA CULTURAL.

A DIREÇÃO DO MUSEU PAUTARÁ SEU TRABALHO NA INFORMATIZAÇÃO DOS ACERVOS, DANDO ÊNFASE AOS FATOS HISTÓRICOS, ÀS AÇÕES DOS HERÓIS ANÔNIMO, CUJA HISTÓRIA NÃO FOI REGISTRADA E AS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS, PARA FINS DE PRESERVAÇÃO, ESTUDO, PESQUISA E DIVULGAÇÃO, DA CULTURA POLICIAL MILITAR.

O MUSEU ESTARÁ ALINHADO COM O PENSAMENTO DO COMANDO E SEGUIRÁ, PAR E PASSO, AS ORIENTAÇÕES COM A FINALIDADE DE PRODUÇÃO, INTERPRETAÇÃO E EXPOSIÇÃO DO CONHECIMENTO TÉCNICO, CIENTÍFICO, EDUCACIONAL E ARTÍSTICO; COM O OBJETIVO DE PRESERVAR O PATRIMÔNIO CULTURAL, VALORIZAR A DIGNIDADE HUMANA DO POLICIAL MILITAR E PROMOVER A CIDADANIA.

A PRIMEIRA EXPOSIÇÃO DO ANO DE 2011 É “IN MEMÓRIA” DO CAPITÃO ALBERTO MENDES JUNIOR PELA EFETIVA AÇÃO DE SERVIR A COMUNIDADE COM O SACRIFÍCIO DA PRÓPRIA VIDA.

COMANDANTES.

A REVOLUÇÃO CULTURAL É SILENCIOSA, EXIGE MUDANÇA, PARTICIPAÇÃO EFETIVA E COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE.

O MUSEU ESTÁ EM RESTAURAÇÃO PARA SE AJUSTAR ÀS EXIGÊNCIAS DA NOVA LEGISLAÇÃO E AO INTERESSE DA POPULAÇÃO.

ESSA EXPOSIÇÃO É RESULTANTE DA PARCERIA DO MUSEU COM AS UNIDADES POSSUIDORAS DE ACERVOS PARTICULARES DE SEUS COMANDANTES E DE SEUS ANTECESSORES.

RESULTA DA PARCERIA COM OS ARTISTAS DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR.

DO ENTENDIMENTO DE QUE A CULTURA POLICIAL MILITAR FAZ PARTE DO ESTADO E QUE É NECESSÁRIA A DIVULGAÇÃO DOS FEITOS DOS HERÓIS QUE NOS ANTECEDERAM.

NASCEU A PARCERIA COM AS FILIAIS, SECCIONAIS E NÚCLEO DE VOLUNTÁRIOS QUE INTEGRARÃO A ESTRUTURA DO MUSEU.

AS PRÓXIMAS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS TERÃO ESPAÇOS E ACERVO PARA RESSALTAR A HISTÓRIA DOS FEITOS QUE TRANSCENDEM AS FRONTEIRAS DA NAÇÃO BRASILEIRA.

REVERENCIAR O PASSADO É RESPEITAR A FAMÍLIA QUE NOS DEU VIDA. É REVIVER AS EXPERIÊNCIAS QUE NOS TORNARAM O QUE SOMOS. É AGRADECER A DEUS PELA ENERGIA QUE NOS FEZ VENCER OS OBSTÁCULOS E CHEGAR AO FINAL DA JORNADA.

CADA ETAPA FOI UMA VITÓRIA. E ESTA É UMA RAZÃO ESPECIAL PARA HOMENAGEARMOS ÀQUELES A QUEM DEVEMOS GRATIDÃO.

ESSE DIRETOR DESEJA QUE AS PALAVRAS EVOQUEM DA MEMÓRIA DE CADA UM A HISTÓRIA DA PRÓPRIA VIDA;

QUE AS LEMBRANÇAS SEJAM COMPARTILHADAS COM OS NOVOS COMANDANTES, PARA QUE O HISTÓRICO DE UMA GERAÇÃO PARTICIPATIVA, QUE VIVENCIOU PROFUNDAS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS E CONCEITUAIS NORTEADORAS DA FORMAÇÃO E DA CONDUTA DOS NOVOS INTEGRANTES DA POLÍCIA MILITAR, POSSA SER REFERÊNCIA INTERNACIONAL.

QUE O ACERVO DO MUSEU VIRTUAL SEJA AGIGANTADO ATRAVÉS DO LINK IMPLANTADO NA MEMÓRIA DOS QUE ME AUXILIAREM NA TAREFA DE DIVULGAR O ARDOR DO INFANTE, A PREPARAÇÃO DOS MEIOS DE PESQUISA E ENSINO PARA COMPREENSÃO DO NOVO CONCEITO DE MUSEOLOGIA.

FORÇA PÚBLICA – GUARDA CIVIL – MARÍTIMA - POLÍCIA FEMININA - POLÍCIA MILITAR. CADA ÉPOCA UMA ORGANIZAÇÃO.

CADA CORPORAÇÃO UMA HISTÓRIA. HISTÓRIA CONSTRUÍDA POR PESSOAS.

PESSOAS QUE FAZEM E NÃO ESPERAM ACONTECER. PESSOAS QUE ESTÃO PRESENTES - QUE SEUS FEITOS FALAM POR SI SÓ E QUE SERÃO REGISTRADOS PELOS HISTORIADORES DO MUSEU.

1970- LEMBRO-ME DO SAUDOSO AMIGO PAULO DE TARSO AUGUSTO E ODILON GONZAGA COM OS QUAIS FORMAMOS A PRIMEIRA EQUIPE DA POLÍCIA MILITAR PARA TRABALHAR, EM HORÁRIO DE FOLGA E GRACIOSAMENTE, COM O PELOTÃO DE RECUPERAÇÃO DE ALCOÓLATRAS E DROGADOS, NO QUARTEL DA INVERNADA, PRÓXIMO DA LINHA DO TREM DA CANTAREIRA.

1972 – EFA - A ESCOLA DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO - PRÉDIO DO ANTIGO BG/ BATALHAO DE GUARDAS/ AQUI EM FRENTE / DO OUTRO LADO DA RUA ONDE TEMOS O SEGUNDO BATALHÃO DE CHOQUE.

AO ASSUMIR A PRIMEIRA COMPANHIA COM 150 ALUNAS SARGENTOS DA POLÍCIA FEMININA E 90 SARGENTOS MASCULINOS DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DEPAREI-ME COM A EXPERIÊNCIA ÚNICA DE COMANDAR HOMENS E MULHERES, UMA EXPERIÊNCIA MUITO ESPECIAL, PORQUE NÃO HAVIA PRECEDENTE E TAMPOUCO NORMAS DE COMANDO PARA TROPA MISTA. PELA PRIMEIRA VEZ DEPARAMOS COM PROBLEMA ESPECIFICAMENTE FEMININO, QUE INTERFERIAM NA EXECUÇÃO DAS MANOBRAS E NO CONVÍVIO EM SALAS DE AULA.

RECORREMOS AO COMANDO DA POLÍCIA FEMININA E EM ESPECIAL A CORONEL DOUTORA HILDA MACEDO, COM QUEM APRENDI A SUTILEZA DE DAR ORDENS PARA MULHERES E AINDA SER OBEDECIDO.

COM AS POLICIAIS FEMININAS APRENDI A DESENVOLVER A SENSIBILIDADE E A TERNURA NO TRATO AO SEMELHANTE, COM FIRMEZA E CAPACIDADE OPERACIONAL; O QUE FACILITOU O CUMPRIMENTO DA MISSÃO DE FORMAR NOVAS TURMAS DE SARGENTOS DO QUADRO FEMININO.

COLABORADORES E AMIGOS PRESENTES.

NÃO HÁ CARÊNCIA SOCIAL QUE NÃO SEJA ATENDIDA PELA AÇÃO DE UM POLICIAL MILITAR. A PARTICIPAÇÃO DA PM DECORRE DE SUA PRESENÇA NOS DIVERSOS RINCÕES DO TERRITÓRIO PAULISTA. TODO FATO CONSTITUI UM DETALHE DA HISTÓRIA QUE MERECE SER REGISTRADA.

O MUSEU DE POLÍCIA MILITAR SERÁ UM ESPAÇO CULTURAL DE RESPEITO À MEMÓRIA DE NOSSOS HERÓIS E DE HOMENAGEM AOS SEUS FEITOS.

FEITOS QUE SERÃO ETERNAMENTE LEMBRADOS E CULTUADOS EM RAZÃO DO MÉRITO E DO EXEMPLO A SER SEGUIDO.

ESTE É UM MOMENTO HISTÓRICO DE RELEVÂNCIA PARA A HISTÓRIA DO MUSEU, QUE ATENDENDO A NECESSIDADE DE MUDANÇAS CONCEITUAIS TRANSFORMAR-SE-Á NO NÚCLEO BÁSICO PARA ACOMPANHAR A VIRADA CULTURAL E RECEPCIONAR COMO FILIAIS OS MÚLTIPLOS MUSEUS EXISTENTES NOS BATALHÕES.

SENHOR COMANDANTE/ O DESTINO REUNIU SEUS COLABORADORES E AMIGOS/ PARA QUE TESTEMUNHASSEM A NOVA ETAPA DE DESENVOLVIMENTO DO MUSEU/ QUE ORA SE PROPÕE A DIVULGAR TODOS OS ASPECTOS DA CRIATIVIDADE CIENTÍFICA/ DA FORMAÇÃO ACADÊMICA, DA SENSIBILIDADE DO POLICIAL MILITAR, DA SUTILEZA DE SEUS ATOS DE HEROÍSMO/ SEMPRE PRESENTE NAS AÇÕES DE MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA E NA EXPRESSÃO DE SEUS DOTES ARTÍSTICOS.



AS EXPOSIÇÕES PERIÓDICAS SERÃO INTENSIFICADAS PARA QUE OS FATOS OCORRIDOS E REGISTRADOS COMO ACERVO POSSAM SAIR DA PRATELEIRA E RESGATAR O VALOR DO SER SENSÍVEL, DISCIPLINADO, GUARDIÃO DOS PRINCÍPIOS E VALORES MORAIS DO POVO BRASILEIRO.

DIVULGAREMOS AQUELES QUE PELA COMPETÊNCIA E ESPÍRITO DE HUMANIDADE ESTIVERAM PRESENTES NAS PEQUENAS OU NAS GRANDES OPERAÇÕES.

OPERAÇÕES DE RESGATE, DE SALVAMENTO, DE COMBATE A CRIMINALIDADE OU DE AÇÃO SOCIAL.

A HISTÓRIA DE NOSSOS ANTEPASSADOS E DE NOSSO PRESENTE É FABULOSA/ COMO SERÁ A DE NOSSOS SEGUIDORES.

NA SUA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR SENHOR COMANDANTE OLHAMOS PARA PESSOAS QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE PENSAR E AGIR, ENTRE OLHAR E FAZER E ENTRE FAZER BEM FEITO E FAZER COM CORAÇÃO, ENTRE FAZER COM DISCIPLINA E PLANEJAMENTO E DEDICAR-SE COM INTERESSE E ENTUSIASMO À CAUSA SOCIAL. QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE FAZER O ESTRITAMENTE NECESSÁRIO E FAZER COM E POR AMOR.

SABEMOS QUE NÃO EXISTEM CARGOS SEM IMPORTÂNCIA, ENTRETANTO A PUJANÇA E O BRILHO DA ATIVIDADE DA GRADUAÇÃO SÃO DO TAMANHO DO ESPLENDOR DO SEU DETENTOR.

GRANDE É O HOMEM QUE SABE FAZER OPÇÕES E CRIAR NA EQUIPE DE TRABALHO ESCOLHIDA O ESPÍRITO DE CORPO.

COMANDANTE CAMILO! SUAS ESCOLHAS FORAM FEITAS PELO BRILHANTISMO DE SUA INTELIGÊNCIA E PELA INDICAÇÃO DO COMANDANTE DO UNIVERSO. AQUELE QUE TEM O PODER DE VIDA E DE MORTE SOBRE TODOS NÓS.

CADA SER QUE AQUI SE ENCONTRA TEM UMA MISSÃO ESPECIAL A CUMPRIR. E ATÉ O MOMENTO EM QUE FORMOS RECRUTADOS, PARA SERVIR EM OUTRO REGIMENTO, DO QUAL NÃO PODEMOS RECUSAR; SUA EQUIPE CUMPRIRÁ A MISSÃO ESPECIAL QUE DEUS NOS RESERVOU COMO INTEGRANTES DE UM CÍRCULO ENERGÉTICO, CAPAZ DE CRIAR A HISTÓRIA QUE TRANSFORMARÁ O MUNDO CORPORATIVO.

AO RETORNAR APÓS 17 ANOS DE INATIVIDADE, RECONHEÇO NO ROSTO DE CADA COMANDANTE AQUI PRESENTE A FIGURA DO MENINO ADOLESCENTE, QUE ME OUVIA FALAR SOBRE A DEDICAÇÃO COMO DETALHE DIFERENCIAL NO CAMINHO DO SUCESSO.

AO OBSERVAR OS BRILHANTES CORONÉIS QUE FAZEM PARTE DA CÚPULA DA POLÍCIA MILITAR MEU PENSAMENTO É TOCADO PELA LUZ QUE BRILHA EM SEUS CORAÇÕES. MINHA MEMÓRIA, AO MESMO TEMPO QUE REGISTRA A ALEGRIA CONTAGIANTE DO AMBIENTE, EVOCA A LEMBRANÇA DOS IDOS DE 1980, QUANDO ESTE PROFESSOR DE PSICOLOGIA TECIA A REDE DE DETALHES QUE FAZIA A DIFERENÇA ENTRE OS BONS E OS ÓTIMOS.

NAQUELA ÉPOCA O PROFESSOR TRANSMITIA ESPERANÇA NO FUTURO PARA AQUELES QUE SE DEDICASSEM COM ENTUSIASMO: TRANSMITIA FÉ E DIZIA: - ALGUNS DE CADA TURMA CHEGARIA AO POSTO MÁXIMO: AO POSTO DE CORONEL FULL.

O QUE O CAPITÃO RICO NÃO SABIA É QUE O RESPONSÁVEL PARA ESCALAR A SELEÇÃO DO ALTO COMANDO JÁ ESTAVA DEFINIDO E QUE ELE ESTARIA PRESENTE PARA REGISTRAR A HISTORIA DA EQUIPE.

MAIS DE TRINTA ANOS SE PASSARAM E 61 SÃO OS CORONÉIS QUE CHEGARAM AO TOPO DA PIRÂMIDE CONSTITUÍDA POR 100.000 POLICIAIS MILITARES.

QUIS O COMANDANTE SUPREMO QUE AQUELE ORIENTADOR DA APMBB, FOSSE ORIENTADO POR UMA INTELIGÊNCIA SUPERIOR IMPLANTADA NO CEREBRO DO ADOLESCENTE ALUNO OFICIAL ALVARO BATISTA CAMILO. O ILUMINADO COMANDANTE GERAL DA FAMÍLIA POLICIAL MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

CORONEL YARA E SEU MARIDO FUCKS. COM QUEM TIVE O PRIVILÉGIO DE APRENDER SOBRE O COMPORTAMENTO FEMININO QUANDO INVESTIDO NO PODER DE COMANDAR.

CORONEL FUCKS O FIEL ESCUDEIRO DE YARA COM A MISSÃO DE CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA POLÍCIA FEMINA ORA COMO SUBORDINADO DE SUA ESPOSA, ORA COMO COMPANHEIRO NA MESMA GRADUAÇÃO.

CORONEL DANILO ANTÃO FERNANDES - SUBCOMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR QUE CARINHOSAMENTE É REFERENCIADO COMO FIEL ESCUDEIRO POR SUA EXCELÊNCIA O SENHOR COMANDANTE GERAL.

MEU AMIGO DANILO! ALUNO INTELIGENTE SENSÍVEL E HUMILDE NASCIDO EM UMA FAMÍLIA DE MÚSICOS QUE APRENDI A ADMIRAR A PARTIR DO CONVÍVIO COM SEU TIO MAJOR ANTÃO HOJE TENENTE CORONEL DA RESERVA. NETO DO CRIADOR DO CORPO MUSICAL O FAMOSO MAJOR ANTÃO.

CORONEL DANILO ANTÃO! CITEI ALGUNS PREDICADOS QUE A MÍDIA DESCONHECE, POIS NOTICIOU O IMPACTO DE UM TIRO QUE V. Sª RECEBEU NO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL, QUANDO NO COMANDO DE POLICIAIS MILITARES COM O ESCOPO DE MANTER A ORDEM PÚBLICA E RESTAURAR A PAZ SOCIAL. EU O CONHEÇO COMO O PROFESSOR CONHECE SEUS ALUNOS E POR ISSO POSSO AFIRMAR QUE FOI FEITA A MELHOR ESCOLHA PARA A CHEFIA DO ESTADO MAIOR DO CORONEL CAMILO.



EM 1981 RECEBERAM A ESPADA 198 ASPIRANTES.

ENTRE OS PRIMEIROS COLOCADOS DA TURMA ESTAVAM O COMANDANTE GERAL E SEU SUBCOMANDANTE.

O JOVEM ALUNO OFICIAL CAMILO TRANSFORMOU-SE EM HOMEM COMPETENTE PARA CONDUZIR UMA ORGANIZAÇÃO COMPOSTA DE 100.000 HOMENS E MULHERES.

O PROFESSOR DE PSICOLOGIA DA APMBB, HOJE, RECEBE COMO MISSÃO A ATIVIDADE DE RESGATAR A MEMÓRIA DOS HERÓIS DE TODOS OS TEMPOS.

A APMBB NOS ENSINOU A RESPEITAR A DIFERENÇA DE CENTÉSIMOS NA NOTA FINAL DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS/ PORQUE INTELIGÊNCIA E DESEMPENHO DETERMINAM A ANTIGUIDADE E ANTIGUIDADE É POSTO.

MEU CARO CORONEL ANTÃO ENCONTRA-SE PRESENTE ALGUEM QUE EM TÃO POUCO TEMPO APRENDEU A ADMIRAR SUA SENSIBILIDADE ARTÍSTICA COMO MÚSICO E SUA MAGNITUDE COMO SUBCOMANDANTE: O DOUTOR JOSÉ CARLOS COLOMO DO INSTITUTO CARLOS GOMES.

UM AGRADECIMENTO ESPECIAL AO DOUTOR EDUARDO AOS PROPRIETÁRIOS E DIRETORES DE MUSEUS AQUI PRESENTES E QUE EM AÇÃO CONJUNTA NOS AUXILIAM NA OBTENÇÃO DE RELÍQUIAS QUE SERÃO PEÇAS DAS COLEÇÕES DO MUSEU DE POLÍCIA MILITAR E NO APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO DA ATIVIDADE MUSEOLÓGICA.

AO DR. JOSÉ HÉLIO M PIRÁGINE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO E SUA ESPOSA BEATRIZ TALIBERTE AGUIAR TETRA NETA DE DOMITILIA DE CASTRO E MELLO MARQUESA DE SANTOS E DO BRIGADEIRO RAFAEL TOBIAS DE AGUIAR,

EM 1965 O CFA - CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO FORMOU 147 ASPIRANTES.

PEDRO ANTONIO CARLINI FOI O PRIMEIRO COLOCADO DA TURMA RECEBEU A ESPADA DA MÃO DO GOVERNADOR ADEMAR DE BARROS FOI UM DOS 31 PROMOVIDOS AO POSTO MÁXIMO DA CORPORAÇÃO.

TIVE A SATISFAÇÃO DE CONTINUAR COMO SEU COMPANHEIRO ATÉ PERTENCERMOS AO ALTO COMANDO.

SENHOR COMANDANTE GERAL E AMIGOS PRESENTES. ESTE É UM VERSÍCULO HISTÓRICO DOS MUITOS CAPÍTULOS QUE CONSTAM DO LIVRO DE NOSSAS VIDAS.

É A FAMÍLIA POLICIAL MILITAR QUE O SENHOR COMANDA QUE FAZ ACONTECER.

A INTERNET SERÁ UMA FERRAMENTA IMPORTANTE PARA QUE O MUSEU DE POLÍCIA MILITAR REGISTRE E DIVULGUE A FANTÁSTICA HISTÓRIA DAQUELES QUE VIVENCIAM O PRESENTE, RESPEITANDO O PASSADO PARA PRODUZIR O FUTURO.

NO PALCO DA VIDA TODOS SOMOS ARTISTAS E O MUSEU ESTA SE INFORMATIZANDO PARA REGISTRAR OS DETALHES QUE FAZEM A DIFERENÇA ENTRE O ÓTIMO E O EXCELENTE.

ESTÁ SE PREPARANDO PARA SER UM ESPETÁCULO, DIGNO DE SER COMENTADO.

APROVEITO ESTA OPORTUNIDADE PARA HOMENAGEAR TODAS AS MULHERES QUE CONSEGUIRAM ATINGIR O SUCESSO POR MÉRITOS PRÓPRIOS, NA PESSOA DE MINHA ESPOSA, COMAPNHEIRA DE TODAS AS HORAS DOUTORA LYCANTHIA CAROLINA RAMAGE, JUIZA FEDERAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO.

A NOVA MISSÃO:

QUIS O DESTINO QUE O VETERANO PROFESSOR FOSSE CONVOCADO, NÃO MAIS PARA COMANDAR OU ENSINAR, MAS PARA REGISTRAR OS FEITOS DOS NOVOS COMANDANTES E PARA QUE A MEMÓRIA INSTITUCIONAL SE PROTRAIA NO TEMPO.

O DIRETOR DO MUSEU TEM A MISSÃO DE REESTRUTURAR A VISÃO HISTÓRICA DE NOSSOS FEITOS DIVULGANDO A CULTURA PM ORIGINADA NOS CENTO E TRINTA DE TRINTA E UM.



ESSA É A HISTORIA QUE O MUSEU PRETENDE RESGATAR E REGISTRAR PARA GERAÇÕES FUTURAS. O CHIP QUE TEMOS NA NOSSA MEMÓRIA SERÁ IMPLANTADO NOS COMPUTADORES QUE PERPETUARÃO A CULTURA DA POLÍCIA MILITAR.

MISSÃO CUMPRIDA: - NOSSO LUGAR ESTÁ RESERVADO, O NOSSO POSTO SERÁ ATRIBUÍDO, NÃO PELA COMPETÊNCIA QUE A LEI NOS CONFERE, MAS PELOS MÉRITOS QUE SERÃO JULGADOS POR OCASIÃO DO ENCERRAMENTO DE NOSSA JORNADA. SE ASSIM NÃO FOSSE A MÃO QUE O AMPARA NÃO O TERIA CONSTITUÍDO O SEU GALARDÃO.

QUE DEUS NÓS ABENÇÕE E MUITO OBRIGADO A TODOS QUE ME HORARAM COM SUAS PRESENÇAS.





São Paulo, 11 de agosto de 2011



JOSÉ AUGUSTO FONTES RICO

Diretor técnico do Museu PM