segunda-feira, 9 de julho de 2012

CAPITÃO PM FELIPE, NO NÚCLEO DE CRUZEIRO ESCREVEU - O QUE VEM A SER O 9 DE JULHO PARA MIM E O PAPEL DOS NÚCLEOS DE CORRESPONDÊNCIA

O que vem a ser o Nove de Julho para mim e o papel dos Núcleos de Correspondência.




Quando criança, posso dizer que nasci rodeado pelas ideias da Revolução Constitucionalista de 1932, razão pela qual o assunto, desde a mais tenra idade, gera em mim enorme fascinação. Devo a isso pelo fato de ser neto de um Constitucionalista, o Anspeçada (entre Soldado e Cabo) Sebastião Peixoto, com quem tive a satisfação de ouvir suas aventuras nas Revoluções de 1924, 1930 e 1932, fortalecido com as pesquisas de seu filho (meu tio) Major PM José Francisco Peixoto nas suas “Pérolas Esparças” que neste momento folheio.

Meu avô entrou na Força Pública em 1922 e dela saiu em 1947 na graduação de 3° Sargento (como Comissário de Menores do Poder Judiciário de Bananal), tendo trabalhado seguidamente em São Paulo - 1922, Jundiaí - 1922, Bananal - 1923, São Paulo novamente (Guarda do Palácio e QG defensivo) - 1924, Queluz - 1924, Areias - 1924, Cunha - 1929, Campos Novos de Cunha – 1930, Cunha – 1931, Guaratinguetá – 1932 (somente a família se muda, pois meu avô estava no front), Bananal – 1932, Lavrinhas – 1934, Bananal – 1935, Redenção da Serra – 1935, São José do Barreiro – 1936 e Bananal – 1939.

Na Revolução de 1932, meu avô, conhecido como “vermelho”, era atirador da Esquadra de Metralhadora, lutando nas regiões de Sapé, Morro Frio e Vila Queimada e sendo Ordenança do Capitão Júlio Dino de Almeida. Em 09 de julho de 1966, meu avô é condecorado pelo Coronel PM Júlio Dino de Almeida em desfile defronte ao Mausoléu dos heróis de 1932 e o abraço emotivo entre ambos que se lembravam do front, sai na primeira página do Jornal Diário de São Paulo de 10 de julho.

Poderia ficar por muito mais tempo escrevendo sobre meu avô, mas não é este o objetivo deste expediente, mas sim em demonstrar o que é o 09 de Julho para mim.

Importante data não representa somente um momento vivenciado por pessoa querida na família, no qual procuro manter viva a história, através de um pequeno e modesto “Museu” familiar que está em fase final de reforma/expansão.

Não representa somente o artigo 284 da Constituição do Estado de São Paulo, que diz que o Estado, comemorará, anualmente, no período de 03 a 09 de Julho, a Revolução Constitucionalista de 1932.

Não representa somente a Lei Estadual n° 9.497, de 05 de Março de 1997, que instituiu como feriado civil, o dia 09 de Julho, data magna do Estado, conforme autorizado pelo artigo 1°, II, da Lei Federal n° 9.093, de 12 de Setembro de 1995.

Não representa somente o Decreto Estadual n° 51.130, de 25 de Setembro de 2006, que estabelece que as festividades alusivas à comemoração da data de aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, ficarão a cargo da Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública, por intermédio da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que poderá contar com a colaboração da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, com vista à realização de justa e condigna homenagem àqueles que tombaram em combate e aos que lutaram em prol da nobre causa constitucionalista.

Não representa somente a formação do “Exército Constitucionalista” que neste ano de 2012, desfila em comemoração ao 80° aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932.

Não representa somente a Declamação da “Oração Ante a Última Trincheira” de Guilherme de Almeida, a execução do “Toque de Silêncio” e a execução dos acordes da canção “Paris Belford”.

Não representa somente a Lei Estadual nº 13.203, de 10 de Setembro de 2008, que concede a Cruzeiro o “Título Honorífico de Capital da Revolução Constitucionalista de 1932” a ser comemorado anualmente no dia 9 de julho.



O 09 de Julho representa para mim muito mais que isso. Não deve ser comemorado somente em Julho, mas sim o ano inteiro, pois diariamente, um povo deve lutar para defender sua Constituição, que é a Lei Maior de um país, tal qual o fizeram os Constitucionalistas de 1932.

A Constituição da República Federativa do Brasil não é somente um conjunto de artigos, somos todos nós, Cidadãos de um grande país chamado Brasil, redigida pelos representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias.

Portanto, a causa constitucionalista não ficou adstrita a 1932, é mais atual do que nunca, é eterna e ampla, pois ela sempre será ameaçada e precisa de seus defensores, onde posso assim definir como algumas das ameaças:

- Desfacelamento do ente familiar e moral, o risco das drogas e do álcool, prejudicando a formação das atuais e futuras gerações.

- Ausência de Políticas Públicas que garantam ou resgatem a dignidade da pessoa humana.

- Escândalos Nacionais, Estaduais, Municipais e regionais envolvendo corrupção nas suas diversas formas e que tanto atravanca nosso crescimento e soberania.

Enquanto andarmos pelas ruas e nos depararmos com pessoas vivendo abaixo dos padrões mínimos de dignidade e moralidade (saúde, educação, cultura, segurança, lazer, trabalho, etc) conforme atestado pelo Título I – Dos Princípios Constitucionais, significa dizer que a Causa Constitucionalista ainda tem muito a fazer.

Esta é a razão pela qual os Constitucionalistas de 1932 ainda marcham, onde faço minha reverência ao amigo hoje conhecido, o Constitucionalista Nelson de Paula Mendes, nascido em 24 de Agosto de 1912 e que compareceu à Sessão Solene na Câmara Municipal de Cruzeiro, realizada no Colégio Arnolfo de Azevedo (com suas filhas, netos e demais familiares), onde fora assinado o Armistício de Cruzeiro em 02 de Outubro de 1932, cessando as hostilidades. Pensei comigo durante o evento: O que motiva estes Veteranos quase centenários a abdicarem do conforto de suas famílias e participar dos eventos alusivos a 1932?

Tive como resposta espiritual de que para eles a Causa Constitucionalista ainda não acabou pelos motivos acima elencados e que as novas gerações precisam assumir o Pavilhão Nacional e dar seguimento ao Movimento, pois sabem que ninguém é eterno.

Por esse motivo existe a Sociedade Veteranos de 32 – MMDC (veja no http://www.sociedademmdc.com.br/, https://twitter.com/mmdc32 e http://www.facebook.com/pages/Sociedade-Veteranos-de-1932-MMDC/130897380258415), que neste ano de 2012 comemora 58 anos de existência (criada em 07 de Julho de 1954, com personalidade jurídica de Associação Civil, sem fins lucrativos, com propósitos cívicos e patrióticos junto à Casa Civil do Governo do Estado de São Paulo, sediada na Rua Anita Garibaldi, nº 25, São Paulo-SP, CEP 01018-020, CNPJ 46.381.083/0001-07 e reconhecida como de Utilidade Pública pela Lei Estadual n° 5.530 de 14/Jan/60 e pelo Decreto Municipal n° 8.790 de 23/Mai/I970), onde nas palavras de seu Presidente, Sr Cel PM Mário Fonseca Ventura (http://ventura-memriasdoventura.blogspot.com/): “Hoje os nossos Núcleos de Correspondência alcançaram dimensão internacional, face à cibernética. Antes desses Núcleos a criação do jornal eletrônico 32 EM MOVIMENTO, em janeiro de 2011, já permitira dar uma divulgação invulgar à Sociedade Veteranos de 32-MMDC. Da velha guarda restam bem poucos. Apenas 41 combatentes dos 130 mil que se inscreveram em 32 estão espalhados pelo Estado todo. Muitos outros eventos acontecerão ainda. Os Núcleos estão surgindo em todos os pontos do Estado de São Paulo e há perspectivas de organização de departamentos em outros Estados do BRASIL, num verdadeiro sentido nacional do Movimento Constitucionalista de 32. Há uma falta latente de civismo no nosso país. Pontos nevrálgicos de corrupção atingem todos os nossos Poderes constituídos. Basta ler os jornais ou assistir a televisão para ver os mensalões, cuecas, cachoeiras e outros fatos lamentáveis acontecendo no Legislativo, Executivo e Judiciário. Leva-se a crer que o Brasil de hoje está bem pior do que em 1932. Uma Revolução Moral precisa ser feita rapidamente para não levar a nação ao abismo. A Sociedade Veteranos de 32-MMDC se propõe a trazer todos os valores dos nossos combatentes de 32 para os momentos atuais. Isso poderá ser feito com a intensidade que nossos Núcleos estão tomando”.



Hoje existem Núcleos Base, como o Núcleo MMDC Leste (Juventude Constitucionalista), criado em 06 de Julho de 2011 (veja no http://www.mmdcleste.com.br/site/ e http://www.facebook.com/mmdc.leste) com Estatuto próprio e os Núcleos de Correspondência, que trata de uma extensão da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, com Estatuto padronizado e idealizado pelo Professor Jefferson Biajone, sendo atualmente 08 (oito) no Estado:

1. Núcleo de Correspondência Soldado Maria Squassábia: http://mmdcsjbv.blogspot.com.br

2. Núcleo de Correspondência Baionetas de Buri: http://mmdcburi.blogspot.com

3. Núcleo de Correspondência Capitão Alfredo Feijó de Itapeva: http://mmdcitapeva.blogspot.com

4. Núcleo de Correspondência Bravos Paulistas de Cruzeiro: http://mmdccruzeiro.blogspot.com.br/

5. Núcleo de Correspondência “Paulistas de Itapetininga! Às Armas!”: http://mmdc.itapetininga.com.br, sendo o pioneiro dos NC criado em 12 de Julho de 2011.

6. Núcleo de Correspondência Voluntários Paulistas de Piracicaba: http://voluntariosdepiracicaba.blogspot.com

7. Núcleo de Correspondência Cel Francisco Vieira: http://nucleommdcitapira.blogspot.com

8. Núcleo de Correspondência Constitucionalistas de São Vicente: http://mmdcsaovicente.blogspot.com



O Objetivo dos Núcleos de Correspondência é "pesquisar fatos relativos à memória e os feitos de veteranos que participaram da Revolução Constitucionalista de 1932, sejam eles nascidos no Município de sua denominação ou que neste município vieram a residir, estando eles em vida ou já falecidos, de forma a produzir informações e difundir conhecimento".

Também existem outros Núcleos da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC: São José do Rio Preto, Jau, Guarulhos, Núcleo Aldo Chiorato de Campinas, LAPA, São Miguel Paulista, Maçônico, Cadete PM Ruytemberg Rocha, Núcleo Romão Gomes, Núcleo Gino Struffaldi e Capacetes de Aço de São Vicente.

Após todo o exposto, espero que todos os leitores tenham entendido que o 09 de Julho não se resume somente em um feriado estadual, em desfiles, mas sim em garantir um modo de vida social digno para todas as camadas sociais, via respeito ao que apregoa a Constituição pátria e que todos têm o dever de zelar.

Quanto aos eventos deste ano, já temos no Vale do Paraíba resultados positivos, com minha assunção como Presidente do Núcleo de Correspondência Bravos Paulistas de Cruzeiro, assim como o Vice Presidente, Capitão PM Anderson Luiz Alves dos Santos, onde estamos convidando pessoas capacitadas e interessadas à empreitada para a devida gestão do esforço, assim como estaremos em 11 de Julho em Areias fazendo a devida reunião para a criação de Núcleos de Correspondência em São José do Barreiro, Areias, Queluz, Piquete e Lorena.

Aos interessados, peço vossos apoios: nerivani@ig.com.br

Atenciosamente!

Capitão Felipe Neri Vani

Presidente do NC “Bravos Paulistas de Cruzeiro”.