domingo, 28 de dezembro de 2014

2015 NÃO PODE SER OUTRO 2014 - POR ROBERTO GONÇALVES



 2015 NÃO PODE SER OUTRO 2014


Vivemos o primeiro sábado de 2015, buscando a eterna sensação de
que tudo será melhor e a vida recomeça com o ano novo.
Não faz parte de nossos hábitos culturais dividir a vida em minutos,
dias, semanas e meses. Já está arraigado em nosso universo existencial
a divisão da vida em episódios anuais. Contamos nossa idade por
anos vividos, assim como comemoramos nossos aniversários uma vez
por ano. Os carros são referenciados pelo ano fabricado. Os cursos
tinham duração medida em anos, e agora, para tentar passar a idéia
que o tempo será mais rápido, inventaram o semestre, facilitando
também a matrícula nas escolas particulares. Como sempre, coisas
do comércio.
No período natalino, somado à passagem do ano, hoje, como quase
tudo no Brasil, recorre-se a uma palavra estrangeira para torna-lo mais
charmoso. E aí Reveillon é a nossa famosa festa da transição, com
shows pirotécnicos espalhados no país inteiro. E vestimos branco !
Assim que dezembro dá o ar da graça, começamos receber cartões
comerciais, quase sempre com a mesma mensagem: Feliz Natal e Próspero
Ano Novo !.
Desde criança vivo intrigado com essa mensagem, revelando que o
remetente deseja que sejamos felizes no Natal e prósperos no
ano novo, ou seja, aumentemos nossa fortuna material no ano seguinte,
e uma semana antes conquistemos a felicidade no Natal. Então surge
quase uma árvore de Natal de perguntas a respeito do que é ser
feliz, e como viver essa felicidade no Natal.
O próspero ano novo é claro, direto, objetivo e seco. Ganhe dinheiro,
aumente seus bens, afaste-se da pobreza material, deixe de ser
parte do problema e procure fazer parte da solução. É um conjunto de
apelos numa só frase, batida e surrada através dos anos.
Já o Feliz Natal é muito mais complicado, porque envolve valores,
concepções filosóficas a respeito da vida, envolvimento familiar e
conceito de família, amor ao próximo e principalmente gostar das
pessoas e de si mesmo, colocando a orgia gastronômica natalina
em segundo plano. Ser feliz no natal é olhar mais para as pessoas,
contendo a brutal ansiedade de estrangular o peru e a leitoa, com
o mesmo ímpeto que os homens da cavernas desossavam os
javalis.
Sempre procurei, nos cartões enviados a parentes e amigos, elaborar
textos e frases produtores de reflexão a respeito da misteriosa condição
humana.
O saudoso jornalista, escritor e poeta Daylor Varella, foi um intelectual
que aprendi respeitar, pela genialidade literária e apreciação de frases,
segundo ele, melhor resumo para tentar explicar o inexplicável.
Daylor era um mestre em "pincelar" frases em textos, mesmo os mais
extensos. No meu livro "Declaração de Amor à Vida", ele selecionou
mais de uma centena de frases, das quais separei, hoje, as mais
apropriadas para saudar nossos leitores, nesse começo de ano e
para sempre:
- Ninguém tem o direito de continuar perdido na estrada da vida.
- A felicidade pessoal deve ser escrita com as tintas de sua própria caneta.
- Somos a criança que não cresce e o lindo dia que sempre amanhece.
- Como entender o crepúsculo se não fantasiar as razões da noite ?
- Ser feliz é dizer as pessoas: sente-se aqui, por favor !
- O sorriso é a principal arma para se carregar na cintura.
- Não procure na bebida a resposta que só existe dentro de você !
- Coloque a rotina no avesso e não sonegue seu endereço.
- O superego nos desculpe, mas felicidade é propriedade do ego
   e não está à venda.
- A vida também existe no lugar onde ela é triste.
- Nos culpamos por não termos vencido. Quem ainda não venceu
  foi o Brasil.
- Já que vamos dormir o sono da eternidade, façamos longa a vida curta.
- Existe o horizonte porque existe o olhar !
- Sonhar é a legítima defesa do espírito.
- Segunda-feira é para lembrar que existe o sábado.
- A mãe é a certeza da maternidade. O pai é o talvez do DNA.
- O pessimista sabe que a terra é redonda, mas faz o mundo quadrado.
- A fé remove montanhas. A razão explica.
- Infeliz é quem não acende a luz e ainda critica o escuro.
- Entre a essência e a aparência, fique com a primeira, mas não se
esqueça da segunda.
- De todos animais, o ser humano é o que mais necessita de virtudes.

Roberto Gonçalves é cientista político

Nenhum comentário: