quinta-feira, 20 de novembro de 2014

HERÓIS E VILÕES!!!!! POR ROBERTO GONÇALVES



                      HERÓIS   E   VILÕES

A imensa maioria da sociedade brasileira é constituída de pessoas
comuns, isto é, pobres mortais que levantam cedo, correm para o
trabalho, voltam para casa, vivem no anonimato, assistem suas novelas
e adoram futebol. Frequentam as intermináveis filas de loteria, buscando
 vencer individualmente, ao invés de se associarem num projeto coletivo
de vitória, porque não são associativos, como os povos milenares.
Somos o país do cada um por si e Deus para, todos, chavão mais
antigo que o rascunho da Bíblia, livro que prega amor ao próximo .
 Em palavras da esquina ou dos "manos", se diz " sem essa, meu,
 de um por todos e todos por um. Isso é coisa de otário "
E, na linguagem culta da  filosofia, se debate a idéia de que nascemos
 e morremos sozinhos, logo, somos mais indivíduos que sociedade.
. O cotidiano mostra  gestos heroicos da população mais humilde
 e abomináveis exemplos de vilania de nossas autoridades.
O debate sobre o caráter do povo brasileiro não se esgota num só
artigo. Mas a tese da "cordialidade" precisa ser aprofundada, porque,
cada dia que passa, aumentam as convicções intelectuais de que
a tão cantada cordialidade brasileira não é bem assim.
A falta de cordialidade, somada ao abuso de autoridade, é a razão deste
artigo. Uma servidora pública exemplar, Luciana Silva Tamburini, Agente
 de Trânsito, intercepta um motorista , levando a famosa  "carteirada"
no nariz, de alguém que,  era apenas um motorista com problemas , mas
tenta se safar, burlando a lei, na condição de juiz.
 Uma autoridade pública, vivendo do salário pago por todos
nós, contribuintes, se colocando acima da lei que tem obrigação
 de respeitar, mais que todos, porque seu trabalho é
fazer os cidadãos cumprirem as leis, através de sentenças e
julgamentos, respeitando sempre a Constituição.
Eis aí um exemplo de heroísmo e vilania. Desnecessário dizer quem
é o vilão, mas importante destacar quem é a heróina, porque o exercício
da função pública honesta e altiva, num país com vilões espalhados
nos três poderes, não é fácil. E não bastasse a discussão na
abordagem, a funcionária exemplar foi processada e o corporativismo
do judiciário a condenou indenizar o Senhor Juiz.
Claro que este escândalo virou notícia internacional, fazendo o mundo
pensar, mais uma vez,  que o Brasil não é um país sério.
Luciana virou celebridade, apoiada por toda sociedade brasileira,
enquanto seu algoz só fez aumentar a crise de credibilidade em
relação ao judiciário brasileiro, começando pela rapidez que o
Supremo Tribunal Federal soltou a quadrilha de políticos mensaleiros,
deixando os burocratas, não políticos, mofando nas prisões.
Não podemos criminalizar o judiciário, pela arrogância de um juiz.
Temos o notável exemplo de Joaquim Barbosa, a dignidade do judiciário
em seu melhor momento na história do Brasil. Temos o combativo
 juiz do Paraná. Temos um novo Ministério Público engrandecido pelo
 espírito de Ulisses Guimarães em torna-lo poderosa instituição
 na Constituição de 1988. E fechamos o ciclo de esperanças com a
 Polícia Federal que está ajudando construir um novo Brasil,
desmascarando as gestões Lula e Dilma, período que a nação
 petralha  assaltou os cofres públicos, roubando bilhões e bilhões
de reais que poderiam ser investidos em educação e saúde.

Roberto Gonçalves é cientista político

COMISSÃO DA (IN) VERDADE - MISSÃO CUMPRIDA - TEXTO DO GENERAL-DE-BRIGADA Rfm VALMIR FONSECA AZEVEDO PEREIRA


Na Alemanha Nazista o sucesso do genocídio dos judeus era festejado pelos participantes da Conferencia de Wannsee destinada a discutir uma solução final para a “questão judaica na Europa”, como uma brilhante vitória.
                                                                                                                                                                                                                               
                                               MISSÃO CUMPRIDA                                              
A Comissão da Verdade atingiu o final de sua jornada. E foi gloriosa no seu tenebroso trabalho, apesar de descaradamente perseguir, difamar e destroçar os inimigos do desgoverno.
Durante três anos atuou sem freios e sem pudores na tentativa de denegrir cidadãos e desmoralizar os governos militares.
Atuando, constitucionalmente, foi implacável em destroçar honras, em dividir e manter viva as chamas do revanchismo.
Sem oposição, labutou com grandes efetivos, inúmeras Comissões Regionais da Verdade de inúmeros estados, polpudos recursos, milhares de subversivas e polpudamente aquinhoadas testemunhas e com o aval de substancial apoio jurídico.
Questionada por tentativas mesmo judiciárias foi poderosa e nem tomou conhecimento de modestas reações aos seus propósitos.
Ao que parece vai encerrar sua tremenda jornada com o orgulho da MISSÃO CUMPRIDA.
Prestigiou terroristas, vilipendiou inocentes e para fechar com chave de ouro o seu maligno trabalho, ainda acusa para futuras abominações, mais de cem militares da reserva.
E lança uma terrível mácula na Lei da Anistia.
Hoje, com a descoberta das inúmeras corrupções e tremendas maracutaias na Petrobras, muitos julgam que chegamos ao ponto da virada.
Ledo engano.
Apesar da quantidade de prisões com imenso estardalhaço efetuadas pela Polícia Federal, só ingênuos podem acreditar que as investigações e CPIs chegarão em breve a alguma conclusão e providências que levem os culpados, inclusive políticos e partidos, às garras da lei.
O nojento desgoverno, inclusive tem anunciado que graças às suas medidas a Petrobrás está sendo investigada.
O pouco que for extraído em termos de verdade na imensa maracutaia ainda será aproveitado pelo desgoverno como uma vitória de sua mirabolante gestão.
Os atentos, que não se iludem quanto à possibilidade de enfraquecimento e quiçá a débâcle do desgoverno petista, destacam que as medidas para a nossa comunização prosseguem em ritmo acelerado e o Decreto 8.243, as tentativas de anulação do direito à propriedade e a dominação da PF, entre outras, sublinham que paulatinamente eles obtêm o domínio total.
Os tolos alertam que a maioria daquelas medidas foi repudiada. Mas observem a maioria, o que significa que algumas passam, ou uma pequena parte, e não se esqueçam de que em curto prazo, as medidas de submissão estarão de volta nas pautas do Congresso, e mais dia menos dia, serão aprovadas total ou parcialmente.
Assim, neste ambiente de “caça aos porcos selvagens”, em pouco tempo, transformadas em politicamente corretas, terminarão transformando esta Nação num País comunista.

Entendemos que o êxito da Comissão da Verdade, que agiu com parcialidade descarada, sem sofrer o repúdio da sociedade, é um exemplo vergonhoso de como esta Nação está pronta para abandonar a democracia e ingressar no regime marxista.

 Com seu relatório final que será entregue à “colossal matrona”, no dia 10 de dezembro, teremos o aviltamento das Forças Armadas, e, quem sabe, a degradação de cem militares.
Ficaremos em alerta, à espera de alguma reação, de um grito de revolta, de vergonha, de dignidade.
Oxalá perdure no coração dos chefes militares uma réstia de amor à profissão, de camaradagem e de respeito, e em uníssono, repudiem o relatório e defendam os seus honrados soldados e preservem as suas Instituições da asquerosa perseguição.
Por ora, os militares relacionados pela Comissão serão colocados no Campo de Extermínio, e breve seguirão para as Câmaras, à espera de uma mão terrorista que soltará o mortífero gás.
Brasília, DF, 19 de novembro de 2014
Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira