quinta-feira, 15 de outubro de 2015

PÁTRIA NÃO EDUCADORA - POR ROBERTO DE ALMEIDA


Roberto de Almeida


 
AMIGOS

Recentemente,   um  amigo  deu-me  de  presente  um  livro  sobre  "a  história  por  trás  do  assassinato  dos  kennedy":    "IRMÃOS",  escrito  pelo  jornalista  americano    DAVID   TALBOT.   Nele,  há  uma  frase  que  teria  sido  pronunciada  por  Robert  Kennedy :    "Descobri  algo  que  nunca  soube:   que  meu  mundo  não  era  o  mundo  real".


É   alentador  que   Robert,  aos  trinta  e  tantos  anos,  tenha  chegado  a  esta  conclusão.   Acredito  que.  muitos,  neste  planeta,  tenham  ido   para  o  Paraíso   sem  que  tal  pensamento  tenha  aflorado  à  sua  consciência.    Ainda  bem   que  outros,  além  do ex-Procurador  americano,   também  chegaram  a  essa  conclusão.   Espero.


Um  deses  foi  OSVALDO   PERALVA,  ex-membro  do  Partido  Comunista  Brasileiro,  onde  entrou   em  1942,  aos  24  anos.   PERALVA    deixou  o  "Partidão"  na  década  de  1960,  se  não  me  engano,  e  escreveu  um  livro  sobre  as  engrenagens  do  comunismo  internacional  intitulado  "O  RETRATO".   Décadas  se  passaram   e   o  livro  foi  relançado  pela  Editora  Três  Estrelas..    Membro  da  "alta  cúpula"  do   PCB.   PERALVA,  conhecia  bem  o  funcionamento  do  Movimento  Comunista   internacional.   Sua   saída  ocorreu  após  o  famoso  "Relatório  Secreto",  de  Nikita  Kruschev,  sobre  os  "crimes"  "stalinistas",   que  chegou  à   imprensa  internacional  graças  ao  Serviço   Secreto  Israelense, a  MOSSAD.,    PERALVA  foi  editor-chefe  do  "Correio  da  Manhã",  além  de  ter  trabalhado   em  outros  órgãos  de  imprensa.  


PERALVA    menciona  a  criação,  pelos  soviéticos,  da  "Federação  Mundial  da  Juventude",  em  Budapeste,  que  tinha  entre  seus  dirigentes, o  brasileiro  Demóstenes  Lobo.    Conheci  Lobo  pessoalmente.   Foi  meu  chefe,  e,  posteriormente,  amigo,  na   Norton  Publicidade. Nessa   época,  há  muitos  anos,  tinha  deixado  o  PCB,  juntamente  com  vários  intelectuais  brasileiros.


Em  uma  das  vezes  que  jantamos  juntos,  e  elas  foram inúmeras,   pois  uma longa  amizade  se  formou,    Lobo  mencionou,  para  minha  surpresa  de  jovem  "executivo"   de  Marketing,  a  utilidade  de   conhecer  o  pensamento  de  MAO  TSE  TUNG, no  que  ele  tinha  de  aplicação  ao  Marketing ,  principalmente,  nos  seus  aspectos  "estratégicos".      Naquela  época  ainda  nem  se  pensava  no  "Marketing  de  Guerra"


Sou  da  "geração  do  livro".   Procurei  confirmação do  que  meu  amigo  Lobo  tinha  dito.  Os  livros  de  MAO  estavam  proibidos.   Arranjei  edições  espanholas.  Li,  e  ainda  guardo,  "LA  GUERRA  REVOLUCIONÁRIA",  "LA  GUERRA  PROLONGADA",  "ESCRITOS  MILITARES"  E  "CINCO  TESES  FILOSÓFICAS".    Lobo  tinha  razão.    Anos  depois  surgiu  o  "Marketing  de  Guerra".    Fica  a  indicação  para  os  "especialistas"  de  Marketing.   Leiam  não  só  MAO.  mas  CLAUSEWIZ,   GIAP  ("Guerras  de  Liberacion") ,  MONTGOMERY   ("Memórias",  paticularmente  o  capítulo  intitulado  "Minha   Doutrina  de  Comando").  Há  muito  o  que  aprender  além  de  KOTLER.  Especialmente   numa  época  em  que  os  "marqueteiros"  assumem  as  "campanhas"  políticas,   temos    muito  o  que  aprender  lendo  tais   autores.


Por  falar  em  livros  a  "Folha  de  São  Paulo"  acaba  de  lançar  na  Coleção  Grandes  nomes  do  Pensamento,   "CONTRIBUIÇÃO  À  CRÍTICA  DA  ECONOMIA  POLÍTICA",  de  Karl  Marx.   Lembro-me  da  época  de  estudante,   na  USP,  quando  tínhamos   a   tarefa  de    ler,  e  não  havia  edição  em  português.    É   uma  boa  introdução  para  quem  não  quiser  enfrentar  o  "difícil"  "O  CAPITAL".   MARX,  ao  contrário  de  FREUD,  que  era  um  bom  ficcionista,  era  um  mau  estilista.        Com  a  leitura  da  "CONTRIBUIÇÃO",  os  candidatos  a  "esquerdistas"  podem  evitar  aquela  situação  que,  na  época,  chamávamos   de  "marxistas  de  orelha".    O  indivíduo  que  só  lia  "a  orelha"  do  livro  e   começava  a  discursar  sobre  "capital"  e  "trabalho". 


Hoje,  estamos  em plena  "era  da  Pátria  Educadora".   A   televisão  transmite  os  discursos  prenhe  de  conhecimentos  de  DONA  DILMA .   Sua  "falação"  tem  abrangido  desde  o  "empacotamento  do  vento"  até  "a  introdução  da  mandioca  que  criou  a  "Mulher  Sapiens".       Os  livros  já  não  são  proibidos.  O  problema  é  que,  além   dos  "bestsellers",   as  edições  são  pequenas  pois  não  há  compradores.   É  o  "desafio"  da  "Pátria  Educadora".  Como  grande  parte  dos  nossos  estudantes,  segundo  testes  internacionais,  não  conseguem  "entender"  grande  parte  do  que   supostamente  leem,  quem  sobreviver,  verá.  

BOA  NOITE,  BOA  SORTE.    NÃO  ESQUEÇAM  DE  PAGAR  A  CONTA,  A  MENOS  QUE  VOCÊS  ACREDITEM  NO  GOVERNO,  NO  CONGRESSO   E  NO  STF.     A  ILUSÃO  É  A  ÚLTIMA  QUE  MORRE.,    MAS,  MORRE.

Nenhum comentário: