segunda-feira, 16 de novembro de 2015

BRASÍLIA DOS MILAGRES - DE CARLOS BRICKMANN - ENVIADO POR ROBERTO DE ALMEIDA

Roberto de Almeida


REPASSANDO  PARA  CONHECIMENTO.............roberto




---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Dario Gabai <dario.gabai@terra.com.br>
Data: 16 de novembro de 2015 00:51
Assunto: FW: Brasília dos Milagres - Coluna Carlos Brickmann
Para: Dario Gabai <dario.gabai@terra.com.br>



REPASSANDO   PARA  CONHECIMENTO..............ROBERTO





Atè parece artigo do Arnaldo Jabor;   muito bom!!
O Brickmann escreve o que muitos de nós gostaríamos de escrever e nem sempre temos o talento , otempo e a coragem de fazê-lo

Sent: Sunday, November 15, 2015 4:20 AM
To:
Subject: Brasília dos Milagres - Coluna Carlos Brickmann

Problemas de visualização? Veja esta newsletter em seu navegador.
---

Não deixe de ler os artigos que selecionamos para você:

---

Brasília dos Milagres

(Edição de DOMINGO, 15 de novembro de 2015)

O ótimo escritor americano Mark Twain dizia que os Estados Unidos tinham o melhor Congresso que o dinheiro podia comprar. Problema deles: em nosso país tropical, abençoado por Asmodeus e bonito por natureza (mas que beleza!), os parlamentares abrem o mar do nosso dinheiro que virou vermelho. Milagre!

 

Pois o milagre se realiza há anos. O deputado João Alves dizia que enriqueceu ganhando sucessivas vezes na Loteria – deve ser verdade, porque deputado não pode mentir, é quebra de decoro. Eduardo Cunha, em operações só agora conhecidas, vendia carne brasileira enlatada para a África, e o dinheiro ia para a Suíça.

 

Talvez seja a carne daquele gado valorizadíssimo criado por Renan Calheiros, rebanhos imensos, que apenas as monumentais pradarias russas (e as fazendas alagoanas ainda maiores, mas que de tão modernas são apresentadas em modo compacto), do hoje presidente do Senado. E descobriríamos que a pensão para a bela mãe de sua não menos linda filhinha viria da venda do maravilhoso gado para o exportador Eduardo Cunha.

 

Ou talvez o gado de Cunha fosse criado nas fazendas aéreas de Romero Jucá, para que a pata dos bois não machucasse a terra com suas duras pisadas. Nas áreas do ranário da família Barbalho, aquelas amplamente financiadas pelo BNDES, jamais: ali, se um dia rãs surgissem, os bois poderiam pisá-las. Mas as tais rãs que tanto custaram aos cofres públicos nem precisam aparecer. Rãs fantasmas podem ser pisadas por bois fantasmas, fantasmagoricamente, todos financiados com dinheiro público real.


Real? Vá lá: dólar.

 

A terra dos craques

 

Em Brasília, a Tenda dos Milagres, milagres proliferam. Gente que quando morava na Grande São Paulo nem pensava em enriquecer se deu bem no Planalto. Os Ronaldinhos dos Negócios enricaram com aquele esporte tão popular, tão apreciado, tão praticado no Brasil: o futebol americano. Deram-se tão bem fora de São Paulo que, mesmo quando tiveram de retornar ao Estado, nem casa quiseram: moram de favor em mansões suspensas de amigos generosos e desinteressados.

 

O Gogó de Ouro recebe milhões por requisitadas palestras, para ouvintes ávidos e privilegiados, que pagam pela exclusividade, porque ninguém fora das salas refrigeradas e protegidas jamais ouviu qualquer palavra lá pronunciada, jamais viu sequer fotos destes eventos tão lucrativos. Nem selfies! Há até coxinhas brancos, feios, golpistas e de olhos azuis dizendo que as palestras, como as rãs do tal ranário, são apenas imaginação.

 

Mas foram pagas, são reais. Ou dólares.

 

Como está, fica

 

Dilma e Eduardo Cunha são hoje amigos desde criancinhas. Cunha será um obstáculo ao impeachment, os parlamentares do PT tentarão impedir que Cunha seja derrotado na Comissão de Ética. Um não pode romper com o outro ou os dois se afogam.

 

Se bem que o escorpião não podia picar o sapo no meio do rio, pois ambos morreriam, e picou assim mesmo – porque era de sua índole.


As rosas não falam – e se falarem?

 

Atenção que esta é uma bomba. Conta o jornalista Carlos Newton que o repórter Thiago Herdy, futuro presidente da Abraji, Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, ganhou na Justiça o direito de acesso aos dados do cartão corporativo do Governo Federal usado por Rosemary Noronha, ex-chefe da representação da Presidência da República em São Paulo.


O mandado de segurança 20.895 foi concedido pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça. Rose sempre teve a confiança de Lula. E, apanhada na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, manteve-se até hoje em silêncio. Mas seu cartão corporativo pode indicar muita coisa – até mesmo, como se comenta, se participou de viagens aéreas com Lula sem constar na lista de passageiros.

 

Segundo a decisão judicial, não há motivo para o sigilo do cartão de Rose. Mas, se o Governo fez questão do sigilo, é porque acha que motivos há.


Tarda e falha

 

No dia 5, romperam-se as barragens da Samarco, em Minas; um rio de lama tóxica destruiu várias cidades e matou mais de duas dezenas de pessoas – ainda sabe-se lá quantas que terão desaparecido na lama. A presidente Dilma foi visitar a região uma semana depois, no dia 12, e não botou os pés em terra: bastou-lhe o sobrevoo de helicóptero. E garantiu que o Ibama vai multar a Samarco em R$ 250 milhões, de imediato, fora outras multas possíveis. E daí? Daí, nada.

 

Das multas impostas pelo Ibama, 99% não foram pagas, ponto final. Das multas impostas pelo Governo Federal como um todo – Ibama, Banco Central, agências reguladoras, TCU – só 3,7% foram pagas. Os devedores não apenas não pagam como não são sequer inscritos no Cadin, o Cadastro dos Inadimplentes, cujo objetivo é registrar quem não paga para proteger o Governo de assinar contratos com eles. Por enquanto, há R$ 25 bilhões em multas não pagas.


O Governo finge de bravo, multa, ninguém paga e fica por isso. Quanto às providências para ajudar os atingidos, isso é com os outros, sabe-se lá quem.

 

Perguntar não ofende

 

Se o dinheiro que o Governo quer que seja repatriado é clandestino e está em contas secretas, como se sabe a quanto monta?

 

Alguém terá vontade de trazê-lo?

Nenhum comentário: