sexta-feira, 20 de novembro de 2015

ÉTICA, PARIS E OUTROS ASSUNTOS - POR ROBERTO DE ALMEIDA

ÉTICA, PARIS E OUTROS ASSUNTOS

Entrada
x
Roberto de Almeida

Roberto de Almeida

01:13 (Há 21 horas)
para flaviofrazaoAraciGiselleMartatelfleschtelma-loboPauloricardoallegroRicardoRicardoRicardoricknnickelAndréJoaquimjoaolemosbarbo.JoséjoseJosejosejosepereiraban.josilspJoséHelioDarioDarci
PREZADO   FLÁVIO  ARAUJO  E  DEMAIS  AMIGOS:

Vou  tentar  responder  algumas  das  suas  perguntas.   Tomo  a  liberdade  de  repassar  as  minhas  observações  aos  demais  amigos  com  o  objetivo  de  ampliar,  caso  eles  julguem  necessário,  nosso  diálogo.    Acredito  que  será  proveitoso  para  todos.

l.-  ÉTICA  ;     

Contam  que  Herman Goring,  Ministro  da   Alemanha  nazista,  disse,  certa  vez,   que  "tinha  vontade  de  puxar  o  revolver  quando  ouvia  a  palavra  "cultura".  Para   um  indivíduo  que  fazia  parte  de  tal  governo,  admito,  seria  natural  tal  declaração.    Engraçado  é  que,  estou    começando  a  ter  a  mesma  vontade  quando  ouço  alguém,  das  "altas  esferas  do  poder",  mencionar  a  palavra  ÉTICA.    Ainda  bem  que  sou  "homem  de  paz"  e   não  costumo  andar  armado.    Entretanto,  começo  a  compreender  por  que  Goering  tinha  tanta  raiva  da  palavra  "cultura".     "Cultura",  na  Alemanha  Nazista,  e  "Ética",  "neste    lado  do  Paraíso",   devem,  por  algum  mecanismo  de "reflexo  condicionado",   eliciar  o  mesmo   tipo  de  resposta  comportamental   que   estou   começando  a  ter..    "Cultura"  está  tão  distante  da  Alemanha  de  Goering,  como  "ética"  está    distante  do  dia-a-dia  dos  nossos  "podres  poderes".


Por  esta,  e  outras  razões,   passei  a  limitar  o  meu  tempo  diante   dos  "noticiários"  da   "máquina  de  fazer  doido".    A  manutenção  da  minha  sanidade  mental  o  exige.    Reafirmo  minha  total  "DESCRENÇA"   nos  "TRÊS"   "Poderes    da    República".    E   não  consigo  perceber  nenhuma  alteração   nos  próximos  anos,  a  manos  que  aconteça algo  inusitado  o  que  é  muito  difícil. 


Não  tenho  nenhuma  satisfação  em  verificar  que  tudo  o  que   imaginei  está  se  confirmando.   E  os  amigos  sabem  que  a  minha  "visão  do  estado   de  coisas",  neste  país,  está  longe  de  ser  otimista.   O   "milagre"   da   "política"  do  "toma  lá,  dá  cá"  é   maior  do  que  o  "milagre  da  multiplicação  dos  pães".


2.-  PARIS


Os  lamentáveis  fatos  ocorridos  em  Paris   ocupam  os  noticiários  internacionais  da  Televisão.   Lamentáveis,  mas  "previsíveis".    Sou  radicalmente  CONTRA  a  utilização  do  "terrorismo"  como  "arma  política".   Um  dos  motivos  -  e  não  é o  menor  -  é  a  morte  de   pessoas  inocentes. O  outro  é  que  nada  se  resolve.  Pelo  contrário.   


"Terrorismo"  não é  solução  embora  sua  prática  seja  tão  antiga  quanto  "andar  para  frente'.   E,  a  bem  da  verdade,  a   FRANÇA,  em  passado  recente,  deu  bons  exemplos.  Não  vamos  falar  da  "Revolução  Francesa",   que  ofereceu  ao  mundo  um  dos  primeiros  exemplos  de  "terror  promovido  pelo  Estado",  sob  a  direção  de  ROBESPIERRE,  ele  mesmo,  "guilhotinado"  mais  tarde  pelo  regime  que  criou.


Não  pode  ser  esquecido  o  "terrorismo"  que  o  exército  francês   impôs  na   antiga  "Indochina"  (antes  de  ser  derrotado  em  "Dien  Bien  Phu")  e  na  "guerra  da  Argélia" onde  alguns  generais  franceses  chegaram  a  criar  uma  organização  terrorista,  a "Organização  do  Exército   Secreto"  (OAS  da  sigla  em  francês)  que,  entre  outros  atos,  realizou  algumas  tentativas  para  "matar"  o  GENERAL  DE  GAULLE,  então  Presidente  da  França.


Claro  que  isso  não  é  uma  justificativa.    O  "Terrorismo"  é injustificável.    Mas,  infelizmente,   não    habitamos  o  "reino  dos  céus" .   Os    atos  de  "terror"  vão  continuar  fazendo  parte  do  nosso  dia-a-dia.    Para  aqueles  que  tiverem  interesse   recomendo  a  leitura  do  livro  "TERRORISMO  -   UM   RETRATO",  do  historiador  David  J.  Whittaker,  editado  pela  Biblioteca  do  Exército,  em  2005.    Coleção  General  Benício.


3. -   BENYAMIN  NETHANIAHU   E   A   IMPRENSA

Recentemente,  o  Primeiro  Ministro  de  Israel,  BENYAMIN NETHANIAHU ,  no  bojo  da  crise  mais  recente   entre  Israel  e  Palestina,  fez  uma  declaração  a  respeito  de  um  líder  palestino  que   "teria  sugerido"  a  Hitler,  o  "holocausto".   Desconheço  a  origem  de  tal  declaração .   Pelo  que  me  é  dado  conhecer  a  origem   desta  "ideia  infame"  nasceu  na  famigerada  "reunião  de  Wansee" ,   onde    altos  dirigentes  nazistas  tramaram   o  hediondo  crime.


Entretanto,  é  curioso  o  "tratamento"  dado  pela  imprensa  ocidental  a  declaração  de  Nethaniahu.    Houve  um  "clamor"  generalizado  e  choveu  críticas.    


Entretanto,     quando  o  Presidente  do  Irã,,  há  alguns  anos,  publicamente,  declarou  que  o  "holocausto"   não  tinha  existido  e   completou  dizendo  que  "varreria  Israel  do    mapa",  a  imprensa  assinalou  o  fato,   mas  sem  o  estardalhaço   correspondente.


A   mesma  coisa  acontece  hoje  quando   o  HAMAS  dispara  foguetes  contra  alvos  civis  israelenses,  o  que,  geralmente,  é  ignorado  ou  minimizado.     Mas,  a  reação   israelense  é  sempre  motivo  de  amplas  reportagens.   E  até  o  "nosso"  famigerado  "desgoverno"  termina  por  "meter  a  colher"  no  assunto,  brandindo  os  tais  "dereitos   humanos".   Deveria  ter  "vergonha  na  cara",  pois  o  pior  da    "faixa  de  Gaza"  ocorre   na  "linha  vermelha" ,  na  cidade  do  Rio  de  Janeiro.  


Não  acredito   que  esta  atitude    contribua  para  a  paz.   Aliás,  é  minha  opinião,  que  quanto  menos  elementos  alheios  se  intrometerem  na  questão  israelense-palestina   mais  fácil  será  encontrar  uma  solução  para  o  problema.     O  difícil    é  isto  acontecer. 


BOA  NOITE,  BOA  SORTE

Nenhum comentário: