segunda-feira, 6 de abril de 2015

NUNCA É TARDE - Se um policial mata pra se defender, é pecado?

Exaltação e propaganda da Ditadura Militar na Rede Globo (1975)

CONHEÇA AS 20 OBRAS QUE O BRASIL FINANCIOU NO EXTERIOR COM DINHEIRO DO BNDES (SEU DINHEIRO)

CONHEÇA AS 20 OBRAS QUE O BRASIL FINANCIOU NO EXTERIOR COM DINHEIRO DO BNDES (SEU DINHEIRO)

 Notícias atuais
Conheça as 20 obras que o Brasil financiou no exterior com dinheiro do BNDES (seu dinheiro)
Além das obras citadas no artigo, existem mais de 3.000 empréstimos concedidos pelo BNDES no período de 2009 a 2014. A seleção dos recebedores destes investimentos, porém, segue incerta.
Não é novidade para ninguém que o Brasil tem um problema grave de infraestrutura. Diante dessa questão, o que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz? Financia portos, estradas e ferrovias – não exatamente no Brasil, mas em diversos países ao redor do mundo.
Desde que Guido Mantega deixou a presidência do BNDES, em 2006, e se tornou Ministro da Fazenda, em 2006, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social tornou-se peça chave no modelo de desenvolvimento proposto pelo governo. Desde então, o total de empréstimos do Tesouro ao BNDES saltou de R$ 9,9 bilhões — 0,4% do PIB — para R$ 414 bilhões — 8,4% do PIB.
Alguns desses empréstimos, aqueles destinados a financiar atividades de empresas brasileiras no exterior, eram considerados secretos pelo banco. Só foram revelados porque o Ministério Público Federal pediu na justiça a liberação dessas informações. Em agosto, o juiz Adverci Mendes de Abreu, da 20.ª Vara Federal de Brasília, considerou que a divulgação dos dados de operações com empresas privadas “não viola os princípios que garantem o sigilo fiscal e bancário” dos envolvidos. A partir dessa decisão, o BNDES é obrigado a fornecer dados sobre que o Tribunal de Contas da União, o Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU) solicitarem. Descobriu-se assim uma lista com mais de 2.000 empréstimos concedidos pelo banco desde 1998 para construção de usinas, portos, rodovias e aeroportos no exterior.
img1398939784
Quem defende o financiamento de empresas brasileiras no exterior argumenta que a prática não é exclusiva do Brasil. Também ocorre na China, Espanha ou Estados Unidos por exemplo. O BNDES alega também que os valores destinados a essa modalidade de financiamento correspondem a cerca de 2% do total de empréstimos, e que os valores são destinados a empresas brasileiras (empreiteiras em sua maioria), e não aos governos estrangeiros.
A seleção dos recebedores destes investimentos, porém, segue incerta: ninguém sabe quais critérios o BNDES usa para escolher os agraciados pelos empréstimos. Boa parte das obras financiadas ocorre em países pouco expressivos para o Brasil em termos de relações comerciais, o que leva a suspeita de caráter político na escolha.
Outra questão polêmica são os juros abaixo do mercado que o banco concede às empresas. Ao subsidiar os empréstimos, o BNDES funciona como um Bolsa Família ao contrário, um motor de desigualdade: tira dos pobres para dar aos ricos. Ou melhor, capta dinheiro emitindo títulos públicos, com base na taxa Selic (11% ao ano), e empresta a 6%. Isso significa que ele arca com 5% de todo o dinheiro emprestado. Dos R$ 414 bilhões emprestados este ano, R$ 20,7 bilhões são pagos pelo banco. É um valor similar aos R$ 25 bilhões gastos pelo governo no Bolsa Família, que atinge 36 milhões de brasileiros.
Seguem 20 exemplos de investimentos que o banco considerou estarem aptos a receberem investimentos financiados por recursos brasileiros. Você confirma todas as informaçõesclicando aqui.

1) PORTO DE MARIEL (CUBA)

porto-mariel-cuba
Valor da obra – US$ 957 milhões (US$ 682 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

2) HIDRELÉTRICA DE SAN FRANCISCO (EQUADOR)

uhe-sanfrancisco-equador_1
Valor da obra – US$ 243 milhões
Empresa responsável – Odebrecht
Após a conclusão da obra, o governo equatoriano questionou a empresa brasileira sobre defeitos apresentados pela planta. A Odebrecht foi expulsa do Equador e o presidente equatoriano ameaçou dar calote no BNDES.

3) HIDRELÉTRICA MANDURIACU (EQUADOR)

manduriacu
Valor da obra – US$ 124,8 milhões (US$ 90 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht
Após 3 anos, os dois países ‘reatam relações’, e apesar da ameaça de calote, o Brasil concede novo empréstimo ao Equador.

4) HIDROELÉTRICA DE CHAGLLA (PERU)

ala1
Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 320 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

5) METRÔ CIDADE DO PANAMÁ (PANAMÁ)

panama-Metro
Valor da obra – US$ 1 bilhão
Empresa responsável – Odebrecht

6) AUTOPISTA MADDEN-COLÓN (PANAMÁ)

sec_1_panama_11
Valor da obra – US$ 152,8 milhões
Empresa responsável – Odebrecht

7) AQUEDUTO DE CHACO (ARGENTINA)

img_964
Valor da obra – US$ 180 milhões do BNDES
Empresa responsável – OAS

8) SOTERRAMENTO DO FERROCARRIL SARMIENTO (ARGENTINA)

1652110w645
Valor – US$ 1,5 bilhões do BNDES
Empresa responsável – Odebrecht

9) LINHAS 3 E 4 DO METRÔ DE CARACAS (VENEZUELA)

01.-Metro-de-Caracas
Valor da obra – US$ 732 milhões
Empresa responsável – Odebrecht

10) SEGUNDA PONTE SOBRE O RIO ORINOCO (VENEZUELA)

ponte-rio-orinoco2_g
Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 300 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

11) BARRAGEM DE MOAMBA MAJOR (MOÇAMBIQUE)

imagem-1228
Valor da obra – US$ 460 milhões (US$ 350 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Andrade Gutierrez

12) AEROPORTO DE NACALA (MOÇAMBIQUE)

nacala_1
Valor da obra – US$ 200 milhões ($125 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

13) BRT DA CAPITAL MAPUTO (MOÇAMBIQUE)

Mhoje_baixa3_photo_jpg
Valor da obra – US$ 220 milhões (US$ 180 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

14) HIDRELÉTRICA DE TUMARÍN  (NICARÁGUA)

Agua-Verm0801
Valor da obra – US$ 1,1 bilhão (US$ 343 milhões)
Empresa responsável – Queiroz Galvão
*A Eletrobrás participa do consórcio que irá gerir a hidroelétrica

15) PROJETO HACIA EL NORTE – RURRENABAQUE-EL-CHORRO (BOLÍVIA)

Evo-y-Lula-da-Silva
Valor da obra – US$ 199 milhões
Empresa responsável – Queiroz Galvão

16) EXPORTAÇÃO DE 127 ÔNIBUS (COLÔMBIA)

120_transmilenio_1
Valor – US$ 26,8 milhões
Empresa responsável – San Marino

17) EXPORTAÇÃO DE 20 AVIÕES (ARGENTINA)

0,,19422150,00
Valor – US$ 595 milhões
Empresa responsável – Embraer

18) ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CAPITAL PERUANA – PROJETO BAYOVAR (PERU)

4568916331_6d20d28d33_z
Valor – Não informado
Empresa responsável – Andrade Gutierrez

19) RENOVAÇÃO DA REDE DE GASODUTOS EM MONTEVIDEO (URUGUAI)

y-Gasoducto-Neuba-II-editada
Valor – Não informado
Empresa responsável – OAS

20) VIA EXPRESSA LUANDA/KIFANGONDO

via
Valor – Não informado
Empresa responsável – Queiroz Galvão
Como estes existem mais de 3000 empréstimos concedidos pelo BNDES no período de 2009-2014. Conforme mencionado acima, o banco não fornece os valores… Ainda.

REFORMA POLÍTICA PARA O FORO DE SÃO PAULO CONTINUAR GOVERNANDO O BRASIL


Artigos de outros autores

Voltar para listagem

A REFORMA POLÍTICA PARA O FORO DE SÃO PAULO CONTINUAR GOVERNANDO O BRASIL.

por Bruno Braga. Artigo publicado em 
No final do ano passado, o então deputado Renato Simões (PT-SP) declarou em plena Câmara Federal: o Brasil é governado - não pela Presidente Dilma Rousseff - mas pelo Foro de São Paulo [1]. Uma declaração assim, aberta e sem o menor pudor, é por si só escandalosa. Porém, o espanto pode ser ainda maior se ela e quem a enunciou forem inseridos na análise de um dos principais temas do debate público atual: a reforma política.

Renato Simões participou de reuniões promovidas pelo Foro de São Paulo no exercício do seu mandato parlamentar [2]. Mas, antes mesmo de compor a Câmara dos Deputados, o petista frequentou os encontros da organização fundada por Lula e por Fidel Castro como Secretário de Movimentos Sociais do PT - é preciso destacar: como Secretário de MOVIMENTOS SOCIAIS do PT. Por exemplo, estava ele em Caracas, na Venezuela, participando ao lado do tiranete Hugo Chávez e de seu futuro herdeiro, Nicolás Maduro, do XVIII Encontro do Foro de São Paulo [3].

Muito bem. Atualmente, Renato Simões está empenhado na promoção de duas propostas de reforma política: uma, que seria desenvolvida por meio de um Plebiscito Constituinte; a outra, um projeto de lei dito de "iniciativa popular" apresentado por uma tal "Coalizão para a Reforma Política Democrática"
As duas propostas de reforma política têm o apoio da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), apesar de estarem em total desacordo com os princípios e orientações da Igreja Católica. E, embora aparentemente distintas, elas têm o mesmo objetivo: inserir nas instâncias decisórias da administração pública os chamados "movimentos sociais", que são grupos ligados diretamente ao PT ou que de alguma forma são aliados do partido [4]. O MST é o caso mais emblemático. Os sem-terra - que assinam as duas propostas - são parceiros históricos do Partido dos Trabalhadores e um braço do Foro de São Paulo, um braço armado e treinado em atividades de guerrilha [5]. Portanto, não é difícil notar que a reforma política "democrática" é uma fraude. Trata-se propriamente de iniciativas maliciosas que promovem "movimentos sociais" comprometidos com o comuno-petismo para ampliar e fortalecer o seu projeto de poder totalitário.

Renato Simões já não é mais Deputado Federal. No entanto, ele passou a integrar uma equipe de trabalho na Secretaria Geral da Presidência da República, que tem entre suas principais atribuições a de intermediar as relações do governo federal com as "entidades da sociedade civil", com os chamados "movimentos sociais". Simões - que pertence à "Militância Socialista" do PT - aceitou o convite do ministro Miguel Rossetto - que é da "Democracia Socialista", a ala trotskysta do Partido dos Trabalhadores. O ministro da Presidente Dilma Rousseff que mantém uma relação estreita com o MST [6] e que se comprometeu com a CNBB - com um aperto de mãos - com a promoção da reforma política [7].

Renato Simões aparece ao lado de Miguel Rossetto - antes de integrar oficialmente a equipe do Ministro. A foto acompanha uma publicação da Secretaria Geral da Presidência da República que tem o título - "Ministro Miguel Rossetto OUVE MOVIMENTOS SOCIAIS sobre a reforma política" - e explica que "o encontro faz parte dos DIÁLOGOS entre o ministro e a SOCIEDADE para debater o assunto" (Cf. [http://www.secretariageral.gov.br/noticias/2015/fevereiro/04-02-2015-ministro-miguel-rossetto-ouve-movimentos-sociais-sobre-reforma-politica]). A publicação coloca Renato Simões - um agente do Foro de São Paulo, e que nem deputado federal era mais - como um "representante da sociedade".
Para preparar a conclusão, é importante observar que no seu XIX Encontro - que em 2013 contou com uma saudação especial da Presidente Dilma Rousseff - o Foro de São Paulo estabeleceu: "Temos que REPOSICIONAR O ESTADO e APROFUNDAR A DEMOCRACIA, ASSEGURAR A HEGEMONIA e a ESTABILIDADE POLÍTICA para a realização das MUDANÇAS e GERAR NOVOS ESPAÇOS DE PARTICIPAÇÃO POPULAR NA GESTÃO PÚBLICA e no cumprimento dos direitos básicos da população" [8]. No encontro do ano passado, que aconteceu na Bolívia, a organização comunista ressaltou o "compromisso com o conteúdo de declarações anteriores, em particular a do XIX Encontro, realizado em São Paulo", afirmou o princípio da "DEMOCRACIA e PARTICIPAÇÃO POPULAR" - com o protagonismo dos "MOVIMENTOS SOCIAIS" - para o "ROMPIMENTO RADICAL com O SISTEMA patriarcal de ORGANIZAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA" [9].

Diante do exposto, as propostas de reforma política promovidas por Renato Simões atualizariam aquela sua despudorada declaração na Câmara dos Deputados. O Plebiscito Constituinte e o projeto de lei dito de "iniciativa popular" são - assim como o decreto 8.243-14 [10] - mecanismos e ferramentas para permitir que o Foro de São Paulo continue governando o Brasil.

Referências.

[1]. "O Foro de São Paulo governa o Brasil" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/03/o-foro-de-sao-paulo-governa-o-brasil.html].
[2]. Idem.
[3]. Cf. [http://forodesaopaulo.org/o-pt-e-o-foro-de-sao-paulo/].
[4]. Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/07/padres-pregam-proposta-de-reforma.html].
[5]. Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/o-mst-e-o-foro-de-sao-paulo.html].
[6]. Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/11/nao-sabe-de-nada-inocente.html].
[7]. Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/02/de-maos-dadas-pela-reforma-politica.html].
[8]. XIX Encontro do Foro de São Paulo, Declaração final, São Paulo, 2013 [http://forodesaopaulo.org/declaracion-final-sao-paulo-2013/].
[9]. XX Encontro do Foro de São Paulo, Declaração final, Bolívia, 2014 [http://forodesaopaulo.org/declaracao-final-do-xx-encontro-do-foro-de-sao-paulo/].
[10]. "O decreto do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/06/o-decreto-do-foro-de-sao-paulo.html].

Compartilhar

Artigos de outros autores

GENERAL TORRES DE MELO: SOLUÇÃO IMEDIATA PARA AS CRISES BRASILEIRAS

SOLUÇÃO, IMEDIATA PARA AS CRISES BRASILEIRA doc. 29 - 2015

Entrada
x

TORRES DE MELO gtmelo@guararapesgrupo.com.br

09:28 (Há 1 hora)
para mim
SOLUÇÃO, IMEDIATA PARA AS  CRISES BRASILEIRA doc. 29 - 2015

O País enfrenta, no momento, várias crises conjunturais, em face da
debilidade de suas atuais Instituições e da conjuntura caótica das suas
atividades vitais.
As pesquisas recentes colocam os Poderes Legislativo e Executivo, num nível
de aceitação popular, abaixo de 10%.  Certamente, o Poder Judiciário não
fica longe.
È possível, de imediato, reverter a situação caótica do País, com
providências administrativas, políticas, econômicas, sociais e éticas, sem
nenhum sacrifício para as massas populares, tais como:
1.   Medidas comuns aos três Poderes da República:
        - redução dos custos, de cerca de 30% que resultaria, no mínimo,  numa
arrecadação de R$500 bilhões de reais, ou seja 17% do PIB, que seriam
reorientados para investimentos;
        - combate, sem trégua, ao contrabando, com arrecadação estimada de mais de
R$200 bilhões de reais, ou seja, 6,6% do PIB, que seriam reorientado para
investimentos;
        - combate, sem trégua, a corrupção, com uma arrecadação estimada em R$150
bilhões de reais ( segundo a CGU), ou seja 5% do PIB, que seriam
encaminhados para investimento.
2.    Providências específicas, nas áreas administrativas:
        -  redução do número de ministérios, de cerca de 50%, saindo dos atuais 39
para menos de 20 ( redução de pessoal, de móveis e imóveis, custeio de um
modo geral, etc.,);
        - Redução drástica dos 25 mil “funcionários” comissionado para cerca de um
mil, semelhante as das democracias dos EUA e a da Inglaterra:
        - criação do Estado Necessário, nem autoritário, nem liberal, afastado de
todas as atividades em que as empresas privadas tenham competência e
interesse para atuar.
2.   Providência na área política:
        -  redução do custo de um parlamentar, em cerca de 50%, saindo dos atuais
R$126.000,00      ( cento e vinte e seis reais) para R$60.000,00 ( sessenta
reais);
        -  redução do números de parlamentares, em todos os níveis , em 30%,
inclusive no Senado que passaria de três por Estado, para dois;
3.   Providências na área social:
        -  fixação em 30 dias  para o período de férias, para todos os servidores
públicos e fixado os períodos de gozação para evitar o colapso
administrativo;
-  eliminação   do déficit na Previdência Social, com uma economia de R$100
bilhões/ano, moralizando a administração, ajustando as contribuições,
deixando de aposentar não contribuinte e aposentando conforme o valor  e
tempo da contribuição, etc.:
-  dar prioridade aos investimentos nas área de saúde, educação e
segurança, visando o bem estar social;
 4.  Providências na área econômica:
        - realizar as reformas ditadas pelas necessidades de adequar a economia
nacional para atender a  população brasileira  e tornar o Brasil
competitivo no sofisticado mercado internacional, atuando na áreas
tributárias, na da remuneração do trabalho, de investimento, de produção e
comercialização;
        - orientar os investimentos na infra-estrutura  ( física, de energia e
educacional e tecnológico, etc., ) visando baixar o chamado “custo Brasil”,
e manter empregada toda a população ativa  do País;
Apenas  com essas providências  permitiriam um investimento de mais 30% PIB
em vez dos atuais 17% aa, com o País crescendo a mais de 5% a.a, com pleno
emprego e assegurando a inclusão social de todos os brasileiros, eliminando
 as disparidades regionais e de classes, e recolocando o Brasil em uma
posição de destaque entre BRICS e as 20 maiores economia do mundo.
È evidente, que com a adoção de um Plano Estratégico de Longo Prazo e  uma
Gestão Profissional e Honesta, de Governo,  com o aproveitamento  de todas
as potencialidades do brasileiros, e de seus recursos naturais, num curto
prazo, estaremos entre as Grandes Potências Mundiais.

Fortaleza, 23 de março de 2015.

GRUPO GUARARAPES

SE GOSTAR REPASSE, POR FAVOR.