sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O CADETE ESQUECIDO - MEUS AGRADECIMENTOS AO CAPITÃO PM SÉRGIO MARQUES

O Cadete esquecido

Entrada
x

Sergio Marques

Anexos16:34 (Há 5 horas)
para MariaReynaldoAdilsonCelsomimHenriqueFernandoEmersonFelipeAlberto
Cara Sra. Cel PM Maria e Srs. Cel PM Ventura, Cel PM Reynaldo, Cel PM Celso Luiz e Cel PM Franco e demais Srs. Oficiais, boa tarde.

Como é sabido, todas as Unidades da Força Pública (bem como da Guarda Civil) participaram ativamente nas atividades desenvolvidas durante a Revolução Constitucionalista de 1932. Essas duas Instituições unidas em 1970 compõe hoje o "DNA" da Polícia Militar do Estado de São Paulo.
Sobre o Movimento, dois casos pesquisados chamaram-me a atenção. Nesse documento versarei sobre os guerreiros que tombaram e eram, à época, Alunos do CIM (CURSO DE INSTRUÇÃO MILITAR) do Curso de Formação de Oficiais da Força Pública, cerne do atual Curso de Formação de Oficiais - CFO da APMBB. Na ocasião a sede do Batalhão Escola, que era o CIM, localiza-se na Av. Tiradentes, na Capital. Somente em 1944 o CIM foi deslocado e tomou posse da Invernada do Barro Branco. Estávamos em pleno desenvolvimento da II Guerra e o Brasil havia declarado Guerra aos países do Eixo. A Força Pública, ciente de que o Exército Brasileiro desejava o espaço da Invernada, rapidamente providenciou a instalação da Escola, atual APMBB, garantindo assim a gigantesca área para o Estado (e a Instituição).

Tradicionalmente, são esses os 3 (três) jovens idealistas que tombaram pelo ideal Democrático e Constitucional que a Revolução pregava:

1. Aluno FP RUYTEMBERG ROCHA, nascido em São João da Bocaina, atual Bocaina - SP, região de Jaú, falecido com um tiro na cabeça ocorrida na batalha no cemitério de BURI-SP (Setor Sul, Paraná), choque que teve dezessete horas de duração, em 26jul32, com 24 anos. Fora comissionado no posto de Capitão FP e eternizado no Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco do Ibirapuera). Era solteiro. É patrono do "DA XV de Dezembro" da APMBB (ANEXO 1), além de seu nome ser homenageado em um dos núcleos do MMDC, a cargo da APMBB (Núcleo Cadete PM RUYTEMBERG ROCHA). Foi o primeiro Aluno a falecer em combate. O Cadete RUYTEMBERG empresta também seu nome completo a uma Rua no Parque Mandaqui, zona norte da Capital. Tradicionalmente é o Aluno falecido mais conhecido.

2. Aluno FP MANOEL DOS SANTOS SOBRINHO, nascido em Pedra- PE, falecido com várias marcas de bala pelo corpo e o crânio amassado por golpes de fuzil, na estrada Socorro- Lindoia, em MONTE SIÃO-MG (Setor Leste, Mineiro), 18ago32, com 30 anos. Fora comissionado no posto de 2º Tenente FP (alcançando o posto de Capitão FP em batalha). Seu sepulcro encontra-se abandonado no CEMITÉRIO SÃO PAULO, sendo que a ideia futura é levar seus restos mortais para o Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco do Ibirapuera). Era solteiro. Outro documento será confeccionado sobre esse Soldado da Lei, conhecido, ao lado de outros 3 (três) soldados voluntários mortos com ele na trincheira (Batalhão 23 de Maio), como HERÓIS DE AMERICANA. O Capitão MANOEL empresta também seu nome completo a uma Rua na Vila Santa Catarina, em Americana - SP.

3. Aluno FP ANTÔNIO RIBEIRO JUNIOR, paulistano, falecido com um tiro em ITAPETININGA-SP (Setor Sul, Paraná), em 15set32, com 23 anos. Fora comissionado no posto de 2º Tenente FP (alcançando o posto de Capitão FP em batalha), eternizado no Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco do Ibirapuera). Quando faleceu era o comandante do Batalhão de Voluntários “Borba Gato.” Era solteiro. O Aluno FP ANTÔNIO (falta confirmação de que se trata da mesma pessoa) empresta seu nome completo a uma rua no bairro Jardim Alto Pedroso, na zona leste da Capital. Era solteiro.

Em razão desses heróis tivemos a fundação, em 1948 do DA XV de DEZEMBRO, com o semblante (perfil) representando os 3 (três) Alunos mortos durante a Revolução (ANEXO 1).  

Por fim, a razão desse documento, em pesquisa no Livro "CRUZES PAULISTAS, OS QUE TOMBARAM, EM 1932, PELA GLÓRIA DE SERVIR SÃO PAULO", publicado em 1936, que descreve a trajetória de 440 heróis que deram o seu sangue, sua mocidade e sua vida por São Paulo, pude observar o que segue:

Além dos 3 (três) Cadetes acima descritos, outro também faleceu e, por todo esse tempo, sua memória permaneceu esquecida na "Casa- Mãe", ou seja, por 83 anos...

Trata-se do Aluno do CIM MANOEL FARIA INOJOSA, Aluno do Curso Especial da Força Pública (Lei 1.244, de 27 de dezembro de 1910, que dispunha sobre a organização Força Pública, http://zip.net/bdr9w0),
nascido em Pesqueira-PE, falecido com um tiro na boca em ITAPIRA-SP (Setor Leste, Mineiro), em 29ago32, com 23 anos. Fora incorporado no Batalhão Extranumerário do 4º BCP (Batalhão de Caçadores Paulistas, atual 4º BPM/I, cuja sede é Bauru- SP). Durante a Revolução muitos voluntários se alistaram nos Batalhões da Força Pública, daí o termo "Extranumerário", pois complementavam os efetivos regulares de nossa tropa. Ele está enterrado no CEMITÉRIO SÃO PAULO. Diferentemente do herói Aluno FP MANOEL DOS SANTOS SOBRINHO, que se encontra só na lápide, vários familiares de nosso guerreiro estão no mesmo jazigo, dentre eles, sua esposa, Sra. Adalgisa Delvo Inojosa, falecida em 14jan72, portanto, 39 anos após o falecimento de nosso herói. O Aluno FP INOJOSA empresta também seu nome completo, com o termo Sargento, a uma rua no bairro Jardim Nova Esperança, em Bauru – SP.
Após longa pesquisa em campo pude encontrar o túmulo do Aluno FP INOJOSA na Quadra 06, Terreno 62, como dito, no Cemitério São Paulo. Para ilustrar o conteúdo da situação anexei algumas imagens, dentre elas, uma foto de nosso protagonista fardado (Anexo 2) e a imagem do Túmulo (Anexo 3) com os dizeres (AQUI REPOUSA MANOEL FARIA INOJOSA *12-3-1909 - + 29-8-1932. LUTOU PELO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932), coincidentemente, ao mesmo lado do aviso de falecimento de sua esposa, Sra. Idalgisa
Interessantíssimo que os atuais Cadetes conhecessem os fatos narrados, com o propósito de conhecerem a geração que não se furtou ao chamado da Democracia.  
O Aluno FP INOJOSA, pernambucano de origem, refuta qualquer alegação de que o Movimento tinha o viés separatista e que fora desencadeada por Paulistas natos de famílias capitalistas, apenas.
 
          Opino a V. Sª para que seja estudada a possibilidade de nossa APMBB, similar ao que ocorreu no RPMon, comandado à época pelo Ten Cel PM Sardilli, com a inauguração dos bustos de 03 (três) ícones da PMESP e do Regimento (Sargento Frédéric Stattmuller, Oficial da I Missão francesa, comissionado no posto de Capitão FP, Miguel Costa e Júlio Marcondes Salgado, Generais da Força), que os 4 (quatro) Alunos (Cadetes) mortos em 1932 possam ter um busto, em local de destaque, dentre outras ações, para meditação das novas gerações acadêmicas e preservação da memória Institucional.
Att


Blog do 23º Núcleo de Correspondência da Sociedade Veteranos de 32-MMDC: SOLENIDADE DE 9 DE JULHO

Blog do 23º Núcleo de Correspondência da Sociedade Veteranos de 32-MMDC: SOLENIDADE DE 9 DE JULHO: 9º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DO INTERIOR - MARÍLIA - REALIZA SOLENIDADE ALUSIVA À REVOLUÇÃO DE 1932 - HOMENAGEADO UM VETERANO DE 103 ANOS...


Novidades sobre NC de Marília


x

JBiajone


para FernandomimSociedade
Estimado 1º Ten PM Perpétuo
Saudações meu caro. Veja como ficou o blog do 23º NC
http://mmdcmarilia.blogspot.com.br/
Eu fiz o que pude com a imagem que mandou, mas acredito que seria melhor outra imagem...
Pensei a respeito. É necessária também uma foto do presidente.

O NC de Marilia já está também na listagem de NCs:
http://mmdc.itapetininga.com.br/contatos.htm
No mais fico no aguardo para novas mudanças
Biajone
Out 9, 2015
PS: encaminho estatuto para breve

PROVOCAÇÕES DESNECESSÁRIAS - GENERAL CARLOS CHAGAS.

Provocações desnecessárias

Nelson Nunes Fernandes

Anexos


Carlos Chagas

Do  festival de trapalhadas encenado   pela presidente Dilma, esta semana, com mais uma  reforma do ministério,  destaca-se o perigoso tratamento dado às forças armadas. Nem se lembra a desnecessária  criação do ministério da Defesa, no governo Fernando Henrique, manobra para afastar   das reuniões  ministeriais  os representantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.  Depois  sacrificou-se   a Casa Militar, antes paralela à Casa Civil, substituída pelo Gabinete de Segurança Institucional, mesmo com status de ministério.  Uma diminuição que levou seu titular, o general José Elito, a sacrifícios sem conta, inclusive o de  ser afastado  das  reuniões matinais dos ministros da casa com a presidente Dilma. Obrigou-se a aguardá-la na porta da garagem do palácio do Planalto, despachando no elevador que os conduzia ao terceiro andar, sob o desinteresse de Madame. Agora, nem isso.  O Gabinete de Segurança Institucional  passa a apêndice da Secretaria de Governo.  Sob sua supervisão  continuará seguindo  a Abin, principal órgão  de informação da presidente da República,  mas  que, pelo jeito, não tem a menor  curiosidade de  ser informada.
Para não sofrer novas  humilhações, demitiu-se o general  José   Elito.      Alegou  “dever de lealdade e  em memória dos que o antecederam, lamentando a decisão e desejando que seja revogada, para o bem da sociedade e do Brasil”.
PIOR NÃO FICA
O general foi o único com  coragem de discordar. Outros demitidos  até aplaudiram,  como os agora ex-ministros da   Saúde,  Educação, Portos, Trabalho, Direitos Humanos, Previdência Social, Mulheres, Assuntos Estratégicos, Micro  e  Pequena Empresa. Pouco importa se seus substitutos em maioria carecem de qualidade e competência para exercer suas funções. Com poucas exceções,  os ex-ministros preferem ficar pendurados no  poder, à espera de melhores dias. Ou piores para os novos, já que a equipe anunciada sexta-feira carece de unidade. 
Salta aos olhos, também, mais uma desastrada iniciativa da presidente Dilma. Para atender às ordens do Lula, substituiu Aloízio Mercadante  por Jacques Wagner, na chefia da Casa Civil. Mas para o ministério da Defesa, ou seja, o comando das forças armadas, nomeou Aldo Rebelo. No mínimo uma provocação desnecessária, pois o correto ex-presidente da Câmara dos Deputados é filiado ao Partido Comunista do Brasil. Mesmo sendo diferentes  os tempos,  tendo a ditadura  ido para  a estratosfera, não haveria outro ministério para Rebelo? Nem alguém capaz de ocupar a Defesa sem pertencer ao partido que historicamente se opôs aos militares, até pela luta armada? 
Tem-se a impressão de que no governo do PT ainda existem bolsões empenhados em acertar contas com um passado prestes a ser esquecido. Por que pretendem  reavivar velhas contendas? Para demonstrar que detém a força?
O mal-estar nas forças armadas é evidente. Não lhes cabe posicionar-se como partidos políticos. Cumprem a Constituição, mesmo engolindo sapos em posição de sentido. Mas fica a pergunta sem resposta: para que?