sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

MEUS OITO ANOS!!!! - WALDEMAR BATISTA. - COMUNIDADE BARRO BRANCO


ENC: FW: MEUS OITO ANOS !!
7 postagens de 4 autores
 
Atribuir
Waldemar Batista 
11 de fev (13 horas atrás)
Outros destinatários: Cbb-Ninho@googlegroups.com
                                                      Caro Coronel Ciapina, senhores, boa noite.
                                        Hoje de manhã , como sempre, minha rotina, fui a padaria tomar meu café. No estacionamento reservado aos idosos, estava um veículo e em seguida chega um jovem e antes que ele entrasse no carro, interpelei :- Oh bicho, aqui é reservado aos velhinhos. Ele me reconheceu, pediu desculpas e disse-me que foi apenas por alguns instantes. Vim para casa, sentei-me no sofá e voltei ao tempo. Motivo de meu texto.
                                        Lembrei-me das tantas vezes que fui “barrado” em portarias, principalmente de cinemas pelo fato do filme ser impróprio para menores de dezoito. (hoje tais filmes são considerados, contos infantis, na internet , TV.) e me dei conta dos anos que se foram nesse intervalo. Sessenta anos.
                                       Me deu uma nostalgia e anexei o poema. Nós mais velhinhos, não temos como não sentir saudades. È o preço da idade.
                                       Senti saudades. Saudades da minha pensão na rua Tamandaré, dos amigos da época, que nunca mais revi. Da velha São Paulo, ainda romântica, onde saia-se de um baile de mãos dadas com uma garota, na madrugada sem problema algum. Saudades do bonde que fazia o percurso das avenidas. Do ônibus Penha-Lapa. Saudades da Boca do Lixo, Ruas Vitória, Timbiras, Guaianases  Aurora  e adjacências , que compreendiam desde a velha rodoviária, até próxima a Av. Ipiranga, onde circulavam as “meninas da vida”, cafetões fazendo uso dos hotéis de curta permanência. Lá uma vez ou outra, saia uma navalhada. Arma de fogo e mortes, eram coisas  raras . Hoje morrem gente a tarde na Praça da República, vítimas de ladrões.
                                       Saudades da Boca do Luxo. Final da Ipiranga, início da Consolação. Suas boates, shows internacionais e ainda ali perto o Som de Cristal, uma gafieira respeitável , com uma boa orquestra , bom samba e saudosas moreninhas. Hoje nem orquestras temos mais. Música, música mesmo, dançar de rosto colado é passado. Tudo foi substituído pelos metais, baladas e perderam até para o baile Funk. Que transformação !.
                                        Tenho saudades  da Cantina Don Chichilo. Ficava na rua do Gasômetro, logo após o Viaduto. Nem sei se existe mais, mas se ainda está lá, quem puder vá, em especial à noite. Comer um cabrito assado, com batatas douradas e brócolis é fantástico, ainda mais acompanhado de um bom vinho italiano e ouvindo as músicas italianas ao vivo. Como diria o Gritti, saudades.
                                        Como diz  Mário Quintana em seu texto “ O Tempo” “ quando se vê já terminou o ano. Quando se vê passaram cinquenta anos. Não deixe de fazer o que gosta, por falta de tempo, pois a única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente , nunca mais voltará “.
                                       Me desculpe Chefe, mas temos que ter uma válvula de escape. Esta por minutos foi a minha e também acho que serve para reflexão, pois o ontem é passado, o amanhã é uma interrogação e o hoje chamamos de presente. Vamos vivê-lo a cada minuto, enquanto Deus nos permitir, mas temos que convir, difícil olvidar o passado, pois ele não se coloca em seu lugar e insiste em permanecer no presente.
                                      Hoje é quinta. Bom final de semana a todos. Meu abraço.

Nenhum comentário: