domingo, 23 de outubro de 2016

ASSUNTOS PATRIÓTICOS - POR ISAAC CARREIRO

ASSUNTOS PATRIÓTICOS

"Nem cora o livro de ombrear com o sabre. Nem cora o sabre de chamá-lo irmão." (Castro Alves. Espumas Flutuantes).                                         Por Isaac Carreiro Filho

No ano em que se comemora o 194º (centésimo nonagésimo quarto) aniversário da independência política brasiliana, trago à baila o presente artigo que trata de alguns assuntos patrióticos e de interesse público. O leitor entenderá o significado de LDN, saberá das novas oportunidades de carreira feminina nas Forças Armadas, da atual crise na saúde militar, das consequências imediatas dos cortes orçamentários na Defesa, receberá uma pequena homenagem e lembrança da Guerra dos Farrapos e agradecimento pela indicação ao Prêmio Excelência e Qualidade Brasil 2016.

A GUERRA DOS FARRAPOS – Esta guerra se inicia com a invasão de Porto Alegre pelos farroupilhas, em 20 de setembro de 1835, Dia do Gaúcho. Esta guerra ocorreu no Rio Grande do Sul na época em que o brasil era governado pelo Regente Feijó (Período Regencial). Esta rebelião, gerada pelo descontentamento político, durou por uma década. O estopim foi as grandes diferenças de ideais entre dois partidos: os Liberais Exaltados, que apoiavam os republicanos e os Legalistas, que davam apoio aos conservadores.
Em 1835 os rebeldes Liberais, liderados por Bento Gonçalves da Silva, apossaram-se de Porto Alegre, fazendo com que as forças imperiais fossem obrigadas a eixarem a região. Após a captura e prisão de Bento Gonçalves, durante um confronto ocorrido na ilha de Fanfa, no rio Jacuí, os Liberais não se abateram e sob a liderança de Antônio Neto obtiveram outras vitórias. Em novembro de 1836, os revolucionários proclamaram a República de Piratini e Bento Gonçalves, ainda peso, foi nomeado presidente. Somente em 1837, após fugir da prisão, é que bento Gonçalves finalmente assume a presidência da República de Piratini.
Mesmo com as forças do exército da regência, os farroupilhas liderados por Davi Gonçalves, conquistaram a vila de Laguna, em Santa Catarina, proclamando, desta forma, a República Catarinense. Entretanto, em 1842, o governo nomeou Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, para colocar fim ao conflito. Após três anos de batalha e várias derrotas, os “Farrapos” aceitaram a proposta pacificadora feita pelo Duque de Caxias. Com isso, em 1845, a rebelião foi finalizada. Nossas sinceras homenagens aos gaúchos e gaúchas de todas as querências, amigos e simpatizantes.


                                “Não tá morto quem peleia” (General Mourão)


DISCIPLINA MILITAR PRESTANTE
“De Formião, filósofo elegante,
Vereis como Aníbal escarnecia,
Quando das artes bélicas, diante
Dele, com larga voz tratava e lia.
A disciplina militar prestante
Não se aprende, Senhor, na fantasia,
Sonhando, imaginando, estudando,
Senão vendo, tratando e pelejando.” (Os Lusíadas. Luís Vaz de Camões. Estrofe 153).

LIGA DA DEFESA NACIONAL - A Liga da Defesa Nacional (LDN) é uma instituição cívica e patriótica,  tendo sido  fundada em 7 de setembro de 1916, na cidade do Rio de Janeiro, por Olavo Bilac. O “Príncipe dos poetas” contou com o apoio de diversos patriotas como Pedro Lessa, Miguel Calmon, Pantaleão da Silva Pessoa, Coelho Neto, Genserico de Vasconcelos, conselheiro Rui Barbosa, Wenceslau Braz, almirante Alexandrino de Alencar, marechal Caetano de Faria e monsenhor Vicente Lustosa. A instituição tem por finalidade desenvolver os sentimentos patrióticos dos brasileiros de todas as classes sociais, dentro das leis vigentes no País, independentemente de credos e convicções políticas, religiosas ou filosóficas, de preservar a memória dos grandes vultos nacionais, regionais e municipais e de rememorar fatos e feitos expressivos de nossa História Pátria. Os membros da LDN são carinhosamente conhecidos como patriotas. O seu lema: “Tudo pela Pátria!”
MULHERES GUERREIRAS NO EXÉRCITO - Projeto Inserção do Sexo Feminino na Linha de Ensino Militar Bélico do Exército Brasileiro (PISFLEMB-EB). O Exército Brasileiro anuncia pela primeira vez edital com oportunidade de ingresso do sexo feminino na área bélica. A formação da mulher como oficial combatente será iniciada na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), em Campinas (SP), e será concluída na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em Resende (RJ). O preparo da mulher como sargento combatente será iniciado na Organização Militar Corpo de Tropa, em Juiz de Fora (MG), e concluído na Escola de Sargentos de Logística (EsSLog), no Rio de Janeiro.  Matéria completa “O sexo feminino amplia sua presença na força terrestre” na Revista Verde-Oliva nº 230 - ESPECIAL, de DEZ 15. (Gerhard Erich Boehme). A EsPCEx (Escola Preparatória de Cadetes do Exército) também está admitindo o ingresso feminino. Futuramente teremos mulheres generais.
A SAÚDE MILITAR – Crise na saúde no Brasil tende a se agravar e o sistema da saúde do EB está indo para o mesmo caminho. O salário do médico militar somente é atrativo para quem saiu da faculdade, com o passar dos primeiros cinco anos ocorrem as evasões. Normalmente, os médicos deixam o EB para ganhar o dobro ou o triplo do salário pago pela Instituição. É a lei da oferta e da procura. A procura por bons médicos é grande, porém a oferta deste profissional é pequena. Os grandes responsáveis pela falta de médicos são o MEC, os Conselhos Regionais de Medicina, e as Faculdade Públicas de Medicina. O MEC não implementou um política para a formação de médicos para atender a necessidade da sociedade. Os Conselhos e as Faculdades Públicas colocavam dificuldades para a abertura de curso de medicina nas Universidades Particulares. É o corporativismo das Faculdades Públicas, pois elas não têm condições de ampliar o efetivo dos cursos de medicinas e não querem permitir que outras faculdades particulares tenham cursos de medicina. São os professores das faculdades públicas, nomeados pelo MEC, que fazem a avaliação dos novos cursos. Como exemplo: Fortaleza, sexta maior capital do país, até 2008, tinha apenas um curso de medicina da UFC. Hoje, possui cinco novos cursos, sendo um da Universidade Estadual e os outros das Faculdades/Universidades particulares.
Se hoje temos um efetivo razoável de médico no Hospital Militar é graça ao EAS, serviço militar obrigatório, e ao voluntarismo do seguimento feminino. Cada dia que passa fica mais difícil este recrutamento. Ótima oportunidade para se admitir profissionais especialistas em Administração Hospitalar.

CORTE NO ORÇAMENTO DA DEFESA – O Ministério da Defesa teve um corte de 40% no orçamento de 2015. Agora, em março de 2016, sofreu mais um corte de R$ 2,8 bilhões. Desta forma, o que estava previsto no Planejamento Estratégico da Defesa foi adiado. Para a Marinha, o submarino nuclear, visando a proteção da Amazônia Azul, para o Exército, a cibernética e para a Aeronáutica, projetos aeroespaciais. Estres projetos estratégicos alimentariam a Indústria Bélica, gerando emprego, desenvolvimento científico-tecnológico e alavancariam as exportações neste setor de alto valor agregado. Vale a pena lembrar que a Índia, um dos países dos BRICS (
Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), já está na Lua e em Marte. Em matéria de Defesa não se brinca e nem se improvisa. No que pese o que chamam de crise, o soldos dos militares continuam muito baixos, enquanto outras categorias conseguem aumentos substanciosos por uma participação de ministro no Congresso ou por uma simples canetada. Raul Jungmann, atual Ministro da Defesa precisa tomar uma providência mais definitiva, a exemplo dos anteriores, se preocupa mais com a política e nada fez nesta questão. O maior objetivo das Forças Armadas não é o legado material das Olimpíadas; é o seu pessoal e a família militar.



Extraído de: redacao@cidadeverde.com (Maria Romero). Em: 26.mai.2016

Nenhum comentário: