terça-feira, 27 de dezembro de 2016

CHOREI NO NATAL - TEXTO DO GENERAL TORRES DE MELO

CHOREI NO NATAL

Entrada
x

TORRES DE MELO Cancelar inscrição

07:55 (Há 8 horas)
para mim
CHOREI NO NATAL
Tudo tinha para ser um NATAL maravilhoso. Fiz 92 anos, em 24 de dezembro.
Toda a família com saúde, alegre e feliz. Deus nos ajudou bastante e dentro
da confusão que vive nosso País somos algo diferente. Nossa preocupação é
com o destino do Brasil, pois nossos netos e bisnetos precisam viver dentro
da ordem, da decência e onde o homem seja um homem.
Chorei por sentir que a Constituição não é cumprida e respeitada pelas mais
altas autoridades da República. Ela afirma: “TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A
LEI”. Mentira, falsidade.
Chorei pelo que vi num programa de tv em Fortaleza. Era um noticiário e
como na maioria das vezes, casos policiais. Aparece na tela um pobre mulher
presa por ter sido encontrado em poder dela alguns pacotes de droga.
Gostaria ser um escritor para descrever o sofrimento estampado na sua
fisionomia. Rosto rígido, lábios trancados, olhar perdido, vestido gasto
pelo tempo, seios baixos, mostrando que não tinha sutiã. Fiquei a pensar:
presa  essa miserável talvez com a droga para vender para comprar o leite
para o neto. Não sei.
Chorei pois logo depois ouvi que uma empresa nacional foi pega roubando,
pagando propina no mundo inteiro e toda a canalha solta e as vezes com uma
tal tornozeleira,  em casa. Foram bilhões de dólares. A pobre mulher presa
e sem direito nenhum e os grandes ladrões da República em casa com o
DIREITO DE SEGREDO DE JUSTIÇA, bebendo e rindo do mundo.
Chorei, pois não há igualdade de direitos. Quem é mais criminoso? A mulher
humilde e sofrida e até com fome ou os ladrões da república? Quem deveria
estar preso, a mulher ou os ladrões da Pátria? Quem deveria ter direito a
segredo de justiça: a pobre que não sabe o que é direito ou os ladrões que
sabendo as leis são ladrões da pátria?
Chorei e choro pois nossa justiça é injusta e quem diz não sou eu e sim  o
grande Ruy:
“Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada.”

Quem será primeiro julgado? A desgraçada ou os ladrões da coisa pública?
Não há   dúvida que a mulher pode até ficar presa sem ser julgada e os
ladrões de colarinhos brancos poderão nunca serem julgados e ainda farão
festa de NATAL.

MEUS DEUS! PRECISAMOS DE JUSTIÇA. SÓ JUSTIÇA.

GRUPO GUARARAPES
GEN TORRES DE MELO (COORDENADOR)
25 DE DEZEMBRO DE 2016

Nenhum comentário: