sábado, 10 de dezembro de 2016

Formatura APMBB 2016 - PALAVRAS DO COMANDANTE DA APMBB, CORONEL PM CELSO LUIZ PINHEIRO.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO
ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR DO BARRO BRANCO

NOTA PARA BOLETIM INTERNO Nº APMBB-___/___/16

5ª PARTE
ASSUNTOS CIVIS

NOTA PARA BOLETIM INTERNO ALUSIVA À SOLENIDADE DE ENTREGA DE ESPADAS AOS ASPIRANTES DE 2016, TURMA “CADETE RAFAEL CAMILO PASSOS”

No próximo dia 15 de dezembro a Polícia Militar do Estado de São Paulo completará 185 anos de intensa e relevante prestação de serviços, comprometimento e lealdade ao povo paulista e às autoridades constituídas.
O Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, nosso patrono, deve estar orgulhoso!!!!
E a área de ensino da Polícia Militar, por intermédio da Academia de Polícia Militar do Barro Branco presenteia, nesta data, a Instituição e a sociedade paulista, com 215 novos Aspirantes, sendo 02 do Estado de Mato Grosso do Sul, na certeza de que estão devidamente preparados e altamente qualificados para enfrentar todos os obstáculos que a nobre carreira lhes impuser.
Tenho plena certeza de que não há honra maior para a equipe de Oficiais e Praças da Academia, em especial, para o seu Comandante, e aqui me incluo, do que a de poder devolver para os paulistas e para os mato-grossenses, após a devida lapidação técnica, moral e profissional, uma turma de jovens diferenciados, após 03 anos de muito estudo, dedicação, alegrias e tristezas, percalços, esperanças, sonhos e fé.
São jovens sonhadores que farão a diferença!!!
Formandos, confiem em vocês, nas suas capacidades, nas suas aptidões, pois não há maior vocação nem maior dom do que o destinado a lidar com vidas, o de proteger pessoas, o de fazer o bem, o de aplicar a justiça e, ao mesmo tempo, o de ter que conviver e suportar as mazelas sociais, muitas vezes, no duro combate que terão que travar, nas ruas, contra a criminalidade.
Vocês significam a renovação, a esperança, o renascer e o arejar da Milícia Bandeirante, em todos os níveis gerenciais e de gestão. Portanto, levem em suas mentes, a seguinte certeza, a de que tudo nesta vida terrena é efêmero e de que daqui levaremos somente o que tivermos acumulado em nossos corações, mais nada!
Todos nós, aqui presentes, assim como a sociedade paulista, esperamos muito de vocês, pois temos agora, em forma, neste pátio sagrado, uma parcela dos nossos futuros Comandantes da Instituição e que representarão, individualmente, tudo aquilo que nós, os quase 90 mil milicianos encaramos e continuaremos a encarar, profissionalmente, no dia-a-dia da dura realidade, mas gratificante, do bem servir.
E me permitam meus Cmt, Cel Gambaroni e Cel Mesquita, que confiaram a mim, nos últimos 19 meses, a formação de nossos futuros Oficiais, sem até hoje, ter recebido qualquer ressalva, observação ou correção de rumos e posturas por parte de Vossas Excelências, com relação ao meu trabalho e o de minha equipe primorosa, fazer a leitura do que fora editado e publicado, na íntegra, mas com pequenas adaptações, sabiamente, pelo Comando Geral, e que retrata parte dessa dura realidade vivida pelo nosso efetivo, que não nos desanima; ao contrário, nos faz, a cada dia, buscarmos com mais vigor nossos objetivos e ideais, mas dando claras mostras de que não somos melhores nem piores, somos apenas “diferentes”, e nos ensinamentos de nosso saudoso Professor e Mestre, o Desembargador Doutor Álvaro Lazzarini, aprendemos que: “Iguais os iguais, desiguais os desiguais”, princípio de Direito Administrativo que sempre nos diferenciará e, esperamos, com isso, o mínimo reconhecimento e respeito das autoridades constituídas.
“Os Policiais Militares aqui perfilados, possuirão uma missão especial, o que fará com que venham a ter um regime jurídico específico.
Para a defesa da sociedade, esses Comandantes estarão sujeitos a uma série de características diferenciadas.
Os Senhores e senhoras sabem quais são?
Nenhum deles, jamais estará de folga, trabalharão 24 horas para proteger a todos.
A qualquer momento poderão ser transferidos para qualquer lugar do Estado para atender a sociedade.
Com isso, ficarão longe dos seus familiares.
Como Militares, terão um regulamento disciplinar diferenciado.
Estarão sujeitos a uma rígida hierarquia e poderão ser demitidos, sem direitos trabalhistas em casos onde a maioria das pessoas não o seria.
Esses jovens promissores manterão contato permanente e direto com os mais variados comportamentos ilegais e problemas sociais, o que possibilitará que façam parte de uma categoria das mais acometidas de stress pós-traumático.
Esses milicianos iniciarão a carreira em condições de saúde melhores do que a média da população, e rapidamente poderão ficar em condições piores.
Estudos mostram que, como Policiais Militares poderão vir a ser afetados por desequilíbrios do metabolismo com maior incidência do que na população em geral.
Estarão mais sujeitos a doenças como diabetes, pressão alta e obesidade.
O Policial Militar tem o risco de morrer por problemas cardiovasculares 50% maior do que a população em geral, e além disso morre três vezes mais por doenças infectocontagiosas, e esses hoje saudáveis homens e melhores, tenderão a passar por isso também.
Fazem parte de uma Instituição com 185 anos de existência, com um efetivo de quase 90 mil Policiais Militares, que trabalha diuturnamente, nos 645 municípios de São Paulo.
São homens e mulheres que prestaram um juramento de sacrificar a própria vida em defesa da sociedade.
No Estado de São Paulo, estarão sujeitos a uma taxa de mortalidade 5 vezes maior do que a dos demais Paulistas, em razão das características de seus serviços.
Serão os escudos que protegerão os cidadãos de bem.
As jornadas de trabalho serão irregulares.
Os turnos de serviço serão longos e alternados.
Não receberão horas extras.
Enquanto o trabalhador tem uma jornada de 40 horas semanais que ao longo de 30 anos totaliza 57.600 horas, nossos formandos poderão chegar a 82 mil horas, tendo em vista as escalas extraordinárias, os acompanhamentos de ocorrências, os depoimentos em juízo, o tempo dispendido em delegacias de polícia e as operações com horário para início e, muitas vezes, sem horário para término, que ainda suportarão.
Isso equivalerá a quase 43 anos de serviços comuns.
As condições de trabalho serão insalubres.
Carregarão, no mínimo, 4 quilos de equipamentos em seus corpos, isso sob quaisquer condições climáticas e nos mais variados tipos de ambientes.
A dedicação ao trabalho será exclusiva.
Poderão ser acionados nos horários de descanso, dentro ou fora do Estado.
Neste ano, por exemplo, a Polícia Militar de SP mobilizou 3 mil Policiais Militares para reforçar a segurança no Rio de Janeiro durante as Olimpíadas 2016.
O Regime Jurídico dos Militares do Estado, e isso decorrente das suas missões constitucionais, não dará a eles o privilégio de possuírem alguns direitos que os demais cidadãos possuem, como por exemplo, seguro desemprego, fundo de garantia, adicional noturno, hora extra, aviso prévio, acúmulo de cargo, sindicalização e o direito à greve.
A inquestionável seriedade de seus compromissos, perante a Bandeira brasileira de sacrificar, se preciso for, a própria vida em defesa da sociedade, será a fronteira que personificará sim, uma categoria de cidadãos que sempre deverá ter um tratamento diferenciado.
Querer que estes e todos os demais Militares sejam dedicados, que doem suas vidas, suas saúdes, as suas juventudes e o convívio com suas famílias sem o tratamento previdenciário diferenciado, é fugir da razoabilidade e da proporcionalidade entre o que lhes será exigido e a contrapartida, o reconhecimento que deverão obter de nossos governantes.”
Nosso especial agradecimento a todos os entes queridos dos formandos que nos confiaram o forjar desses jovens aqui perfilados.
Ao Comando da Instituição, a quem devemos lealdade e gratidão pelo apoio incondicional, à Diretoria de Ensino e Cultura, na pessoa de nosso Diretor, o Cel Reynaldo,  que caminha passo-a-passo, sempre ao nosso lado, nos orientando em todos os momentos, nosso pleito de reconhecimento pelo esforço empreendido na busca de melhores condições de trabalho para a área de ensino, para toda a Polícia Militar e para que este evento pudesse ser realizado.
Ao brilhante, digno, honrado e eterno Diretor de Ensino e Cultura, Cel PM Pettinato, escolhido acertadamente como Paraninfo da Turma, nossa gratidão pelo legado e ensinamentos deixados, exemplos do bem servir que sempre levaremos adiante.
Homenageamos, também, in memorian, o cadete Loy Maximilian, não mais fisicamente entre nós.
Aos familiares do nosso querido cadete “Rafael Camilo Passos”, merecidamente escolhido como Patrono desses jovens Aspirantes, saibam que ele sempre viverá em nossas memórias, pois deu a própria vida para que outras vidas pudessem ter continuidade, e não há maior glória e comprometimento do que os demonstrados por ele.
Saúde, Força e União!!
Que o Deus que habita os nossos corações, continue a habitar o coração de todos aqui presentes, hoje e sempre!!!

Publique-se.
São Paulo, 10 de DEZEMBRO de 2016.
CELSO LUIZ PINHEIRO
Cel PM Comandante

Nenhum comentário: