domingo, 26 de fevereiro de 2017

CARNAVAL (EXTRAÍDO DE MEMÓRIAS DO VENTURA)

O carnaval é uma festa popular coletiva que, de uma forma ou de outra, existe desde a Antigüidade. Os povos daquela época já costumavam comemorar a chegada da primavera ou o solstício de verão (o dia mais longo do ano). As celebrações variavam, mas sempre se caracterizavam pela intensa alegria e pela quebra de certas regras, como o respeito a hierarquia social. Ao que parece, o carnaval provém diretamente das SATURNAIS romanas – festividades em honra ao deus do Tempo, SATURNO. Toda a sociedade participava dessas comemorações, até mesmo os escravos. Nessas ocasiões, um soldado era coroado como o REI MOMO (na mitologia romana, MOMO representava a crítica e a zombaria) e homenageado em todas as festas e banquetes. Mas, ao final das SATURNAIS, ele era sacrificado, para mostrar que aquele período de prazeres era passageiro e havia terminado. Existem várias interpretações para a origem da palavra “carnaval”. O mais provável é que ela derive da expressão latina “carne vale!”, que significa “carne, adeus!”. Isso porque, com o triunfo da religião cristã sobre o paganismo romano, foi determinado que as festas seriam encerradas na terça-feira que antecede a Quaresma – período de 40 dias que termina no Domingo de Páscoa e durante a qual os cristãos eram proibidos de comer carne de gado, de caça ou de aves.
Em seus primeiros séculos, a Igreja Católica se opôs aos festejos populares de origem pagã. Mas, depois, preferiu controlá-los em vez de combatê-los. Em 590, o carnaval foi reconhecido pelo PAPA GREGÓRIO I, porém o dia seguinte – a Quarta-Feira de Cinzas, que inicia a Quaresma – deveria ser dedicado a arrependimento e a penitência. Durante a Idade Média, o carnaval foi uma festa das camadas populares, cujos divertimentos incluíam muitas sátiras aos poderosos, sob a desculpa de que os foliões faziam papel de loucos (aliás, folia provém do francês folie, que significa loucura). Hoje em dia o carnaval praticamente desapareceu na EUROPA. Entretanto, ele se mantém firme e forte em certas regiões das AMÉRICAS onde a cultura européia se misturou com influências dos escravos africanos. O mais importante desses carnavais é, sem sombra de dúvida, o brasileiro. No final do século XIX, os foliões cariocas começaram a se organizar para desfilar fantasiados no carnaval. Esses grupos que eram os ranchos e os blocos evoluíram para as escolas de samba atuais, algumas delas com milhares de figurantes. As músicas carnavalescas brasileiras comportam muitos ritmos. Os mais conhecidos são a marchinha, o samba, o frevo (este, sobretudo, em PERNAMBUCO), o maxixe e o axé.   

Nenhum comentário: