sábado, 25 de março de 2017

O EXÉRCITO NA CONSOLIDAÇÃO DE BRASÍLIA EM 21 DE ABRIL DE 1972 - CLÁUDIO MOREIRA BENTO

O EXÈRCITO NA CONSOLIDAÇÃO DE BRASILIA EM 21 DE ABRIL de 1972 Cel CLÁUDIO MOREIRA BENTO Historiador Militar e Jornalista, Presidente e Fundador da Federação de Academias de História Militar Terrestre do Brasil (FAHIMTB),do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS) e da Academia Canguçuense de História (ACANDHIS) e sócio benemérito do Instituto de História e Geografia Militar do Brasil (IGHMB) e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e correspondente da Academias de História de Portugal. Espanha,Argentina e equivalentes do Uruguai e Paraguai.Integrou a Comissão de História do Exército do Estado- Maior do Exército 1971/1974. Presidente emérito fundador das academias Resendense e Itatiaiense de História e sócio dos Institutos Históricos de São Paulo ,Rio de Janeiro ,Rio Grande do Sul, Santa Catarina etc. Foi o 3º vice presidente do Instituto de Estudos Vale—paraibanos IEV no seu 13º Encontro em Resende e Itatiaia que coordenou o Simpósio sobre a Presença Militar no Vale do Paraíba, cujas comunicações reuniu em volumes dos quais existe exemplar no acervo da FAHIMTB, doado a Academia Militar das Agulhas Negras.É Acadêmico e Presidente Emérito fundador das Academias Resende e Itatiaiense de História,sendo que da última é Presidente emérito vitalício e também Presidente de Honra.Integrou a Comissão de História do Exercito 1971-1974 e cursou a ECEME 1967/1969. E foi instrutor de História Militar na AMAN 1978-1980, onde integrou comissões a proposito dos centenários de morte do General Osório Marques do Herval e do Duque de Caxias. Comandou o 4º Batalhão de Engenharia de Combate em Itajubá-MG 1981-1982;E correspondente dos CIPEL, IHGRGS, Academia Sul Rio Grandense de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de Pelotas. Estudou no Colegio Franciscano em Canguçu 1938/1944 e no Ginázio Gonsaga em Pelotas 1945-1949 e no Ginásio Pelotense em 1950 por ocasião da prestação do Serviço Militar na 3ª Companhia de Transmissões em Pelotas acantonada no 9º RI em Pelotas , e concluiu o Curso Cientifico na Escola Preparatória de Cadetes em Porto Alegre em 1952 de onde seguiu pra a cidade de Resende para cursar a Academia M e onde trabalha contrado pelo Exército como seu historiador. Reportagem do autor em 21 de Abril de 1972 no Correio Braziliense na abertura das comemorações do sesquicentenário da Indepedencia,digitalizada artesanalmente para ser colocado na Internet, em Livros e Plaquetas no site da Federação de Academias de História Militar Terrestre do Brasil www.ahimtb.org.br e cópia impressa no acervo da FAHIMTB doado em Boletim Especial a AMAN e integrado ao programa Pergamum de bibliotecas do Exército 2 3 O EXÉRCITO NA CONSOLIDAÇÃO DE BRASÍLIA 3ª BRIGADA DE INFANTARIA Criada, em 18 de dezembro de 1968, esta grande unidade instalou-se em Brasília em 1º de abril de 1968, sob o comando do Gen Bda Antonio Bandeira que a comanda desde aquela época. CRUZADAS DE INTEGRAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO Tropa altamente especializada no combate a guerrilha, tem se exercitado continuamente neste mister nas diversas manobras que realizou: Corumbaiba-GO - Mai 69; Uruaçu-GO - Set 69; Prata MG - Set 70; Indianópolis-MG -Mar 71; Chapada dos Veadeiros-GO - Set 71 e ; Canal de São Simão-GO-Mar72. Além de suas missões institucionais, tem, através de contatos fraternos com as populações da imensa área onde se exercita, levado na sua esteira, reais benefícios á irmãos brasileiros do Planalto, através da Ação Cívica Social que atinge, principalmente, as populações pobres da área dos estados de Goiás e Triângulo Mineiro, muitas das quais, ate então, fora da comunhão nacional, e onde a presença tísica do Exercito era ate então poucoi conhecida, desde o episódio da Retirada de Laguna, na Guerra do Paraguai. O BATALHÃO DE D. PEDRO I E DE CAXIAS VIU BRASÍLIA NASCER Encontra-se sediado em Brasília, desde 1960. uma das mais tradicionais unidades de elite de nosso Exército, ligada espiritualmente a D. Pedro I que hoje retorna ao Brasil através de seus veneráveis restos mortais e, a Brasília, cidade que viu nascer, pois participou de sua inauguração com uma luzidia representação de 10O0 homens. Foi transferido para Brasilia por Decreto de 6 de abril de 1960 ,com a sua atual denominação - Batalhão da Guarda Presidencial. O BATALHÃO DO IMPERADOR As raízes históricas e espirituais desta unidade histórica, remontem a outubro de 1823, quando foi criada por D. Pedro I, com a denominação de Batalhão do Imperador. Seus primeiros integrantes foram 800 homens selecionados pelo Imperador no Campo de Santana entre as tropa da guarnição do Rio do Janeiro. A UNIDADE DO PATRONO DO EXÉRCITO Entre seus integrantes figurou o Tenente Luiz Alves de Lima e Silva ,mais tarde, o Duque de Caxias, atuai Patrono do Exército. Caxias, então, foi escolhido pelo Imperador para. ser o porta bandeira da unidade, recebendo-a de suas mãos, em tocante cerimônia na Capela Imperial. Caxias permaneceu por quase 10 anos nesta unidade, ate sua extinção em 1832. em consequência da Abdicação de D. Pedro I. Em suas tileiras, Caxias ascendeu de tenente porta bandeira até as funções de major subcomandante. Participou com o Batalhão da guerra para e consolidação da Independência, na Bahia, ameaçada pelo Gen Madeira. Participou como capitão comandante da 2ª Companhia, de toda a Guerra Cisplatina, onde teve atuação destacada como combatente . O título de que mais se 4 orgulhava Caxias era o de Veterano da Independência, resultado de sua atuação na Bahia, integrando o Batalhão do imperador. BATALHÃO SAGRADO Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil foi assaltado de Norte a Sul por um líberalismo utópico e nacionalismo passional que ameaçaram seriamente, sua Unidade material e espiritual. Para fazer frente a anarquia de que foi tomado o Rio de Janeiro, foi organizado o celebre "Batalhão Sagrado" composto de 400 ofíciais em sua maioria ex-integrantes do Batalhão Imperador. A atuação desta unidade ao comando de Caxias foi decisiva para o restabelecimento da ordem e da tranquilidade no Rio de Janeiro. Em 1970, o Tem Cel Manuel Jesus da Silva, comandante da unidade, visando manter acesa as ligações espirituais da unidade com o Batalhão Sagrado, criou o Pelotão Sagrado. Esta fração representativa de todas as frações, que integram a unidade, destinavase a marchar a frente desta, em suas grandes cerimónias.É uma bela tradição a ser mantida que encontra base histórica e espiritual no passado da unidade. BATALHÃO DE GUARDAS Em 27 de abril de 1933, decorrido um século da extinção do Batalhão do Imperador e após Batalhão Sagrado, foi criado o Batalhão de Guardas para incorporar a tradição, histórica e espiritual daquelas unidades BATERIA ANTIAÉREA Responsável pela defesa antiaérea de Brasília na hipótese de um ataque. Esta equipada com canhões antiaéreos nacionais, metralhadoras e potentes refletores que lhe possibilitam estabelecer com seus tiros especializados, como que um guarda chuva protetor sobre Brasília na hipótese de um ataque aéreo. Orgulham-se seus integrantes de ser a unidade, a única na América do Sul a realizar tiros em alvo aéreo rebocado. UMA NOTA DE TERNURA E AMOR Especial atenção esta unidade dispensa as crianças desamparadas, mantendo em seu aquartelamento uma escola a elas destinadas, além de alimentá-las, vestí-las e transportá-las a suas casas, prestando assim um relevante serviço à comunidade de Brasília e seu ideal atual de Paz e Amor. 5 Comanda a unidade o Cel de Artilharia Enio Martins Senna Doze anos transcorreram desde a criação do Comando Militar do Planalto, em época, na qual, o Exército Brasileiro se fazia representar no Planalto Central por contingentes pioneiros, bandeirantes do século XX. Daquela data para cá, o Exército desenvolveu um grande esforço para tornar a sua presença no Planalto Central o mais efetiva e significativa possível, e, assim, constituir-se em importante fator de consolidação de Brasília. Neste momento histórico, assinalado pelo 12º aniversário de Brasília e inicio das festividades do Sesquicentenário da Independência, o Exército Brasileiro com a sensação de haver prestado mais um assinalado serviço no Brasil, pode proclamar - Presente em Brasília! e da forma mais expressiva como se verá o fruto de 12 anos de sacrifícios, canseiras e trabalho duro, persistente e continuado, agravado, muitas vezes, por restrições financeiras, Mas, o que é importante - venceu uma grande batalha da Pai - na cruzada sagrada da integração Nacional. MINISTÉRIO E COMANDO SUPERIOR DO EXÉRCITO 6 Desde a inauguração de Brasília, o Ministro do Exército mandou avançar parte de seu Gabinete, para assessorá-lo no atendimento de problemas de sua pasta, na Nova Capital. Nestes doze anos, esta autoridade foi obrigada a deslocar-se, continuamente, entre seu Gabinete sediado no Rio de Janeiro, centro de gravidade de suas funções de Comaodante Superior do Exército e, Brasília, centro de gravidade de suas funções de Ministro de Estado. Na atual administração do Exército, em cumprimento à diretriz do Presidente Emílio Garrastazu Médici, no sentido de aceleramento da transferência para Brasília dos órgãos da alta administração federal para consolida-la, de fato, como capital do Brasil, o centro de gravidade do Comando Superior do Exército foi deslocado para Brasília para o Quartel General do Exército ,no setor Militar Urbano, de onde, nesta data histórica de 21 de abril de 1972 que assinala o início das festividades do Sesquicentenário da Independência, o Exercito é comandado e administrado, por .seu Comandante Superior, General de Exercito Orlando Geisel, assessorado por seu Gabinete, Alto Comando do Exército, Estado-Maior do Exército, Departamento Geral do Pessoal, Departamento de Engenharia e Comunicações, Diretoria de Economia e Finanças e Escalão Avançado ria Secretaria Geral do Ministério. O Quartel General do Exército no Setor Militar Urbano que será o maior conjunto arquitetônico de Brasília, teve sua construção bastante acelerada no início do 3° Governo da Revolução, para poder o Exército cumprir a diretriz presidencial, de em razão do Ministério do Exercito na Esplanada ser exíguo para centralizai todos os órgãos setoriais da administração da Forca Terrestre. Atualmente, o Ministro do Exército possui um Gabinete na Esplanada para o atendimento de problemas relativas a suas atribuições de Ministro de Estado e outro no Quartel General do Exército, para o atendimento de problemas relacionado com suas atribuições de Comando Superior da Exército. Este fato é do maior significado histórico para o Exército e para Brasília, pois após 150 anos em que esta instituição foi administrada e comandada do Rio de Janeiro, passou a sê-lo de Brasília - a capital do Brasil consolidada. ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO Criado em 31de outubro de I896, teve como uma de suas primeiras missões o preenchimento de uma grande lacuna que entravava o Desenvolvimento do Brasil, até então, desconhecido em toda a sua plenitude geográfica, pelos próprios brasileiros. Era a missão relevante de organização da Carta Geral do Brasil tarefa, que teve como um de seus vultos exponenciais, o General Candido Mariano Rondon. Órgão encarregado de assessorar o Ministro do Exército no Planejamneto, Coordenação e Controle de todas as atividades fundamentais relativas a atuação da» Forças Terrestres, tem prestado, nesta missão, através de seus 75 anos de existência, relevantes servidos para o progresso da instituição. Foram seus chefes, seus chefes, 38 destacados militares do Exército. De sua chefia em 1964 saiu o General de Exército Humberto de Alencar Castello Branco, para assumir o 1° Governo da Revolução como Presidente do Brasil. Este órgão teve então, destacada participação no planejamento, coordenação e direção deste movimento de Redenção Nacional. Transferido para Brasília, aqui instalou-se em 31 março 71, no sétimo aniversário da Revolução de 1964, sob a chefia do General de Exército Alfredo Souto , filho de Malan d’Angrone – o único oficial general a chefiar este alto órgão como general de brigada. 7 Além do seu chefe, o Estado-Maior do Exército, por ocasião de sua instalação em Brasília, contava com os seguintes oficiais generais: Gen. Div Dirceu Araújo Nogueira como Vice-Chefe e como sub chefes os generais de Divisão Reynaldo Mello de Almeida, Adolpho João de Paula Couto, Augusto de Oliveira Pereira e os generais de brigada, Obino Lacerda Aives e Samuel Augusto Alves Correia e, como Chefe de Gabinete do órgão o Gen de Brigaria Adauto Bezerra de Araujo. O Estado-Maior do Exercito orgulha-se de ter sido o primeiro órgão do Exército, diretamente subordinado ao Ministro do Exército, a transferir-se por completo para Brasí- lia, contribuindo para a nua consolidação e de aqui dizer. Presente no ano do Sesquicentenário da Independência do Brasil. Na cerimônia de instalação do EME, em Brasília, presente o Exrno. Sr. Ministro do Exército Gen. Ex Orlando Geisel assim se referiu esta autoridade em certa altura do discurso de encerramento da cerimônia: "devo congratular-me com o Exrno. Sr. Gen Alfredo Souto MaIan. Chefe do Estado Maior do Exército, peia instalação completa do EME em Brasília. S. Excia realizou a tarefa de trasladar o EME da Guanabara para cá, em tempo recorde, e de uma maneira digna dos maiores encómios. O Estado-Maior do Exército é, assim, de certa forma, o pioneiro de nossa instalação neste Quartel General". DEPARTAMENTO DF. ENGENHARIA E COMUNICAÇÕES Foi criado em 27 Jan1971 , peia mudança de denominação do antigo Departamento de Produção e Obras, cuja tradição histórica e espiritual incorporou. Instalou-se oficialmente em Brasília, em 23 nov 1971 e honrando sua origem, será sem dúvida, um dos grandes pilares do Ministério do Exército, na nova fase que se inicia no Planalto Central. Este Departamento constitui o principal instrumento de atuação do Exercito no campo da Integração e do Desenvolvimento Nacional. Estão sob sua responsabilidade, a execução de todas as obras militares necessárias ao Exército e ao Património da União distribuído ao Exército. Contribui para o Desenvolvimento e Integração do Brasil, através de sua Diretoria de Obras de Cooperação, a qual estão subordinados os batalhões de engenharia de construção e comissões de estradas, que desde 1888, vêem prestando assinalados serviços aos objetivos nacionais de Integração e Desenvolvimento, pela construção, principalmente de rodovias e ferrovias no Sul - Centro, Nordeste e agora Norte do País, na Amazônia, na grande batalha que ali se trava para a sua integração. Coopera nestes objetivos através da Diretoria do Serviço Geográfico que executa de longa data. a tareia do mapeamento do nosso território. Em suas missões de mapeamento; de vias de transporte, comunicações e obras militares, busca inspiração entre outras, na obra do General Candido Mariano Rondon, que no período de 1930, dirigiu em diversas funções, obras da maior relevância nestes setores, que o recomendaram, eternamente, e gratidão nacional e ao reconhecimento inteirnacional. Pertencem a este Departamento os seguintes oficiais generais: Chefe, Gen Ex Dyrceu Araujo Nogueira a quem coube a execução da transferência do órgão para Brasília.Vice Cheíe, Gen Div Eduardo d'Ávila Mello; Gen Div Exército Carlos Dale Coutinho Diretor de Obras Militares, Gen Dív Vinítius Nazareth Notare. Diretor de Obras de Cooperação. Gen Div Celso Daltro Santos Diretor de Comunicações 8 Gen Bda Almir Pereira de Castro Diretor do Património e Gen Bda Benjamim da Costa Lamarão, Diretor do Serviço Geográfico. O DEC, como é conhecido este Departamento, esta instalado no Quartel General do Exército, no SMU e orgulha-se de ser o primeiro Departamento a dizer Presente em Brasília - no ano do Sesquicentenário da Independência. DIRETORIA GERAL DE ECONOMIA E FINANÇAS Esta Diretoria encontra-se instalada em Brasília desde 1971.E encarregada da administração dos recursos atribuídos ao Exército.Chefia este órgao o General de Divisão Euler Bentes Monteiro, através das diretorias subordinadas de Administração Financeira, sob a chefia do Gen Bda Jose França e a diretoria dtr Contabilidade, sob a chefia do General de Brigada Arnaldo Lobo Mazza. COMANDO MILITAR DO PLANALTO – 11ª. REGIÃO MILITAR Comandos criados em 25 de 1960 4 dias após a inauguração de Brasília, para serem exercidos cumulativamente. Aa 12ª. Região Militar, abrangendo os territórios do Distrito Federal. Estado de Goiás e a parte do Triângulo Mineiro, limitado a leste, pelos municípios de Araguari, Indianópolis, Ponte Nova e Uberaba, e que foram juridicionados até então pela 4ª Região Militar. O Comando Militar do Planalto com jurisdição sobre todos os elementos do Exército sediados no território da 12ª. Região Militar. Os dois comandos decorrerem da necessidade de proporcionar segurança ao novo centro politico administrativo do país, deslocado do litoral para o Planalto Central. Seu primeiro comandante foi o General de Brigada Mário Poppe de Figueiredo que assumiu o comando em 21 de maio de 1960 e que assim se referiu na ocasião. Interpretando a histórica missão confiada aesta grande unidade pelo Exército: "A jornada que hoje se inicia nao será isenta de dificuldades materiais. Mas tais obstáculos serão levados do vencida, pois todos que aquí vieram servir estão contagiados do espírito pioneiro, do Espirito de Brasilia. para o qual as dificuldades não contam. Além disto seremos impulsionados pela satisfação de estarmos contribuindo, na parte reservada ao Exercito Brasileiro, para s consolidação de uma grande aspiração da Nacionalidade - a interiorização da Capitai Federal, hoje, radiante realidade nesta metrópole do século - Brasília -marco histórico na evolução do povo brasileiro em busca de seus grandes destinos. Conclamamamos a todos, a cerrarem em torno de seus chefes, para que pela extremada dedicação ao serviço da Pátria, pelo constante aprimoramento da instrução e por um padrão de disciplina irrepreensível, honremos o Exército e ao Brasil.” Decorridos 12 anos os integrantes desta grande unidade ao contemplarem o tempo que passou, sentem a sensação do dever cumprido pela muito que fizeram, em tão pouco tempo, como autênticos bandeirantes e pioneiros do século XX, honrando o Exército e o Brasil, fieis a aspiração do povo brasileiro de integração. A realidade da contribuição desta grande unidade poderá ser concluída através das unidades subordinadas que foram chegando ao Planalto, a grande maioria após a instalação do Comando Militar. 9 Comanda esta grande unidade de pioneiros e bandeirantes do século XX. o general de divisão Olavo Viana Moog, irmão do consagrado escritor brasileiro, Viana Moog. autor entre outras obras de "Bandeirantes e Pioneiros". E uma feliz coincidência neste momento histórico. Esta grande unidade orgulha-se, de além de suas missões normais, prestar à comunidade de Brasília uma muito agradável contribuição, através das Colônias de Ferias que organiza todos os anos. Nestas ocasiões, os quartéis de Brasília são invadidos por crianças em férias escolares, as quais emprestaram um colorido todo especial ao ambiente, quebrando com sua ternura e inocência, um pouco da dura vida nos quartéis. DEPARTAMENTO GERAL DO PESSOAL Sob a chefia da Gen Ex Isaac Nation, este departamento instalou-se oficialmente em Brasília, no Quartel General de Exército, no dia 29 de março passado, em significativa cerimônia, presidida polo Ministro do Exército, Gen Ex Orlando Geisel, e como parte das comemorações do 8° aniversário da Revolução de 31 de março. A este importante departamento, caberá, de Brasília, administrar o pessoal militar e civil do Exército, após haver passado, em data recente, por uma reestruturação dentro do espírito da Reforma Administrativa e obedecendo a processos modernos de administração Racional de Pessoal. Em 29 de março de 1972, pertenciam a este departamento, alem de seu chefe, os seguintes oficiais generais: Vice Chefe: Gen Div Walter Menezes Paes. Subchefe: generais de divisão José Campos de Aragão e Henrique Carlos de Assumpção Cardoso. Diretor de Promoções: Geri Bda Tácito Theófilo Gas par de Oliveira. Diretor de Cadastro e Avaliação: Gen Bda Raul Lopes Munhoz. Diretor do Serviço Militar: Gen Bda Milton Pedro de Carvalho. Diretor de Movimentação: Gen Bda Manuel José Correia de Lacerda. Diretoria de Contencioso do Pessoal: Gen Bda Rorim Campelo. Diretor de Pensionistas e Inativos: Gee Bda Octávio Ferreira Queiroz. Diretor do Pessoal Civil: Gen Bda Roberto Souza. Os integrantes do DGP, como é conhecido este departamento, estão conscientes da significativa contribuição que deram para a concretização da transferência do Comando do Exército do Rio de Janeiro para Brasília, no ano do sesquicentenário da Independência do Brasil. UMA NOTA DE AMOR E TERNURA Especial atenção esta unidade dispensa as crianças desamparadas, mantendo seu aquartelamento uma escola a elas destinadas, alem de alimenta-las, vesti-las e transporta-las a suas casas, prestando assim, um relevante serviço à comunidade de Brasília e ao ideal atual de Paz e Amar. Comanda a unidade o Ten Cel de Artilharia Enio Martins Senna. CARROS DE COMBATE EM BRASÍLIA Com O nome de 11° Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado encontra-se desde 10 de agosto de 1963 em Brasília esta unidade de Cavalaria do Exercito, que 10 dispõe de moderno equipamento, no qual destacam-se seus carros de combate leves M-41, popularmente conhecidos com tanks de guerra. Originário de subunidade do Regimento de Reconhecimento Mecanizado de Campinho, foi tornado independeste em 1968, ocupando seu aquartelamento atual em 1 de janeiro de 1968. Sua atuação foi relevante e decisiva na repressão do movimento insurreto de Brasília de 12 de Setembro de 1963. Na Revolução de 1964 desempenhou um importante papel na Segurança da Esplanada e do eixo Brasília-Belo Horizonte. De 25 de novembro de 1964 a 1 de janeiro de 1965 foi destacado como principal força, para a manutenção da ordem em Goiânia e garantia do ato de Intervenção Federal no Estado de Goiás, decretado pelo 1° Governo na Revolução. Comanda a unidade neste momento histórico e Major Francisco Rabeilo Leite Neto, da arma da Cavalaria. A ENGENHARIA MILITAR Criada em 8 de novembro de 1960, a Comissão Espacial de Obras deu início a seus trabalhos em Brasília em 1º de janeiro de 1961. Decorridos 11 anos do início de seus trabalhos, ao voltar seus olhos para o passado, esta Comissão sente-se orgulhosa da sua grande contribuição para a consolidação da nova Capital, consciente de ter escrito no Planalto Central uma das mais belas páginas da Engenharia Militar do Exército _, que teve esteio na antiga Diretoria de Engenharia – sob direção do então general Candido Mariano Rondon. O acervo de obras executadas por esta Comissão sobe as cifras impressionantes. Nele se destacam-se os modelares prédios: do Quartel General do Exército, dos Quartéis do Batalhão de Polícia do Exército, 131ª Companhia de Material Bélico, 11º Esquadrão de Reconhecimento de Cavalaria de Guardas, Estabelecimento Regional de Subsistência da 11ª /RM e instalações destinadas ao Hospital da Guarnição de Brasília, 11º Pelotão de Remuniciamento, Estado de Tiro, Estádio do Setor Militar Urbano, Clube dos subtenentes, Estação Receptora e Transmissora. Além disso, já executou a construção de 647 casas e 2377 apartamentos, destinados ao pessoal civil e militar do Exército em Brasília. Enfim, a esta Comissão coube executar as instalações e as obras complementares que neste 12º ano de Brasília e do Sesquicentenário da Independência abrigam o Exército Brasileiro em Brasília e exceção da sede do Ministério da Esplanada. Chefia a Comissão Especial de Obras no 1º Coronel de Engenharia Eduardo Henrique Ellery, até a sua recente promoção a general. SAÚDE Criado em 25 de Janeiro de 1965 - o Hospital Militar da Guarnição de Brasília vera prestando assinalados serviços á comunidade militar do Exercito em Brasília, composta de militares, funcionários civis do Ministérios e familiares. 11 Origina-se do Posto Medico do Exercito criado em 3 de julho de 1960, destinado ao apoio médico doa pioneiros do Exercito em Brasília. Chefia este Hospital o Tenente Coronel Bilac Guimarães dos Santos. Criada em 28 de dezembro de 1967 a 131ª Cia de Apoio de Material Bélico teve como núcleo o 4º Pelotão de Material Bélico, um dos pioneiros do Exercito em Brasília, criado 4 dias após a sua inauguração. É a mais nova unidade do Exército de Brasília. Seu lema traduz com eloquência a relevância da sua missão na paz e na guerra. “Nós somos os soldados anônimos de cuja eficiência dependem a mobilidade e a potência de fogo. Sem elas os exércitos são inoperantes na paz e suicidas na guerra.” Comanda nesta unidade neste momento histórico, o Major de Infantaria Leonidas Cezar Correia de Moraes. Criada em 124 de dezembro de 1963 a 11ª Companhia Deposito de Subsistência e a responsável na área de Brasília pelo fornecimento de alimentação às unidades que apoia. É a única unidade na área do Serviço de intendência do Exercito que teve um de seus momentos de glória na guerra de Canudos, com o Marechal Bittencourty atual patrono deste importante Serviço do Exercito Brasileiro. PREFEITURA MILITAR DE BRASÍLIA Criada em 8 de agosto de 1962 foi ativada em 1 de outubro de 1971. Esta sob sua responsabilidade a administração, reparação e conservação das áreas de uso comum dos próprios nacionais distribuídos ao Exército em Brasília. Chefiou internamente esta importante repartição desde até 16 de março, o ten coronel de arma de Infantaria Adalberto Guimarães Menezes, descendente direto na 6ª geração de Tiradentes que hoje evocamos e reverenciamos no 180° aniversário de seu suplício na forca. Chefia a Prefeitura Militar de Brasília neste momento histórico, o Coronel da Arma de Artilharia Henrique Beckmann. INTEGROU BRASÍLIA POR FERROVIA De 1965-1970, esteve trabalhando na área de Brasília, com a missão de integrá-la por ferrovia o Batalhão Ferroviário - Batalhão Mauá. No 3° aniversário de Brasília, fef chegar à Estação Bernardo Sayão, a primeira composição ferroviária com carga e passageiros, após concluir a ligação ferroviária Pires do Rio - Brasília, num total de 230 Km. Sediado em Araguari continua trabalhando em benefício da melhor integração ferroviaria de Brasília ao restante ato Brasil, no trecho Pires do Rio - Uberlândia, após haver concluído o Pátio Ferroviário da Estação de Brasília. 12 Os integrantes desta Unidade da Arma de Engenharia do Exército orgulham-se de, no exercício de sua atividade fim de adestramento para a eventualidade de uma guerra, terem contribuído para o desenvolvimento e, sobretudo, para a Integração de Brasília ao restante do Brasil. Este tipo de atividade foi a forma econômica e produtiva encontrada pelo Exército Brasileira, para adestrá-las para sua destinação constitucional de Segurança, coerente com a máxima camoniana "Que a disciplina militar prestante, não se aprende, senhores, na fantasia, mas, lutando e pelejando.” Neste caso, este tipo de unidade adestra-se para a Segurança - atuando, ao mesmo tempo, psro a conquista dos Objetivos Nacionais de Integração e Desenvolvimento. E um tipo de solução brasileira para um problema brasileiro, como outras tantas que vem surgindo em todos os campos, após o Brasil ter passado a acreditar em si mesmo e no espírito criador de seus filhos. Correio Braziliense, 21 de abril de 1972 O ADEUS ÀS ARMAS DE UM HERÓI DA FEB Em cerimônia simples, mas de profunda espiritualidade, presidida, peio General Ex Alfredo Souto Malan, Chefe do Estado Maior do Exercito deixou; o serviço ativo no Exercito, após 35 anos de destacados serviços prestados ao Brasil, na paz e na guerra, o Tenente Coronel de Infantaria Nestor da Silva, um autêntico herói do Brasil na 2ª Guerra Mundial. HEROÍSMO E BRAVURA Seguiu para Itália como sargento do 11° R1 de São João dei Rey, tendo comandado mais de 24 patrulhas e participado de diversas ações de combate, e em especial na de Montese em 14 de abril de 1945, para cuja conquista exigiu o maior tributo em sangue brasileiro derramado neste conflito. Em reconhecimento a sua atuação destacada, heroísmo e bravura demonstrada no comando de patrulhas em território inimigo, foi promovido em campanha, ao posto de 2º Tenente e recebeu a mais alta condecoração brasileira nesta guerra, a CRUZ DE COMBATE DE 1ª CLASSE, sinônimo de BRAVURA INDIVIDUAL. Retornou ileso da Itália, após haver lutado com destaque em defesa da Democracia e Liberdade, contribuindo para este Brasil de hoje Império da Paz, do Amor. Muito obrigado por Isto Coronel Nestor lhe dizem meus filhos e todas as crianças e fovens do Brasil - o seu sacrifício não foi em vão - foi muito bacana para nos, muito legal mesmo. 13 EXEMPLO DE RAÇA E FORÇA DE VONTADE Natural do interior mineiro assentou praça em 1938 e dividiu seu tempo entre a caserna e os estudos, concluindo o ginásio nesta situação. Retornando vitorioso foi matriculado no Curso de Preparação de Oficiais ondo se houve com raro brilho. E desde ai sua vida de oficial foi pontilhada de pontos luminosos que o impuseram a amizade, admiração e respeito de seus superiores pares e subordinados do Exército. Não contente, propôs-se a vencer um grande obstácuio e dar mais um exemplo de força de vontade, vencer a si mesmo. Ingressou no Núcleo de Paraquedistas do Exército onde fez um curso brilhante e prestou, após, assinalados serviços, embora tendo corrido sério risco de vida por ocasião de um salto em que seu paraquedas ficou preso ao avião, horas a fio. Viveu e viveram seus familiares e amigos momentos de angustia e desespero, mas tudo saiu a contento, Deus poupou-me a vida para outros cometimentos. PARTICIPARA DE UMA GRANDE BATALHA Após haver cumprido exemplarmente seu dever para com a Pátria na sua Segurança ainda não ensarilhou as armas. Vai participar da grande batalha que ora se trava no Brasil, da sagrada batalha de conquista das aspirações de seu povo, de INTEGRAÇAO e DESENVOLVIMENTO. Pará isto ingressou numa faculdade Administração para melhor adestrar-se e armar-se, dedicando o dia para atuar no objetivo de Integração Nacional no Ministério do Interior, onde empresta o seu concurso de cidadão brasileiro modelar, provado na paz e na guerra, Muitas felicidades Coronel Nestor lhe desejam este seu amigo e admirador e todos brasileiros, em especial, os brasilienses que terão o grande prazer e orgulho de continuar contando na Capital da Esperança com seu exemplo e presença e, os seus numerosos amigos do Exército que jamais esquecerão a sua mensagem. ADEPTO DA PAZ E DO AMOR O Coronel Nestor é um adepto fervoroso do IDEAL DE PAZ E AMOR autêntico e concorda com o grande ídolo popular do passado o General Osório "O Legendário"de que o dia mais feliz de sua vida seria o que todos os povos da terra queimassem seus arsenais e vivessem em harmonia eterna. Mas viveu bastante para sentir que sempre haverá um grupo de homens ou de países querendo acertar e interferir na vida de outros e de que Abel o bom, o puro a Paz e o Amor, mas indefeso, foi trucidado barbaramente por seu irmão o invejoso Caim. E esta portanto a mensagem que o herói de guerra e hoje herói da paz e pai amantíssimo, pretende comunicar aos jovens brasileiros, como comunicou aos seus filhos Cadete Nestor da Silva, que prosseguirá, no Exercito, a carreira do pai. IMPORTANTE Nota do autor em 2017. Esta matéria foi publicada na edição histórica do Correio Braziliense de 21 de abril de 1992, no inicio das comemorações do Sesquicentenário da Independência, a convite de Ari Cunha. Foram 4 matérias além das duas aqui resgatadas de recortes da ediçãoe mais a Uma testemunha dos grandes momentos de nossa História.a 1ª abordagem da História dos Dragões da Independência e mais a História de Hipolito da Costa o Fundador do Correio Braziliense em Londres que contribuiu para a Independência do Brasil.Foi a 1ª vez que foi publicada uma foto do Quartel General do Exército em Brasília, para conhecimento do povo de Brasília e foto ocupando meia página da reportagem. Construção que era tratada até então de Forte Apache. Estes recortes reagatei de meus arquivos existentes na Academia Canguçuense de História ACANDHIS em sua 14 sede própria e por nós fendada em 13 set 1988 e desde então por nós presidida e que abriga um grande acervo de História do Exército que para destinamos. Um exemplo de um dos diversos recortes do jornal guardados há 45 pelo autor e que serviram de base para o resgate deste assunto destinado ao esquecimento ,e ora resgatados com pequenas falhas, mas com maiores letras para perenizá-lo e disponibilizá-na Internet no site da FAHIMTB .Nesta época eu era adjunto do Presidente da Comissão de História do Exérciro do EME e escrevia assuntos de História do Exército para o Jornal Correio Braziliense E já nete tempo e artigo no Diario Popular dePelotas havia sugerido a trasladação dos restos mortais de Hipólito da Costa de Londres para Brasil o que repercutiu na imprensa do Brasil no Correio do Povo em Porto Alegre, no Estado de São Paulo em São Paulo e no Jornal do Brasil no Rio , terminando por este traslado ter sido concretizado e Hipolito das Costa vir para Brasilia, defronte o Correio Braziliense.Espero que esta matéria seja útil um dia a História do Exército em Brasilia.

Nenhum comentário: