segunda-feira, 17 de julho de 2017

O EXÉRCITO BRASILEIRO É O MESMO ONTEM, HOJE E ETERNAMENTE - ISAAC CARREIRO FILHO

O EXÉRCITO BRASILEIRO
“O Exército Brasileiro é o mesmo ontem, hoje e eternamente.”    Por Isaac Carreiro Filho
 “De Formião, filósofo elegante,
Vereis como Aníbal escarnecia,
Quando das artes bélicas, diante
Dele, com larga voz tratava e lia.
A disciplina militar prestante
Não se aprende, Senhor, na fantasia,
Sonhando, imaginando ou estudando,
Senão vendo, tratando e pelejando. (CANTO X. Os Lusíadas. Luiz Vaz de Camões).

O Exército Brasileiro surgiu historicamente nas Batalhas de Guararapes, com o concurso de representantes de três raças: negro, índio e branco, para expulsar os holandeses do Brasil. “A Companhia Holandesa das Índias Ocidentais tornou-se instrumento da colonização holandesa nas Américas e foi responsável pela ocupação de áreas no nordeste brasileiro no século XVII.” (wikipedia).
Batalha dos Guararapes
Onde se pode encontrar num só lugar patriotismo, dever, lealdade, coragem e profissionalismo?
“A estatura político-estratégica do Brasil implica a existência de Forças Armadas com verdadeiro potencial de dissuasão. Isso impõe a preparação constante de um poder militar respeitável, capaz de atender às hipóteses de emprego existentes. Assim, o Exército Brasileiro faz-se presente em todos os quadrantes do território nacional, dos pampas gaúchos até à imensidão da Amazônia. Essa presença decorre de sua missão constitucional de defender a Pátria e de, quando convocado, manter a lei e a ordem, bem como de cooperar com a manutenção da paz em diversos países do mundo. Além disso, participa de ações que cooperam com o desenvolvimento nacional e com a defesa civil, sempre solidário aos anseios e às necessidades dos brasileiros. O Exército Brasileiro é uma instituição profundamente compromissada com o nosso país. A sociedade conta com o seu braço Forte para defender nossas riquezas e nossa soberania; e com a sua Mão Amiga para enfrentar novos desafios e vencer obstáculos na construção de um brasil mais desenvolvido” (Extraído do folder Exército Brasileiro, do Centro de Comunicação Social do Exército).
“Forte Apache”, Quartel General do Exército em Brasília - DF
MISSÃO - Contribuir para a garantia da soberania nacional, dos poderes constitucionais, da lei e da ordem, salvaguardando os interesses nacionais e cooperando com o desenvolvimento nacional e o bem-estar social. Para isso, preparar a Força Terrestre, mantendo-a em permanente estado de prontidão.


VISÃO DE FUTURO - Até 2022, o processo de transformação do Exército chegará a uma nova doutrina – com o emprego de produtos de defesa tecnologicamente avançados, profissionais altamente capacitados e motivados – para que o Exército enfrente, com os meios adequados, os desafios do século XXI, respaldando as decisões soberanas do Brasil no cenário internacional.

(http://www.eb.mil.br/missao-e-visao-de-futuro)

MISSÃO CONSTITUCIONAL – A missão constitucional do Exército Brasileiro (EB) é: Assegurar a defesa da Pátria; Garantir os Poderes Constitucionais, a Lei e a Ordem; Participar de operações internacionais, de acordo com os interesses do País; e Como ação subsidiária, participar do desenvolvimento nacional e da defesa civil, na forma da lei.




MISSÃO DE PAZ
Baseada nos preceitos do artigo 4º da Constituição Federal, a participação brasileira em missões de paz só ocorre após o atendimento de algumas imposições, cuja principal é a aceitação, por parte dos países ou das facções envolvidas no conflito, da presença de observadores ou tropas estrangeiras em seu território.
Essa conduta da política externa brasileira vem sendo adotada há longo tempo. Assim, a primeira participação do Exército Brasileiro ocorreu em 1947, quando observadores militares foram enviados para os Balcãs. Durante as décadas de 50 e 60, viria a participar com efetivos maiores, integrando forças internacionais de paz, sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU) no Oriente Médio e da Organização dos Estados Americanos no Caribe. A mais longa missão foi no Oriente Médio (UNEF) e durou de 1957 a 1967, com a participação de 600 homens, em média, que se revezaram em 20 contingentes.
Nas décadas seguintes, foram bastante reduzidas as missões, até reiniciarem em 1989, quando inúmeras foram abertas. Em 1994, foram enviadas tropas (uma companhia) para auxiliar a manutenção da paz em Moçambique. Em setembro de 1995, o Exército enviou para Angola um contingente composto por mais de mil homens (um batalhão, uma companhia de engenharia e um posto de saúde). Nos últimos anos, militares brasileiros vêm prestando serviços às Nações Unidas, como observadores, na África, na América Central, na Europa, e na Ásia, e cooperando para a solução pacífica do conflito fronteiriço entre o Equador e o Peru.
A par do excelente desempenho demonstrado pelas tropas e pelos observadores brasileiros em missões no exterior, o Exército tem participado de exercícios conjuntos com outros países. A participação em missões de paz vem trazendo crescente prestígio à política externa e ao Exército Brasileiro, aumentando a projeção nacional no cenário mundial.
(http://www.eb.mil.br/missoes-de-paz/-/asset_publisher/xbkIlDCFFYVl/content/apresentacao)
SERVIÇO MILITAR - O Serviço Militar obrigatório consiste na incorporação do cidadão às fileiras das Forças Armadas, por um período remunerado de cerca de um ano, após processo de seleção dos jovens alistados, conforme previsto na lei. No caso do Exército, durante o ano do serviço militar obrigatório, o recruta frequenta cursos de formação do combatente básico e de uma qualificação militar específica, que o habilitará a mobilizações futuras, quando for o caso. Concluindo o ano de instrução, o militar participa do adestramento de frações constituídas de sua unidade, conhecidas como as manobras em campanha, desempenhando função coerente com sua qualificação militar. (http://www.brasil.gov.br/defesa-e-seguranca/2014/06/saiba-como-ingressar-e-seguir-a-carreira-militar-no-exercito.

Lembre-se:  Não está morto quem peleia. (Ditado popular gaúcho).

Nenhum comentário: