quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Matéria sobre Medalha Ordem do Mérito Militar (TV Assembleia SP)

CONDECORADOS COM A MEDALHA DRÁUSIO EM SOLENIDADE DE ABERTURA DOS 85 ANOS DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA NO MONUMENTO MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 32 - 25 DE JANEIRO DE 2017.


ABERTURA OFICIAL DO 85º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932
LANÇAMENTO DO NOVO SELO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, DEDICADO AS DESCENDENTES DOS HERÓIS DE 32
DONA ELZA D´AMBRÓSIO BUZATTO É A PRESIDENTE DA COMISSÃO DOS FAMILIARES DOS HERÓIS DE 32.  




































MEDALHA DRAUSIO

TENENTE CORONEL PM                MAURO AKIRA MORISHITA (não pode comparecer)

MAJOR PM                                        MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA (não pode comparecer)

CAPITÃO PM                                    LAÉRCIO HENRIQUE JUSTINO DE OLIVEIRA

PROFESSOR                                       RODRIGO GUTEMBERG

1° TENENTE PM                               ANDRÉ MANOEL DA SILVA CANDIAN

AL OF PM                                           JACSON GIOVANI

AL OF PM                                           CLAUDIO GARCIA XAVIER

SRA                                                       NEUSA MARIA BELTRAME

SUB TEN PM                                     CARLOS ALBERTO DA SILVA

1° SARGENTO PM                           JULIO CESAR DE FREITAS AVALLONE

3° SARGENTO PM                           MARCIO FERNANDES
                   
SR.                                                        JOÃO FABIANO DE GODOY SILVA

CABO PM                                           WELLINGTON LEITE CAMBOIM DE LIMA

CABO PM                                           MARCOS AURÉLIO BERNARDES

CABO PM                                           CLAUDIO APARECIDO OLIMPIO

SR.                                                        JORGE LUIS MARTIN

SD PM                                                 FELIPE CAPELLO FERREIRA DA SILVA

SD PM                                                 RAMON LUDVIG DE MORAES

SD PM                                                 MANOEL PINHEIRO ALVES DE MOURA


COLAR DA VITÓRIA

É entregue essa honraria para MARTA LILIA PORTA, que não pode comparecer na solenidade onde ela seria condecorada.

463 ANOS DE SÃO PAULO - DIA DE SÃO PAULO APÓSTOLO !!!!!!

MONUMENTO MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 32 - HOJE, 25 DE JANEIRO DE 2017, ÀS 15 HORAS, ENTREGA DA MEDALHA DRÁUSIO - ABERTURA DO 85º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA - APRESENTAÇÃO DO NOVO BRASÃO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, INICIANDO A FASE DA COMISSÃO DOS FAMILIARES DOS HERÓIS DE 32, QUE, A PARTIR DE AGORA, PASSARÁ A CULTUAR OS HERÓIS DA SAGA DE 32!!!!! 





A MEDALHA DRÁUSIO SERÁ ENTREGUE ÀS 15 HORAS DE 25 DE JANEIRO DE 2017 NO MONUMENTO MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 32





(EXTRAÍDO DAS MEMÓRIAS DO VENTURA)
DIA DE SÃO PAULO APÓSTOLO. Nasceu na CILÍCIA, por volta do ano 10 da era cristã. Além de ser judeu, era cidadão romano. É conhecido por suas quatorze cartas, lidas freqüentemente nas celebrações eucarísticas, na Liturgia da Palavra. Hoje é comemorada a conversão de SÃO PAULO, que ocorreu seis anos após ascensão de CRISTO. Antes de se converter, PAULO era um perseguidor dos cristãos.
Plinio Maria Solimeo
De nenhum dos grandes santos penitentes a Igreja celebra a conversão como a de São Paulo. E uma das razões é a excelência de toda s as virtudes que Nosso Senhor comunicou-lhe.
Um dos maiores santos do firmamento católico,São Paulo…
Nos diz que era judeu, nascido na “ilustre” Tarso, na Cilícia, Ásia (At 21, 39), de pai cidadão romano (At 22, 26-28), de uma família na qual a pureza de consciência era hereditária (II Tim, 1, 3), muito apegada às tradições e observâncias dos fariseus (Fil. 3, 5-6).
Como pertencia à tribo de Benjamim, foi-lhe dado o nome de Saul (Saulo), muito comum nessa tribo em memória do primeiro rei dos judeus.
Como todo judeu respeitável tinha que ensinar a seu filho uma profissão, o jovem Saulo aprendeu a tecer os fios dos quais eram feitas as tendas e a confeccioná-las, o que lhe seria de muita utilidade no futuro. Ainda muito jovem foi enviado a Jerusalém para receber educação na escola de Gamaliel.
Ao contrário do que muitos imaginam, o grande São Paulo era de pequena estatura, calvo, de fraca voz e má saúde. Por isso, não impressionava à primeira vista.
Entretanto, a alma que movia esse corpo frágil era toda de fogo, e praticamente não encontra paralelo não só nos primeiros tempos do Cristianismo, mas em toda sua história.
De perseguidor a Apóstolo de Cristo
Formado na tradição dos fariseus, que exageravam o cumprimento das exterioridades da lei, seu fanatismo ardente, que nada podia moderar, iria se chocar contra o Cristianismo nascente.
A doutrina deste, dotada de força e vida, ameaçava tudo conquistar para Cristo, o que preocupava muito a Saulo.
Diante dessa marcha conquistadora, ele não hesitava em opor-se com todas suas forças e até pela violência, conforme narram os Atos dos Apóstolos (9, 1-2):
“Respirando ameaças e morte contra os discípulos do Senhor, apresentou-se ao sumo sacerdote e pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos a Jerusalém quantos achasse desta doutrina, homens e mulheres”. 
A isso comenta São João Crisóstomo: 
“Que males não havia feito? Havia enchido de sangue Jerusalém, matado os fiéis, afligido a Igreja, perseguido os Apóstolos, apedrejado Estêvão, e não perdoando a homem nem mulher, porque não se contentava com levá-los aos tribunais e acusá-los ante os juízes, senão que os buscava em suas casas, tirando-os delas; e, como uma fera, os arrebatava”.
“Saulo, Saulo, por que me persegues?”
Entretanto, no caminho de Damasco o Senhor o esperava. “Saulo, Saulo, por que me persegues?”. Ele caiu do cavalo diante da fulgurante luz. 
“Coisa maravilhosa é considerar que, tendo sido toda a vida de Cristo, nosso Redentor, semeada de trabalhos, perseguições e penas, e sua sagrada paixão cheia de tantas e tão inexprimíveis afrontas e tormentos, nunca o Senhor se queixou nem abriu a boca para dizer: ‘Por que me persegues?’…
E agora, com voz portentosa e sonora, diz a Saulo: ‘Por que me persegues?’. Como podia Saulo perseguir a Vós, Senhor, sendo ele um pouco de pó, e vós o Rei da glória, estando ele na Terra e vós no Céu?
Mas, porque Saulo perseguia os membros de Cristo, nossa cabeça, Ele tomava por próprias as injúrias que contra seus membros se faziam”.
“Senhor, que quereis que eu faça?” Era a coerência falando. Se Aquele que lhe aparecia era o próprio Cristo, Filho de Deus, Saulo deveria, em vez de perseguir seus discípulos, entregar-se inteiramente e de vez a seu serviço.
Os teólogos asseguram que uma conversão é obra mais maravilhosa que a ressurreição dos mortos.
Assim, a conversão de São Paulo constituiu fato maior e mais notável que a ressurreição de Lázaro, encerrado havia quatro dias no sepulcro, e já cheirando mal.
Para Santo Agostinho, se a ressurreição de um morto e a conversão de um pecador são obras de igual poder, a conversão é obra de maior misericórdia. Se isso se pode dizer de qualquer conversão, mais se pode dizer da de São Paulo.
“Com efeito, se todas as outras são milagrosas, estando elevadas acima da ordem da natureza, esta o é na mesma ordem da graça, sendo como um milagre estabelecido sobre outros milagres. O que parecerá evidente, tanto se se consideram os efeitos que produziu, quanto os grandes frutos que a Igreja dela tirou”
Realmente, vemos nessa conversão uma circunstância inteiramente milagrosa, pois é milagre na ordem da graça que uma alma tão carregada de pecados, e com disposições totalmente contrárias a ela, se converta assim inopinadamente, sem ter sido preparada antes por atos opostos a esses maus hábitos e a essas disposições perniciosas.
A conversão de São Paulo foi também um “prodigioso acontecimento, de incalculável importância, sem o qual todo o futuro do Cristianismo teria mudado de feição. [...]
A transformação foi nele radical e completa. O que havia odiado, passa, da noite para o dia, a adorar; e a causa que combateu com toda a violência vai, igualmente com toda a violência, servi-la de futuro. Num segundo, e na pista do deserto, Deus vencera o adversário e o ligara a Si, para todo o sempre”)

1976 a. um dia depois do assassinato de seu sobrinho CALÍGULA, TIBÉRIO CLÁUDIO NERO GERMÂNICO assume o poder em ROMA como o imperador CLÁUDIO I no dia 25 de janeiro de 41. Ele foi proclamado ao cargo pela guarda pretoriana e retomou a tradição administrativa do padrasto AUGUSTO. Durante seu governo, CLÁUDIO I estendeu o poder para o norte da ÁFRICA e fez da GRÃ-BRETANHA uma província romana.
463 a. da FUNDAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO, fundada no dia 25 de janeiro de 1554 pelos jesuítas MANOEL DA NÓBREGA e JOSÉ DE ANCHIETA. GASPAR LOURENÇO, irmão e depois padre jesuíta, ingressou na Companhia de Jesus em 1553. Estudante e intérprete, aprendeu a língua tupi. Participou em 25 de janeiro de 1554, da fundação do COLÉGIO DE SÃO PAULO DE PIRATININGA. Em 1560, acompanhou juntamente com o PADRE FERNÃO LUÍS, por determinação do Provincial LUÍS DE GRÃ, os índios de PIRATININGA que foram dar combate aos franceses no RIO DE JANEIRO, por solicitação de ajuda do Governador-Geral MEM DE SÁ. Em 1575, com o PADRE JOÃO SALÔNIO, foi o responsável pela primeira tentativa de colonização em SERGIPE, quando percorreram algumas aldeias, notadamente a dos índios KIRIRIS, na confluência dos rios PIAUÍ e JACARÉ, que tinham o comando do cacique SURUBI. Por onde passaram, fundaram missões e ergueram igrejas dedicadas a SÃO TOMÉ, SANTO INÁCIO e a SÃO PAULO, esta última provavelmente em território que hoje pertence ao município de ARACAJU, localizadas em terras dominadas pelos caciques tupinambás SURUBI, SERIGI e APERIPÊ. A princípio os jesuítas conseguiram atrair os índios para a catequese, mas os soldados que vieram proteger os religiosos começaram a praticar violência nas aldeias, roubando produtos e raptando as mulheres. Os indígenas, revoltados, expulsaram os padres e os soldados de suas aldeias. Posteriormente, o padre GASPAR DE LOURENÇO foi transferido para a BAHIA, aonde veio a falecer em 1581. Nasceu em VILA REAL, PORTUGAL, em 1529. DOM AFFONSO BRAZ, nascido em ANADIA, PORTUGAL, em 1524 e falecido no BRASIL, em 1610, tomou parte na fundação do COLÉGIO SÃO PAULO DE PIRATININGA, onde dirigiu a construção da igreja e da casa dos padres, trabalhando como pedreiro e carpinteiro, ofícios que exerceu, também, em SÃO VICENTE. Com o Provincial INÁCIO DE TOLOSA, seguiu em 1573 para o RIO DE JANEIRO, onde foi encarregado das obras do novo Colégio. Ele chegou no BRASIL em 1550, chefiando a missão religiosa vinda na armada do fidalgo português SIMÃO DA GAMA DE ANDRADE. Em 1551, foi servir no ESPÍRITO SANTO, juntamente com o Irmão SIMÃO GONÇALVES, onde não havia nenhum evangelizador, sendo bem recebido pelos indígenas, que ajudaram a edificar casa e igreja, sendo o primeiro superior da CASA DOS JESUÍTAS na vila de VITÓRIA. Esteve em PORTO SEGURO, em 1552, retornando logo ao ESPÍRITO SANTO. Foi transferido pelo Padre MANEL DE NÓBREGA para SÃO VICENTE, em 1553, acompanhando o Padre LEONARDO NUNES, que voltava da BAHIA com um grupo de religiosos, entre eles JOSÉ DE ANCHIETA, ficando em seu lugar, em terras capixabas, o Irmão BRAZ LOURENÇO.
Também participou da fundação do COLÉGIO DE SÃO PAULO DE PIRATININGA o irmão jesuíta PERO (PEDRO) CORREIA. Nasceu em PORTUGAL e faleceu em 1554, na região de CANANÉIA, então CAPITANIA DE SÃO VICENTE. Presumivelmente chegou ao BRASIL em 1534, tendo estado no RIO, antes da vinda de VILLEGAGNON. Levou vida de aventuras como conquistador e aprisionando índios para vendê-los como escravos. Em 1549, deixou a vida bárbara que levava, converteu-se e foi recebido como Irmão pelo PADRE LEONARDO NUNES. Entrou na COMPANHIA DE JESUS, em SÃO VICENTE, sendo o primeiro Irmão recebido no BRASIL e, então, doou todos os seus bens e as terras que possuía ao COLÉGIO DE SÃO VICENTE, do qual foi um dos fundadores. Em fins de 1554, com seu companheiro Irmão JOÃO DE SOUSA, foi morto a flechadas pelos carijós, na região de CANANÉIA, quando em missão de catequese.
1711 – A vila de SÃO PAULO DE PIRATININGA se transformou na cidade de SÃO PAULO. Á época, sua população era composta basicamente por índios e portugueses;
1828 – Fundada a FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO, que marcou a paisagem da cidade com suas arcadas, influenciando os acadêmicos, a cultura e o comportamento da época;
1835 – SÃO PAULO tem seu primeiro prefeito, LUÍS ANTÔNIO DE SOUZA BARROS, que ordenou a confecção do primeiro mapa oficial da cidade;
1867 – Inaugurada a ESTRADA DE FERRO SÃO PAULO RAILWAY COMPANY, que ligava SANTOS a JUNDIAÍ, passando pela Capital e vencendo os obstáculos da SERRA DO MAR com planos inclinados;
1872 – Inaugurada a primeira linha de bonde a burro, ligando a SÉ à LUZ. Aberto o primeiro trecho da COMPANHIA PAULISTA, unindo JUNDIAÍ à CAMPINAS. SÃO PAULO foi ligado ao RIO pela D. PEDRO II, depois CENTRAL DO BRASIL. Nos anos seguintes, quatro outras estações iriam servir o interior da PROVÍNCIA: a SOROCABANA e a ITUANA (para o oeste); a MOGIANA (para o norte) e a PAULISTA (para o norte–noroeste). SÃO PAULO se tornou o primeiro entroncamento ferroviário;
1890 – A avenida PAULISTA foi construída. SÃO PAULO viveu a febre das ferrovias. Os trilhos espalhavam-se ao longo dos rios TIETÊ e TAMANDUATEÍ, fazendo surgir novos bairros como BRÁS, LUZ, BARRA FUNDA, BOM RETIRO, MÓOCA e BELENZINHO;
1892 – Inaugurado o primeiro VIADUTO, o do CHÁ, de ferro batido, sobre o ANHANGABAÚ;
1901 – Uma nova Estação (em 1951, chamada JÚLIO PRESTES), integralmente projetada e construída na INGLATERRA, em ferro e vidro, foi entregue ao povo, tornando-se um dos marcos da Cidade;
1909 – Inauguração da sede própria do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, no terreno onde hoje está erguido o atual edifício-sede, na Rua BENJAMIN CONSTANT. O presidente do IHGSP era o Conselheiro MANUEL ANTÔNIO DUARTE DE AZEVEDO. TAUNAY, referindo-se a essa inauguração, assim se pronunciou: “edifício que se não é suntuoso, é pelo menos excelente, amplo, acolhedor e onde a permanência se torna sobremaneira agradável...dispunha de belo salão de recepção, de outro assaz vasto destinado à biblioteca, ostentava um pórtico elegante e fachada de aspecto muito agradável, dispondo ainda dos cômodos necessários à administração do grêmio.”
1911 – Inaugurado o TEATRO MUNICIPAL;
1914 – Com o início da PRIMEIRA GUERRA houve um estímulo à industrialização no BRASIL, o que gerou um surto de desenvolvimento em SÃO PAULO;
1922 – Foi realizada no TEATRO MUNICIPAL a SEMANA DE ARTE MODERNA;
1929 – Inaugurado o maior arranha–céu da AMÉRICA DO SUL, à época: o EDIFÍCIO MARTINELLI;
1932 – REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA. O movimento pedia a reinstauração da ORDEM CONSTITUCIONAL e a convocação de uma ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE;
1934 – ARMANDO DE SALLES OLIVEIRA, governador de SÃO PAULO, fundou a UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Um decreto instituía a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e agregava as já existentes Escola Politécnica, as Faculdades de Medicina, de Direito e de Farmácia e de Odontologia, o Instituto de Educação, a Escola de Medicina Veterinária e a Escola Superior Luiz de Queiroz, entre outras;
1934 - Dia FIAMMETTA EMENDABILI: "Em 1929, meu pai, o artista italiano Galileo Emendabili, conquistou o primeiro lugar no concurso para executar o monumento a Ramos de Azevedo. Este fora um grande transformador da cidade de São Paulo, até então um local de aspecto colonial muito simples. Com as obras de seu escritório (tais como os prédios do Theatro Municipal, dos Correios, da Light and Power (que atualmente é um shopping) e da Casa das Rosas na Avenida Paulista), Ramos de Azevedo transformou a cidade de São Paulo em uma “pequena Paris”. Emendabili fez o projeto arquitetônico e escultórico do monumento. A execução da obra deu-se na rua Bela Cintra, onde se localizava o segundo ateliê do artista em São Paulo. A peça foi esculpida no gesso úmido e não na argila. Portanto, é uma obra artística ciclópica (gigantesca). O monumento a Ramos de Azevedo foi inaugurado em 25 de janeiro de 1934 na Praça Tiradentes, no centro de São Paulo, tendo ao seu lado o prédio do então Liceu de Artes e Ofí- cios de São Paulo (atual Pinacoteca do Estado), obra de Ramos de Azevedo. No fim de sua vida, Emendabili considerou que este conjunto escultórico, idealizado por ele aos 31 anos, foi, das obras de sua autoria, a que mais o entusiasmou. Infelizmente, em 1968, o prefeito Faria Lima não teve nenhum colaborador urbanista que o aconselhasse a não retirar o monumento da Avenida Tiradentes. Na ocasião, haveria a necessidade de estudos de engenharia de tráfego que pudessem resguardá-lo do progresso tecnológico que avançava na cidade de São Paulo. O motivo do desmonte dessa obra de arte foi a construção do metrô e, principalmente, o fluxo viário para a Zona Norte (Anhembi, Campo de Marte). Mas neste ponto, questiono: o que seria do Arco do Triunfo, situado na Avenida Champs Elisée, na Praça d’Etoille, em Paris, se a prefeitura daquela cidade tivesse que desmontá-lo pelo fluxo viário que não comportaria as 12 avenidas que o circundam? Emendabili foi comunicado sobre o desmonte, situação para ele de grande tristeza, e a Companhia de Engenharia responsável por desmontar o monumento teve como supervisor o próprio artista, que precisou cerrar anatomicamente a figura de bronze do cavalo ao meio e, posteriormente, fundi-la novamente. Foi um trabalho de muitos meses, inclusive para não quebrar o granito andorinha, que naquela época já estava escasso nas jazidas da Serra do Mar. Todo o desmonte foi colocado no Parque da Luz. Desgostoso, Emendabili teve três enfartes, vindo a falecer no último deles, em 14 de janeiro de 1974. Assim, apesar de saber de antemão que o monumento seria instalado na Cidade Universitária da USP, em frente à Praça do Instituto de Pesquisas e Tecnologia (IPT) e muito próximo da Escola Politécnica – da qual Ramos de Azevedo foi um dos fundadores e o segundo reitor –, Emendabili (que havia dado orientações à firma de engenharia que iria remontá-la, a Iamsi Engenharia) não pôde acompanhar os trabalhos finais e ver o monumento ser reinaugurado em 1975. De qualquer modo, o Monumento a Ramos de Azevedo deu a Emendabili a autonomia financeira para realizar seu sonho de construir duas casas: uma para ele, e outra para os dois filhos (o médico dr. Plínio Emendabili, já falecido, e sra. Fiammetta Emendabili, que estudaram no Dante). Havia, nessas residências, afrescos de 1939 de autoria do amigo Fulvio Pennacchi. Em 25 de janeiro de 2014, completaram-se 80 anos da inauguração do Monumento a Ramos de Azevedo. Nosso plano é restaurar esse monumento durante 2014, dando as características originais à obra."
1948 – Fundado o TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIA, formador dos primeiros grandes atores do País. SÃO PAULO então despontou como um fervilhante CENTRO DE CULTURA;
1953 – JÂNIO QUADROS foi o primeiro PREFEITO eleito diretamente na cidade desde 1930;
1954 – COMEMORAÇÃO DOS QUATROCENTOS ANOS DA CIDADE. Inauguração do PARQUE IBIRAPUERA, inauguração da atual sede do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da nova CATEDRAL. No ano em que SÃO PAULO comemorou seu quarto centenário, o então prefeito do município, JÂNIO QUADROS, disputou as eleições para o governo do Estado e saiu vitorioso das urnas. Ele assumiu o posto em 1955. Anos depois, fez seu mais alto vôo político e chegou à Presidência da República. Em 1954, a festa dos 400 anos foi marcada por grandiosas comemorações. JÂNIO inaugurou o PARQUE DO IBIRAPUERA, o MONUMENTO ÀS BANDEIRAS e a CATEDRAL DA SÉ, locais que passaram a ilustrar muitos dos cartões postais da cidade. No IHGSP, o Professor Doutor ERNESTO DE SOUZA CAMPOS inaugurava a nova sede. Projetado para dez andares, vinha atender ao crescimento da instituição e da cidade de São Paulo. Na construção do edifício um competente profissional da engenharia paulista, o ituano Doutor PÉRSIO PEREIRA MENDES, diretor da Sociedade Construtora CELBE LTDA., deu o melhor de si. Nas inaugurações de 1954 também estava a da inauguração parcial do MONUMENTO-MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 1932. A Catedral Metropolitana de SÃO PAULO demorou mais de 40 anos para ser construída, mas foi só recentemente que sua obra foi totalmente concluída. É que seu projeto arquitetônico, feito em 1911, previa 16 torres e, em 1954, quando ela foi inaugurada –no aniversário dos 400 anos de SÃO PAULO-, só havia duas. As outras 14 foram inauguradas em setembro de 2002, após 36 meses de reforma. Antes da catedral, o local abrigou outras igrejas menores. A primeira foi em 1591, depois, em seu lugar, foi erguida uma catedral colonial (1745) e só depois, em 1912, a Catedral da Sé. A imponente Catedral tem pé-direito de 70 metros –que corresponde a um prédio de 20 andares-, mas se calcularmos sua altura pelas suas torres teremos 92 metros de altura. É a maior igreja de SÃO PAULO, com 111 metros de comprimento, 46 metros de largura e capacidade para 8 mil pessoas. Além de belíssimos vitrais, a igreja também guarda em seu interior um dos maiores órgãos da AMÉRICA LATINA. Outra curiosidade é que a igreja, assim como a praça, está situada na linha do TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO. Na sua cripta estão sepultados padres e arcebispos, além dos restos mortais do cacique TIBIRIÇÁ e o padre ANTÔNIO FEIJÓ. Chuva de papel prateado nas ruas do centro, queima de fogos de artifício no BANESPA, aviões da ESQUADRILHA DA FUMAÇA cortando o céu. À meia-noite, os sinos das igrejas começaram a repicar e 7.500 fábricas dispararam suas sirenes. Assim se passou o dia 25 de janeiro de 1954.   
1974 – Foi inaugurado o primeiro trecho da linha NORTE – SUL do METRÔ;
1983 –Aconteceu na cidade a primeira manifestação por eleições diretas para presidente do BRASIL;
1984 – A movimentação na PRAÇA DA SÉ começou cedo no feriado de quarta-feira, 25 de janeiro de 1984, aniversário dos 430 anos de SÃO PAULO. Por volta das 11 horas chegaram os primeiros militantes com megafones, convocando para um comício horas depois. A praça foi se enchendo de gente comum, comerciários, secretárias, motoristas, uma multidão empurrada pela EMENDA que restabelecia eleições para presidente, suspensas pela ditadura. No palanque, defendiam a causa políticos como ULYSSES GUIMARÃES, LEONEL BRIZOLA, MIGUEL ARRAES, FERNANDO HENRIQUE CARDOSO e LULA, e personalidades como CHICO BUARQUE, OSMAR SANTOS, HENFIL e FAFÁ DE BELÉM. A massa de 250 mil pessoas não parava de cantar slogans, numa intensa vibração que durante muito tempo não será esquecida por quem viveu esse tempo. Como capitão do COMANDO DE POLICIAMENTO DE CHOQUE, trabalhei no policiamento do local.
1997 – A SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA mudou-se para a ESTAÇÃO JÚLIO PRESTES e deu início à readequação dos espaços para sediar a ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO;
1999 – A ESTAÇÃO JÚLIO PRESTES passou a abrigar a SALA DE CONCERTOS SÃO PAULO;
2002 – INICÍO DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DA CIDADE.
Para fazer parte das festividades do aniversário, em 2003, o BOLO DE 449 METROS DO ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO já está pronto para a tradicional festa organizada pela SOCIEDADE DE DEFESA DAS TRADIÇÕES E PROGRESSO DA BELA VISTA – SODEPRO – evento criado em 1985 por ARMANDO PUGLISI, “ARMANDINHO DO BIXIGA”, inspirado em uma festa suíça. A metragem do bolo  sempre é a mesma do número de anos da cidade de SÃO PAULO. O horário marcado para o corte do bolo é 12:15 horas. Ele está montado sobre 642 mesas, que ficam na rua RUI BARBOSA (entre a rua CONSELHEIRO CARRÃO e a PRAÇA DOM ORIONE), no bairro do BIXIGA. A festa conta com a participação de sósias de artistas, palhaços, bandas e a Escola de Samba ZIRIGUIDUM.

SÃO PAULO é grande em todos os aspectos: em seus 1.525 km quadrados, abriga mais de 10 milhões de habitantes e, por isso mesmo, é considerada a maior cidade do País e também da AMÉRICA DO SUL, além de ser a quarta maior de todo o mundo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nossa cidade tinha, em 2005, mais de sete milhões de eleitores, 1.769 estabelecimentos de saúde, 1.931 agências bancárias. Existem 270 salas de cinema, 102 de teatro, 70 museus, cerca de 12.500 restaurantes, 886 feiras livres semanais.        

PARABÉNS, SÃO PAULO, PELOS SEUS 463 ANOS !!!! - BLOG DA PMESP.

PARABÉNS, SÃO PAULO, PELOS SEUS 463 ANOS !!!!!

No dia 25 de janeiro de 1554, os padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta fundaram o colégio que seria o centro de educação e formação dos indígenas.
A cidade de São Paulo recebeu este nome em homenagem ao apóstolo Paulo, que de acordo com a tradição católica, teria se convertido ao cristianismo no dia 25 de janeiro, ou seja, mesma data em que foi celebrada a missa de fundação do Colégio dos Jesuítas, considerado o “marco zero” da cidade.
A “Terra da Garoa” é hoje a maior cidade do Brasil, sede de grandes empresas, palco para megaeventos e verdadeiramente, a cidade que nunca dorme.
A Polícia Militar do Estado de São Paulo parabeniza esta grande Capital de Estado e a todos os que aqui residem, reafirmando o compromisso de servir e proteger 24 horas por dia, todos os dias.

#podeconfiarpmesp
COMUNICAÇÃO SOCIAL PMESP