domingo, 9 de julho de 2017

A SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC CONSIDERA O ARTIGO DA FOLHA DE SÃO PAULO, NESTA DATA MAGNÍFICA DE 9 DE JULHO DE 2017 UMA EXCRESCÊNCIA CONTRA A MEMÓRIA DOS NOSSOS COMBATENTES DE 32. VERDADEIRA MALDADE ESSA INFELIZ PUBLICAÇÃO !!!!

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas em pé

MEUS AMIGOS, MINHAS AMIGAS
COMO PRESIDENTE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC QUERO AGRADECER TODOS QUE COLABORARAM PARA O ESTRONDOSO SUCESSO DO 9 DE JULHO DE 2017, O MELHOR DE TODOS, PRINCIPALMENTE POR CAUSA DO EXÉRCITO INFANTO JUVENIL ALDO CHIORATTO, UM EXEMPLO DE COMO DEVEMOS CUIDAR DE NOSSOS FILHOS!
MAS QUERO LEVAR AO CONHECIMENTO DE TODOS O PROFUNDO REPÚDIO A UM ARTIGO BARATO, TENDENCIOSO, VERDADEIRO LIXO, PUBLICADO NUM JORNAL QUE EU ACREDITAVA SER SÉRIO.
"SÃO PAULO GASTA R$900 MIL POR MÊS COM PENSÃO AOS VETERANOS DE 1932"
ISSO CHEGA A SER ATÉ UMA COVARDIA. DESCONHECE O AUTOR DO MALDOSO TEXTO QUE A VIÚVA DO COMBATENTE DE 1932 GANHA MENOS QUE UM SALÁRIO MÍNIMO, UMA VERDADEIRA ESMOLA !!!!
AS VIÚVAS DOS COMBATENTES DA SEGUNDA GRANDE GUERRA GANHAM O SALÁRIO DE UM TENENTE !!!!!!!!!
A SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC CONSIDERA UM LIXO ESSA PUBLICAÇÃO. NÃO SEI QUAL A VERDADEIRA INTENÇÃO QUANTO A ESSA PÚBLICAÇÃO, MAS É UMA ABERRAÇÃO QUE PRECISA SER EXECRADA POR TODOS NÓS CONSTITUCIONALISTAS !!!!!!!!!

É COM SATISFAÇÃO IMENSA QUE COLOCO ESTA PÁGINA EM MINHAS MEMÓRIAS. FOI O MEU MELHOR 9 DE JULHO, PELA REALIZAÇÃO DE UMA UTOPIA QUE CONSERVAVA EM MINHA MENTE : VER REALIZADO O EXÉRCITO INFANTO JUVENIL ALDO CHIORATTO. MEUS PARABÉNS A TODOS QUE TORNARAM MEU SONHO REALIDADE !!!!!!!

9 de Julho. Orgulho de ser paulista.
Comentários
Sidnei Lobo Pedroso 👏👏👏👏👏👏👏👏
Responder
2
58 min
Kelly Neves Parabéns Silvia Regina Giometti Luz Magalhães !!! Na próxima eu irei fardada!!! Ameiiiiii
Responder
1
52 min
Sandra Castro 👏👏👏👏👏👏👏👏
Responder
1
42 min

PARABÉNS À AFRÂNIO FRANCO DE OLIVEIRA MELLO EM 9 DE JULHO DE 2017, NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO




Parabéns à Afrânio Franco de Oliveira Mello

Entrada
x

JBiajone

Anexos22:17 (Há 27 minutos)
para cruzespaulistas, Cco:mim
Prezados HR e Fabio 
(e demais amigos)

Saudações meus caros.

É com grata alegria que a Sociedade Veteranos de 32-MMDC, na sua sucursal em Itapetininga/SP, leva ao vosso conhecimento que o genealogista Afrânio Franco de Oliveira Mello, vice presidente fundador desta sucursal 1º núcleo de correspondência da anunciada sociedade foi, neste 9 de julho de 2017, data comemorativa dos 85 anos da revolução constitucionalista de 1932, condecorado com a Medalha da Constituição, a mais alta honraria da epopeia de 32 que até poucos anos atrás era concedida apenas a ex-combatentes da revolução.
Sua indicação à medalha se deu por intermédio da Sociedade Veteranos de 32-MMDC em atendimento à solicitação da presidência do núcleo de Itapetininga, em resposta aos relevantissimos serviços prestados à causa do resgate e da preservação da memória constitucionalista no Setor Sul, serviços esses que o Sr. Afrânio Franco de Oliveira Mello sempre realizou com brilhantismo, competência e altruísmo.
Itapetininga se ufana pelo reconhecimento que este seu filho merecidamente hoje conquistou, endossado que foi pelo Cel PM Telhada, deputado estadual por São Paulo, proponente de seu nome à comissão da medalha na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. A este deputado e amigo da Sociedade Veteranos de 32-MMDC e de suas dezenas de núcleos espalhados pelo interior de São Paulo, o nosso sincero agradecimento pelo reconhecimento concedido à Afrânio.
Estimados HR e Fabio
Agradeço meus caros, um espaço em especial em vossos meios jornalisticos (Jornal Rol e Top da Cidade) para a publicação desse feliz homenagem recebida pelo nosso carissimo Afrânio
As cinco fotos tiradas durante a solenidade e que vão em anexo estão a vossa disposição.
Att e grato
Núcleo MMDC de Itapetininga
Sociedade Veteranos de 32-MMDC
Julho 9, 2017



Exibindo af2.jpg
Exibindo af5.jpg

Exibindo af1.jpg

Exibindo af3.jpg
Exibindo af4.jpg

LEMBRANDO O 9 DE JULHO DE 1956 (MEMÓRIAS DO VENTURA)

61 a. passagem do 24º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932 – 9 de julho de 1956. Desde as primeiras horas da manhã o povo esteve nas ruas participando das homenagens prestadas à memória dos heróis que tombaram em defesa da legalidade democrática. Em todos os locais em que se realizaram as solenidades cívicas, o homem do povo foi visto, numa demonstração eloqüente de sua veneração por aqueles que deram o se sangue em holocausto à Lei. Com o mesmo entusiasmo cívico que caracterizou o movimento armado de 1932, os paulistas reverenciaram os despojos dos cinco heróis que repousarão eternamente no Monumento Mausoléu do PARQUE IBIRAPUERA, símbolo da gratidão do povo de PIRATININGA ao soldado constitucionalista.
Várias cerimônias foram realizadas hoje em comemoração à passagem do 24º aniversário da Revolução Constitucionalista. Na Assembléia Legislativa foram hasteados o pavilhão nacional e a bandeira paulista, por componentes da Guarda Civil. Em seguida, o presidente da Câmara, os membros da Mesa e demais parlamentares rumaram para a Catedral Metropolitana, onde assistiram à missa solene celebrada pelo bispo auxiliar de SÃO PAULO, dom PAULO ROLIM LOUREIRO.
Às 9 horas, o CLUBE PIRATININGA realizou uma romaria ao cemitério de SÃO PAULO, em cuja capela foi celebrada missa por intenção das almas dos combatentes que tombaram durante a revolução. Foi oficiante o cônego LUÍS DE ABREU, ex-capelão do Exército Constitucionalista. Em seguida, os diretores do Clube, entre os quais o seu presidente, senhor ARMINDO LACERDA GUARANÁ, rumaram para o local onde estão os túmulos de vários soldados e voluntários constitucionalistas. Estiveram presentes veteranos da revolução, membros das famílias dos heróis e numerosos sócios do CLUBE PIRATININGA. Sobre as sepulturas, viam-se as coroas fúnebres enviadas pelo governador do Estado.
Dom PAULO ROLIM LOUREIRO, bispo auxiliar de SÃO PAULO, celebrou a missa solene às 10 horas na Catedral Metropolitana. As urnas contendo os restos mortais do GENERAL ISIDORO DIAS LOPES, CABO JOSÉ BENEDITO SALINAS e combatentes FERNÃO MORAIS SALES, ÁLVARO DOS SANTOS MATOS e CÉSAR PENA RAMOS, estavam ao pé da escada que conduz ao altar-mor do templo, guardadas por escoltas de honra da Polícia Especial da Força Pública. No corredor central, em ambos os lados, formavam veteranos de 32 e oficiais das três armas. Na PRAÇA DA SÉ, em frente à Catedral, estava formada uma unidade do BATALHÃO DE GUARDAS da FORÇA PÚBLICA.
O ato religioso foi assistido pelo povo em geral, membros das famílias dos heróis e todos os veteranos de 32. Altas autoridades civis e militares estiveram presentes, entre os quais o senhor JÂNIO QUADROS, governador do Estado; o GENERAL PORFÍRIO DA PAZ, vice-governador do Estado; o senhor RUI DE ALMEIDA BARBOSA, presidente da Assembléia Legislativa; o senhor VLADIMIR DE TOLEDO PISA, prefeito da Capital; o GENERAL FALCONIERI DA CUNHA, Comandante da Zona Militar do Centro; o BRIGADEIRO NETO DOS REIS, Comandante da Quarta Zona Aérea; e o GENERAL LEVY CARDOSO, chefe do Estado Maior da Zona Militar do Centro.
Terminada a cerimônia religiosa, o presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, senhor MÉRCIO PRUDENTE CORREIA, fez a chamada dos mortos e em seguida convidou personalidades presentes para conduzir os despojos até às carretas que as aguardavam em frente à Catedral. À saída das urnas, os soldados do BATALHÃO DE GUARDAS prestaram as homenagens fúnebres, dando três salvas de tiros de fuzil. Enquanto os despojos eram colocados nas carretas que os transportariam ao IBIRAPUERA, a Banda Musical da FORÇA PÚBLICA executou a marcha fúnebre de CHOPIN.
Milhares de pessoas, que se encontravam na PRAÇA DA SÉ, assistiram, contritos, à saída dos carros do Corpo de Bombeiros que rumaram para o IBIRAPUERA, conduzindo as urnas dos cinco heróis da Revolução.
O cortejo chegou às 11:30 horas no Parque. Logo depois, chegava o governador do Estado acompanhado de altas autoridades civis e militares. À entrada do Parque, ao longo da alameda que conduz ao Monumento Mausoléu, formavam tropas: do Exército, Aeronáutica e Força Pública, as quais prestaram as continências de estilo.
Em frente ao Monumento, os veteranos de 32 formavam em duas alas, tendo ao centro o catafalco. Colocadas as urnas sobre a Eça, dom PAULO ROLIM LOUREIRO procedeu a encomendação dos despojos, após o que os populares presentes fizeram orações pelos heróis mortos. Em seguida, o poeta GUILHERME DE ALMEIDA recitou um poema de sua autoria, composto especialmente para as comemorações de hoje. Pela terceira vez, os tambores rufaram e foi executado o toque de despedida por um veterano de 32. 

Depois da bênção do túmulo, por dom PAULO ROLIM LOUREIRO, as urnas foram conduzidas para o interior do Monumento. O senhor ANTÔNIO BENEDITO MACHADO FLORENCE convidou as personalidades presentes para segurar as alças das urnas. A primeira a dar entrada no Mausoléu foi a do herói ÁLVARO DOS SANTOS MATOS, conduzida pelo Presidente da Assembléia Legislativa, representante do MMDC, presidente do Tribunal Eleitoral de SÃO PAULO e um representante da família. A urna do GENERAL ISIDORO DIAS LOPES foi conduzida pelo Governador do Estado, JÂNIO QUADROS; pelo comandante da Zona Militar do Centro, o comandante dos Portos do Estado de SÃO PAULO e o cadete ISIDORO DIAS LOPES NETO, representante da família do herói.  Os restos mortais dos outros três heróis seguiram aos dos já citados.

SENADO - ACUSADOS DE CORRUPÇÃO PODEM SER JULGADOS POR JÚRI POPULAR !

Re: SENADO: Acusados de corrupção podem ser julgados por júri popular
1 postagem de 1 autor
 
Atribuir
Moderador CBB-Ninho 
8 de jul
Outros destinatários: elroneys@gmail.com, Cbb-Ninho@googlegroups.com
nada mais justo

Em 7 de julho de 2017 10:12, ELSON RONEY SERVILHA <elroneys@gmail.com> escreveu:

Acusados de corrupção podem ser julgados por júri popular

07/07/2017, 07h35 - ATUALIZADO EM 07/07/2017, 09h09
Instituição que julga acusados de crimes dolosos contra a vida, como homicídios, o tribunal do júri poderá ter a atribuição de também analisar casos de corrupção ativa e passiva. É o que está propondo o senador José Medeiros (PSD-MT), que apresentou recentemente um projeto nesse sentido (PLS 217/2017). Em entrevista à Rádio Senado, o senador argumentou que a corrupção é um crime contra a vida porque o desvio de dinheiro prejudica, por exemplo, o atendimento de pacientes em hospitais públicos. Segundo o projeto, só seriam julgados pelo tribunal do júri os acusados de pagar ou receber propina de valores superiores a 500 salários mínimos (hoje cerca de R$ 470 mil). "Nós queremos proteger a sociedade de quem tira grandes somas de dinheiro de serviços públicos, como saúde e educação", disse Medeiros. Ouça a entrevista a Pedro Henrique Costa:

85º ANO DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 - EXTRAÍDO DAS MEMÓRIAS DO VENTURA









85 a. MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932. Uma das canções mais expressivas exaltando a revolução, traduzindo a história de uma mãe que perdeu seu único filho, imolado nas duras refregas do TÚNEL, é a canção intitulada NA SERRA DA MANTIQUEIRA. O jovem havia se alistado para defender os ideais constitucionalistas dos Bandeirantes. Muitas outras mães choraram seus filhos mortos na cruenta revolução, que vitimou brasileiros dos dois lados, num total de 830 (630 do lado dos paulistas e 200 do lado dos ditatoriais). Ei-la:
Na Serra da Mantiqueira                         Eis porém que veio a guerra
Sob a fronde da Mangueira                    abalando toda a Serra
Que ela em moça viu plantar                 Com o rugido do canhão
Sentadinha no seu banco                       Mãe Maria amargura
Traçando o cabelo branco                      Vê seu filho lá na estrada
Mãe Maria vai sonhar                              Se sumir no batalhão

Dos amores do passado                         Segurando seu rosário
Só lhe resta um filho amado                   No seu banco solitário
Que lhe dá felicidade                               Mãe Maria reza agora
Ela é todo o seu encanto                         Pede a Deus ardentemente
Alegria o fruto santo                           Que lhe mande o filho ausente
Da longínqua mocidade                      Que já tanto se demora

E nas nuvens que correndo                E numa tarde ao sol poente
E vão no céu aparecendo                               Ela escuta de repente
Pra no ocaso descansar                      A voz meiga do rapaz
Ela vê seus belos dias                         Que lhe diz tal como em vida
De venturas e alegrias                          Muito em breve Mãe querida
Que jamais hão de voltar                     Lá no céu me encontrarás

 (Essa canção foi publicada nas CLARINADAS DA TABATINGUERA, jornal da AORRPM, por iniciativa do Coronel Ref EDILBERTO DE OLIVEIRA MELO.). No dia 6 de julho de 2009, em magistral cerimônia da comemoração dos 77 anos da Revolução Constitucionalista, com a entrega do COLAR CARLOS DE SOUZA NAZARETH, o CORAL BACARELLI executou essa canção. Novamente o mesmo Coral executou a canção durante sessão solene na Assembléia Legislativa em 2 de julho de 2012.
Palavras de EUCLIDES FIGUEIREDO: “Apesar de fria a noite, abrimos as janelas da limousine em que viajávamos, para facilitar qualquer reação. Eram sete homens decididos a arrostar tudo para chegar a tempo aonde nos levava a palavra empenhada: o CAPITÃO RIBEIRO DA COSTA; TENENTES JOSÉ LOBO, JOAQUIM CAMARINHA e MARIO GOULART; os civis JOÃO DARÉ e MÁRIO CABRAL. Na manhã seguinte (quer dizer, 9 de julho) partiram de trem o CORONEL PALIMÉRCIO, Doutor LUÍS GUIMARÃES, deixados para trás com a missão de avistar outros companheiros que com a pressa não puderam ser alertados. No mesmo trem ainda sem se falarem viajavam outros oficiais integrados na causa, o civil FRANCISCO ANTUNES JÚNIOR e o meu filho mais velho GUILHERME, que iludira na madrugada a vigilância dos policiais que já cercavam a minha casa. Primeiroanista de Direito, ia receber sua melhor aula de Direito Público e de amor à democracia.”
Às quatro horas da madrugada daquele mesmo dia, em que logo a noite se cobriria de glória o comandante da arrancada de “9 de Julho”, iniciava a ronda pelas guarnições do Norte do Estado, que horas depois estariam sob suas ordens. Avistou-se com o CAPITÃO LUÍS DE ANDRADE FARIA, comandante do 1º Batalhão do 5º RI, em PINDAMONHANGABA, deixando recado ao MAJOR QUINTILIANO DE CASTRO E SILVA, em CAÇAPAVA, manteve longa e decisiva conferência com o CORONEL JOSÉ JOAQUIM DE ANDRADE, que desempenharia função de relevo no VALE DO PARAÍBA. Conclui FIGUEIREDO: “Dali (CAÇAPAVA),s em mais preocupações sobre aquele ponto importante, urgia continuar para a capital do Estado, onde os mais sensacionais acontecimentos nos aguardavam. E lá chegamos por volta das 9 horas da manhã do dia 9 de julho, sem pensar que naquele mesmo dia eu seria chamado a desempenhar o saliente papel que a confiança dos camaradas de armas e dos civis nossos amigos, secundados pelo povo do heróico Estado me reservava: o de fazer eclodir e comandar o mais brilhante movimento cívico da história do Brasil republicano.”
No segundo trem noturno do dia 9 de julho, embarcou na Estação do RIO DE JANEIRO, o GENERAL JOSÉ LUIZ PEREIRA DE VASCONCELOS, novo comandante da 2ª RM, em SÃO PAULO. Desembarcava em CAÇAPAVA e aderia à Revolução Constitucionalista. A FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO, braço forte do Exército Constitucionalista, era comandada pelo CORONEL JÚLIO MARCONDES SALGADO. As tropas paulistas no VALE DO PARAÍBA foram comandadas pelo CORONEL FIGUEIREDO, que contava com três destacamentos: o do CORONEL ANDRADE, o do CORONEL PAIVA SAMPAIO e do CORONEL ABÍLIO DE RESENDE. A FRENTE NORTE esteve a cargo da FORÇA PÚBLICA (DESTACAMENTO ROMÃO GOMES) e a FRENTE SUL a cargo do DESTACAMENTO BRASÍLIO TABORDA.
A respeito do MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA disse MENOTTI DEL PICCHIA – “O MAIS BELO E COMOVENTE MOVIMENTO DA HISTÓRIA DAS AMÉRICAS E QUIÇÁ DO MUNDO”.
MARTINS FONTES disse, enfático: “Em GUANABARA, sob o sol que amamos / Rebradaremos, com bravor febril / Nós, de SÃO PAULO, rebrasilizamos / Os Estados Unidos do BRASIL.”
GUILHERME DE ALMEIDA, poeta da Revolução, proclamou: “Bandeira que é o nosso espelho / Bandeira que é a nossa pista! / Que traz no topo vermelho / o coração do Paulista!”

A disciplina, no dizer do GENERAL CADORNA,”é a pedra angular de toda formação militar” e “deve pela colocação em segundo plano da tropa a preocupação individual, criar a cooperação de todos, colimando um fim único: a vitória”. Essa disciplina foi amplamente notada na Revolução Constitucionalista de 1932.