sábado, 14 de julho de 2018

9 DE JULHO - ATÉ O ANO DE 2000


DIA      N O V E        DE        J U L H O        DE        2 018        -       SEGUNDA-FEIRA.
81 anos, seis meses e 12 dias de idade.
Início de minhas memórias – 9 de julho de 1950
DIA 366º DO ANO 68º - MÊS 12º
60 anos e 36 dias na PMESP.
59 anos e 148 dias na ESCOLA DE OFICIAIS – 21 431 dias – 514 992 horas.
54 anos e 306 dias da DECLARAÇÃO À ASPIRANTE A OFICIAL
30 anos e 118 dias no Posto de Coronel – 363 meses e 27 dias.
7 anos e 2 dias na PRESIDÊNCIA DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC
11 754 dias  CORONEL - 26 anos e 208 dias na reserva.
11 487-283 792                            11 754-281 400                                   11 317-231 992.

ENCERRAMENTO  DO   68º.     TOMO    DE     MINHAS  MEMÓRIAS.

DIA DOS MÁRTIRES DE GORCUM. Sofreram a perseguição calvinista na HOLANDA, em 1572. Muitos dos dezenove mártires eram da cidade de GORCUM, que foi atacada. Padres foram presos e humilhados.
DIA DE SANTA PAULINA. Nasceu no norte da ITÁLIA, em 1865, e com dez anos acompanhou seus pais, que emigraram para o BRASIL e se instalaram em SANTA CATARINA. Desde pequena ajudava na Paróquia de NOVA TRENTO, especificamente da Capela de VÍGOLO.

NOS JORNAIS DE 9 DE JULHO DE 1903 PODEMOS ENCONTRAR:  “Às 9 horas o pontificie LEÃO XIII pareceu melhorar. O dr. LAPPONI, que o examinou, declarou que o encontrou com muito mais debilidade do que nos outros dias. O dr. MAZZONI, ao sair do VATICANO, depois de haver assinado o boletim médico, disse que está desanimado e sem qualquer esperança de salvar sua santidade. Às dez horas da manhã, LEÃO XIII quis levantar-se. Os seus camareiros, PIO CENTRO e DI CASTRO, tiraram-no do leito e transportaram-no para sua poltrona. O dr. LAPPONI deu-lhe então um caldo, com uma gema de ovo e um cálice de Marsala. Sua Santidade pronunciou algumas palavras, ficando depois, durante longo tempo, em modorra. Cercavam a poltrona do PAPA seu sobrinho, CONDE PECCI, o dr. LAPPONI e monsenhor ANGELI. Num momento de renascimento de forças, Sua Santidade fez sinal ao monsenhor ANGELI de aproximar-se e disse-lhe que se sentia extenuado e que sofria por não poder começar a novena de N.S. DO CARMO. Monsenhor ANGELI procurou animá-lo, mas o PAPA, respondeu-lhe: amanhã morrerei. Durante o dia aumentou a cianose. As mãos do PAPA tornam-se roxas. A respiração é difícil, a lucidez da mente já não é completa.
A população de SÃO PAULO demorou a notar que havia um levante em marcha naquele NOVE DE JULHO DE 1932. Era uma típica noite paulistana de sábado e as ruas do centro estavam animadas, com aquele aspecto cosmopolita que tanto agradava aos paulistas, orgulhosos de sua metrópole de um milhão de habitantes. Nos cinemas lotados, alguns assustavam-se com O VAMPIRO DE DUSSELDORF, que estreava no ODEON, enquanto outros optavam por MARLENE DIETRICH em O EXPRESSO DE SHANGAI, no PARAMOUNT. O TEATRO BELA VISTA apresentava uma companhia portuguesa e prometia para breve a volta de PROCÓPIO FERREIRA, com suas piadas sobre GETÚLIO, chefe do GOVERNO PROVISÓRIO, que o público considerava “impagáveis”. Os bares e cafés ainda fervilhavam, enfumaçados, quando, por volta das 22 horas, começaram os primeiros movimentos de tropas. Chamou a atenção que, pouco depois, alunos da FACULDADE DE DIREITO, no LARGO SÃO FRANCISCO, começaram a circular com fuzis a tiracolo. Pela meia-noite, tropas da FORÇA PÚBLICA ocupavam os CORREIOS e, em seguida, a TELEFÔNICA.
Eram os primeiros movimentos ostensivos de uma revolução marcada pela paixão com que o povo de SÃO PAULO se atirou a uma luta que foi ficando mais desigual e sangrenta à medida que aumentavam as traições à causa que a levou ao combate: depor o governo VARGAS e reconstitucionalizar o País.
211 a. assinatura de paz de TILSIT, entre NAPOLEÃO BONAPARTE e os reis da RÚSSIA e da PRÚSSIA, em benefício dos russos, em 9 de julho de 1807.
208 a. NAPOLEÃO BONAPARTE anexa a HOLANDA ao seu império, em 9 de julho de 1810.
202 a. Congresso de TUCUMÁN declara a independência das Províncias Unidas do RIO DA PRATA (ARGENTINA), em 9 de julho de 1816.
159 a. um tratado de reconhecimento, paz e amizade entre a ARGENTINA e a ESPANHA é assinado em MADRI, em 9 de julho de 1859. Através do tratado, a ESPANHA reconhece a ARGENTINA como nação “livre, soberana e independente”.  
139 a. nasce CARLOS CHAGAS no dia 9 de julho de 1879. Faleceu em 8 de novembro de 1934.  
121 a. notícias do jornal DIÁRIO POPULAR em 9 de julho de 1897: sabe-se por um telegrama que a maioria do Senado Federal está bastante inclinada a sustentar a apresentação do doutor CAMPOS SALLES para a eleição de presidente da República.
Ao que consta estando já mais ou menos segura a eleição do doutor CAMPOS SALLES, já aparecem as indicações à vaga em SÃO PAULO. Dizem-nos eu os nomes apontados são: pelos elementos que apóiam o governo o doutor FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES ALVES; pela oposição o doutor ALFREDO ELLIS.
À hora regimental, feita a chamada verifica-se a presença de 19 senhores deputados pelo que deixa de haver sessão.
O MARECHAL MACHADO BITTENCOURT, ministro da Guerra, declarou que não tinha nenhuma comunicação oficial do GENERAL ARTHUR OSCAR sobre a tomada da VILA DE CANUDOS ou relativamente à morte de oficiais, para poder dar como confirmadas as notícias recebidas pela imprensa.
Continuam em ordem de prontidão todas as forças de terra, não só os corpos do exército, como também a polícia. Aqueles vasos de guerra prontos para o serviço continuam na mesma posição de ontem, porém com fogos abafados.  
120 a. das publicações no jornal DIÁRIO POPULAR de 9 de julho de 1898: regressou ontem de sua excursão ao ramal férreo de LENÇÕIS, da União Sorocabana ITUANA, o senhor JOÃO PINTO F. LEITE, presidente da companhia. O ramal que parte de SÃO MANOEL tem uma extensão de LENÇOIS de 41 quilômetros, compreendendo duas pontes.
Observando as obras do Viaduto (do CHÁ), vemos desde muito que apesar da sua importância o trânsito continua a ser numeroso. Assim precisava que houvesse muita fiscalização para que qualquer desastre fosse evitado.
Seguiu remetida para o ministro do interior a fim de ser entregue ao Congresso Nacional, uma representação unanimemente aprovada pela Câmara dos Deputados deste Estado, sobre a necessidade de votação de uma lei federal com que, sem embaraços, se possa reprimir o jogo da pelota e boliche que vai infestando vários pontos do interior.
A Intendência Municipal de Obras mandou levantar uma planta completa do município da Capital.
O torpedeiro espanhol PERAL, perseguido pelos cruzadores americanos, fugiu perdendo 15 homens, inclusive o TENENTE SANCHEZ.
Continua suspenso o bombardeio de SANTIAGO DE CUBA.
A guarnição de MANILA continua a resistir heroicamente aos tagalos.
Chegou a MADRID o inventor do novo torpedo, DAGA, assegurando que destruirá a esquadra inimiga com o seu invento. 
119 a. por ter sido domingo, no dia 9 de julho de 1899, o DIÁRIO POPULAR não circulou. Seguem abaixo destaques da edição anterior:
No primeiro semestre deste ano a Companhia MOGIANA entregou na baldeação em CAMPINAS, 101.701 quilos de borracha de mangabeira. Relativamente a igual período há um aumento de 45.910 quilos.
Tendo o senhor Chefe de Polícia denúncia do delegado de polícia de ITAPIRA contra um indivíduo que ali passara notas falsas de diversos valores incumbiu ao doutor HERCULANO DE CARVALHO, delegado da 4ª Circunscrição, de auxiliar na diligência. De fato, ante-ontem à noite, as duas autoridades sabendo que o indivíduo era cocheiro e estacionava o veículo no LARGO DA SÉ, reconheceu o delegado de ITAPIRA, no cocheiro do carro nº 78, o indivíduo que procurava e que se chama MÁRIO ANDRES, que foi logo preso e recolhido ao xadrez.
SANTOS – Parecer que a Câmara tenciona conceder licença para a construção de diversos quiosques. Por esse motivo vários negociantes já representaram ao DIÁRIO, pedindo-lhe para empregar esforços no sentido de evitar que tal licença seja concedida.
ITU – Já estão concluídas as obras no prédio do Grupo Escolar CESÁRIO MOTTA.
RIO – Nos primeiros cinco meses do corrente ano a renda da Estrada de Ferro Central do Brasil atingiu a dez mil e quinhentos contos.
RIO – Foi ontem lançado ao mar, em TOULON, o couraçado MARECHAL FLORIANO PEIXOTO.
WASHINGTON – O governo está fazendo um inquérito secreto para saber se tem fundamento a informação de que o governo japonês apóia a insurreição filipina, enviando aos tagalos peças de artilharia e numerosas munições para combaterem os norte-americanos. 
118 a. AUSTRÁLIA se constitui em Estado Federal mediante a “COMMONWEALTH OF AUSTRALIA ACT”, em 9 de julho de 1900.
114 a. da constituição definitiva da Liga Internacional pelo Direito do Voto da Mulher. Os jornais, em 9 de julho de 1904, um sábado, diziam o seguinte: “Há alguns países em que ela já o possui, assim em WYEMING, um dos estados da união americana, desde há 35 anos, e em três dos estados da AUSTRÁLIA, há anos também. Na AUSTRÁLIA, há um grande excesso do sexo masculino sobre o feminino na população. Nesse país quase que as mulheres não tiveram de pedir o direito do voto. Dizem que a influência da mulher eleitora nas eleições é altamente civilizadora”.
98 a. GENERAL PANCHO VILLA, do MÉXICO, abandona as armas, após o assassinato de CARRANZA e a nomeação de HUERTA como presidente interino, em 9 de julho de 1920.
93 a. nasce o Cel. Med. Ref. PAULO FERREIRA FIORI WASSAL em 9 de julho de 1925.
93 a. Golpe de Estado no EQUADOR, quando o GENERAL FRANCISCO GONZÁLEZ DE LA TORRE derruba o presidente GONZALO S. CÓRDOVA, em 9 de julho de 1925.
92 a. nasce ROSA CORVINO em 9 de julho de 1926.  Rosa Corvino é filha da arte. Chegou ao mundo em um dos corredores da mais importante casa de espetáculos de São Paulo. Cresceu entre as coxias que durante o dia ficavam silenciosas e à noite "dançavam" ao som das óperas. Tornou-se pianista inspirada nos ídolos que pareciam "tocar para ela antes de dormir". Virou mulher vendo as mulheres conseguirem virar artistas. Aos 83 anos, agora coloca um ponto final no livro que homenageia sua verdadeira terra natal. A paulistana foi a única que teve o privilégio de nascer no Teatro Municipal.
O sobrenome Corvino, italiano, vem do avô paterno. O nome dela, Rosa, é igual ao da avó, bem brasileira. Já o sotaque cantado que narra a história - aquele que prolonga a segunda sílaba - é típico do centro de São Paulo, onde o imigrante Anielo Corvino desembarcou, conseguiu o primeiro emprego e constituiu família. "O arquiteto Ramos de Azevedo chamou vovô para tomar conta do seu teatro. Depois meu pai assumiu a posição de zelador, trabalho que levou até o fim da vida", lembra. "Ele e mamãe se casaram. Primeiro nasceu meu irmão e, quando chegou a minha vez, não deu tempo de a minha mãe deixar o Municipal para parir. Nasci dentro do teatro", conta.
Rosa foi a única da prole (composta por quatro irmãos) que fez do palco sua maternidade. Deve ser por isso que nutre relação tão intensa com o espaço. Já brigou e fez as pazes inúmeras vezes com o Municipal, que foi o seu abrigo até os 25 anos de idade. Em 2003 se candidatou a monitora voluntária do teatro. No início de 2005, foi "convidada" a deixar a função. Um abaixo-assinado trouxe Rosa de volta para o cargo e, agora, prestes a lançar o primeiro livro sobre a história, ela novamente está brigada com a administração. "Sou revolucionária por natureza. Não é à toa que nasci dia 9 de julho, como se fosse um anúncio, seis anos antes da nossa revolução (Revolução Constitucionalista de 1932).
A pose de briguenta, que substitui os olhos doces com frequência, ela assume sempre ao falar de medidas administrativas que envolvem o Municipal. Rosa não concorda com a maneira com que foram conduzidas as reformas e restaurações que fazem parte da história do local. Reclamou de todas. A atual obra, por exemplo, ela considera uma afronta e contesta tudo o que é feito.
Parece que as intervenções são ofensas à memória da então menina que, toda vez que completava um aniversário, o pai dizia que tinha contratado uma atração especial só para ela. "Ele então me deixava assistir sentada na primeira fileira às óperas, bailados ou peças e dizia que os artistas tinham sido convidados só para me darem parabéns", repete, já de novo com os olhos doces.
Esta não era a única brincadeira que envolvia a arte. No livro Vida, Amor e Lembrança, que Rosa espera lançar até o final de setembro, está escrito que as "sobras dos artistas" eram seus brinquedos prediletos. "Nos fins de semana, quando não havia espetáculo, o teatro ficava vazio", escreveu. "Enquanto papai dormia, eu e minhas irmãs íamos brincar no palco. Ali, dançávamos com as sapatilhas de ponta um pouco gastas que as bailarinas americanas deixavam no camarim. Ao contrário das russas, que usavam as sapatilhas até não ter mais como remendá-las."
Passar a infância dentro do Municipal permitiu a Rosa não apenas saber as diferenças sutis entre o corpo de baile russo e o americano. Ela descreve características pessoais de referências internacionais artísticas. "Mário de Andrade era muito sério, nunca vi um sorriso nele. Já Ciccillo Matarazzo era a figura mais simpática que frequentava aquele teatro", lembra. "Villa-Lobos, um maestro perfeccionista, um dia me ouviu tocando piano e corrigiu a minha postura, uma honra."
Na escola onde estudava, Externato São José, ninguém acreditava que o seu endereço era o Municipal. Mas os colegas que não duvidavam ela levava até a casa e os deixava assistir aos espetáculos que só a alta sociedade conseguia pagar para ver.
Pode ter sido por influência de Villa-Lobos, mas quando já era adolescente, Rosa escolheu o piano para ser seu ganha pão. Recebeu o diploma de pianista de Dinorah de Carvalho, única maestrina da época. Foi então que a família Corvino precisou deixar o Municipal. Não era mais necessário que o zelador morasse no teatro. Foram todos para a Vila Mariana, na zona sul, e Rosa cultivou a primeira ferida de ressentimento contra a casa. Ela ficou afastada do Municipal durante 25 anos, trabalhando como historiadora. Voltou à sua casa, depois de muita briga, no final de 2005, como monitora. Deixou a função no início deste ano. "Encontro um pedaço da minha trajetória em cada canto do teatro. E, enquanto fui guia, gostava de levar os meninos de rua, que ficavam sem rumo pelas escadas do Municipal, para conhecer por dentro minha antiga casa. Fazia isso porque, se eu não tivesse nascido lá, nunca teria tido dinheiro para poder entrar." Desde o início do ano, Rosa não frequenta mais a sua "terra natal". Brigou novamente com a atual administração. Queria fazer o lançamento do livro no salão nobre do Municipal, mas se recusa a pagar os R$ 15 mil exigidos de aluguel da ala para eventos - valor cobrado de qualquer um que queira usar o espaço. "Talvez faça a festa em um restaurante ou livraria, mas não vou deixar passar em branco. Nunca casei, não tenho filhos, meu livro sobre o teatro é meu único legado", diz em tom de desânimo. Onde quer que seja o lançamento, na memória de Rosa Corvino estará cantando Bidu Sayão, sua cantora lírica preferida, que ela ouviu ao vivo. E em casa. (REPORTAGEM NO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO EM 16 DE AGOSTO DE 2009).
92 a. triunfa em PORTUGAL um movimento militar encabeçado pelo GENERAL CARMONA, em 9 de julho de 1926.
90 a. naufraga próximo da costa de ARAUCO (CHILE) o transporte militar chileno “ANGAMOS”, com 295 ocupantes, em 9 de julho de 1928. Apenas quatro pessoas sobreviveram.
87 a. em 9 de julho de 1931, por ordem do GENERAL ISIDORO DIAS LOPES, passava a coordenar o litoral de SANTOS o CORONEL CRISTÓVÃO COLOMBO DE MELO MATOS.
86 a. MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932. Uma das canções mais expressivas exaltando a revolução, traduzindo a história de uma mãe que perdeu seu único filho, imolado nas duras refregas do TÚNEL, é a canção intitulada NA SERRA DA MANTIQUEIRA. O jovem havia se alistado para defender os ideais constitucionalistas dos Bandeirantes. Muitas outras mães choraram seus filhos mortos na cruenta revolução, que vitimou brasileiros dos dois lados, num total de 830 (630 do lado dos paulistas e 200 do lado dos ditatoriais). Ei-la:
Na Serra da Mantiqueira                         Eis porém que veio a guerra
Sob a fronde da Mangueira                    abalando toda a Serra
Que ela em moça viu plantar                 Com o rugido do canhão
Sentadinha no seu banco                       Mãe Maria amargura
Traçando o cabelo branco                      Vê seu filho lá na estrada
Mãe Maria vai sonhar                              Se sumir no batalhão

Dos amores do passado                         Segurando seu rosário
Só lhe resta um filho amado                   No seu banco solitário
Que lhe dá felicidade                               Mãe Maria reza agora
Ela é todo o seu encanto                         Pede a Deus ardentemente
Alegria o fruto santo                           Que lhe mande o filho ausente
Da longínqua mocidade                      Que já tanto se demora

E nas nuvens que correndo                E numa tarde ao sol poente
E vão no céu aparecendo                               Ela escuta de repente
Pra no ocaso descansar                      A voz meiga do rapaz
Ela vê seus belos dias                         Que lhe diz tal como em vida
De venturas e alegrias                          Muito em breve Mãe querida
Que jamais hão de voltar                     Lá no céu me encontrarás

 (Essa canção foi publicada nas CLARINADAS DA TABATINGUERA, jornal da AORRPM, por iniciativa do Coronel Ref EDILBERTO DE OLIVEIRA MELO.). No dia 6 de julho de 2009, em magistral cerimônia da comemoração dos 77 anos da Revolução Constitucionalista, com a entrega do COLAR CARLOS DE SOUZA NAZARETH, o CORAL BACARELLI executou essa canção. Novamente o mesmo Coral executou a canção durante sessão solene na Assembléia Legislativa em 2 de julho de 2012.
Palavras de EUCLIDES FIGUEIREDO: “Apesar de fria a noite, abrimos as janelas da limousine em que viajávamos, para facilitar qualquer reação. Eram sete homens decididos a arrostar tudo para chegar a tempo aonde nos levava a palavra empenhada: o CAPITÃO RIBEIRO DA COSTA; TENENTES JOSÉ LOBO, JOAQUIM CAMARINHA e MARIO GOULART; os civis JOÃO DARÉ e MÁRIO CABRAL. Na manhã seguinte (quer dizer, 9 de julho) partiram de trem o CORONEL PALIMÉRCIO, Doutor LUÍS GUIMARÃES, deixados para trás com a missão de avistar outros companheiros que com a pressa não puderam ser alertados. No mesmo trem ainda sem se falarem viajavam outros oficiais integrados na causa, o civil FRANCISCO ANTUNES JÚNIOR e o meu filho mais velho GUILHERME, que iludira na madrugada a vigilância dos policiais que já cercavam a minha casa. Primeiroanista de Direito, ia receber sua melhor aula de Direito Público e de amor à democracia.”
Às quatro horas da madrugada daquele mesmo dia, em que logo a noite se cobriria de glória o comandante da arrancada de “9 de Julho”, iniciava a ronda pelas guarnições do Norte do Estado, que horas depois estariam sob suas ordens. Avistou-se com o CAPITÃO LUÍS DE ANDRADE FARIA, comandante do 1º Batalhão do 5º RI, em PINDAMONHANGABA, deixando recado ao MAJOR QUINTILIANO DE CASTRO E SILVA, em CAÇAPAVA, manteve longa e decisiva conferência com o CORONEL JOSÉ JOAQUIM DE ANDRADE, que desempenharia função de relevo no VALE DO PARAÍBA. Conclui FIGUEIREDO: “Dali (CAÇAPAVA), sem mais preocupações sobre aquele ponto importante, urgia continuar para a capital do Estado, onde os mais sensacionais acontecimentos nos aguardavam. E lá chegamos por volta das 9 horas da manhã do dia 9 de julho, sem pensar que naquele mesmo dia eu seria chamado a desempenhar o saliente papel que a confiança dos camaradas de armas e dos civis nossos amigos, secundados pelo povo do heróico Estado me reservava: o de fazer eclodir e comandar o mais brilhante movimento cívico da história do Brasil republicano.”
No segundo trem noturno do dia 9 de julho, embarcou na Estação do RIO DE JANEIRO, o GENERAL JOSÉ LUIZ PEREIRA DE VASCONCELOS, novo comandante da 2ª RM, em SÃO PAULO. Desembarcava em CAÇAPAVA e aderia à Revolução Constitucionalista. A FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO, braço forte do Exército Constitucionalista, era comandada pelo CORONEL JÚLIO MARCONDES SALGADO. As tropas paulistas no VALE DO PARAÍBA foram comandadas pelo CORONEL FIGUEIREDO, que contava com três destacamentos: o do CORONEL ANDRADE, o do CORONEL PAIVA SAMPAIO e do CORONEL ABÍLIO DE RESENDE. A FRENTE NORTE esteve a cargo da FORÇA PÚBLICA (DESTACAMENTO ROMÃO GOMES) e a FRENTE SUL a cargo do DESTACAMENTO BRASÍLIO TABORDA.
A respeito do MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA disse MENOTTI DEL PICCHIA – “O MAIS BELO E COMOVENTE MOVIMENTO DA HISTÓRIA DAS AMÉRICAS E QUIÇÁ DO MUNDO”.
MARTINS FONTES disse, enfático: “Em GUANABARA, sob o sol que amamos / Rebradaremos, com bravor febril / Nós, de SÃO PAULO, rebrasilizamos / Os Estados Unidos do BRASIL.”
GUILHERME DE ALMEIDA, poeta da Revolução, proclamou: “Bandeira que é o nosso espelho / Bandeira que é a nossa pista! / Que traz no topo vermelho / o coração do Paulista!”
A disciplina, no dizer do GENERAL CADORNA,”é a pedra angular de toda formação militar” e “deve pela colocação em segundo plano da tropa a preocupação individual, criar a cooperação de todos, colimando um fim único: a vitória”. Essa disciplina foi amplamente notada na Revolução Constitucionalista de 1932.
86 a. governo peruano decreta o estado de sítio em todo o país e envia tropas e aviões à província de LA LIBERTAD, para reprimir o movimento comunista, em 9 de julho de 1932.
85 a. fundação da ASSOCIAÇÃO DOS EX-COMBATENTES DE SÃO PAULO, em 9 de julho de 1933. A sede-central estava situada na Rua VISCONDE DO RIO BRANCO, 327 – CAPITAL. Seu presidente era JORGE MANCINI.  
84 a. HEINRICH HIMMLER, chefe das SS e da GESTAPO, passa a comandar os campos de concentração na ALEMANHA, em 9 de julho de 1934.
83 a. nasce MERCEDES SOSA, cantora argentina, em 9 de julho de 1935.
80 a. tratado de paz que põe fim à GUERRA DEL CHACO entre PARAGUAI e BOLÍVIA é assinado no dia 9 de julho de 1938.
80 a. da inauguração da avenida e do túnel NOVE DE JULHO, em 9 de julho de 1938.
78 a. ROMÊNIA se submete à proteção da ALEMANHA, em 9 de julho de 1940.
78 a. SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: a aviação inglesa bombardeia, no dia 9 de julho de 1940, HAMBURGO e outras cidades alemãs em resposta aos bombardeios alemães sobre barcos britânicos e portos do Canal.
76 a. falece MADRE PAULINA no dia 9 de julho de 1942, nascida em 16 de dezembro de 1865. Sua beatificação aconteceu em 18 de Outubro de 1991. Foi canonizada em 19 de março de 2002. Veio da ITÁLIA com dez anos e viveu  em São Paulo até a sua morte. Seu primeiro destino, no BRASIL, foi NOVA TRENTO, cidade do interior de SANTA CATARINA. Fundadora de uma ordem religiosa dedicada aos desvalidos, transferiu-se em 1903 para SÃO PAULO, onde prestou assistência a presos e ex-escravos no bairro do IPIRANGA.
75 a. forças aliadas desembarcam na ilha da SICÍLIA, em 9 de julho de 1943.
75 a. em 9 de julho de 1943 PIO XII não teve dúvidas ao ouvir os estrondos que ecoavam em ROMA: ele estava encurralado no meio da guerra. Apesar de seu esforço para que a capital italiana fosse declarada cidade aberta, aviões americanos bombardearam a cidade. O ataque precipitou a queda do ditador BENITO MUSSOLINI, que foi deposto duas semanas depois pelo rei VITÓRIO EMANUEL III e um grupo fascista rival. A situação piorou em setembro quando os alemães ocuparam a CIDADE ETERNA e colocaram os judeus na mira. EUGÊNIO PACELLI se viu num dilema: se protestasse contra a invasão, poderia sofrer uma represália violenta contra o VATICANO. Os alemães temiam que um crítica do PAPA gerasse uma reação em cadeia na população italiana, o que colocaria em risco a ocupação. Mas PIO XII sabia que sua própria vida estava em risco, pois os nazistas planejavam seqüestrá-lo;
74 a. tropas britânicas e canadenses ocupam CAEN, na FRANÇA, em 9 de julho de 1944.
67 a. da BIBLIOTECA PÚBLICA CASSIANO RICARDO, no TATUAPÉ, fundada em 9 de julho de 1951.
62 a. passagem do 24º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932 – 9 de julho de 1956. Desde as primeiras horas da manhã o povo esteve nas ruas participando das homenagens prestadas à memória dos heróis que tombaram em defesa da legalidade democrática. Em todos os locais em que se realizaram as solenidades cívicas, o homem do povo foi visto, numa demonstração eloqüente de sua veneração por aqueles que deram o se sangue em holocausto à Lei. Com o mesmo entusiasmo cívico que caracterizou o movimento armado de 1932, os paulistas reverenciaram os despojos dos cinco heróis que repousarão eternamente no Monumento Mausoléu do PARQUE IBIRAPUERA, símbolo da gratidão do povo de PIRATININGA ao soldado constitucionalista.
Várias cerimônias foram realizadas hoje em comemoração à passagem do 24º aniversário da Revolução Constitucionalista. Na Assembléia Legislativa foram hasteados o pavilhão nacional e a bandeira paulista, por componentes da Guarda Civil. Em seguida, o presidente da Câmara, os membros da Mesa e demais parlamentares rumaram para a Catedral Metropolitana, onde assistiram à missa solene celebrada pelo bispo auxiliar de SÃO PAULO, dom PAULO ROLIM LOUREIRO.
Às 9 horas, o CLUBE PIRATININGA realizou uma romaria ao cemitério de SÃO PAULO, em cuja capela foi celebrada missa por intenção das almas dos combatentes que tombaram durante a revolução. Foi oficiante o cônego LUÍS DE ABREU, ex-capelão do Exército Constitucionalista. Em seguida, os diretores do Clube, entre os quais o seu presidente, senhor ARMINDO LACERDA GUARANÁ, rumaram para o local onde estão os túmulos de vários soldados e voluntários constitucionalistas. Estiveram presentes veteranos da revolução, membros das famílias dos heróis e numerosos sócios do CLUBE PIRATININGA. Sobre as sepulturas, viam-se as coroas fúnebres enviadas pelo governador do Estado.
Dom PAULO ROLIM LOUREIRO, bispo auxiliar de SÃO PAULO, celebrou a missa solene às 10 horas na Catedral Metropolitana. As urnas contendo os restos mortais do GENERAL ISIDORO DIAS LOPES, CABO JOSÉ BENEDITO SALINAS e combatentes FERNÃO MORAIS SALES, ÁLVARO DOS SANTOS MATOS e CÉSAR PENA RAMOS, estavam ao pé da escada que conduz ao altar-mor do templo, guardadas por escoltas de honra da Polícia Especial da Força Pública. No corredor central, em ambos os lados, formavam veteranos de 32 e oficiais das três armas. Na PRAÇA DA SÉ, em frente à Catedral, estava formada uma unidade do BATALHÃO DE GUARDAS da FORÇA PÚBLICA.
O ato religioso foi assistido pelo povo em geral, membros das famílias dos heróis e todos os veteranos de 32. Altas autoridades civis e militares estiveram presentes, entre os quais o senhor JÂNIO QUADROS, governador do Estado; o GENERAL PORFÍRIO DA PAZ, vice-governador do Estado; o senhor RUI DE ALMEIDA BARBOSA, presidente da Assembléia Legislativa; o senhor VLADIMIR DE TOLEDO PISA, prefeito da Capital; o GENERAL FALCONIERI DA CUNHA, Comandante da Zona Militar do Centro; o BRIGADEIRO NETO DOS REIS, Comandante da Quarta Zona Aérea; e o GENERAL LEVY CARDOSO, chefe do Estado Maior da Zona Militar do Centro.
Terminada a cerimônia religiosa, o presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, senhor MÉRCIO PRUDENTE CORREIA, fez a chamada dos mortos e em seguida convidou personalidades presentes para conduzir os despojos até às carretas que as aguardavam em frente à Catedral. À saída das urnas, os soldados do BATALHÃO DE GUARDAS prestaram as homenagens fúnebres, dando três salvas de tiros de fuzil. Enquanto os despojos eram colocados nas carretas que os transportariam ao IBIRAPUERA, a Banda Musical da FORÇA PÚBLICA executou a marcha fúnebre de CHOPIN.
Milhares de pessoas, que se encontravam na PRAÇA DA SÉ, assistiram, contritos, à saída dos carros do Corpo de Bombeiros que rumaram para o IBIRAPUERA, conduzindo as urnas dos cinco heróis da Revolução.
O cortejo chegou às 11:30 horas no Parque. Logo depois, chegava o governador do Estado acompanhado de altas autoridades civis e militares. À entrada do Parque, ao longo da alameda que conduz ao Monumento Mausoléu, formavam tropas: do Exército, Aeronáutica e Força Pública, as quais prestaram as continências de estilo.
Em frente ao Monumento, os veteranos de 32 formavam em duas alas, tendo ao centro o catafalco. Colocadas as urnas sobre a Eça, dom PAULO ROLIM LOUREIRO procedeu a encomendação dos despojos, após o que os populares presentes fizeram orações pelos heróis mortos. Em seguida, o poeta GUILHERME DE ALMEIDA recitou um poema de sua autoria, composto especialmente para as comemorações de hoje. Pela terceira vez, os tambores rufaram e foi executado o toque de despedida por um veterano de 32. 
Depois da bênção do túmulo, por dom PAULO ROLIM LOUREIRO, as urnas foram conduzidas para o interior do Monumento. O senhor ANTÔNIO BENEDITO MACHADO FLORENCE convidou as personalidades presentes para segurar as alças das urnas. A primeira a dar entrada no Mausoléu foi a do herói ÁLVARO DOS SANTOS MATOS, conduzida pelo Presidente da Assembléia Legislativa, representante do MMDC, presidente do Tribunal Eleitoral de SÃO PAULO e um representante da família. A urna do GENERAL ISIDORO DIAS LOPES foi conduzida pelo Governador do Estado, JÂNIO QUADROS; pelo comandante da Zona Militar do Centro, o comandante dos Portos do Estado de SÃO PAULO e o cadete ISIDORO DIAS LOPES NETO, representante da família do herói.  Os restos mortais dos outros três heróis seguiram aos dos já citados.
62 a. na partida final do torneio pela posse da “TAÇA DO ATLÂNTICO”, na tarde de 9 de julho de 1956, disputada em BUENOS AIRES, no Estádio do “RACING CLUB”, empataram por 0 a 0 as equipes do BRASIL e da ARGENTINA. Cem mil pessoas assistiram a partida.
BRASIL: GILMAR; ÉDISON e NILTON SANTOS; DJALMA SANTOS, FORMIGA e ZÓZIMO; CANÁRIO, ZIZINHO, LEONIDAS, DIDI e FERREIRA.
62 a. exumação dos restos mortais do GENERAL IZIDORO DIAS LOPES, em 9 de julho de 1956. Transcorridos 56 anos desse acontecimento, na data de 10 de dezembro de 2012 o nosso Núcleo de Correspondência traz a lume uma publicação em jornal da época sobre e exumação citada. 
segunda-feira, 10 de dezembro de 2012
Exumação dos restos mortais do Gal. Isidoro Dias Lopes

Notícia em jornal da época sobre as comemorações de 9 de julho em 1956, realizadas pela Sociedade de Veteranos de 32 - MMDC.

 Com a participação do General Brazilio Taborda, convidado da Sociedade de Veteranos de 32 - MMDC e da Comissão das Solenidades de Itapetininga.
       Arquivo particular.
Isidoro Dias Lopes nasceu em Dom Pedrito, RS, em 30 de junho de 1865.
Filho do vigário José Tavares Bastos Rios, casou-se com Jacinta Lopes. Entrou para o exército em 1883 na Escola Militar de Porto Alegre, fez o curso de artilharia e em 1891 foi promovido a Tenente. Apoiou o movimento que pôs fim ao Império. Em 1893, abandonou o exército e participou da Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul, contra o governo de Floriano Peixoto. Após a derrota dos federalista, em 1895, foi para o exílio em Paris. Em 1896 voltou ao Brasil, foi anistiado e voltou ao exército no Rio de Janeiro, continuando a carreira militar.
Participou da articulação e da Revolução de 1924 em São Paulo onde foi promovido pelos rebeldes a “Marechal da Revolução”. Posteriormente juntou-se a Coluna Prestes.
 Após a derrota da Aliança Liberal, apoiou a Revolução de 1930, participando do governo de Getulio Vargas, como comandante da 2ª Região Militar em São Paulo, já no posto de General de Divisão.
Em 1931 se indispõe com Getúlio Vargas, substituído então por Góis Monteiro. Em 1932 foi um dos organizadores da Revolução Constitucionalista, e acabou deportado para Portugal. Anistiado em 1934. Em 1935 é procurado pelos organizadores do levante comunista para auxilia-los, mas recusa. Em 1937, afastado da política, critica o golpe e a ditadura do Estado Novo.
Faleceu forte e lúcido em 1949.
General Brazilio Taborda é homenageado pelo Núcleo de Correspondência Paulistas de Itapetininga! Às Armas!! com Diploma de Honra ao Mérito.
O Diploma de Honra ao Mérito General Brazilio Taborda foi criado a 1ºde setembro de 2011, em homenagem ao General de Divisão Brazilio Taborda, então coronel de Artilharia do Exército Brasileiro que durante a Revolução Constitucionalista de 1932 comandou o exército Constitucionalista do Setor Sul, sediado em Itapetininga, no atual prédio do DER. Trata-se, da maior honraria a ser conferida pelo Núcleo de Correspondência Paulistas de Itapetininga! Às Armas!! sendo trinta e dois o número máximo de seus agraciados anualmente. Sua concessão se reveste de solenidade toda especial na sede do Mausoléu dos Veteranos de 32, no Obelisco do Parque Ibirapuera, em São Paulo. A finalidade desta honraria é agraciar personalidades civis e militares que relevantes serviços prestaram no resgate e na preservação da memória e dos feitos de paulistas que combateram no Setor Sul do Estado de São Paulo durante a Revolução Constitucionalista de 1932.
61 a. da publicação no jornal “A GAZETA” de 9 de julho de 1957: Interessante reportagem sobre um dos mais famosos aparelhos de" guerra" usados na Revolução de 32 — A matraca. "O curioso engenho bélico inventado e construído durante a revolução constitucionalista de 32, denominado" matraca" vem polarizando a atenção pública merecendo amplo noticiário na imprensa". Na reportagem especial de "A Gazeta" de 9 de julho de 1957, comemorando os 25 anos do movimento de 32, sobre a "matraca" informa que apenas"6 aparelhos tidos como originais podem ser vistos, dois com veteranos de 32, um pertencendo ao Museu Ipiranga, dois em poder da Força Pública e o sexto no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. A invenção é do piracicabano Dr. Otávio Teixeira Mendes, professor da Escola Agrícola" Luíz de Queiroz". ilustre cidadão, já falecido, que dignificou sua terra com inexcedível exemplo de bravura e amor à causa constitucionalista, à vista das dificuldades para municiar as linhas de frente, concebeu uma caixa de alta ressonância, imitando o matraquear das metralhadoras, sendo possível seu emprego, principalmente à  noite, a fim de oferecer ao adversário a idéia de uma potência de fogo muito longe da realidade".
59 a. do pronunciamento de AURO SOARES DE MOURA ANDRADE a respeito da Revolução Constitucionalista de 1932: “...àqueles que morreram aos milhares nos campos rasos da luta, da mais nobre luta e da mais bela luta, a luta pelos direitos do homem, a luta pela liberdade da pátria, a luta pela conquista de uma constituição e pela garantia de uma vida tranqüila e próspera para o nosso povo”.....”decorridos 27 anos, sabe todo o Brasil que não se tratava de um movimento separatista, mas de uma revolução que integrava na vida política todo o restante de seu povo. Longe de separar, era a revolução que unia Norte a Sul para o mesmo pensamento jurídico, o mesmo pensamento cívico visando a reconstitucionalização do país”. Ainda disse AURO SOARES DE MOURA ANDRADE: “a vitória não foi alcançada nas armas, foi alcançada nas consciências, na convicção do homem”. Em aparte, o deputado SÉRGIO MARINHO disse que se penitenciava de ter lutado contra São Paulo, por estar hoje convencido de que a revolução constitucionalista foi um dos maiores movimentos cívicos registrados no país.” Publicado em 9 de julho de 1959
57 a. da inauguração do HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL, em 9 de julho de 1961. Participaram da festa de inauguração o então Presidente JÂNIO QUADROS, que renunciaria ao cargo no mês seguinte; o governador de SÃO PAULO, CARVALHO PINTO; o governador da GUANABARA, CARLOS LACERDA, e o fundador do hospital, FRANCISCO MORATO DE OLIVEIRA. Considerado na época um dos mais bem equipados da cidade, ganharia em 1971 o anfiteatro NEMÉSIO BAILÃO, que iria abrigar importantes conferências médicas até a década de 1990, quando foi interditado devido a infiltrações. O auditório tinha reinauguração prevista para o dia 10 de março de 2006.
56 a. da participação do 5º RI nas comemorações dos trinta anos da Revolução Constitucionalista. Das memórias do CORONEL R/R do EXÉRCITO, WANDERLEY GOMES SARDINHA, podemos extrair o seguinte: “No dia 9 de julho de 1962, quando se comemorava o 31º aniversário da heróica revolução, o estandarte do Regimento que acompanhou os seus bravos soldados ao Campo de Batalha, foi condecorado com a Ordem do Mérito Constitucionalista de 1932. Eu, jovem aspirante, tive a honra de conduzir o símbolo maior da Unidade à Assembléia Legislativa de SÃO PAULO para receber a Comenda. Na véspera daquela data histórica, o CAPITÃO OSMAR MELO E SILVA, comandante da 1ª Cia/ 5º RI, acompanhado de seus tenentes, inclusive eu, acompanhamos com a mais viva emoção, a exumação dos restos mortais do bravo capitão MANOEL DE FREITAS NOVAES, morto em combate e que, a partir daquela data repousaria no Mausoléu do Soldado Constitucionalista, ao lado dos restos de seus soldados, também mortos naquela contenda.  
56 a. 20 horas de 9 de julho de 1962, no CINE MARINGÁ, em FRANCO DA ROCHA, teve sessão solene, à qual estiveram presentes autoridades municipais, membros do MMDC de SÃO PAULO, TENENTE-CORONEL FEIJÓ, ocasião em que os veteranos ANTÔNIO CAMARGO, JOÃO CARVALHO, JOAO MENDES SANTOS, JOÃO DE ALMEIDA E JORGE VIEIRA também compareceram. A solenidade foi proposta pelo veterano ANTÔNIO CANON.
56 a. a FOLHA DE SÃO PAULO publicava em 9 de julho de 1962 que o presidente JOÃO GOULART indicou ao Congresso o nome de FRANCISCO DE PAULA BROCHADO DA ROCHA, secretário do Interior e Justiça do RIO GRANDE DO SUL, para primeiro-ministro. Esta é a terceira e última indicação a qual JANGO tem direito, já que SAN TIAGO DANTAS foi vetado pela Câmara e o senador AURO SOARES DE MOURA ANDRADE renunciou. A mensagem de JANGO já chegou ao deputado RANIERI MAZZILLI, presidente da Câmara, e a sessão para apreciação do nome ocorre hoje à tarde. Do “grupo brizolista”, BROCHADO DA ROCHA pode ser rejeitado por UDN e PSD, que temem sua ligação com JANGO.   
55 a. de minha participação no desfile comemorativo dos 31 anos da  Revolução Constitucionalista de 32, no IBIRAPUERA, em 9 de julho de 1963.  Pertencia ao 3º CFO da ESCOLA DE OFICIAIS. Era o CENTRO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS, atualmente APMBB.
54 a. Na edição especial com que o “DIÁRIO DA NOITE”, de São Paulo, comemorou o 32º aniversário da Revolução Constitucionalista, a 9 de julho de 1964, um artigo de WENCESLAU MARTINS registra que: “JOÃO ALBERTO confessaria mais tarde, com honrada sinceridade, que, se soubera a responsabilidade de governar um Estado como São Paulo, não teria pleiteado nem aceito o cargo de interventor”.
54 a. das anotações feitas em 9 de julho de 1964 (quinta-feira). ANO 14º - MÊS 12º - DIA 366º - 6 anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA – 47 dias como 2º TENENTE – 294 dias no BATALHÃO DE GUARDAS.
Hoje quando se comemora o 32º Aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA, encerro o DÉCIMO-QUARTO ano de meu diário.
Este 14º ano foi talvez o melhor. Nele está contido o encerramento da ESCOLA DE OFICIAIS em 7 de setembro de 1963, por ocasião de minha declaração a ASPIRANTE A OFICIAL. No dia 20 de setembro fui classificado no BATALHÃO DE GUARDAS, onde estou até o presente momento. No dia 6 de janeiro de 1964 assumi as funções de secretário do BG quando o 1º TENENTE Q.O.A.A. DIRCEU DOMICILDES foi para o Tribunal de Justiça Militar (antes já houvera substituído o 2º TENENTE Q.O.A.A. HIGINO). Desde então desempenho o papel de secretário, juntamente com outras funções extras. 
A 24 de maio, depois da luta desenrolada como ASPIRANTE, sou promovido a 2º TENENTE.
Assim vou encerrar o 14º Ano de meu diário, quando estou a 294 dias no BATALHÃO DE GUARDAS e seis anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA.
Das atribuições do BG nesse 9 de Julho escapo. Mesmo assim vou até à Rua JORGE MIRANDA, às 9 horas. Nesse instante sai uma seção da Banda de Música em direção à PRAÇA DA SÉ.
Tomo o ônibus PAISSANDU na Rua JOÃO TEODORO. Meu pensamento era ir ao CINE JUSSARA, mas, por qualquer motivo não funcionou a primeira sessão e, nessas condições, resolvo retornar ao meu lar.
O 9 de Julho está chuvoso. Procuro ler jornal, brincar com meus filhos, ensinar minha filha MARIZETE a escrever e, assim, vou passando o dia final do 14º TOMO. À noite assisto pela televisão programas referentes ao 9 de Julho; REPÓRTER ESSO, quarto capítulo da novela “SE O MAR CONTASSE”; MOACIR FRANCO SHOW, com o programa dedicado ao quarto aniversário do CANAL 9, que se comemora hoje.; ROTA 66; BRASILIANA, com MARIA DELLA COSTA falando sobre a peça “DEPOIS DA QUEDA”, que será levada no teatro que leva seu nome à partir do próximo dia 18. MARIA DELLA COSTA fará o papel de MARLYN MONROE.
O CANAL 7 mostra a FEIRA INTERNACIONAL DE NOVA YORK.
Aqui encerro o 14º TOMO, depois de transcorridos 366 dias de intensa atividade na vida militar. 
53 a. da tomada dos dados acontecidos em 9 de julho de 1965 (sexta-feira). ANO 15º - MÊS 12º - DUA 365º - 7 anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA - 412 dias como 2º TENENTE - 659 dias no BATALHÃO DE GUARDAS.
Estou hoje encerrando o meu décimo-quinto ano de diário. Justamente a 15 anos atrás iniciava essa mania de relatar os acontecimentos de minha vida, coisa que não parei até a presente data, totalizando essa soma um tanto impressionante de anos.
Não levanto tão cedo como de costume, mas às 7 horas estou viajando para o quartel. Embora hoje seja feriado, tenho uma missão para cumprir.
Meu último serviço como Oficial de Dia data de 6 de janeiro de 1964. Hoje não será praticamente um serviço como Oficial de Dia, mas sim uma substituição de um colega que será empenhado em outros afazeres.
Às 8 horas, o ASPIRANTE SALLES JÚNIOR entrega-me as missões que tem como Oficial de Dia e meu primeiro ato foi hastear a bandeira por ser hoje uma data festiva.
Nessa mesma hora, o CAPITÃO JOSÉ SANCHES FÉLIX passa revista numa Companhia que irá prestar honras fúnebres defronte da Catedral. Nosso comandante, TENENTE-CORONEL ANSELMO PERES, também chega neste momento. O BG vibra como nunca com o novo comandante. É um oficial entusiasta, que luta ao lado das praças, que tem ilimitada confiança em seus oficiais.
Às 9 horas, o CAPITÃO JAYR DE OLIVEIRA MOURA MORAIS assume o comando de duas companhias que se dirigirão diretamente para o IBIRAPUERA. Ali esperarão a chegada da companhia que se dirigiu primeiramente para a PRAÇA DA SÉ e, desta maneira, desfilarão perante as autoridades presentes ao MAUSOLÉU dos Heróis de 32.
O Serviço de Oficial de Dia não oferece nenhuma dificuldade para mim. Somente acho que os soldados que compõem a Companhia de PRONTIDÃO são muito chorões, querendo dispensa ou troca de serviço, isso em grande maioria. Atendê-los em suas pretensões é algo impossível de ser realizado. O Oficial de Dia perde enorme tempo somente nisso. A Prontidão é composta de 80 soldados, três sargentos e um sub-tenente.
As horas vão passando. Temos mais de meio-dia desta data quando retorna a tropa que esteve abrilhantando as solenidades do 9 de julho.
Lá pelas 14 horas o SOLDADO POSSIDÔNIO apresenta TERESINHA, amiga de sua mulher. Conversamos durante certo tempo e mais tarde talvez volte ao quartel, juntamente com a mulher do SOLDADO POSSIDÔNIO, SILVIA. Às 16 horas passo o serviço de Oficial de Dia para o ASPIRANTE A OFICIAL ARMANDO CRISPINIANO FILHO, e assumo o Comando de um pelotão de 30 homens, na PRONTIDÃO. O Comandante da Companhia de Prontidão é o CAPITÃO JOSÉ SANCHES FÉLIX. Assim vai transcorrendo o dia 9 de julho, encerrando o 15º tomo de meu diário.
Às 19 horas estou conversando com o CAPITÃO SANCHES e ASPIRANTES MAIORINO e CRISPINIANO no Estado Maior. Falamos sobre uma série de coisas interessantes: revolução no sudeste asiático, revolução na REPÚBLICA DOMINICANA, etc.
Mais de 24 horas saio com o ASPIRANTE CRISPINIANO e vamos até o Aeroporto. O BATALHÃO DE GUARDAS mantêm oito soldados permanentes na PANAIR, interditada pelo governo. É um serviço sem proveito algum, mas ainda o BG não recebeu ordens de recolhimento das praças.
Ainda com o Oficial de Dia, faço uma ronda pela Unidade e tarde vou deitar. Encerro aqui o 15º TOMO, de uma maneira um tanto diferente, visto tirar um serviço que não me está afeto, dada as minhas condições como CHEFE DA FIF.
 52 a. das anotações feitas em 9 de julho de 1966 (sábado). ANO 16º - MÊS 12º - DIA 364º - 8 anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA – 777 dias como 2º TENENTE – 95 dias na futura 2ª Companhia Independente.
Encerra-se hoje, 9 de julho de 1966, o 16º TOMO de meu diário. É mais uma divisão feita por mim, encaixando os acontecimentos de minha vida, desde 10 de julho de 1965.
O 16º TOMO encerra muita coisa boa e mudanças em minha maneira de agir.
Primeiramente, registro o término de minha passagem pelo BATALHÃO DE GUARDAS, onde servi desde setembro de 1963. Fui transferido para a 2ª Companhia Independente, em formação, em janeiro e, somente entrando em trânsito a 22 de março.
Em GUARULHOS, começo a 6 de abril. Com a Companhia mudando para a Avenida GUARULHOS, nº 64, praticamente se delineou as posições. Tal como no BG, continuo sendo CHEFE DA FIF.
Tudo isso aconteceu quando ainda me apresento como 2º TENENTE, encerrando o 16º TOMO com a posição nº  18 dentro do almanaque dos oficiais. Parece que é no transcorrer do 17º TOMO que me verei promovido a 1º TENENTE. Com a retirada da Lei de Fixação para 166, da Assembléia, não me restam esperanças de promoção para o próximo 25 de agosto. Talvez tal fato se dê em 15 de dezembro de 1966.
Hoje, aproveito o sábado par ir até POÁ, visitar meus pais.
Deixo meu lar às 10 horas e vou passar pelo BG. Combinara ontem com o 3º SARGENTO JOSÉ CARCAN de irmos até a CÁSSIO MUNIZ, nesta manhã. Acontece que o CARCAN participa de uma formatura no MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 32. O Oficial de Dia é o ASPIRANTE A OFICIAL DURVAL SAMPAIO PONTES e com ele converso até às 12 horas. As duas companhias que estão na formatura não retornam até esse horário.
Hoje se dá um fato que vai modificar o comando do BG. O TENENTE-CORONEL ANSELMO PERES é transferido para a reserva e, naturalmente, o MAJOR CLÁUDIO DE SOUSA assume o comando interino do batalhão. O COMANDANTE ANSELMO está na Unidade desde 5 de julho de 1965. Fala-se que o CORONEL DELFIM CERQUEIRA NEVES irá comandar o BATALHÃO e, as praças begeinas fazem votos para o MAJOR CLÁUDIO ir embora.
Saio do BG e tomo o ônibus ESTAÇÕES. Aqui começo a viajar com um soldado do 9º BP, morador em POÁ, que entrou na FORÇA PÚBLICA em 1962, tendo feito a Escola de Recrutas em CAMPINAS.
Vamos tomar um trem que irá partir às 13:35 horas. Quase há um fato doloroso na estação ROOSEVELT. Uma mocinha tenta tomar o trem da variante, quando este já está saindo e cai da plataforma. A sorte da jovem é que se tratava do último vagão, pois senão seria fatalmente esmagada.
Chego em casa de meus pais quase às 15 horas. Passo a tarde toda na companhia dos mesmos, completamente alheio a outros problemas.
Somente mais tarde, lá pelas 19:30 horas é que saio. No O´QUIOSQUE, encontro-me com o MIGUEL COMITRE, CABO ANTENOR ANÉAS RODRIGUES, ETTORE VELARDI e um outro poaense. Conversamos durante alguns minutos.
No CINE COLONIAL, agora com suas dependências aumentadas, vou-me encontrar com diversas praças do Destacamento local e, com o SOLDADO FLORISBELO FURTADO DA ROSA vou assistir a um bom programa:
O RIO DA AVENTURA, com KIRK DOUGLAS no principal papel. É uma estória em que aventureiros embarcam numa chalupa e navegam através do MISSOURI, a fim de comerciarem com os índioso blackfeet.
O QUARTEL DO BARULHO, filme ccônico, satirizando a polícia alemã, cujas ações transcorrem num Distrito e numa Delegacia.
Deixando o CINE COLONIAL, vou permanecer até tarde conversando com os soldados JOÃO GONÇALVES, VIANA e FRACARO (este pertence ao STM e é o operador de radiofonia na portaria daquele Serviço)
Estamos no Destacamento quando, lá pelas 24 horas, aparece um tenente do quadro de oficiais auxiliares da administração, um tanto quanto alcoolizado, pedindo providências no sentido de ser interrompido um baile na VILA ROMANO. Acontece que a viatura da Delegacia está quebrada e não há condução para as praças irem até lá.
Esse oficial é do Serviço de Material Bélico e pertence à turma de 1965, isto é, daquela que faz parte o TENENTE NERCÍLIO. Até o horário de 1:30 hora ficamos conversando no Destacamento. O oficial parte com destino a SUZANO e venho repousar na casa de meus pais, onde ainda ficarei durante uma parte do domingo.
Encerro, portanto, em minha cidade natal o 16º TOMO de meu diário, pretendendo que amanhã inicie mais um período de minhas memórias, de maneira feliz e, se não melhor, pelo menos igual ao que foi o  16º TOMO para mim.
 51 a. dos assentamentos em 9 de julho de 1967 (domingo). ANO 17º - MÊS 12º - DIA 365º - 9 anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA – 207 dias como 1º TENENTE – 460 dias na 2ª Companhia Independente.
Chego ao final do 17º tomo de meu diário. Aqui se encerra mais uma parte de minha vida, pois amanhã estarei iniciando o 18º tomo.
Fatos importantíssimos surgiram durante o transcorrer desse tomo. Vejo os problemas surgidos com o CASO VIANA; a instauração de um IPM que vem quebrar a amizade entre os oficiais da 2ª CI e mostrar o comando frouxo do CAPITÃO JAIR; meu pedido de afastamento da CHEFIA DA FIF e a minha substituição pelo TENENTE NUNES; minha promoção a 1º tenente em 15 de dezembro de 1966.
No dia 24 de junho surge minha ligação íntima com uma mulher de 24 anos, a CLEIDE. Esses derradeiros dias do 17º tomo vão-me encontrar ligado a ela.
A 7 de junho fui designado Comandante do Destacamento de GUARULHOS, mas, a 3 de julho, com o afastamento do CAPITÃO JAIR, assumo a função de Ajudante—ecretário interino.
O comandante da 2ª CI quer minha transferência da 2ª CI, mas o 17º tomo vai terminar com minha permanência na Companhia Independente de GUARULHOS.
MARIA quer ir até POÁ, a fim de visitar seus familiares. Deixo-a ir, pois assim ela se distrairá um pouco. Tem vivido muito nervosa nesses meses finais.
Ouço o desenrolar do programa “SUCESSOS EM REVISTA”, da BANDEIRANTES. Em terceiro lugar está ROBERTO CARLOS com “SÓ VOU GOSTAR DE QUEM GOSTA DE MIM”; em segundo vem WANDERLEY CARDOSO com “O BOM RAPAZ”. Em 1º lugar está AGNALDO TIMÓTEO com uma música que ultimamente ganhou grande projeção “MEU GRITO”.
Mais tarde, às 13 horas, saio com meu filho MÁRIO. Passamos pela Delegacia. Venho a saber que, ontem à noite, durante o programa “ROLETA PAULISTA” faleceu o CORONEL AMÉRICO FONTENELLE, vítima de um infarto. O ex-diretor do DET ficou famoso há meses atrás e agora seu falecimento repercute por toda SÃO PAULO. O mesmo jornal, que traz seu falecimento, publica a notícia da morte da atriz VIVIEN LEIGT, com 53 anos de idade.
Converso com o SOLDADO JAMIL DE MOURA que ontem levou o endereço do SOLDADO BENEDITO RIBEIRO VIANA para o doutor FERNANDO GUIMARÃES. Parece que o CASO VIANA vai dar uma ação executiva sobre sua pessoa.
Visito a CLEIDE no período da tarde. Ali permaneço até às 17 horas. Converso com a NEI, ADÉLIA, ROSELI e seu marido, senhor PAULO.
Retorno ao meu lar. Agora procuro relatar meu diário e os últimos dias do 17º tomo. Assisto na televisão mais um filme da série PERDIDOS NO ESPAÇO.
Recebo a visita do SOLDADO GABRIEL DOS SANTOS. São mais de 21 horas quando estou na Delegacia, onde encontro o delegado de plantão, doutor HILDEBRANDO. Quer ir visitar a ADÉLIA, que mora com a CLEIDE. Vamos paga VILA GALVÃO na perua da Delegacia, dirigida pelo CABO PEDRO.
Doutor HILDEBRANDO conversa com a ADÉLIA, vítima de um forte resfriado. Por volta das 23 horas ele retorna para a delegacia.
A NEI, contrariada por problemas gravíssimos com seus filhos, vai esquecer suas mágoas na bebida. Isso dá certo trabalho nesta noite. Ela quer esquecer seus infortúnios e está transtornada. Pensando em muita coisa, deixo a Rua LAURA e retorno ao meu lar, viajando no ônibus VILA GALVÃO.
Termina o 17º tomo que, dentro de seus 365 dias, apresentou uma série de fatos que poderão se fazer sentir para o futuro.
50 a. dos escritos em 9 de julho de 1968 (terça-feira). ANO 18º - MÊS 12º - DIA 336º - 10 anos e 35 dias na FORÇA PÚBLICA – 573 dias como 1º TENENTE – 187 dias no BTA – 4º dia na 12ª CP – 2º DIA DE FÉRIAS.
Vamos rememorar o que me ocorreu durante o transcorrer do 18º tomo que, neste 9 de julho, chega ao seu final: No início do 18º tomo, tinha eu 461 dias de 2ª Companhia Independente; 208 dias de 1º TENENTE e 9 anos e 36 dias de FORÇA PÚBLICA.
Às 17:40 horas de 11 de julho de 1967, recebo a notícia de que devo me apresentar no Quartel General, deixando a 2ª Companhia Independente.
A 12 de julho, chego ao Quartel General, acompanhado do 3º SARGENTO MIGUEL FERES FILHO, que também é transferido.
No dia 13, o BG sofre o furto de 22 armas, praticada pelo 3º SARGENTO DJALMA VAN-DER. À noite, ou melhor, na madrugada do dia 14, baixo ao Hospital Militar.
Saio do HM no dia 18, com três dias para convalescer.
No dia 21, sou apresentado à INSPETORIA ADMINISTRATIVA e, peço para entrar com 15 dias de férias, a contar das 19 horas de 23.
A 8 de agosto, termina minhas férias. Na INSPETORIA ADMINISTRATIVA, fico sabendo que irei para o 12º BP.
No dia 9 de agosto, outro fato desagradável me colhe de surpresa. Sou apresentado ao Regimento “9 de Julho” a fim de cumprir 8 dias de prisão, dados pelo Comando Geral, na solução do IPM do “caso VIANA”.
A 18 de agosto, começa nova fase na minha vida, dentro da FP, quando me apresento ao 12º BP.
No dia 15 de setembro, apresento-me ao CAPITÃO WASSIMON, Cmt da 5ª CP – LIBERDADE.
A 21 de setembro, passo à disposição do Quartel General, a fim de trabalhar na “SEMANA DA CRIANÇA”. Somente retorno ao 12º BP no dia 16 de outubro.
Dia 10 de dezembro acontece algo bastante delicado: a CLEIDE corta o pulso, causando uma confusão danada em minha vida conjugal.
Dia 17 de dezembro, participo da preliminar da 43ª São Silvestre. No dia 20, entro em gozo de 15 dias de férias. Na 2ª Cia Ind começa o “caso do binóculo”.
Retornando de férias, a 5 de janeiro de 1968, passo a pertencer ao 1º BP TOBIAS DE AGUIAR. Vou passar a conhecer esse novo batalhão.
No dia 10 de janeiro, deixo a 5ª CP, passando à disposição da sede do batalhão, na ex-2ª CPA, que naquela época, englobava a 1ª e a 8ª Circunscrições Policiais.
Começo fevereiro fazendo uma viagem a ASSIS, escoltando o TENENTE Reformado JOSÉ SOARES DE MOURA.
A 11 de fevereiro, mudo da Rua LUÍS FACCINI, 363, Apartamento 2, para GOPOÚVA – Rua Doutor JOSÉ MAURÍCIO DE OLIVEIRA, Nº 112.
A 14 de fevereiro, assumo o Comando Interino da 4ª. 4ª CP, após permanecer 35 dias na sede do 1º BP TOBIAS DE AGUIAR. Nesse mês, continua o “caso do binóculo” na 2ª Companhia Independente e sou escrivão de IPM da 5ª CP para apurar responsabilidades sobre um espancamento sofrido pelo doutor TOBIAS DEL BEL, delegado de plantão naquela delegacia.
Em março, defendo o SOLDADO JADIR DAMASO num Conselho de Disciplina. Na 2ª Cia Ind termina o “caso do binóculo”, onde o TENENTE SÉRGIO procurou, mais uma vez, prejudicar-me. Não conseguindo.
Abril de 1968, começa com problemas estudantis e, esses problemas continuam até o momento. Com a crise estudantil, ajuntam-se atos de terrorismo que, até agora, também continuam. Faleceu ASSIS CHATEAUBRIAND, nesse mês. Mataram MARTIN LUTHER KING, nos EUA. Morreu o ator AMILTON FERNANDES, o popular DOUTOR LIMONTA. Em QUARULHOS, faleceu o escrivão WÁLTER TERRANOVA.
Em 16 de abril, viajo até RIBEIRÃO PRETO, a fim de defender um soldado em Conselho de Disciplina. A imagem de NOSSA SENHORA DE FÁTIMA visita SÃO PAULO, na segunda quinzena de abril. No dia 27, em desastre automobilístico, falece o CAPITÃO MAURÍCIO DEMÉTRIO DOS SANTOS, da FORÇA PÚBLICA.
No princípio de maio, termina a mais longa novela da televisão – REDENÇÃO. O SANTOS sagra-se Campeão Paulista de 1968.
Em junho, depois de 110 dias de Comando da 4ª CP, deixo essa função para o CAPITÃO CAMILO DIAS DOS ANJOS. Passo à disposição do MAJOR SALVADOR D´AQUINO a fim de datilografar a sindicância sobre uma ocorrência no CMTC CLUBE, onde o CAPITÃO BENTO esmurra o delegado SERRA, na 4ª CP. É punido com 30 dias de prisão sem fazer serviço e, a 18, segue para CAMPINAS, onde ficará preso até 18 de julho. Morre JOÃO BOIADEIRO, o homem do coração novo.
A 26 de junho, assumo o Comando da 12ª CP e, no dia 30, o Comando Interino da 2ª Companhia (2ª e 12ª Circunscrições Policiais). Finalmente, no dia 7 de julho, entro em gozo de trinta dias de férias.
Pela manhã, no último dia do 18º tomo, vou à casa do 3º SARGENTO ESMERALDO MACHADO, na Rua ALTINÓPOLIS, Nº299. Acontece que o mesmo não está em sua residência. Prometo retornar às 20 horas.
No retorno, passo pela casa do SOLDADO JADIR DAMASO. Sua mulher mostra o hollerith do JADIR e, vejo que, no mês de junho recebeu apenas 127 cruzeiros novos. Paga 90 cruzeiros novos pelo aluguel.
Em casa, posso descansar um pouco. Lá pelas 14 horas, recebo a visita do SOLDADO JOSUÉ AYRES. Também chega o SOLDADO JOEL AMARO, mas consigo descansar aproveitando minhas férias.
Às 19 horas, retorno à residência do 3º SARGENTO ESMERALDO. Não se encontra e lhe deixo um bilhete para me visitar na quinta-feira, dia 11, na parte da manhã.
Passo, às 20:15 horas, na casa do SOLDADO TELÍRIO SENA. Pede-me para conversar com o senhor ANTONIO CEPEDA, proprietário do CINE SÃO FRANCISCO. Faço isso, mas pego o CEPEDA em hora errada. Ele não poderá ajudar o TELÍRIO SENA em sua crise financeira, porque o CEPEDA está ajudando o CAPITÃO RIBEIRO, que teve um sério problema com seu filho. Além do mais, o CEPEDA irá viajar para VITÓRIA.
Retornando à casa do TELÍRIO, vejo que o rapaz está bastante desorientado. Em meu lar, coloco um ponto final em meu 18º tomo, encerrando mais um ano de minhas memórias.        
50 a. do 36º aniv. da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 32, em 9 de julho de 1968. No Monumento-Mausoléu, às 8 horas, outorga da MEDALHA “MMDC”. Responsável: Tenente FRANCISCO MOLINARI e membros do Conselho da Medalha. Ás 9 horas, Missa solene de “Requiem” oficiada por Sua Eminência Reverendíssima doma AGNELLO ROSSI, Cardeal Arcebispo de SÃO PAULO, na CATEDRAL METROPOLITANA, com homenagens póstumas aos companheiros falecidos de 1967 a 1º de julho de 1968. Durante a missa, a guarda de honra aos ataúdes estava a cargo dos veteranos: ELÍSIO LEAL, Dr. GERALDO GOULART, Dr. BENEDITO LANG, SYLVIO SAMPAIO MOREIRA, FRANCISCO C. BELEGARDE FILHO, DARCY BANDEIRA DE MELLO, AMLETO MARQUES e JÚLIO DA COSTA LEAL. Às 10:45 horas, chega do cortejo, ao Monumento-Mausoléu, trazendo os restos mortais dos heróis. Chefe do cerimonial: PAULO BOMFIM com o roteiro seguinte: Colocação das URNAS no cadafalso; Honras Fúnebres por Tropas Militares; Encomendação Religiosa por Sua Eminência Reverendíssima dom AGNELO ROSSI, Cardeal Arcebispo de SÃO PAULO; Oração Ante a Última Trincheira pelo Poeta Soldado de 32, GUILHERME DE ALMEIDA; Cerimônia de Sepultamento dos Heróis; Toque de Missão Cumprida pelo Corneteiro-Mor da Sociedade Veteranos de 32, veterano ELIAS DOS SANTOS OLIVEIRA; Desfile em continência aos Heróis pelos Veteranos de 32, Forças Armadas Federais, Estaduais e Instituições.
Desfile Militar: a cargo das Forças Armadas.
Desfile de Veteranos: a cargo do CORONEL HOMERO DA SILVEIRA. Comandante do Exército Constitucionalista em 1968: CORONEL JOSÉ THEÓFILO RAMOS. Ajudante de Ordens: Veterano JARBAS DE ARAÚJO. ESTADO-MAIOR: Dr. LAURO DE BARROS SICILIANO e Dr. NELSON MORAES LOPES. Membros do Conselho Supremo, Diretoria, Conselho da Medalha e Senhoras Veteranas de 32.
Responsáveis pelos sepultamentos: TENENTE ELVIMEDORACH P. C. CARVALHO, Diretor da Exumação; Subinspetor JOEL CARDOSO MELLO, diretor do Departamento da Juventude; e veteranos: BENEDITO CAMPOS CARVALHO, JARBAS DE ARAÚJO, PAULO AQUELINO, JÚLIO DA COSTA LEAL, AMLETO MARQUES e JOÃO CINTRA FILHO.    
49 a. do 37º aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, em 9 de julho de 1969. O programa comemorativo ao aniversário, promovido pela Sociedade Veteranos de 32-MMDC começou com missa solene na CATEDRAL DA SÉ, oficiada por dom AGNELLO ROSSI, cardeal arcebispo de SÃO PAULO. Os despojos dos dez heróis constitucionalistas, exumados neste Estado e no RIO DE JANEIRO, foram velados durante toda a noite por uma guarda militar e pelos veteranos de 32. A celebração da missa de requiem começou às 9 horas. As dez urnas, com os restos mortais dos heróis LELIO RIBEIRO BOAVENTURA (Major do Exército Brasileiro, trasladado do Cemitério São João Batista, paulista), BOLIVAR RIBEIRO BOAVENTURA (2º Tenente do Batalhão “PAES LEME”, também paulista) e YOLANDO RIBEIRO BOAVENTURA (voluntário do Batalhão PAES LEME, paulista), ÉRICO NEVES DE MELO (do 2º RCD do Exército Brasileiro, riograndense), JOSÉ ALVES BERNARDO (soldado do 7º BCP da Força Pública, paulista), HYGINO MESSA (voluntário do Batalhão “MARCÍLIO FRANCO”, paulista), JOÃO DE PAULA FRANCO (voluntário do Batalhão “MARCILIO FRANCO”, paulista), PAULO LIMOEIRO (soldado do 2º RCD do Exército Brasileiro, paulista), DANTE MARTELETTI (voluntário do 2º BATALHÃO ESPORTIVO, paulista) e outro não identificado, estavam cobertas com as bandeiras brasileira e paulista, e escoltadas por uma guarda mista, composta por soldados do Exército, Marinha, Aeronáutica, Força Pública, Guarda Civil e veteranos. Após a missa, o cardeal abençoou as urnas, que foram carregadas pelas mais altas autoridades presentes para a escadaria da Catedral, onde foram homenageadas pelo povo e por um destacamento da Divisão de Polícia Militar da FORÇA PÚBLICA, que prestou as honras devidas. Em seguida, uma a uma as urnas foram colocadas sobre os carros do Corpo de Bombeiros, enquanto a banda de música da FORÇA PÚBLICA executava a marcha fúnebre. O cortejo foi formado, com destino ao Monumento-Mausoléu no IBIRAPUERA. Compareceram à missa de requiem o governador ABREU SODRÉ; o prefeito PAULO MALUF; o general CANAVARRO PEREIRA, comandante do II EXÉRCITO; o brigadeiro JOSÉ VAZ DA SILVA, comandante da 4ª ZONA AÉREA; o almirante HÉLIO DE AZEVEDO LEITE, comandante do 4º DISTRITO NAVAL; os almirantes JÚLIO DE SÁ BIERRENBACH e LUÍS PENIDO BURNIER; comandantes de várias unidades do Exército, assim como os comandantes das Forças Auxiliares –FORÇA PÚBLICA e GUARDA CIVIL– e os senhores CARVALHO PINTO, HÉRBERT LEVY, LAUDO NATEL, DEPUTADO NELSON PEREIRA, VEREADOR JOSÉ MARIA MARIN, além de outras autoridades.
Enquanto era celebrada a missa na SÉ, a Sociedade Veteranos de 32-MMDC fez a entrega de 45 condecorações durante as comemorações realizadas no PARQUE DO IBIRAPUERA, no Monumento-Mausoléu. Após a outorga das condecorações, que foi dirigida pelo CAPITÃO FRANCISCO MOLINARI, secretário do Conselho da Medalha MMDC, houve nova cerimônia para a recepção do cortejo que transportou os despojos dos heróis de 32, da SÉ ao IBIRAPUERA. Num breve discurso, o governador ABREU SODRÉ disse que as solenidades traduziam a “inspiração do povo paulista e do povo brasileiro, em geral, de amor à lei, respeito à Constituição e luta pela liberdade. O poeta PAULO BOMFIM, que foi escoteiro da Revolução Constitucionalista, presidiu a cerimônia de recepção. Assim que o cortejo chegou no Monumento-Mausoléu, com os DRAGÕES DA INDEPENDÊNCIA à frente e dois carros de bombeiros transportando as urnas, foram iniciadas as honras fúnebres. O arcebispo de SÃO PAULO, dom AGNELO ROSSI, fez a encomendação dos despojos, jogando água benta sobre as urnas. O poeta PAULO BOMFIM recitou em seguida um trecho da “ORAÇÃO ANTE A ÚLTIMA TRINCHEIRA”, de autoria de GUILHERME DE ALMEIDA, e finalmente pediu às autoridades para fazer o sepultamento das urnas no interior do Mausoléu. As solenidades terminaram com um desfile “puxado” pela BANDA da GC, ao longo da avenida IBIRAPUERA, com a participação dos veteranos de 32, batalhões da FORÇA PÚBLICA e corpos da GUARDA CIVIL. Receberam condecorações, entre outras autoridades: o secretário de TURISMO, ORLANDO ZANCANER; CORONEL EURICO JOSÉ COLLA; TENENTE-CORONEL ARNALDO RÉGIS; PRIMEIRO-TENENTE ALAOR SILVA BRANDÃO; ODETE GOMES e o INSPETOR-CHEFE DE DIVISÃO DA GUARDA CIVIL, ANTÔNIO VICENTE.  
Era Presidente do Conselho Supremo o Doutor LAURO DE BARROS SICILIANO. Presidente da Diretoria Executiva: NÉLSON MORAES LOPES. A responsabilidade geral pelo evento esteve a cargo do doutor NÉLSON MOARES LOPES e o Chefe Geral de Programação foi BENEDITO CAMPOS CARVALHO.
Responsáveis pelas caravanas: número 1, RIO DE JANEIRO, veteranos: Doutor DARCY BANDEIRA DE MELLO, Doutor JOSÉ PARANHOS DO RIO BRANCO e SUBINSPETOR WALDYR AGENOR BRAMBILLA, da Guarda Civil de São Paulo, membro do Departamento da Juventude. Caravana número 2, OLÍMPIA, PIRASSUNUNGA e BRAGANÇA PAULISTA. Veteranos: BENEDITO CAMPOS CARVALHO, GERALDO NORBERTO FREIRE BRAGA, JOSÉ LEANDRO DE BARROS PIMENTEL, 1º TENENTE ELVIMEDORACH PENHA CRHISTOPHE CARVALHO, Diretor de Exumação e Transladação e 2º TENENTE JOSÉ ROBERTO CAPPELLI da Força Pública do Estado de São Paulo, membros do Departamento da Juventude. O CORNETEIRO-MOR foi o veterano ELIAS DOS SANTOS OLIVEIRA.  
49 a. da chegada a SÃO PAULO do Professor MARCELO CAETANO, presidente do CONSELHO DE MINISTROS DE PORTUGAL, em 9 de julho de 1969. Foi recebido pelo Governador ABREU SODRÉ e pelo Prefeito PAULO MALUF, que lhe entregou a chave da cidade. A comitiva seguiu para a CASA DE PORTUGAL, onde foi descerrada uma placa comemorativa à visita. Recebeu como lembrança um quadro de um pintor brasileiro, seguindo-se de um banquete oferecido pelas Associações portuguesas e Luso-Brasileiras. Depois MARCELO CAETANO depositou uma coroa de flores no MONUMENTO À INDEPENDÊNCIA, ouvindo os hinos de PORTUGAL e do BRASIL, passando em revista a tropa formada. Visitou a FIESP, passando antes pelo EDIFÍCIO ITÁLIA, para uma visita panorâmica da cidade. Na FIESP, sessão solene presidida pelo Governador ABREU SODRÉ. Fez uso da palavra o secretário da FAZENDA, ARROBAS MARTINS; o Prefeito PAULO MALUF; o senhor THEOBALDO DE NIGRIS, presidente da FIESP; o senhor DANIEL MACHADO DE CAMPOS, presidente da ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO. Após as saudações, o PROFESSOR MARCELO CAETANO dirigiu mensagem ao empresariado paulista. O jantar foi no PALÁCIO DOS BANDEIRANTES. No dia 10 de julho de 1969, o “premier” lusitano e o governador paulista assistiram ao hasteamento das bandeiras portuguesa e brasileira no PALÁCIO DOS BANDEIRANTES. Dali, MARCELO CAETANO seguiu para CONGONHAS, onde recebeu as despedidas do Governador ABREU SODRÉ e dos representantes das Associações e da Colônia portuguesa.
Competiu ao 11º BP, ao qual eu pertencia como PRIMEIRO-TENENTE, o planejamento, execução e fiscalização dos serviços de segurança ostensiva. O comandante de área foi o CAPITÃO GUNTHER ALFANO CLAUSSEN. Eu comandei o setor “C” – PRAÇA TERESA CRISTINA (a partir do MUSEU), ESTRADA DO VERGUEIRO, RUA DO VERGUEIRO (até rua dona INÁCIA UCHÔA), tendo como auxiliar o ASPIRANTE A OFICIAL SANTOS. Comandou essa Operação o TENENTE-CORONEL AMARO DE ARAÚJO PEREIRA, comandante do 12º BP. Outros comandantes de setores: TENENTE SALES, CAPITÂO ÂNGELO, TENENTE VENTURA, CAPITÃO CORDEIRO, TENENTE ROLIM e TENENTE VICENTE.           
48 a. do 38º aniversário do Movimento Constitucionalista de 32, em 9 de julho de 1970. Pela manhã houve missa na Catedral da Sé, celebrada por dom AGNELO ROSSI. A seguir, traslado de restos mortais de heróis de 32 para o Mausoléu do Ibirapuera onde foram sepultados, com a presença do vice-presidente da República, ALMIRANTE RADEMAKER; GENERAL CANAVARRO PEREIRA, comandante do II Exército; governador ABREU SODRÉ; prefeito PAULO MALUF; BRIGADEIRO JOSÉ VAZ DA SILVA; deputado federal EDMUNDO MONTEIRO, além de outras autoridades civis e militares, em 9 DE JULHO DE 1970.
48 a. da morte do GENERAL norte-americano GEORGE CASEY, um dos mais jovens generais, comandante da 1ª Divisão de Cavalaria Aerotransportada, a mais célebre unidade em ação no VIETNÃ DO SUL, provavelmente quando seu helicóptero, cujos restos já foram descobertos, foi atingido por fogo de artilharia do VIETCONG. GEORGE CASEY, juntamente com alguns oficiais, estava em viagem para visitar soldados feridos em um hospital em lugar não revelado pelo comando americano. A morte do general aconteceu em 9 de julho de 1970.
47 a. transbordamento dos rios MAGDALENA e PUTUMAYO, na COLÔMBIA, deixando 800 mortos e mais de mil famílias desabrigadas, em 9 de julho de 1971.
47 a. do 39º aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932, em 9 de julho de 1971. Com a atribuição da MEDALHA DA CONSTITUIÇÃO a 211 participantes da Revolução a Assembléia Legislativa assinalou a passagem de mais um 9 de Julho em solenidade realizada hoje à tarde no plenário. Estiveram presentes, além de numerosos veteranos e familiares, representantes do governador, do comando do VI DISTRITO NAVAL, do comando da IV ZONA ÁEREA, do arcebispo metropolitano, de vários representantes de tribunais, o secretário da Segurança Pública, GENERAL SÉRVULO DA MOTA LIMA, o presidente da Câmara Municipal, vereador PAULO SOARES CINTRA, e outras autoridades. Especial homenagem foi prestada pela Casa, por iniciativa do deputado WADIH HELU, ao CAPITÃO ALBERTO MENDES JÚNIOR, da POLÍCIA MILITAR, morto por terroristas no VALE DO RIBEIRA. Os pais do militar foram convidados a descerrar uma placa com seu nome, que será colocada na sede do comando da guarnição da PM no PALÁCIO NOVE DE JULHO. O veterano AUGUSTO ABÍLIO PEIXOTO COUTINHO prestou homenagem ao Poder Legislativo, ofertando-lhe o capacete com que lutou em 1932. Passou-se a seguir à entrega da MEDALHA DA CONSTITUIÇÃO, inicialmente, aos distinguidos que participaram da Mesa dos trabalhos, desembargador CANTIDIANO GARCIA DE ALMEIDA, presidente do Tribunal de Justiça do Estado; capitão JOSÉ IGNÁCIO DO ROSÁRIO, falecido, representado por sua filha, a deputada TEODOSINA RIBEIRO; ALBERTO DE ALMEIDA LIMA; conselheiro RUY DE CAMPOS NOGUEIRA MARTINS, do Tribunal de Contas; e a SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Passou-se em seguida à entrega das medalhas aos demais agraciados, a começar pelos distinguidos postumamente representados por seus familiares.      
46 a. do 40º aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, em 1972, com a assinatura de oficialização do Monumento-Mausoléu do Soldado Constitucionalista pelo Excelentíssimo Senhor Governador do Estado de SÃO PAULO, LAUDO NATEL. Na mesma data e solenidade foi inaugurada a Estátua do Doutor IBRAHIM NOBRE, tribuno do Movimento Constitucionalista.
 Na manhã do dia 9 de Julho de 1972, Itapira comemorava os 40 anos da "Revolução Constitucionalista de 1932". A programação se iniciou às 8h30, no Mausoléu do Soldado Constitucionalista, no Cemitério da Saudade, presidida pelo cônego Matheus Ruiz Domingues e presença de dezenas de pessoas, especialmente, do então prefeito, Hélio Pegorari; o presidente da Câmara, Antônio Celidônio Ruette; Sezefredo Fecci, representando a Associação Comercial; sargento João Batista Lima, Comandante do Destacamento Policial de Itapira e convidados de Mogi Mirim: Antônio Mazelli e 1º tenente Alcides Pinto da Silva.
Às 10h, no Monumento do Morro do Gravi, Antônio Celidôneo Ruete, presidente da Câmara Municipal de Itapira, discursou sobre o significado da data. O vereador Edésio Ramos de Oliveira foi o próximo a discursar, falando sobre o tribuno da Revolução, Ibrahim Nobre, que seria homenageado com uma estátua na capital paulista neste mesmo ano.
     O prefeito Hélio Pegorari, juntamente com as autoridades presentes, recolheram alguns punhados de terra do Morro do Gravi, que foram enviadas à base da estátua de Ibrahim Nobre.
Convidado pelo prefeito, o Major Antônio Mazelli coloca um ramalhete de flores diante ao monumento do Gravi.
     Esteve presente uma delegação do Departamento da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC de Jacareí, tendo Alfredo Blois como chefe da caravana. Blois leu a seguinte mensagem: 
"... Em 1932, o 2º e o 3º batalhões do 6º RI de Caçapava foram destacados para Piquete a fim de tomar parte nos combates travados naquele setor. Após alguns dias de luta, nossa gente conseguiu vencer os inimigos e tudo ficou calmo naquele local. Sob o comando do capitão Marcos Antônio, já falecido, o 2º batalhão veio lá da Mantiqueira para Mogi Mirim, a fim de tomar parte nos combates do Gravi. Também tomaram parte nos combates do Gravi o batalhão "9 de Julho", sob o comando do Major Robilot, mais uma companhia da Força Pública e dois batalhões de voluntários... Depois de muitos anos, eu e o meu colega de escola e caserna, Arnaldo Piovessan, tivemos a ideia de visitar todos os anos as cidades de Mogi Mirim e Itapira e o Morro do Gravi, com a finalidade de relembrar e comemorar os acontecimentos da Revolução Constitucionalista de 1932. O Morro do Gravi ficou na história por ter sido o palco de uma das mais sangrentas batalhas entre constitucionalistas e ditatoriais, onde muitos companheiros derramaram seu sangue no cumprimento do dever... Nesta caravana do Departamento da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC de Jacareí, estão presentes quatro ex-combatentes que lutaram aqui no Gravi: Arnaldo Piovesam, Inocencio de Souza, Irineu Priante e eu, Alfredo Blois..."
     E finalizou a mensagem: "... As tropas ditatoriais desfecharam a grande ofensiva neste setor, cujo objetivo era a tomada de Mogi Mirim. Apoiados pela aviação e protegidos por intenso fogo de artilharia, os ditatoriais conseguiram apoderar-se do Gravi, apesar da ferrenha vontade dos soldados paulistas em manter a posição. E o sangue generoso dos paulistas mais uma vez regou o solo bandeirante. Fomos derrotados. Perdemos a batalha. Mas ganhamos a Causa pela qual lutamos...".
     O "toque do silêncio" dado pelo jovem Reinaldo Pierossi, encerrou as comemorações dos 40 Anos da Revolução Constitucionalista em Itapira, na manhã de 9 de Julho de 1972. A caravana de Jacareí seguiu até Mogi Mirim, onde, após coquetel na Câmara Municipal, falaram sobre a data do 9 de Julho as seguintes autoridades: Antônio Carlos C. Bernardes, presidente da Edilidade; Major Antonio Mazelli; Alcindo Barbosa, alto funcionário da Prefeitura, Alfredo Blois, chefe da caravana de Jacareí, e o prefeito itapirense, Hélio Pegorari. Após as solenidades em Mogi Mirim, todos novamente voltaram a Itapira, onde, através da Rádio Clube, falaram a respeito da Revolução o prefeito, os vereadores de Mogi Mirim, Ademar de Barros, Roberto Costa e Silva e Raul Brunialti e o veterano Alfredo Blois.
45 a. do 41º aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, em 1973. Diversas solenidades – cívico-militar-religiosas – marcaram hoje o 41º aniversário da Revolução, organizadas pela Sociedade Veteranos de 32-MMDC. As comemorações tiveram início às 9 horas, com o hasteamento dos Pavilhões Nacional, Paulista e Municipal, respectivamente pelo governador LAUDO NATEL, comandante do II Exército, general HUMBERTO DE SOUZA MELLO e pelo prefeito FIGUEIREDO FERRAZ, junto ao Mausoléu do Soldado Constitucionalista, no IBIRAPUERA, ao som do Hino Nacional executado pela Banda do Exército. Em seguida, o veterano Capelão de 32, padre ELISEU MURARI, oficiou Missa Campal com a participação de todas as autoridades presentes dentre as quais o comandante do VI DISTRITO NAVAL, vice-almirante ROBERTO FERREIRA TEIXEIRA DE FREITAS; o comandante da IV ZONA AÉREA, major-brigadeiro DÉLIO JARDIM DE MATTOS; o vice-governador, ANTÔNIO RODRIGUES FILHO; senador CARVALHO PINTO; deputado SALVADOR JULIANELLI; presidente da Assembléia Legislativa, secretários de Estado e do Município. A leitura bíblica baseou-se no LIVRO DOS MACABEUS (oração aos mortos) tendo o sermão evocado as conquistas e os feitos dos heróis de 32 “marcado pela presença heróica da mulher paulista que à mão esquerda levava o rosário e à mão direita o cacetete”. O governador LAUDO NATEL fez entrega das medalhas “Governador PEDRO DE TOLEDO” ao general HUMBERTO DE SOUZA MELLO, ao almirante de Esquadra JOSÉ DE CARVALHO JORDÃO, chefe da PM da Marinha, ao major-brigadeiro DÉLIO JARDIM DE MATTOS e, vice-almirante ROBERTO FERREIRA TEIXEIRA DE FREITAS. Outras personalidades foram distinguidas com as medalhas MMDC e diplomas da Sociedade Veteranos de 32-MMDC. Depois teve início o desfile das Forças Armadas. O grupo de Bandeirantes, formado por escoteiros de TERRA-MAR-E-AR abriu o desfile, seguido pelas Bandeiras Históricas do CPOR, acompanhado pela Banda e 2º Batalhão de Guardas do Exército. A Unidade da Marinha de Guerra também desfilou com seus uniformes de gala, em frente ao Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista. O desfile cívico-militar teve seu ponto alto com a passagem dos que batalharam pelos Aliados Estrangeiros da Última Guerra em vários grupamentos não faltando a presença das mulheres que – pegando em armas ou auxiliando na enfermagem – desfilaram também com os Veteranos de 32. Uma unidade da Aeronáutica antecedeu ao desfile da Polícia Militar, com a corporação da Polícia Feminina e os cães pastores. O encerramento deu-se por volta das 11:30 horas sendo os presentes  convidados para a sessão solene das 21 horas, na sede do CLUBE PIRATININGA, à ALAMEDA BARROS, 376.
O Boletim Comemorativo da POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO, assinado pelo CORONEL PM THEODORO CABETTE, Comandante Geral Interino, publicava:
9 de Julho – aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932
A Revolução Constitucionalista de 1932, foi um dos mais vivos exemplos da história pátria, na luta por um ideal. Derrotados pelas armas os paulistas não tiveram seus ideais sepultos por muito tempo. Os mártires da causa não tombaram em vão porque apenas dois anos após os heróicos sacrifícios, precisamente a 16 de julho de 1934, foi promulgada a Constituição dos Estados Unidos do Brasil, voltando nosso país a reger-se pelos ditames da Magna Carta.
Triunfou o ideal – a bandeira desfraldada, embora vencida no campo de batalha em que galhardamente se portou, viu, breve, reconhecidos os seus desígnios, em defesa dos quais pontificou a nossa querida Polícia Militar. Perdemos na refrega cerca de 194 homens, inclusive nosso ex-Comandante Geral Coronel Júlio Marcondes Salgado. Esse foi o sacrifício exigido pelo dever e podemos, hoje, orgulhosamente afirmar que nossos companheiros o cumpriram como nós o temos cumprido e cumpriremos sempre, por ser a nossa profissão de fé.
Companheiros da Corporação
Reavivemos em nossas memórias as passagens da magnífica epopéia de 32. Regozijemo-nos por descender da brava gente que pautou sua vida pela dedicação à lei e à ordem, oferecendo-a em defesa desses sacrossantos princípios. Imitemo-la para que tenhamos, no presente, a tranqüilidade de consciência decorrente do dever cumprido e para que possam no futuro, os que nos sucederem, orgulhar-se de nosso legado histórico como nós próprios nos orgulhamos dos heróis de 32.     
44 a. do 42º aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA  DE 1932, em 9 de julho de 1974, presidido pelo governador de SÃO PAULO, LAUDO NATEL. Presentes o general PAULO CARNEIRO THOMAS ALVES, comandante da 2ª REGIÃO MILITAR, que representou o Comandante do II EXÉRCITO; prefeito MIGUEL COLASSUONNO; deputado SALVADOR JULIANELLI; o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador JOSÉ CARLOS FERREIRA DE OLIVEIRA; o comandante do 6º Distrito Naval, vice-almirante ROBERTO FERREIRA TEIXEIRA DE FREITAS; os secretários estaduais da Casa Civil, HENRI AIDAR; da Casa Militar, Coronel ANTÔNIO NOGUEIRA CÉSAR; do Trabalho, CIRO ALBUQUERQUE; da Educação, PAULO GOMES ROMEO; e da Segurança Pública, Coronel ERASMO DIAS; o comandante da Polícia Militar, Coronel EB FRANCISCO BATISTA TORRES DE MELO; o presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, Coronel HELIODORO DA ROCHA MARQUES; o presidente do CONSELHO SUPREMO daquela Sociedade, GERALDO FARIA MARCONDES; o poeta PAULO BOMFIM, que atuou como mestre de cerimônia das comemorações, além de outras autoridades civis, militares e eclesiásticas. PAULO BOMFIM declamou: “Nos campos do Ibirapuera/ A espada de pedra vela/ pelo sonho dos heróis/ Na manhã de evocação/ Em muitos julhos depois/ A voz da terra desfila/ A marcha de 32/ Moços de cabelos brancos/ E capacetes de aço/ Moços de outrora e de agora/ Vivos e mortos da causa/ Repetem com fé e orgulho/ Pelo ideal e pela luz/ Pelo sangue que é verdade/ E sempre tempo de glória/ E sempre 9 de Julho”. A missa campal foi celebrada pelo capelão ELISEU MURARI, veterano de 32, que, em seu sermão, rememorou os antecedentes daquele histórico movimento e, aludindo às causas que o deflagraram, exaltou a participação dos combatentes. Foram condecorados quatro ex-combatentes: HORÁCIO CORREIA PINTO MAGALHÃES, ANTÔNIO TUPINAMBÁ VAMPRÉ, WÁLTER SÓCRATES DO NASCIMENTO e ÂNGELO MARCONI. Desfilaram a banda da Polícia Militar, representantes dos aliados estrangeiros na 2ª Guerra Mundial, a União dos Escoteiros do Brasil e os vários batalhões de ex-combatentes ostentando, cada um, as suas bandeiras de campanha. No desfile militar, viaturas representativas das Forças Armadas e da PMESP, as bandeiras históricas ostentadas por cavaleiros do CPOR, um pelotão de fuzileiros do 6º DISTRITO NAVAL, o pelotão do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva, 2º Batalhão de Guardas, unidade da Polícia da Aeronáutica, o 25º Batalhão de Polícia Militar, carros do Corpo de Bombeiros e o Regimento de Cavalaria “NOVE DE JULHO” que encerrou o desfile.
Com a presença do governador do Estado e das mais altas autoridades civis e militares, a Assembléia Legislativa evocou o Movimento Constitucionalista de 32, precedendo a entrega da MEDALHA DA CONSTITUIÇÃO a 63 veteranos daquela epopéia cívica. A primeira medalha foi entregue ao ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, CÂNDIDO MOTA FILHO, que após agradecer a honraria recebida ponderou em sua oração que a “Revolução de 32, apontada como um crime de lesa à Pátria, como uma reação de velhos políticos decaídos ou como fruto de uma irritação nativista, proveio das entranhas de uma sociedade política, obedecendo aos imperativos revolucionários de abarcar o País inteiro, porque sentíamos que o País estava subjugado pelo arbítrio, e desse modo, obedecíamos aos apelos de todas as consciências livres”. Lembrou, que o plenário da Assembléia, onde militara como constituinte em 1934 e como repórter político, era o lugar adequado para a solenidade, por ser a casa de “uma tradição gloriosa de cultura e de dignidade política, donde ecoaram grandes vozes como a de PRUDENTE DE MORAIS, defendendo as três grandes liberdades: a liberdade Nacional, a liberdade Individual e a liberdade Municipal.        
Os jornais relembram também o pequeno herói ALDO CHIORATTO. PAULO BOMFIM escreveu: “Menino Paulista/ - dez anos apenas -/ vivendo a epopéia/ formando uma tropa/ com outros meninos/ Se fosse preciso/ iriam cantando/ lutar por São Paulo!/ E veio dos céus/ dos céus de Campinas/ a ave de fogo/ ferir a cidade/ E ALDO CHIORATTO/ tombou sobre a terra/ que o viu pequenino;/ e o vulto de um sonho/ - dez anos apenas/ marchou entre os anjos/ que em coro bradaram/  - Na vida e na morte,/ na paz e na guerra,/ Menino Paulista,/ Menino da guarda,/ Velai por São Paulo!”
MOEDA PAULISTA
 GUILHERME DE ALMEIDA
Moeda Paulista, feita só de alianças,
Feita do anel com que Nosso Senhor
Uniu na terra duas esperanças,
Feita de tudo o que restou do amor!
Quanto vale essa moeda? – Vale tudo!
Seu ouro eternizava um grande ideal!
E ela traduz o sacrifício mudo
Daquela eternidade de metal.
Ela, que vem das mãos dos que se amaram
Vale este instante, que não tinha fim
Em que dois sonhos juntos se ajoelharam
Quando a Felicidade disse “Sim”;
Vale o que vale a união de duas vidas
Que riram e choraram a uma voz
E simbolicamente desunidas
Vão rolar desgraçadamente sós.
Vale a grande renúncia derradeira
Das mãos que acariciaram maternais,
O menino que vai para a trincheira
E que talvez... talvez não volte mais.
Vale mais do que vale o ouro maciço.
Vale a glória de amar, sorrir, chorar,
Lutar, vencer, morrer – Vale tudo isso
Que moeda alguma poderá comprar!
44 a. da hospitalização do ditador espanhol FRANCISCO FRANCO, de 81 anos, em conseqüência de flebite na perna direita, no dia 9 de julho de 1974. O estado do caudilho não inspira maiores cuidados, mas o fato serviu para agitar os meios políticos, que temem uma crise naquele País, caso FRANCO venha a falecer. O generalíssimo deveria permanecer em tratamento durante  dez dias. 
43 a. da internação do menor DARIO MANEQUINI, que sofre de leucemia e cujo pai não permitia a transfusão sangüínea por convicção religiosa, na Clínica Pediátrica do Hospital das Clínicas, em 9 de julho de 1974. O garoto encontrava-se em CAMPINAS, num vilarejo, onde seus pais procuravam escondê-lo. Apreendido pelo Juizado de Menores, foi prontamente levado para o Hospital das Clínicas.
43 a. das solenidades organizadas pela Sociedade Veteranos de 32-MMDC, em 9 de julho de 1975. O inicio foi às 9 horas com o hasteamento dos pavilhões nacional, estadual e municipal, respectivamente pelo comandante do 4º Comando Aéreo Regional, MAJOR-BRIGADEIRO ROBERTO AUGUSTO CARRÃO DE ANDRADE, Governador PAULO EGYDIO MARTINS e Prefeito OLAVO SETÚBAL, ao som do Hino Nacional, no IBIRAPUERA. Além deles, estiveram presentes o ex-prefeito MIGUEL COLASSUONO, o ex-governador LAUDO NATEL, o TENENTE-CORONEL EDUARDO LUÍS PIRAGIBE FERREIRA, representando o Comandante do II Exército, o vice-almirante ROBERTO MARIO MONERAT, do 6º Distrito Naval e os secretários de Estado e do município. Após o hasteamento, o governador PAULO EGYDIO e o prefeito OLAVO SETÚBAL depositam flores junto ao mausoléu do Soldado Constitucionalista, sob as inscrições “MMDC – VIVERAM POUCO PARA MORRER BEM; MORRERAM JOVENS PARA VIVER SEMPRE”.
O PADRE ELISEU MURARI, capelão de 32, celebrou uma missa campal, em homenagem aos mortos da Revolução. Foram também lembrados os veteranos e as viúvas que, nos palanques, exibiam as medalhas dos esposos mortos e portavam seus velhos capacetes.  A Banda de Música abriu os desfiles, com a Canção dos Expedicionários, de autoria de GUILHERME DE ALMEIDA e música do maestro SPÁRTACO ROSSI. O desfile cívico-militar, no IBIRAPUERA, durou mais de uma hora e contou com a participação de aproximadamente 5 mil pessoas. Desfilaram primeiro os Escoteiros de São Paulo, empunhando dezenas de bandeiras nacionais e, a seguir, os pavilhões de todos os Estados. ALAYDE BORBA, uma das mulheres que mais participou do Movimento Constitucionalista, dirigiu o desfile das senhoras que atuaram na retaguarda de 32, por meio da LIGA DAS SENHORAS CATÓLICAS e da UNIÃO FEMININA PAULISTA. Ela ainda é o símbolo da mulher na Revolução: “o retorno de PEDRO DE TOLEDO do exílio poderia causar sérios distúrbios nas ruas de São Paulo e ALAYDE, que dirigia a comissão encarregada de recebê-lo admitia esta ameaça. Foi então que ela decidiu procurar o GENERAL DAUTO FILHO, no QG na rua Conselheiro Crispiniano, e garantiu ao general que a recepção a PEDRO DE TOLEDO e a JÚLIO MESQUITA FILHO transcorreria em ordem, não sendo necessária a presença das tropas militares nas ruas. O general concordou e a multidão pôde recepcionar seus líderes exilados”, relembra um veterano de 32.  
40 a. Desfile cívico pelas ruas centrais de SOROCABA, com uma viatura do Corpo de Bombeiros conduzindo os ex-combatentes sorocabanos, ladeados pelo Regimento de Cavalaria do 7º BPMI, viaturas policiais e motocicletas, além da banda do 7º BPMI, em 9 de julho de 1977. Às 9 horas, após o desfile, na Praça CORONEL FERNANDO PRESTES, o “toque de reunir” dá início às solenidades comemorativas do 45º Aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932. O CORONEL FÉLIX ESTEVES JÚNIOR, Chefe do 14º CSM, ao som do Hino Nacional, hasteia a Bandeira Nacional; o CORONEL PM CLODOMIRO JOSÉ PASCHOAL, Comandante do CPA/I-7, ao som do Hino da Polícia Militar, hasteia a bandeira paulista; o prefeito de SOROCABA, JOSÉ THEODORO MENDES, ao som do Hino do município, hasteia a bandeira sorocabana. Prosseguindo, o TENENTE-CORONEL PM PLÍNIO CARLOS DE MELLO, Comandante do 7º BPMI e o vereador EDWARD FRU FRU MARCIANO DA SILVA entregam uma coroa de flores que é  posteriormente levada para o Monumento do Soldado Constitucionalista. Ainda se houve o “toque de silêncio”, a salva de 21 tiros com ruflar de tambores e execução da Marcha Fúnebre, de CHOPIN, pela banda do 7º BPMI.
JORGE MANCINI, presidente fundador da Associação dos Ex-Combatentes de São Paulo discursa e faz a chamada simbólica dos voluntários de SOROCABA. Também falam o prefeito JOSÉ THEODORO MENDES e o presidente da Associação dos Veteranos de 32, OSWALDO EUZÉBIO DE CAMARGO BARROS. É aberta no SOROCABA CLUBE a exposição das peças da Revolução Constitucionalista, pertencentes a JORGE MANCINI, bem como recortes de jornais, documentos da época, bandeiras, fotografias, estandartes, escudos, uniformes, capacetes, selos, cartões do correio militar, bônus rotativo, diplomas das doações “ouro para o bem de São Paulo”, quadros demonstrativos, balas de canhões, etc. Segundo JORGE MANCINI, esse trabalho é realizado por ele numa promoção da Associação dos Ex-Combatentes de São Paulo, sem qualquer remuneração ou auxílio oficial ou particular, “apenas para manter viva uma das páginas mais gloriosas da história do povo paulista”.    
40 a. da inauguração do TREVO DE 32, uma homenagem à REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, em SÃO PAULO. O complexo viário que interliga a MARGINAL PINHEIROS, a MARGINAL TIETÊ e a rodovia CASTELLO BRANCO, inaugurado em 9 de julho de 1978, ganhou o apelido de “CEBOLÃO” e o povo desconhece o verdadeiro nome do complexo. 
39 a. transf. reserva :Cel. JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA, Cel. WALTER CAVALCANTE DE BARROS, Ten.Cel. AMADO DO NASCIMENTO, Ten.Cel. OCTÁVIO FRANCO DE LIMA e Ten.Cel. SALVADOR SCAFÓGLIO, em 9 de julho de 1979. Outras anotações nesta data: estou encerrando o 29º tomo de minhas memórias. O CORONEL PM RIGONATTO e o TENENTE-CORONEL PM BELICKAS estão dispensados nesta segunda-feira. Responde pelo Comando o MAJOR PM MOACYR DE SIQUEIRA.
Vou ao Clube dos Oficiais pagar o consórcio de automóveis. O TENENTE-CORONEL PM GASPARINI está no 1º BPChq onde começa uma inspeção do IGPM/4 ao choque.
O carro que me serve começa a funcionar na base de álcool.
Os 47 anos da Revolução Constitucionalista são comemorados condignamente neste 9 de Julho. Assisto pela TV as cerimônias no IBIRAPUERA.
O Velho Caminho do Mar é reinaugurado pelo Governador MALUF.
O SKYLAB cairá entre 10 e 12 de julho.
Morte do compositor SÉRGIO BITTENCOURT, aos 38 anos de idade, vítima de um infarto. Era filho de JACOB DO BANDOLIM.
Apresentação do recruta SANTIAGO CARRASCO, assassino do jornalista BILL STEWART. 
38 a. falece VINÍCIUS DE MORAES, escritor e diplomata brasileiro, em 9 de julho de 1980.  Nasceu em 19 de outubro de 1913, no RIO DE JANEIRO. Foram publicadas três biografias dele: O POETA DA PAIXÃO, de JOSÉ CASTELLO; VINICIUS SEM PONTO FINAL, de JOÃO CARLOS PECCI; e um livro compacto, editado como brinde de uma construtora, escrito por PAULO MENDES CAMPOS, nos anos 80. A Companhia de Letras lançou QUERIDO POETA, coletânea de sua correspondência organizada pelo escritor RUY CASTRO – uma obra definitiva sobre o VINICIUS íntimo dos amigos, mulheres e parentes. VINICIUS DE MORAES morreu no dia 9 de julho de 1980. O seu grande pique autoral como compositor popular se deu a partir de 1956, quando pôs letra em várias melodias de TOM JOBIM, inclusive a antológica SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ. Depois veio a bossa nova e daí para a frente a história é muito conhecida. O que pouca gente sabe é que VINICIUS, além de letrista, foi um melodista bissexto admirável. Criou sozinho a SERENATA DO ADEUS que o mestre BADEN POWELL, seu parceiro em tantas outras peças, considerava uma obra-prima. Na novela das oito, da GLOBO, MULHERES APAIXONADAS, teve como abertura sonora, PELA LUZ DOS OLHOS TEUS, que muitos pensam ser de TOM JOBIM. É de VINICIUS DE MORAES, letra e música.      
36 a. um avião BOEING explode em NOVA ORLEANS (EUA), deixando 144 mortos, em 9 de julho de 1982.
36 a. do 51º Aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, em 9 de julho de 1983. No IBIRAPUERA, defronte o Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932: 10 horas – Recepção das Autoridades; Oração do Acadêmico PAULO BOMFIM; Deposição de coras de flores pelos Excelentíssimos Senhores Governador do Estado, Prefeito Municipal e Presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC junto ao Herói Jacente na cripta do Monumento; Desfile Cívico-Militar: Grupamento Civil – integrado pelo Exército Constitucionalista, FEB e Ex-Combatentes Aliados, sob o Comando do CORONEL R/1 MONSENHOR JOÃO PHEENEY DE CAMARGO E SILVA; Grupamento Militar – integrado pela Polícia Militar do Estado de São Paulo.
21:00 horas – Sessão Solene alusiva à data, promovida pelo co-irmão CLUBE PIRATININGA, em sua sede social à ALAMEDA BARROS, 376 – SANTA CECÍLIA – e concerto pela Banda Sinfônica da Polícia Militar de São Paulo.
  35 a. falece o cantor BIENVENIDO GRANDA, em 9 de julho de 1983.
  34 a. ministros de Defesa da ALEMANHA, FRANÇA, GRÃ-BRETANHA, ITÁLIA e ESPANHA assinam em MADRI um acordo para a fabricação de um avião de combate europeu, em 9 de julho de 1984.
  33 a. falece o Cel. PAULO CAMARGO FILHO, em 9 de julho de 1985.
  31 a. inauguração da “PASSARELA DO PIQUES”, em 9 de julho de 1987. Outras anotações nesta data: em 9 de julho de 1950, com 13 anos de idade, comecei a escrever minhas memórias. Hoje encerramos o 37º tomo. Teremos uma data cheia com as obrigações cívicas do CAES com relação ao DIA DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA, além da parte formal de estudos.
Por coincidência, em 1985 (há dois anos), falecia o então Comandante do CAES – CORONEL PM PAULO CAMARGO FILHO.
No CAES, das 9 horas às 12:30 horas uma grande preocupação com o Sistema 18 LOSA, complicadíssimo para mim. Há muito tempo não ouço falar desse tipo de sistema, hoje completamente mudado.
O 3º BPChq foi desfilar, hoje cedo, no IBIRAPUERA.
LUCINDA vai à casa de sua irmã ESMERALDA. O PM BATISTA leva-a. Mais uma vez ela se preocupa com uma possível operação da bexiga, mais ou menos como já aconteceu em 1983 e que deixou para mais tarde porque o PAULO CÉSAR era muito pequeno. No entanto, o menino não desgruda da avó, embora tenha sete anos. Ela não quer fazer a operação na CRUZ AZUL. Em hospital particular fica em vinte mil cruzados, por enquanto.
Na tarde procuro oficiais que entendem da área de informática. Entre eles os TENENTES CIDO e LÚCIO.
Vamos buscar LUCINDA e PAULO CÉSAR na casa de dona ESMERALDA. LUCINDA fala a respeito da consulta que fez com a médica SÔNIA REGINA ALLEGRETTI.
Fica mais fácil comprar carros. O prazo que era de 24 meses é esticado para 40. Outros bens duráveis, como televisores, geladeiras, videocassetes, pode ter grupos de até 25 meses.
Na remoção dos escombros do prédio da CESP é encontrado o corpo do vigia WÁGNER PETINARI, desaparecido desde a noite do incêndio, em 21 de junho.
COPA AMERICA – semifinal: URUGUAI 1 x ARGENTINA 0.   
  30 a. das seguintes anotações em 9 de julho de 1988 (sábado): “Encerro hoje o 38º tomo de minhas memórias. No longínquo 9 de julho de 1950, comecei a escrever meu diário. Hoje, aos 51 anos de idade, Coronel da PM, Comandante da ÁREA CENTRO, com mais de 30 anos de serviço na Polícia Militar do Estado de SÃO PAULO, relembro essa data já tão distante e, ao mesmo tempo, tão viva na minha memória. Amanhã, começarei a escrever o meu 39º tomo de memórias. Vou ao IBIRAPUERA, no Monumento-Mausoléu do Soldado Constitucionalista. Ali, em companhia de muita gente assisto a programação constante do Convite da Sociedade Veteranos de 32-MMDC. O Governador ORESTES QUÉRCIA preside a solenidade. Presença do GENERAL DE EXÉRCITO CORREIA NETO, Comandante do EXÉRCITO SUDESTE, Dr LUIZ ANTÔNIO FLEURY FILHO, secretário da Segurança Pública. CORONEL PM CORREIA LEITE, COMANDANTE GERAL DA PMESP e muito oficiais da PM: CORONEL SCHMIDT, CORONEL UBIRATAN, CORONEL TEIXEIRA, CORONEL MEDEIROS, TENENTE-CORONEL ALTINO, TENENTE-CORONEL PORT, TENENTE-CORONEL SEVERINO, TENENTE-CORONEL CLERC, TENENTE-CORONEL LORENCINI, TENENTE-CORONEL SALLES JÚNIOR e outros. O CORONEL AMÉRICO comanda o GRUPAMENTO MILITAR. O TENENTE-CORONEL GANDOLFI é o comandante das tropas a pé. MONSENHOR JOÃO PHEENEY DE CAMARGO E SILVA, Presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, tem dificuldades para se locomover. Ele está com 80 anos de idade. A multidão vibra com o desfile dos veteranos, quase todos com uma idade já bem avançada, entre 70 e 80 anos. Deixo o IBIRAPUERA quase ao meio-dia. Em casa, o Sr. JOSÉ e o JOÃO RICARDO estão construindo as prateleiras no quartinho da biblioteca. LUCINDA vai à casa da MARLENE. Sua filha prepara-se para o casamento de uma sua colega com um sargento da PM. Acabo de ler o romance HOLOCAUSTO. WÁLTER BODINI, Secretário de Vias Públicas, representou o Prefeito JÂNIO QUADROS na inauguração da “PASSARELA DO PIQUES” que permite o acesso de pedestres à PRAÇA DAS BANDEIRAS, sobre as avenidas 23 de maio e 9 de julho”.
30 a. da Transmissão de Comando do Exército Constitucionalista pelo veterano JOSÉ BENEDICTO SILVEIRA PEIXOTO ao veterano CORONEL NELSON DE PAULA CAMPOS, em 9 de julho de 1988. Tomam posse os novos dirigentes da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, que irão cuidar do MMDC no triênio 09-07-1988/09-07-1991.
CONSELHO SUPREMO:
Presidente - Cel PM Res HELIODORO TENÓRIO DA ROCHA MARQUES
Vice – Presidente - Dr JOSÉ BENEDITO SILVEIRA PEIXOTO
Secretário – Cel PM Res RAIMUNDO ARY DE MENEZES
DIRETORIA EXECUTIVA:
Presidente: Cel R/1 – MONSENHOR JOÃO PHEENEY DE CAMARGO E SILVA
Vice- Presidente – Cel PM Res FRANCISCO ANTONIO BIANCO JÚNIOR
1º Secretário – Prof. GERALDO PIRES DE OLIVEIRA
2º Secretário – Dr LUIZ FRANCISCO GUARINON
1º Tesoureiro – Sr FRANCISCO CALDEIRA BELLEGARDE FILHO
2º Tesoureiro – Dr WALTER FERREIRA MARTINS DE CARVALHO
Diretor de Cerimonial – Cel PM Res RAIMUNDO ARY DE MENEZES
Diretor de Comunicações Sociais – Dr JOSÉ BENEDICTO SILVEIRA PEIXOTO
Diretor do Museu Histórico e Biblioteca – Sr SEVERINO DOS SANTOS
Diretor do Monumento-Mausoléu do Soldado Constitucionalista – Sr GERALDO FARIA MARCONDES
Diretor da Sede – Sr MANOEL DIAS DE OLIVEIRA
Capelão da Cripta do Mausoléu – Cel R/1 – Mons. JOÃO PHEENEY DE CAMARGO E SILVA
CONSELHO FISCAL:
Desembargador ANTONIO CARLOS ALVES BRAGA
Sr. THEOBALDO DE FREITAS LEITÃO
Dr. MAX BASILE
Sr. PAULO BASTOS
Ten Cel PM Res NELSON DE PAULA CAMPOS
COMISSÃO DE SINDICANCIA
Sr. JOSÉ LEANDRO DE BARROS PIMENTEL
Dr BENEDITO LANG
Ten Cel PM Res ANTONIO FERNÁNDEZ
Sr MANOEL DIAS DE OLIVEIRA
Prof. GERALDO PIRES DE OLIVEIRA
29 a. do desastre que vitimou o ex-jogador de futebol corinthiano  SÉRGIO GIL, em 9 de julho de 1989.
28 a. de SÃO PAULO JÁ, da rede GLOBO. A primeira edição desse programa foi ao ar em 9 de julho de 1990.
28 a. falecem: a princesinha do samba MARÍLIA BATISTA e o ex-jogador de futebol FAUSTINO, em 9 de julho de 1990.
27 a. do envenenamento do LELO, cachorro de estimação da MARLENE, em 9 de julho de 1991.
27 a. falec. ex- Ministro ALFREDO BUZAID, em 9 de julho de 1991.
25 a. da nomeação do CORONEL Res. WILSON ROMÃO para a DIRETORIA DA POLÍCIA FEDERAL, em 9 de julho de 1993. 
25 a. da operação de busca na mansão do empresário PAULO CÉSAR FARIAS, em MACEIÓ. Surpresos com a chegada dos policiais, seguranças de PC esboçaram uma reação, mas foram intimidados pelos federais. “Sai da frente, vocês não mandam mais aqui”, gritou um agente, afastando um empregado que tentou impedir a entrada na casa. Os policiais passaram quase cinco horas na casa de PC e apreenderam armas, aparelhos de radioamador, mensagens de telex e três chapas frias de automóveis, em 9 de julho de 1993. 
24 a. KIM JONG II, filho do falecido presidente KIM IL-SUNG, se proclama o novo chefe de Estado da CORÉIA DO NORTE, em 9 de julho de 1994.
24 a. de BRASIL 3 x HOLANDA 2 nas quartas–de -final da COPA DO MUNDO 1994, nos EUA. Em uma disputa dramática, a seleção brasileira venceu a HOLANDA. A equipe comandada pelo técnico CARLOS ALBERTO PARREIRA vencia por 2 a 0, cedeu empate ao time holandês, mas conseguiu garantir a vaga nas semifinais do campeonato com gol de falta de BRANCO. Cerca de 40 mil pessoas juntaram-se próximo ao telão montado no ANHANGABAÚ e fizeram o vale explodir de alegria quando soou o apito final do costa-riquenho RODRIGO BATILLA. Esse jogo aconteceu em 9 de julho de 1994.
23 a. falece ELPÍDIO REALE, ex-Secretário da Segurança Pública do Estado de SÃO PAULO, em 9 de julho de 1995.     
22 a. falece o Cel. Ref. CYRÊNIO LEITE PENTEADO, em 9 de julho de 1996.
22 a. histórica visita do presidente sul-africano, NELSON MANDELA, ao REINO UNIDO, em 9 de julho de 1996. A rainha ELISABETH II o chama MANDELA de “SALVADOR DA ÁFRICA DO SUL”.
22 a. da passagem de Comando do Exército Constitucionalista, do Veterano de 32 GERALDO PIRES DE OLIVEIRA para o veterano SEVERINO DOS SANTOS (falecido em 24 de setembro de 1998), no dia 9 de julho de 1996. Em 2001, por determinação descabida do presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, Cel. Carlos Augusto de Mello Araújo, o Sr. PIRES assumiria pela segunda vez esse cargo. Tinha sido escolhido por mim o CAPITÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO R/R, GINO STRUFFALDI, que o Cel. MELLO ARAÚJO achou de vetar pelo fato do mesmo ser maçom. O abuso de autoridade foi latente nesse episódio triste para o MMDC. A falha do prepotente oficial, CORONEL MELO ARAÚJO, somente foi corrigida em 2002 quando o CAPITÃO EB R/R GINO STRUFFALDI assumiu o comando do Exército Constitucionalista em 9 de julho daquele ano. No dia 7 de julho de 2005, quando a Sociedade Veteranos de 32-MMDC completou 51 anos de existência, aquele ex-combatente que foi rejeitado pelo polêmico CORONEL PM Res MELO ARAÚJO, passou a ser o PRESIDENTE DA DIRETORIA EXECUTIVA da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, demonstrando o quanto estava equivocado o infeliz coronel. No primeiro ano de sua presidência, GINO STRUFFALDI demonstrou alto tirocínio, sanou as finanças e expandiu a Sociedade Veteranos de 32-MMDC, com organizações de novos núcleos: BOTUCATU, ITAPEVA, GUARULHOS, ARARAQUARA, GUARULHOS, SÃO MIGUEL PAULISTA, além dos já existentes núcleos de SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, de JAÚ e da LAPA. 
21 a. fim em MADRI da maior reunião da história da OTAN, com a assinatura de um tratado com a UCRÂNIA e o acordo de integração na Aliança da POLÔNIA, HUNGRIA e a REPÚBLICA TCHECA, em 9 de julho de 1997.
21 a. da entrevista na TV GAZETA, sobre o MMDC, no programa  “MULHERES”, da YONE BORGES, no dia 9 de julho de 1997.   
21 a. da solenidade de entrega do COMANDO DO EXÉRCITO CONSTITUCIONALISTA pelo veterano SEVERINO DOS SANTOS para o veterano PAULINO DELFINO NOGUEIRA (falecido em 7 de junho de 2003). Esse ato aconteceu em 9 de julho de 1997. Outras anotações nesta data: na madrugada, por causa da queda de um cabo da rede elétrica, passageiros depredaram a Estação PIRITUBA, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Saio de casa às 6 horas, indo de carro para o IBIRAPUERA. Assim, defronte o Monumento Mausoléu começo a enfrentar os primeiros problemas que antecedem a Solenidade do 65º Aniversário do Movimento Constitucionalista de 32: puseram cola no cadeado que prende a corrente que impede o acesso ao estacionamento 2 onde ficarão os carros das autoridades. Temos que mandar quebrar a corrente. Depois, a carretilha superior do mastro onde será hasteada a bandeira nacional está presa. Somos obrigados a chamar os bombeiros para consertar isso. O MAJOR PM MENDONÇA, encarregado do hasteamento das bandeiras está bastante preocupado. Observamos que o IBIRAPUERA recebe um público superior, três vezes mais, do que o ano passado. Por ser feriado nacional, a multidão comparece para assistir a festa. Vamos encontrando os conhecidos, as equipes de reportagem, parentes dos veteranos, pessoas que serão agraciadas com as Medalhas da Sociedade Veteranos de 32, enfim, os minutos passam rapidamente. O CORONEL ARY CANAVÓ consegue trazer dona JACYRA BRAGA DE OLIVEIRA, trineta de TIRADENTES. Mantenho contato com os Coronéis MASCARENHAS (coordenador geral do evento), TURESSI, OLDECIR, GUIMARÃES, SUZANO, LUÍS LUCAS, VITÓRIA, LEMES, ANTÔNIO CHIARI, PAULO CÉZAR NEVES, LELCES, HYPÓLITO, ZIMERMANN, WANDERLEY SILVA, SERAU, CARLOS ALBERTO DE CAMARGO, além de tenentes-coronéis, majores, capitães e tenentes presentes. Destaco aqui o empenho do CABO PM RICARDO, quanto aos problemas do Monumento Mausoléu e da CAPITÃO PM SUZUKI na organização da apresentação dos veteranos para a passagem do Comando do Exército Constitucionalista, que inicia a solenidade, após o hasteamento das bandeiras. A festa, este ano, atraiu um público maior, cerca de 6 mil pessoas, segundo estimativa da Guarda Civil Metropolitana. ADOLFO CILENTO NETO se expressou da seguinte maneira: “As pessoas estão mais interessadas em uma parte importante da história.”
Recebem a Medalha CONSTITUCIONALISTA: GENERAL-DE-EXÉRCITO JOUBERT DE OLIVEIRA BRÍZIDA, Comandante do Exército Sudeste; GENERAL-DE-DIVISÃO NELSON BORGES MOLINARI, Comandante da 2ª Divisão de Exército; TENENTE-BRIGADEIRO-DO-AR CLÓVIS PAVAN. GENERAL-DE-BRIGADA RUBENS RESSTELL; CORONEL ERASMO DIAS, deputado estadual; GILBERTO KASSAB, Secretário do Planejamento da Prefeitura; WALTER FELDMAN, Chefe da Casa Civil do Governador; GUILHERME GIANETTI (autor da lei que transformou o 9 de Julho em feriado oficial do Estado), Deputado Estadual; GUILHERME DE OLIVEIRA FIGUEIREDO (homenagem póstuma).
MEDALHA MMDC: GENERAL-DE-DIVISÃO ARBY ILGO RECH, Comandante da 2ª Região Militar; CORONEL ELIASAR DE OLIVEIRA ALMEIDA, Chefe da 5ª Seção do Estado Maior do Comando Sudeste; CAPITÃO-DE-CORVETA RAFAEL LOPES DE MATOS, Comandante da Capitania dos Portos do Estado do RIO GRANDE DO SUL; CORONEL P Fem VITÓRIA BRASÍLIA DE SOUZA LIMA, Comandante da Polícia Feminina; CORONEL PM LUIS LUCAS; CORONEL PM GERALDO DE MENEZES GOMES, Presidente do Clube dos Oficiais da PMESP; Professor LUIZ GONZAGA DE FREITAS, vice-reitor do Colégio SÃO BENTO; AURORA ALVAREZ MACORIM CHADDAD, veterana do Movimento Constitucionalista; JOSÉ PAULO VIRGÍNIO, filho do veterano PAULO VIRGÍNIO; VALDEMAR BITTENCOURT DE CARVALHO, veterano do Movimento Constitucionalista; Professor Padre ANTÔNIO SÉRGIO PALOMBO DE MAGALHÃES, Presidente da Cruz Vermelha de MINAS GERAIS.
MEDALHA GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO: TENENTE PM ALEKSANDER TOALDO LACERDA, oficial do 1º BPChoque “TOBIAS DE AGUIAR”; Senhora YONE QUARTIM, Escritora do livro “MACKENZIE NA REVOLUÇÃO DE 32”; Doutora MARIA AUGUSTA TIBIRIÇÁ MIRANDA, escritora do livro “ALICE TIBIRIÇÁ: LUTAS E IDEAIS; Senhora ODETTE COPPOS, escritora “A REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 32”; MIGUEL REALE; MARIA ISABEL BARROSO DE ALMEIDA (neta de GUILHERME DE ALMEIDA), SAURO JOSE BARTOLOMEI, Chefe do Grupo Escoteiro “9 de Julho”; CLEBER GILBERTO DE ARAÚJO JUNIOR, Presidente do CLUBE PIRATININGA; Doutor ANTÔNIO PENTEADO MENDONÇA, articulista do JORNAL DA TARDE; MAJOR PM ANTÔNIO CARLOS BIAGIONI, da Seção de Comunicação Social da PMESP.     
19 a. CARLOS SAÚL MENEM, governador da província de LA RIOJA, é designado candidato peronista à presidência da República Argentina, em 9 de julho de 1998.
19 a. da passagem do Comando do EXÉRCITO CONSTITUCIONALISTA: VETERANO PAULINO DELFINO NOGUEIRA (falecido em 7 de junho de 2003) para o veterano CORONEL DO EXÉRCITO BRASILEIRO ATILIANO MARTINS CORRÊA (também já falecido). Em 9 de julho de 1998. Outras anotações nesta data: chove durante toda a madrugada. Apesar do tempo frio, antes das 7 horas chega em casa o CORONEL PM ANTÔNIO CARLOS MENDES que, num gesto elegante e amigo, comprometeu-se ontem de me levar ao IBIRAPUERA, dado o meu estado de saúde. Acontece que, lamentavelmente, talvez o MENDES esteja pior de saúde do que eu. Está com duas costelas trincadas e tem dificuldade para dirigir. Com denodo, muito interesse pelas coisas do MMDC, o MENDES chega comigo ao IBIRAPUERA antes das 8 horas. Vamos encontrando muita gente conhecida e que, para relatar neste diário, ocuparia várias páginas. Com a chegada do Comandante Geral, CORONEL PM CARLOS ALBERTO DE CAMARGO – e seu Sub Cmt CORONEL PM JOSÉ CARLOS BONONI – começa a solenidade com o hasteamento das Bandeiras. CORONEL PM RENALDO, CORONEL PM VERARDINO, CORONEL PM ARY RAPOSO DE FARIA, CORONEL PM ROBERTO LEMES DA SILVA, CORONEL PM ANTÔNIO CHIARI, CORONEL PM ADMIR BENTO, CORONEL PM LELCES, CORONEL PM HYPÓLITO, CORONEL PM ZIMMERMANN, CORONEL PM VALDIR SUZANO, CORONEL PM TURESSI, CORONEL PM GERSON, CORONEL PM AZEVEDO, CORONEL PM PAULO RÉGIS SALGADO, CORONEL PM CARCHEDI, CORONEL PM TOSTA, CORONEL PM JOSÉ VASCONCELLOS FILHO e outros oficiais comparecem em massa neste 9 de Julho, demonstrando uma Polícia Militar coesa e altamente identificada com o Movimento Constitucionalista de 1932. O povo que aflui ao IBIRAPUERA, apesar do chuvisqueiro, e numeroso. Os veteranos e seus parentes, os agraciados com as Medalhas MMDC, CONSTITUCIONALISTA e PEDRO DE TOLEDO engrossam o número dos presentes.
O veterano PAULINO DELFINO NOGUEIRA entrega o Comando do Exército Constitucionalista ao CORONEL EB Reformado ATILIANO MARTINS CORREIA. Os restos mortais de oito veteranos são conduzidos por cadetes até a frente do palanque principal. Homenageados os heróis falecidos, as urnas são conduzidas para o interior do mausoléu. Chega o governador em exercício, GERALDO ALCKMIN. Procede-se a entrega das Medalhas. ALCKMIN faz uso da palavra após as condecorações e a transmissão simultânea dos capacetes: o veterano de 32 para o seu descendente. Um magnífico desfile cívico militar vai coroar a Solenidade. Conversamos com muitos conhecidos e, aos poucos, o local da festa vai ficando vazio. Apesar de estar sofrendo por causa das duas costelas quebradas, o MENDES leva-me para almoçar num restaurante da LIBERDADE. Em seguida, às 13 horas, estamos na Assembléia Legislativa. Ali, o MENDES “mata” as saudades dos dois anos e alguns meses que trabalhou na Assistência Militar. Conversamos com os oficiais da atual Assistência Militar. Encontramos muitos amigos na Assembléia: Deputado ERASMO DIAS, ISRAEL DIAS NOVAES, conselheiro WALLACE, do Tribunal de Contas, conselheiro EDUARDO BITTENCOURT e seu pai; PAULINO DELFINO NOGUEIRA, CORONEL ARY CANAVÓ (de capacete e lenço branco, uma figura ridícula porque tenta personificar o que não foi). A sessão solene na Assembléia é dedicada ao 9 de Julho. São agraciados vários veteranos com a Medalha da CONSTITUIÇÃO. Também recebo essa honraria, embora não me julgue merecedor de tal prêmio. O MENDES é surpreendido quando chamam meu nome porque eu nada dissera a ele. O CORONEL PM ROBERTO MENDES DA SILVA, o CORONEL ARY CANAVÓ e muitos outros também são agraciados com a Medalha.
Passam das 16 horas quando, embaixo de chuva, deixamos a Assembléia. Os dois estropiados, o MENDES e eu, retornamos para GUARULHOS. Meu colega de turma traz-me até em casa. Demonstrou ele muita gentileza em dar o amparo necessário para mim. Se não fosse o MENDES, eu não iria ao IBIRAPUERA nesta data, tal o estado lastimável em que me encontro.
Descanso. Às 22:30 horas o CANAL 21 apresenta um delicioso documentário sobre as Comemorações do 9 de Julho de 1954, como parte das comemorações do QUARTO CENTENÁRIO DE SÃO PAULO. O Movimento Constitucionalista naquele 1954 foi comemorado com todas as pompas possíveis. Foram três dias de comemorações (9,10 e 11) com atos cívicos e religiosos, a tão falada “chuva de prata” na noite de 10 de julho, esportes, números de circo, desfile de fanfarras e, no dia 11 de julho, com a queima de fogos que eletrizou o VALE DO ANHANGABAÚ. O corneteiro ELIAS dá o seu depoimento sobre esse acontecimento. O ex-combatente ENÉAS MACHADO DE ASSIS, grande nome do rádio brasileiro. MÁRIO ZAN, INEZITA BARROSO, MORGANA, o atleta VALDEMAR FERREIRA DA SILVA, PARREIRINHA e outras pessoas relembram essas comemorações de 1954.
Dessa maneira vou encerrando o 48º ano de minhas memórias. Lembro que foi no 9 de julho de 1950 que comecei a escrever meu diário. Numa feliz coincidência, o 9 de Julho passou a significar muito para mim desde que me tornei Secretário da Sociedade Veteranos de 32-MMDC. Encerro o 48º Tomo com um especial agradecimento ao CORONEL PM ANTÔNIO CARLOS MENDES que, com duas costelas trincadas, conduziu-me ao IBIRAPUERA, de uma forma cavalheiresca. Apesar de ter que acompanhar o GRÃO-MESTRE da maçonaria do BRASIL – Desembargador MURILO, agraciado com a MEDALHA CONSTITUCIONALISTA e o Doutor ROMEU BONINI, que recebeu a PEDRO DE TOLEDO, o MENDES sempre quis que eu permanecesse ao seu lado.
A atual cúpula da Polícia Militar cumpriu de forma brilhante o seu papel neste 9 de julho. Negativa é a interferência do CORONEL ARY CANAVÓ querendo conduzir a solenidade para o tal sentimento nativista. Chegou a misturar o Movimento de 32 com o nazismo da 2ª Guerra Mundial, coisas que não têm a mínima relação histórica. Essa “salada” do CORONEL CANAVÓ valeu-lhe críticas exacerbadas por parte de muitos oficiais que presenciaram esses pronunciamentos esdrúxulos.   
19 a. da posse do Sr. GERALDO FARIA MARCONDES na presidência da Sociedade Veteranos de 32-MMDC (9 de julho de 1999); Saia o CEL. EB. R/R ARY CANAVÓ. Em 3 de abril de 2001, o Sr. MARCONDES pediu demissão do cargo e o vice-presidente Cel. Res. CARLOS AUGUSTO DE MELLO ARAÚJO assumiu a presidência. O Cel. Res. MELLO ARAÚJO já anunciava que deixaria de ser presidente depois do NOVE DE JULHO DE 2001 e as eleições para as escolhas dos novos PRESIDENTE e VICE-PRESIDENTE foram  marcadas para 17 de julho de 2001, quando se elegeram para um “mandato tampão” o veterano GERALDO PIRES DE OLIVEIRA (PRESIDENTE) e CORONEL GUIMARÃES (VICE-PRESIDENTE). Eleições em 28 de abril de 2002, numa chapa única, elegeram novamente o Sr. GERALDO FARIA MARCONDES para presidente e o CORONEL PAULO TENÓRIO DA ROCHA MARQUES para vice-presidente. Eles assumiram os cargos em 9 de julho de 2002; posteriormente, por desavenças com o Sr. GERALDO FARIA MARCONDES, o CORONEL PAULO TENÓRIO renunciou à vice-presidência. Por motivo de saúde na pessoa de sua esposa, dona JÚLIA, o Sr. MARCONDES pediu licença da presidência, por tempo indeterminado, em 18 de fevereiro de 2004, assumindo o cargo o vice-presidente CORONEL PM ANTÔNIO CARLOS MENDES. Algum tempo passado o Sr MARCONDES retornou à presidência. Em 2004, ameaçava renunciar novamente, depois do NOVE DE JULHO, criando um vazio tremendo na Sociedade, pois o vice, Cel MENDES, não iria assumir. Por uma série de entraves, principalmente a financeira, atropelado agora pela renúncia do presidente e do vice, eu deixaria a secretaria da Diretoria Executiva, em 13 de julho, pois não dava mais para continuar numa sociedade falida. Com um trabalho estafante e teimoso, elaboramos o novo estatuto da Sociedade, aprovado em ASSEMBLÉIA GERAL no dia 17 de dezembro de 2004. No dia 27 de abril de 2005, em ASSEMBLÉIA GERAL ELEITORAL, foram eleitos: CAPITÃO R/R GINO STRUFFALDI para o cargo de Presidente da Diretoria Executiva; CORONEL PM Res JAIRO PAES DE LIRA para a presidência do Conselho Deliberativo e CORONEL PM Res RENALDO ALVES DA SILVA para a presidência do Conselho Fiscal. Em 7 de julho de 2005, quando a Sociedade Veteranos de 32-MMDC completou 51 anos de existência, os presidentes eleitos tomaram posse em ASSEMBLÉIA GERAL ELEITORAL memorável.  Começava uma nova vida para o MMDB.  A presidência de GINO STRUFFALDI iria até 7 de julho de 2007. Em 30 de abril de 2007 foram reeleitos: para a presidência da Diretoria Executiva, CAPITÃO Ref do Exército GINO STRUFFALDI; para a presidência do Conselho Deliberativo o CORONEL PM Res JAIRO PAES DE LIRA e para a presidência do Conselho Fiscal o advogado FERNANDO LOPES DAVID. No dia 6 de julho de 2007 os eleitos tomaram posse para o mandato 2007/2009. No dia 30 de abril de 2009 foram reeleitos para o biênio 7 de julho de 2009 – 7 de julho de 2011 GINO STRUFFALDI (Diretoria Executiva); CORONEL PM Res, deputado federal, JAIRO PAES DE LIRA (Conselho Deliberativo) e FERNANDO LOPES DAVID (Conselho Fiscal). No dia 7 de julho de 2009 os reeleitos tomaram posse. No dia 29 de abril de 2011, a Assembléia Geral Eleitoral elegeu, por unanimidade o CORONEL PM MARIO FONSECA VENTURA para a presidência da Diretoria Executiva; CORONEL PM JAIRO PAES DE LIRA para a presidência do Conselho Deliberativo e FERNANDO LOPES DAVID para a presidência do Conselho Fiscal para o biênio 2011-2013. No dia 7 de julho de 2011 os eleitos tomaram posse. No dia 30 de abril de 2013 a Assembléia Geral Eleitoral reelegeu o CORONEL PM MARIO FONSECA VENTURA para Presidente da Diretoria Executiva; o CORONEL PM JAIRO PAES DE LIRA para a presidência do Conselho Deliberativo e FERNANDO LOPES DAVID para a presidência do Conselho Fiscal. Tomaram posse em 7 de julho de 2013 para o biênio 2013-2015. Nas eleições de 30 de abril de 2015 o CORONEL PM MARIO FONSECA VENTURA é reeleito para o seu terceiro mandato, bem como o CORONEL PM JAIRO PAES DE LIRA. Para a Presidência do CONSELHO FISCAL é eleito FERNANDO MORENO. No dia 7 de julho de 2015 os presidentes tomaram posse para o biênio 2015-2017. No dia 28 de abril de 2017 o CORONEL PM MÁRIO FONSECA VENTURA é reeleito Presidente da Diretoria Executiva; o CORONEL PM ANTONIO CARLOS MENDES para a Presidência do Conselho Deliberativo e Professor RODRIGO GUTENBERG para a Presidência do Conselho Fiscal. Tomaram posse no dia 7 de julho de 2017 para o biênio 7 de julho de 2017 a 7 de julho de 2019.   
19 a. da inauguração do Complexo Cultural JÚLIO PRESTES e da SALA SÃO  PAULO, em 9 de julho de 1999.
19 a. transf. reserva: MAJOR LUIZ ROBERTO BARBOSA, em 9 de julho de 1999. Em 9 de julho de 1950 comecei a escrever minhas memórias, baseado no “DIÁRIO ÍNTIMO DE HUMBERTO DE CAMPOS”, publicado em capítulos semanais, na revista CRUZEIRO. Tinha apenas 13 anos quando comecei essa aventura do VENTURA que chega hoje aos seus 49 anos. O PM JOÃO GOMES DE OLIVEIRA JUNIOR vai levar, no seu carro, a FÁTIMA, até uma estação do Metrô. Aproveito a “carona” par ir ao encontro do CORONEL PM ANTONIO CARLOS MENDES na Rua PEDRO VICENTE, às 8 horas. O CORONEL PM MENDES está acompanhado de um “irmão”da maçonaria de PIRACAIA. Vamos para o IBIRAPUERA a fim de participarmos do 67º Aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932. Encontramos vários veteranos e o ex-governador de SÃO PAULO, LAUDO NATEL. Conta-me ele que tinha, na época da revolução, 12 anos de idade, mas que lembra muita coisa dessa epopéia. O tempo agrada, ao contrário de 1998. Não tenho os problemas da “gota” e o CORONEL PM MENDES também está livre do trincamento de uma costela, como aconteceu em 1998. O CORONEL ARY CANAVÓ faz figura ridícula. Aparece com um capacete na cabeça e lenço branco no pescoço. Pavoneia-se nos seus últimos momentos como presidente do MMDC. Deveria ter mais sendo de realidade.
O CORONEL Ref EB ATILIANO MARTINS CORREA faz os treinamentos finais para a passagem de Comando ao veterano JOSÉ SOARES MARINS do EXÉRCITO CONSTITUCIONALISTA. Deixava o Comando o Cel EB. R/R ATILIANO MARTINS CORREA (falecido). JOSÉ SOARES MARINS veio a falecer em 28 de setembro de 1999, assumindo o Comando o veterano CARLOS AUGUSTO FRANCISCO SOFFREDI. CARLOS AUGUSTO FRANCISCO SOFFREDI passou o Comando para o veterano JOSUÉ  PEDRO  CYRINO, nas comemorações do 68º. aniversário do MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 32. JOSUÉ PEDRO CYRINO veio a falecer em 13 de maio de 2001. 
Estão presentes: CORONEL PM ROBERTO LEMES DA SILVA, CORONEL PM VALDIR SUZANO, CORONEL PM LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA GUIMARÃES, CORONEL PM LUIZ CARLOS RODRIGUES, CORONEL PM JOSÉ FLÁVIO TURESSI, CORONEL PM GÉRSON DOS SANTOS REZENDE, CORONEL PM LUÍS FRANCISCO COSCIONE, CORONEL PM PAULO RÉGIS SALGADO, CORONEL PM LUIZ ROBERTO CARCHEDI, CORONEL PM OLAVO SANT´ANNA FILHO, CORONEL PM WALDIR DOS SANTOS, CORONEL PM JOÃO FRANCISCO GIURNI DA COSTA, CORONEL PM JOSÉ ANTÔNIO DAVANZZO, CORONEL PM JOSÉ VASCONCELLOS FILHO, CORONEL PM ROBERTO ALEGRETTI, CORONEL PM OSVALDO DE BARROS JÚNIOR, CORONEL PM PAULO MIQUELINI FILHO e muitos outros tenentes-coronéis, majores, capitães e tenentes.
Professor LUIZ GONZAGA DE FREITAS, ARIOVALDO CHACUR e família, AGUINALDO CARNEIRO DA CUNHA, o grupo TELA EM TRANSE (que filma o evento), os homenageados com medalhas, como é o caso do Grão Mestre Adjunto do Grande Oriente do Brasil, que o CORONEL PM MENDES acompanha, vibram com essa imponente solenidade.
Em pasta separada “MMDC – 9 DE JULHO 1999” tenho todos os detalhes do 67º Aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932.
GERALDO PIRES DE OLIVEIRA e seu filho FLÁVIO, veteranos PAULO DELFINO NOGUEIRA, TOLEZANO, JOSÉ SOARES MARINS, CORONEL ATILIANO MARTINS CORREA, JAGUARIBE, GABY, WASHINGTON e vários outros conversam conosco nessa oportunidade.
Após a assunção da Presidência, o senhor GERALDO fica ao lado do governador MARIO COVAS e do Comandante Geral, CORONEL PM RUI CÉSAR MELO.
Com o CORONEL PM MENDES e seu amigo de PIRACAIA vamos deixar o IBIRAPUERA quando já passa do meio-dia. Sentimos que os esforços realizados para que tudo saísse certo foram recompensados, principalmente pelo carinho demonstrado pelos amigos que encontramos durante o desenrolar da solenidade.
Num lotação, regresso a GUARULHOS. Descanso à tarde. Pela TV, assisto reportagens na RECORD e na GLOBO sobre o 67º Aniversário do Movimento Constitucionalista de 1932.
Assisto na TV CULTURA a inauguração do Complexo Cultural JÚLIO PRESTES e da SALA SÃO PAULO pelo Presidente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO e esposa e pelo Governador MÁRIO COVAS e esposa, respectivamente. Em seguida a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, regida pelo maestro JOHN NESCHLING, executa a Sinfonia número 2 – RESSURREIÇÃO – de GUSTAV MAHLER.
A polícia investiga o desaparecimento do empresário HENRIQUE LUÍS VARÉSIO, sócio da Universidade de GUARULHOS e do INTERNACIONAL SHOPPING. Ele está sumido desde a manhã de ontem e seu FORD TAURUS foi encontrado em MAIRIPORÃ com os bancos dianteiros queimados e com o carpete encharcado de gasolina. Nas investigações estão sendo consideradas as hipóteses de sequestro e latrocínio.   
18 a. presidente israelense, EZER WEIZMAN, apresenta sua demissão, em 9 de julho de 2000, após sete anos no cargo, devido a um escândalo de corrupção.
18 a. falece RAIMUNDO TEIXEIRA MENDES, preso político da ditadura e um dos fundadores do PT. Aos 54 anos, vítima de câncer. Em 1970, foi preso e torturado pelo DOI-CODI. recentemente, integrou a representação dos trabalhadores brasileiros no  Mercosul. RAIMUNDO TEIXEIRA MENDES morreu no dia 9 de julho de 2000.   
18 a. falece o jornalista francês HENRI GAULT, no dia 9 de julho de 2000. Aos 70 anos, em PARIS, de causas desconhecidas. Em parceria com CHRISTIAN MILLAU, ele foi o autor de um dos mais respeitados guias gastronômicos do mundo, o “GAULT-MILAU “,  em 1972.