sábado, 30 de novembro de 2019

É BOM SABER.... 30/11/19. MEUS AGRADECIMENTOS AO LUIZ FERNANDO E AO LAURO HENCHEN.


Fwd: *É BOM SABER... 30.11.19.

Caixa de entrada
x

lauro@laurohenchen.com.br

Anexos09:33 (há 12 horas)
para

 

-------- Mensagem original --------
Assunto:*É BOM SABER... 30.11.19.
Data:2019-11-30 04:38
De:"Luiz Fernando" <lfd.dasilva1940@gmail.com>
Para:"Luiz Fernando" <lfd.dasilva1940@gmail.com>

*É BOM  SABER... Não deixe de ler e ver..
INFORMATIVO DIGITAL
Idealizado e selecionado por Luiz Dias  LF 77 05!.png  30.11.19

    Bandeira brilha!.gifFFAA2!.jpgBandeira brilha!.gif
______________________________________________

ATO HISTÓRICO

Idacil Amarilho e Felipe Schittini
                    Palmas!.png
 👇 O ato histórico de ontem do PT na frente do prédio do TRF 4 em Porto Alegre. Foi para pressionar os Desembargadores pela inocência do Carniça. Segundo o Instituto Lula tinha 10 mil pessoas. Segundo o Instituto Idacil tinham 11 petistas.
Ato histórico!.jpg

Orçamento após 20 anos!.jpg
_______________________________________________________________________________________

BLACK FRAUDE
cid:45018e65-63f6-f564-bc03-dc787a43681c@yahoo.com
    Vilma Moniz Portella e Felipe Schittini fschittini@gmail.com enviaram 

_______________________________________________________________________________

Tribunal unânime impõe a Lula sua mais
pesada pena na Lava Jato, 17 anos de prisão
Com o voto do terceiro desembargador da 8ª Turma do TRF-4, Carlos Thompson Flores, Corte amplia condenação do ex-presidente no processo do sítio de Atibaia, inicialmente fixada em 12 anos e 11 meses de reclusão pela juíza Gabriela Hardt
Ricardo Brandt/PORTO ALEGRE
27 de novembro de 2019 | 17h52
Os três desembargadores da Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) – a segunda instância da Operação Lava Jato – condenaram por unanimidade nesta quarta-feira, 27, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do sítio de Atibaia. A pena do petista foi aumentada de 12 anos para 17 anos e um mês de prisão, em regime fechado.
https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/wp-content/uploads/sites/41/2019/11/Lula-12.jpg
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com manifestantes em São Bernardo do Campo. Foto: Denis Ferreira Neto / Estadão
É a segunda sentença em segundo grau de Lula nos processos da Lava Jato, em Curitiba, origem do escândalo Petrobrás. Em janeiro de 2018, o TRF-4 condenou o ex-presidente a 12 anos de prisão no processo do tríplex do Guarujá (SP) e determinou a prisão do petista para início do cumprimento provisório da pena, assim que esgotado os recursos no tribunal. A pena foi depois reduzida para 9 anos, no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Lula foi detido em abril de 2018, após condenação do TRF-4 no caso tríplex. Ele foi solto no último dia 8, após o Supremo Tribunal Federal (STF) rever, um dia antes, seu entendimento de 2016 sobre a legalidade da execução provisória da pena, após julgamento final em segunda instância. Desta vez, não poderá ser detido, antes do trânsito em julgado da ação. Devido a este entendimento, Lula continua em liberdade e assim poderá recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). "A responsabilidade do ex-presidente Lula é bastante elevada. Ocupava o grau de máximo dirigente da nação brasileira", registrou Gebran Neto, em seu voto. "Havia a expectativa que se comportasse em conformidade com o Direito e que coibisse ilicitudes. Ao revés disso, o que se verifica, nesses casos, é uma participação e uma responsabilização pela pratica dos diversos atos de corrupção." O presidente da 8.ª Turma, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, decretou a sentença às 17h4.
Caso do sítio. O petista foi sentenciado em fevereiro pela 13.ª Vara Federal em Curitiba por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas via reformas do sítio de Atibaia, que está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar. Ontem, o TRF-4 julgou os recursos dos réus – tecnicamente chamados de apelação criminal.
https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/wp-content/uploads/sites/41/2019/11/S%C3%ADtio.jpg
Sítio Santa Bárbara. Foto: Márcio Fernandes/Estadão
"Pouco importa se a propriedade formal ou material do sítio é de Bittar ou Lula. Há fortes indicativos que a propriedade possa não ser de Bittar, mas fato é que Lula usava o imóvel com 'animus rem sibi habendi' (que significa uma intenção de ter a coisa como sua). Temos farta documentação de provas", afirmou Gebran Neto. A Lava Jato apontou que o sítio passou por três reformas: uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra da Odebrecht, de R$ 700 mil, e uma terceira reforma na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil. Total de R$ 1,02 milhão gastos pelos acusados. Os pagamentos tiveram relação com negócios na Petrobrás e os caixas de propinas acertados entre as empreiteiras e o PT. Também são réus nesse processo o empresário José Adelmário Pinheiro Neto, o Léo Pinheiro, da OAS, Paulo Gordilho, também da OAS, os empresários Marcelo Odebrecht e Emilio Odebrecht e os ex-executivos do grupo Alexandrino Alencar e Carlos Armando Guedes Paschoal, além do engenheiro Emyr Diniz Costa Junior. Gabriela Hardt absolveu Rogério Aurélio Pimentel, ex-segurança de Lula. Foram absolvidos o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula, que foi sentenciado a dois anos em regime aberto por lavagem de dinheiro na primeira instância. E também pela absolvição do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente com livre acesso ao Planalto durante seu governo.
Preliminares. 
Os desembargadores do TRF-4 negaram por unanimidade a nulidade da sentença do caso do sítio, com base na decisão do STF de outubro de anular uma condenação da Lava Jato, em outro processo, em que réus argumentaram prejuízo no processo, por não poderem apresentar suas alegações finais – a defesa final, antes da sentença – após os réus delatores.
O entendimento dos três desembargadores da 8.ª Turma do TRF-4 foi de que é preciso haver comprovação de prejuízo para o réu delatado para que haja necessidade de apresentação de defesa final posterior a da defesa do delator.
COM A PALAVRA, A DEFESA DO EX-PRESIDENTE LULA
A defesa do ex-presidente pediu a absolvição de Lula e a nulidade do processo. "Não há nenhuma prova que possa mostrar que o ex-presidente Lula tenha solicitado ou recebido qualquer vantagem indevida para prática de um ato de sua atribuição enquanto presidente", afirmou Zanin. "Lula não nomeou diretores da Petrobras e não recebeu vantagem indevida. Peço o acolhimento do recurso de apelação para declarar a nulidade total desta ação penal ou para que o apelante seja absolvido."
COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA ANTÔNIO CLÁUDIO MARIZ DE OLIVEIRA, QUE DEFENDE ROBERTO TEIXEIRA
"O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região fez Justiça ao absolver o advogado Roberto Teixeira, reconhecendo que a sua atuação se deu estritamente no campo profissional. O Tribunal mostrou que a Advocacia não pode ser criminalizada como parece que alguns procuradores da Justiça desejam. Foi uma resposta a essa tentativa de marginalizar a nossa profissão. Foram quatro anos de luta. Agora, juízes absolutamente insuspeitos o inocentaram."
_____________________________________________________________________________________________________________________________operação Lava Jato
Toffoli, o Rolando Lero do STF, e
seu inquebrantável coração petista

José J. de Espíndola #


Sobre Tóffoli!.jpg 

A foto acima mostra Dias Toffoli, na tenra juventude, já mostrando o chapéu, a camisa e o coração irremediavelmente petistas. Foi este seu coração petista que o levou, pelas mãos corruptas de seu padrinho Lula, ao Supremo Tribunal Federal, onde desde então trabalha, incansavelmente, em favor da alta corrupção no Brasil. Quem foi rei sempre será majestade, diz o ditado popular. E quem já foi:
1. Consultor Jurídico da CUT, central sindical petista;
2.  Militante do PT (a foto acima não desmente) desde tenra juventude;
3. Assessor Jurídico da Prefeitura de São Paulo, na gestão da petista Marta Suplicy, do PT;
4. Assessor Jurídico da Liderança do PT na Câmara dos Deputados;
5. Advogado de três campanhas presidenciais petistas de Lula (1998, 2002, 2006);
6. Subchefe de assuntos jurídicos do bandido petista José Dirceu, na Casa Civil;
7. Advogado Geral da União do Grande Canalha, Lula;
8. Ministro do 'Princeps Corruptorum', Lula, no Supremo Tribunal Federal, onde continua ofendendo o Brasil até hoje, será o que?
Será sempre petista. Com ou sem toga, será sempre petista. O excelente Lúcio Mauro, no papel do aluno Aldemar Vigário, costumava perguntar ao Professor Raimundo (Chico Anysio) sobre as causas de coisas absurdas que ocorrem no Brasil. Após obter a resposta do professor, gritava: "Ah! Então é por isso!" Vivesse hoje, Aldemar Vigário haveria de perguntar ao Professor Raymundo sobre o tratamento privilegiado que Toffoli dedica, no STF, aos arquibandidos de colarinho branco, em especial os petistas, que tanto extorquiram o Brasil e que a Lava Jato expôs aos cidadãos deste país e ao mundo. Feitas as explicações, que fatalmente incluiriam a pequena biografia de petista de Toffoli exposta acima, Aldemar Vigário, com sua expressão irônica característica, diria: "Ah! Então é por isso!" Em outra oportunidade, Aldemar Vigário haveria de perguntar sobre a decisão do nosso supremo "Rolando Lero" (outro personagem hilariante da Escolinha), Dias Toffoli, de impedir investigações com base em dados do COAF, da Caixa e do BC, sem autorização judicial; decisão monocrática que tantos malefícios traz ao combate à corrupção no País. Complementaria a pergunta comentando o voto de quatro horas de Toffoli, que ninguém entendeu, a ponto de o ministro Barroso dizer necessitar de um especialista em Javanês para clarificá-lo. O Professor Raymundo então explicaria que o histórico de Toffoli de serviços a corruptos, em especial os petistas, somado ao desejo de acobertar as estranhas informações bancárias de sua mulher e da mulher de seu parceiro de luta em prol da corrupção de alto nível no Brasil, Gilmar Mendes, conforme demonstrado pela Crusoé, deixava tudo muito claro. "Ah! Então é por isso!". Sim, saudoso Aldemar Vigário, deve ser por isso!

# José J. de Espíndola é Engenheiro Mecânico pela UFRGS -- Mestre em Ciências em Engenharia pela PUC-Rio -- Doutor (Ph.D.) pelo Institute of Sound and Vibration Research (ISVR) da Universidade de Southampton, Inglaterra -- Doutor Honoris Causa da UFPR -- Membro Emérito do Comitê de Dinâmica da ABCM -- Detentor do Prêmio Engenharia Mecânica Brasileira da ABCM -- Detentor da Medalha de Reconhecimento da UFSC por Ação Pioneira na Construção da Pós-graduação -- Detentor da Medalha João David Ferreira Lima, concedida pela Câmara Municipal de Florianópolis -- Criador da área de Vibrações e Acústica do Programa de Pós-Graduação em engenharia Mecânica -- Idealizador e criador do LVA, Laboratório de Vibrações e Acústica da UFSC – Agraciado com uma Honorary Session, por suas contribuições ao campo da Dinâmica, pelo Comité de Dinâmica da ABCM no XII International Symposium DINAME, 2007-- Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A falência da ONU

Ipojuca Pontes 

Alegando que passa por grave  crise orçamentária há mais de dez anos , a ONU enviou carta ao Brasil e a outros países que não estão em dia com as suas contribuições de praxe. A organização, que historicamente ambiciona o poder global, faz um apelo dramático para que os Estados membros honrem as respectivas dívidas. Na carta-circular, assinada pelo Secretário-geral, o socialista português Antonio Guterres, informa-se  que a "incerteza financeira" ameaça a capacidade de o famigerado organismo dar continuidade a ações programadas. E cita, pressurosa, entre outros pontos, a impossibilidade de "manter as missões de paz, a realização de viagens oficiais, a promoção de eventos e até o pagamento do seu vasto quadro burocrático e do seu corpo diplomático". Enfim, o secretário-geral das Nações Unidas abre o jogo: "Está se exacerbando uma situação já difícil. Os mecanismos de liquidez estão falhando conosco. Se não tivéssemos contido despesas globalmente desde o início deste ano – ajustando contratações e adiando despesas – não teríamos liquidez para apoiar a abertura da Assembléia Geral". De fato, o orçamento da ONU permanece uma caixa-preta. Para uns, os gastos transcendem a casa de US$ 40 bilhões anuais. Para outros, devido às  "contribuições extras", ultrapassa a cifra de US$ 50 bilhões. De todo modo, há quem garanta que 1/3 desse ervanário é torrado com a elevada folha de pagamento de mais  de 100 mil burocratas, entre eles, assessores, sofisticados diplomatas terceiromundistas, membros do alto-comissariado e aspones temporários. O leguleio da ONU - além do calote de inúmeros países subdesenvolvidos,  do jogo mole de Estados membros emergentes que retardam suas quitações e ainda de países ricos que se recusam a ampliar o valor de suas cotas – advém da decisão de Donald Trump em reduzir parte da contribuição dos Estados Unidos, correspondente a 22% do orçamento total da organização. Indignado com os gastos incontroláveis e os escassos resultados, o presidente americano comparou a ONU – que tem sede em New York custeada pelo governo do Tio Sam – a um "clube de férias". Assim, pensando no bolso do  contribuinte, Trump cortou parte da grana destinada às chamadas "missões de paz" que, em geral, não estabelecem paz alguma, muito menos em áreas adversas aos EUA.  Segundo especialista da setor econômica, o Brasil deve à ONU cerca de R$ 592 milhões (afora o pendura de R$ 4,5 bilhões deixados pela dupla Lula/Dilma aos demais organismos internacionais). Então, a pergunta que se impõe é a seguinte: por qual razão o governo brasileiro iria deixar de investir no Brasil, saturado de problemas econômicos de toda ordem, para manter numa boa a inútil e dispendiosa diplomacia globalista da ONU? Façamos um retrospecto: a ONU foi criada em 28 de de julho de 1945 em San Francisco, nos Estados Unidos, no crepúsculo da 2ª Guerra Mundial, com a aprovação de uma Carta cujos objetivos, nada desprezíveis, eram os de manter a paz entre os povos, controlar a proliferação de armas nucleares, resolver querelas entre nações, fomentar o desenvolvimento, a cooperação e os direitos humanos etc. etc., além de se empenhar, em âmbito planetário, nas tarefas de combater o analfabetismo, a fome e as doenças em geral. À época, cerca de 50 países assinaram a Carta, entre eles, o Brasil.
    (Nota: a ONU é substituta da tristemente célebre Liga das Nações, fundada com os mesmos objetivos em 1920, em Genebra, Suíça, logo após a 1ª Guerra Mundial. A Liga começou a desmoronar, sem choro nem vela, quando os soviéticos, "manu militari", invadiram brutalmente a Finlândia, em 1939).
No final dos anos 1990, andei fuçando corredores e departamentos da ONU à procura de dados sobre a fome no mundo. Vi de perto o gigantesco edifício, na Praça das Nações Unidas, com seus burocratas encasacados e pretensiosos, fios, elevadores e telefones enguiçados. Já circulava a notícia de que a ONU atravessava crise financeira, por hipertrofia, com débitos de bilhões de dólares. Em paralelo, corria o escândalo de Kojo Anann, filho de Kofi Annan, Secretário-geral da ONU, que recebera propina de U$$ 150 mil dólares da Cotecna Inspection Services, uma empresa suíça ligada ao ramo de petróleo. Disse acima que a ONU era ambiciosa. Mas fica só na ambição e no espantoso número de agências e penduricalhos que mantém em várias partes do mundo para enfrentar larga soma de problemas, mas que nem de perto divisa inteiramente, pois sendo uma espécie de Midas às avessas, onde coloca a gigantesca mão burocrática, complica. De fato, visto com vagar, nenhum problema humano substancial foi solucionado pela ONU: guerras, fome, pestes ou o que se possa imaginar em matéria de miséria, proliferam em escala ascendente no mundo, independente da vontade da matrona. Desconfio que se o dinheiro gasto com a ONU e sua vasta burocracia fosse repassado diretamente aos necessitados, teríamos hoje um quadro mundial bem menos indigesto. No momento, empenhados em impor uma agenda globalista, os ativistas da ONU repassam aos Estados membros e suas ONGs endinheiradas a subversiva  parolagem "politicamente correta".. Dia e noite, o mamute procura pautar a cabeça da opinião pública com o trololó do casamento gay, do "aquecimento global", do regime das cotas raciais, da descriminalização do uso da droga etc - tudo para formar o "consenso global" tramado pelo apóstolo do comunismo Antonio Gramsci. Assim, é preciso esclarecer que a ONU terceiromundista não está falida apenas financeiramente. Está também falida política, diplomática e moralmente. A rigor, desde o massacre de Ruanda em 1994, com suas 800 mil mortes desassistidas, a boa consciência humana não a leva mais a sério. Em suma, dar dinheiro à ONU é ato tão despropositado como acender o cigarro na chama de um círio.         

PS 1 – As preconcebidas maldades que a Globo (conhecida pela alcunha de "Globolixo") vem amontoando contra Jair Bolsonaro já seriam motivo suficiente para se cassar a concessão pública do sinal da emissora dos bilionários irmãos Marinho. Brizola, aliás, na campanha presidencial de 1989, chegou a afirmar que essa seria a sua primeira medida caso chegasse à Presidência da República.        
    
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

NIÓBIO

 

Guilhermina Coimbra

)
 
Informar é preciso...
A AUTONOMIA DO BANCO CENTRAL - A
AUTONOMIA DO BACEN E A SOBERANIA DO BRASIL
Profa. Guilhermina Coimbra*

Brasileiros atentos informam e se preocupam, porque, a "autonomia do Banco Central, que se encontra em discussão no Congresso Nacional" é apenas a autonomia em relação ao Governo do Brasil, vez que o Banco Central está apenas seguindo a Agenda Internacional do Banco privado BIS que visa, através dos Bancos Centrais, conquistar a Supremacia sobre a Soberania das Nações: Brasil, a bola da vez. O que se observa é a conquista do Brasil nos mais altos patamares de toda a Máquina do Sistema: as consequências, já estão sendo desastrosas para os residentes no Brasil, prometendo se transformar em um cenário terrível e dolorosamente imaginável. E o grande impedimento para que mudanças positivas aconteçam é a aparente falta de conhecimento dos nacionais e estrangeiros residentes no Brasil - a população - sobre toda a complexidade do processo de conquista aqui descrito. Informar é preciso.
Divulgar ao máximo é mais do que preciso!
* UFRRJ; Currículo Lattes.
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

PARA ADVOGADOS E JUÍZES QUE
DEFENDEM OS GRANDES CRIMINOSOS

cid:16eb3984d58125df04d1

 I - PARTE
Há muitos anos atrás Al Capone dominava a cidade de Chicago-EUA  e, a  maioria dos  crimes como homicídios, contrabando, bebidas, drogas e prostituição tinha a sua participação. Capone tinha um advogado apelidado de " Easy Edie " , que por seu notório saber jurídico e alto envolvimento com a banda podre da polícia, mantinha o seu cliente bem distante da prisão. O advogado ganhava muito e , tinha uma mansão tão grande, que ocupava um quarteirão inteiro numa das ruas de Chicago. Possuía uma grande fortuna e , mostrava pouca preocupação com as atrocidades cometidas por Al Capone. No entanto Easy Edie tinha um filho que amava muito e , apesar do seu envolvimento com o crime organizado ,tentou lhe ensinar o que era certo e o que era errado. Queria que seu filho tornasse um homem de bem, melhor do que ele. Apesar de toda a riqueza ele não podia transmitir ao filho, um nome honrado e um bom exemplo. Um dia Easy chegou a uma difícil decisão. Tentou corrigir as injustiças que tinha praticado em favor do seu cliente. Decidiu que iria às autoridades, e contaria tudo o que sabia sobre Al Capone e sua quadrilha. Com essa atitude limparia o seu nome manchado e ofereceria ao filho, um bom exemplo. E assim procedeu. Dias após foi metralhado e morto pela quadrilha de Al Capone. A polícia recolheu em seus bolsos um rosário, um crucifixo, uma medalha religiosa e um poema , recortado de uma revista e transcrito abaixo: " O relógio da vida recebe corda uma vez e nenhum homem tem o poder de decidir quando os ponteiros pararão, se mais cedo ou mais tarde. Agora é o único tempo que você possui. Viva, ame e trabalhe com vontade e honestidade . Não ponha nenhuma esperança no tempo, pois o relógio pode parar a qualquer momento".

II- PARTE

A Segunda Guerra Mundial produziu muitos heróis. Um deles foi o Cmt Butch O' Hare. Ele era um piloto de caça operando no porta-aviões Lexington, no Pacífico Sul. Um dia a sua esquadrilha foi enviada para uma missão. Quando já estava voando , notou pelo medidor de combustível , que alguém tia esquecido de encher os tanques. Ele não teria condições de cumprir a missão , e comunicou ao chefe da esquadrilha, recebendo de imediato, ordem para voltar para o porta-aviões, e assim procedeu. Quase chegando ao seu destino , observou que uma esquadrilha de aviões japoneses se aproximava do navio para afundá-lo. E que não teria tempo de avisar a sua esquadrilha para ajudá-lo. E sozinho O'Hare investiu contra os caças japoneses. Após intensa batalha conseguiu afugentá-los. Tudo foi documentado pela máquina fotográfica do seu avião. Ao chegar no porta-aviões comunicou de imediato o que ocorrera, ao Cmt do navio. Isso ocorreu no dia 20 de fevereiro de 1942. Por essa ação recebeu a Medalha Congressional de Honra, a mais alta condecoração de bravura na Guerra. No ano seguinte morreu em combate aéreo, aos 29 anos de idade. A cidade de Chicago homenageou um dos seus principais heróis, colocando o seu nome, no mais importante aeroporto da cidade : Aeroporto Butch O' Hara. O que tem a ver a I- PARTE com a II- PARTE : Butch O' Hare era o filho de Easy Eddie

III- PARTE

Considero os grandes criminosos na atualidade brasileira, os traficantes de drogas e os corruptos, principalmente os políticos, agentes públicos e empresários mal intencionados. Os primeiros matam inocentes e destroem as suas famílias para sempre; os corruptos destroem os sonhos de cada brasileiro, retirando deles dinheiro público , que deveria ser empregado na saúde. saneamento, moradias, construção de creches, escolas, estradas, infra - estrutura, melhoria na economia e geração de empregos. Essas medidas minimizariam as desigualdades sociais. Aos advogados e magistrados que os defendem , pensem bem nos malefícios que estão causando ao povo brasileiro, além de mancharem os nomes de seus familiares , além do mal exemplo que estão dando aos seus filhos. A honra, a dignidade e a honestidade não têm preço! Ainda há tempo de mudarem as suas atitudes! Claudio Juchem cjuchem@gmail.com e Felipe Schittini fschittini@gmail.com enviaram
_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS

ÓRGÃOS QUE PODEM SER DOADOS EM VIDA:
- um dos rins. - parte do pulmão. - parte do fígado - medula óssea

ÓRGÃOS E TECIDOS QUE PODEM SER DOADOS APÓS A MORTE:
- rins  pulmões  coração - válvulas cardíacas - fígado.  pâncreas  intestino
- córneas ossos  cartilagens  tendão  veias  pele

O falecido apresentador Gugu Liberato beneficiou 50 pessoas pela sua doação de tecidos e órgãos.
Cada estado brasileiro tem pelo menos um CENTRO DE TRANSPLANTES ,ou seja, um hospital que possa receber órgãos e transplantá- los.
COMO PROCEDER SE EU QUISER DOÁ- LOS:
Não é necessário deixar nada por escrito. O mais importante é avisar a sua família e se possível deixar o telefone do CENTRO DE TRANSPLANTES DO SEU ESTADO.
MAIORES CAUSAS PARA QUE A DOAÇÃO NÃO SEJA EFETUADA
- não autorização da família.
- contra- indicação médica, em caso de infecções.
- morte encefálica não confirmada.
- infraestrutura inadequada para o recebimento do órgão , daí a importância do telefone do CENTRO DE TRANSPLANTES.
cid:9D7FEA6B-79F4-4DA0-87B8-71EC6B877B05 Felipe Schittini fschittini@gmail.com 
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

PAULO GUEDES E O AI-5


Antônio Luiz Tenório - Paulo Schult e Felipe Schittini enviaram 
Paulo Schult
Leia o artigo que critica o ministro Paulo Guedes e logo abaixo a carta de um leitor para o Correio Braziliense. →Paulo Guedes repete ameaça de AI-5 e reforça investida radical do Governo Bolsonaro
Correio Braziliense - Sr. Redator - 28/11/2019
"A gente tem que seguir o exemplo do povo do Chile e atacar (Lula). Não há redenção sem sangue (Benedita da Silva). Tem que fechar o STF (Wadih Damous). Vamos fazer uma guerra civil (CUT). Vamos incendiar o país (MST). Vamos tomar o poder, o que é diferente de ganhar eleição (José Dirceu). Estamos torcendo para que o Brasil vire um Chile (Juliano Medeiros, presidente do PSol). A hora do Brasil vai chegar (Humberto Costa). O povo quer violência revolucionária, o povo quer luta, está sedento de passar a faca em todos os seus inimigos (representante da Liga dos Camponeses Pobres na Uerj). Quem tentar conciliar este país vai ser atravessado com um trator nas costas (Vladimir Safatle). Com a direita e o conservadorismo, nenhum diálogo, Luta! (Mauro Iasi). Isso implica ir para as ruas entrincheirados, de arma na mão (Wagner Freitas)". Nenhuma dessas ameaças de intolerância política ditatorial mereceu comentários da imprensa. Entretanto, a menção ao AI-5, por Paulo Guedes, desencadeou editoriais de condenação como ameaça à democracia. Na verdade, a imprensa está exercendo uma forma de censura: proibido mencionar AI-5, quem o fizer deverá ser execrado e enxovalhado, como na Revolução Cultural (1966 - 1976), de Mao Zedong. Liberdade de expressão só para os fascistas da esquerda.
» Roberto Doglia Azambuja,
Asa Sul
STF
Parabéns ao articulista Plácido Fernandes Vieira pelos artigos "Retrocesso jurídico" e "O Supremo está nu". Quem tem sapiência e coragem tira de letra os argumentos falaciosos e irreais dos possuídos de "notável saber jurídico". Que bom seria se o senhor Toffoli fosse alfabetizado para entender seus incontestáveis argumentos. Esses artigos deveriam estar nos murais do STF, para que os "notáveis" assimilassem suas palavras irretorquíveis e não nos humilhassem tanto. Permita-me, para que "supremo" seja escrito assim. Pobre Toffoli! Quis voar como o condor, mas não passa de um frango em seu aprazível poleiro!
» Carlos Costa,
Asa Norte
Segunda instânciaTudo bem que, teoricamente, os comandantes do Congresso manifestem a intenção de levar adiante PEC que venha regulamentar a condenação após 2ª instância. Resta saber se o significativo número de parlamentares, acossados pela Lava-Jato e outros ainda ocultos e ameaçados, conseguirão maioria capaz de barrá-la, com o auxílio do malsinado corporativismo que costuma reinar na política.
» Elizio Nilo Caliman,
Lago Norte
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CIDADANIA NÃO SE TERCEIRIZA!

por Percival Puggina. Artigo publicado em 26.11.2019

Se a efetiva democratização da sociedade brasileira for figurada, analogicamente, com uma travessia feita a nado, poderíamos dizer que no Brasil, muitos cidadãos parecem vocacionados a morrer na praia. Após haverem chegado ao presente estágio, olham para trás, olham para frente, e deixam cair os braços em inexplicável e profundo desânimo. Eu os vejo em bom número expressando abatimento nas redes sociais. Prestam inestimável serviço aos inimigos que ajudaram a derrotar. Jogam-lhes involuntariamente boias e cordas de resgate. Entendamos os fatos. Foi o povo na rua e nas redes sociais, em espontâneas manifestações verde-amarelas, que fez andar o processo de impeachment de Dilma Rousseff forçando o deputado Eduardo Cunha a dar início ao rito constitucional. Foi o povo na rua e nas redes sociais que, em gigantescas mobilizações, forneceu suporte político aos fundamentos jurídicos do impeachment. O processo de acusação de um Presidente da República tem características jurídicas e políticas. Com aquele Congresso, cujos partidos estavam majoritariamente comprometidos com a corrupção do governo, o impeachment não teria acontecido se o povo não desse um forte empurrão na "livre vontade" dos congressistas. Foi o povo que saiu às ruas em apoio à Lava Jato e ao juiz Sérgio Moro que preservou a atividade da força-tarefa quando os primeiros movimentos para debilitá-la começaram a se esboçar no Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal. Foi o povo que levou às ruas as pautas conservadoras marcantes da eleição de 2018 e promoveu a maior renovação já ocorrida em pleitos para o Congresso Nacional. Foi o povo na rua e nas redes sociais que, se não conseguiu pôr juízo nas cabeças de seis ministros do STF, arrancou resposta da Câmara e do Senado onde começam a tramitar projetos para corrigir o absurdo cometido pelos habitantes daquela suntuosa bolha. Diante disso, como é possível entender os tantos que, incapazes de discernir além da cerca da primeira dificuldade, se dedicam a desanimar os animados e a desesperançar os esperançosos? Como podem afirmar, contra todas as evidências, que as mobilizações "não funcionam"? Como podem priorizar o Faustão e a Globo, desde o sofá da sala, e não ir às ruas pelo bem do próprio país, que é o seu próprio bem? Como podem terceirizar sua cidadania, transferindo-a para a total inviabilidade política, jurídica e democrática dos quartéis que a tanto, com absoluta razão, enfaticamente, se recusam? Não aprenderam ainda que, se não comprar uma sólida base no Congresso, o presidente da República é o mais desapoderado dos poderes de Estado? E que precisa do apoio explícito dos cidadãos para preservar a integridade do governo? O coro de milhões de vozes em todo o país é nossa mais nítida experiência democrática nestes tempos de travessia. Diferentemente da "democracia direta", comum em experiências esquerdistas, manipulada pelos seus aparelhos e organizações "não burguesas", a democracia direta praticada pela reunião espontânea de milhões de cidadãos, é a nossa mais bem sucedida experiência de soberania popular. Eu a ouço como expressão inédita e indômita de amor ao Brasil, de história acontecendo qual clarinada, límpida, atravessando os céus da Pátria comum.
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
🚨 URGENTE! 🚨

Os políticos acham que conseguirão fazer o povo de trouxa. Planejaram adiar a votação da prisão da prisão após segunda instância para o ano que vem. Mas qual é o objetivo? O objetivo é que a prisão após segunda instância nunca seja aprovada! Querem que o assunto caia no esquecimento. Para aumentar o próprio salário, eles são rápidos! Para aprovar o abuso de autoridade, eles são rápidos! Para aprovar o fundão eleitoral e mais dinheiro para eles gastarem na eleição, eles são rápidos! E agora, para fazer o que o povo quer, que é aprovar a prisão após segunda instância e manter os bandidos na cadeia, eles adiam?

O fim!.jpg

NÃO ACEITAREMOS! EXIGIMOS A APROVAÇÃO DO PLS 166/2018 E DA PEC DA SEGUNDA INSTÂNCIA EM REGIME DE URGÊNCIA!

O povo não vai ficar preso em casa enquanto que corruptos, assassinos, agressores, estupradores e tudo quanto é tipo de bandido ganham a liberdade. Dia 8 de dezembro, vamos para as ruas de todo o Brasil gritar bem alto:

*SEM SEGUNDA INSTÂNCIA, SEM FÉRIAS!*

O Congresso vai ter que aprovar a prisão após segunda instância de um jeito ou de outro!

Acesse https://www.vemprarua.net/dia8/, nesta página você verá a lista das cidades participantes, os horários e outras informações.

Esta é a última chance de salvar o Brasil do colapso total. Quem é patriota de verdade participa! 
🇧🇷 Pare agora o que você está fazendo e envie esta mensagem para todos os seus amigos.

COMPARTILHE NA VELOCIDADE DA LUZ!

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Lula o maluco agitador!!!

Em congresso do PT, Lula diz que um
pouco de radicalismo faz bem à alma         
Durante abertura do evento em São Paulo, ex-presidente afirmou, no entanto, que não considera o PT um partido "radical"
Lula disse que foi orientado a evitar a polarização para "não conturbar o ambiente político", mas deu de ombros. (Nacho Doce/Reuters)
Duas semanas depois de deixar a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde passou um ano e meio preso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um longo discurso na abertura do 7.º Congresso Nacional do PT em São Paulo, no qual defendeu a polarização com o governo Jair Bolsonaro, defendeu os feitos dos governos petistas e se recusou a fazer autocrítica em relação aos erros cometidos pelo partido. Segundo Lula, "um pouco de radicalismo faz bem à nossa alma", embora tenha afirmado que não considera o PT um partido "radical". "Aos que criticam ou temem a polarização, temos que ter a coragem de dizer: nós somos, sim, o oposto de Bolsonaro. Não dá para ficar em cima do muro ou no meio do caminho: somos e seremos oposição a esse governo de extrema direita que gera desemprego e exige que os desempregados paguem a conta", afirmou. Segundo ele, setores da política tentam misturar polarização com radicalização. Para enfrentar esta tese, Lula lembrou que ao longo de 39 anos o PT sempre jogou dentro das regras da democracia, tanto na oposição quanto no governo, ao contrário dos adversários. "Não fomos nós os responsáveis, ativos ou omissos, pela eleição de um candidato que tem ojeriza à democracia; que foi poupado de enfrentar o debate de propostas (...) Não fomos nós que falamos em fechar o Congresso, muito menos o Supremo, com um cabo e um soldado. Em nossos governos, as Forças Armadas foram respeitadas e os chefes militares respeitaram as instituições, cumprindo estritamente o papel que a Constituição lhes reserva. Nenhum general deu murro na mesa nem esbravejou contra líderes políticos. Não fomos nós que pedimos anulação do pleito só para desgastar o partido vencedor", disse Lula. Mesclando a leitura de um discurso escrito com improvisos, Lula disse que foi orientado a evitar a polarização para "não conturbar o ambiente político", mas deu de ombros. "Eu quero polarizar. Porque o dia que a gente não polarizar a gente está fora da disputa", disse o ex-presidente. "Como se polarização fosse sinônimo de extremismo político e ideológico. Como se o Brasil já não estivesse há séculos polarizado entre os poucos que têm tudo e os muitos que nada têm. Como se fosse possível não se opor a um governo de destruição do país, dos direitos, da liberdade e até da civilização". Lula voltou a dizer que o PT não deve fazer autocrítica. "Embora tantos tenham cometido erros antes e depois do nosso governo é somente do PT que exigem uma autocrítica. Na verdade querem de nós um humilhante ato de contrição", disse Lula. "O maior erro que nós cometemos foi não ter feito mais e melhor, de uma forma tão contundente que jamais fosse possível esse País voltar a ser governado contra o povo, contra os interesses nacionais". Contrariando lideranças petistas que defendiam um discurso em tom conciliatório, Lula afirmou: "não venham dizer que o PT é radical, mas um pouco de radicalismo faz bem à nossa alma" e defendeu a "resistência" do "povo da Venezuela". O ex-presidente chamou de "modelo suicida de austeridade fiscal que não deu certo em lugar nenhum do mundo" a política econômica do ministro Paulo Guedes e disse que é a herança de seus governos o que impede o País de entrar em uma convulsão social. "A verdade é que o Brasil só não quebrou ainda por causa da herança dos governos do PT", disse Lula citando medidas como a criação de reservas de US$ 370 bilhões, abertura de mercados antes inexplorados e a descoberta do pré-sal. "O Brasil só não está passando por uma convulsão social extrema por causa da herança das politicas sociais que fizemos", afirmou o petista. O ex-presidente defendeu a democratização dos meios de comunicação, mas negou que isso represente qualquer risco à liberdade de expressão, ameaça que ele atribuiu a Bolsonaro. "Não ousem me comparar ao presidente que eles escolheram. Jamais ameacei e jamais ameaçaria cassar arbitrariamente uma concessão de TV. Eu sempre disse que jamais teria chegado onde cheguei se não tivesse lutado pela liberdade de imprensa (...) Entendo que democratizar a comunicação não é fechar uma TV, é abrir muitas. É fazer a regulação constitucional que está parada há 31 anos, à espera de um momento de coragem do Congresso Nacional", afirmou. Ao longo de pouco mais de uma hora de discurso, ainda sobrou tempo para um pouco de ironia. "Andam negando essa verdade científica, mas a Terra é redonda e nós estamos, sim, em polos opostos: enquanto eles semeiam o ódio, nós vamos mostrar a eles o que o amor é capaz de fazer por este País", brincou o petista.
Congresso vira festa para ex-presidente
Lula falou na abertura do 7.º Congresso Nacional do PT que vai até domingo, em São Paulo. O evento, convocado para preparar o partido no enfrentamento do avanço da direita, se tornou uma festa para Lula. No palanque, além dele, havia outros presos pela Lava Jato que foram beneficiados pelo fim da prisão após condenação em segunda instância como o ex-ministro José Dirceu, saudado pela militância como "guerreiro do povo brasileiro", e os ex-tesoureiros do PT Delúbio Soares e João Vaccari. A deputada Benedita da Silva (PT-RJ), cotada para disputar a prefeitura do Rio no ano que vem, cantou um trecho do samba enredo da Unidos de Vila Isabel, de 1988. A presidente cassada Dilma Rousseff, que na véspera se reencontrou com Lula pela primeira vez desde que o ex-presidente foi preso, foi aplaudida ao falar que existe hoje no Brasil "uma aliança nefasta entre o neoliberalismo e o neofascismo". Ministros como Fernando Haddad, Jaques Wagner, Aloisio Mercadante, Celso Amorim, Gilberto Carvalho, Luiz Dulci e Edinho Silva dividiram o palanque com representantes de outros partidos de esquerda como os presidentes do PSOL e do PCdoB, Juliano Medeiros e Luciana Santos, a candidata a vice na chapa de Haddad Manuela D'Avila, e o candidato do PSOL Guilherme Boulos. Um dia depois de Lula ter dito ao diretório nacional que o PT deve lançar candidatos no maior número de cidades possível, em alguns casos sacrificando coligações, os aliados fizeram discursos de conciliação e unidade. "Para derrotar o governo Bolsonaro, qualquer aliança vale", disse Juliano. "É o momento de sabermos que aquilo que nos separa, nos diferencia, é muito menor do que aquilo que nos une", completou Boulos.  
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O NÚMERO DO RATO
Não há jeito de escapar: é só acrescentar 1 após o 17 e ficará o número símbolo do Rato.
Aileda - "Aileda de Mattos Oliveira"

cid:16eaf1a6b7bcb4ea5171 
           
...

[Mensagem cortada]  Exibir toda a mensagem