quinta-feira, 13 de junho de 2019

131 ANOS DO NASCIMENTO DO POETA PORTUGUÊS JOÃO PESSOA. 13 DE JUNHO DE 1888


131 a. nasce FERNANDO ANTÔNIO NOGUEIRA PESSOA no dia 13 de junho de 1888. Falece em 30 de novembro de 1935. Poeta português. Filho de família burguesa, foi criado na ÁFRICA DO SUL, tendo no inglês a sua segunda língua. De volta a LISBOA, abandonou os estudos universitários para tornar-se autodidatas. Ganhava a vida como correspondente de casas comerciais, até que em 1912 publicou os primeiros ensaios de crítica da moderna poesia portuguesa, na revista A ÁGUIA. O ano de 1914 foi decisivo para a evolução literária de FERNANDO PESSOA; nesta data nasceram os três principais heterônimos, personalidades distintas a quem PESSOA atribuiu a autoria de suas poesias, em estilos bastante diferentes, mas que apresentam uma unidade no que diz respeito à natureza psicológica enigmática de cada um. São eles ALBERTO CAEIRO, observador irônico, autor dos ciclos “O GUARDADOR DE REBANHOS” e “POEMAS INCONJUNTOS”; ÁLVARO DE CAMPOS, influenciado por WHITMAN, canta a  cidade moderna e a técnica em “TABACARIA”, “ODE TRIUNFAL” e “ODE MARÍTIMA”; RICARDO REIS compõe odes bucólicas e elegíacas. As poesias assinadas com o próprio nome são mais simples e cheias de emoção como “O ÚLTIMO SORTILÉGIO” e “AUTOPSICOGRAFIA”. Seus poemas apareceram nas revistas ORFEU, PORTUGAL FUTURISTA e PRESENÇA, das quais participava com o círculo de amigos.  Em 1934, publicou a primeira e única coletânea, intitulada MENSAGEM. Os artigos e críticas publicadas em jornais foram reunidos em PÁGINAS DE DOUTRINA ESTÉTICA (1946). Apenas com a publicação das OBRAS COMPLETAS, em 1943, teve início a sua influência sobre as novas gerações de poetas, inclusive no BRASIL. FERNANDO PESSOA é tido como o maior poeta português desde CAMÕES.

147 ANOS DO INÍCIO DA CONSTRUÇÃO DA ESTRADA DE FERRO SOROCABANA 13 DE JUNHO DE 1872.


147 a. do início da construção da ESTRADA DE FERRO SOROCABANA, projetada e bancada por empresários, em 13 de junho de 1872. O trecho entre SOROCABA e SÃO PAULO foi concluído em três anos. O último trem parou de circular a dois anos. Locomotivas e equipamentos viraram sucata. O patrimônio imobiliário – prédios, vilas e estações – está em ruínas.  
13.06.1872  – O início da construção da Estrada de Ferro Sorocabana. Empresários sorocabanos, voltaram decepcionados da reunião havida em Itu/SP., para a construção da Estrada de Ferro Ituana. Os homens de negócio daquela cidade que projetaram aquela Estrada, partindo de São Paulo, passando por Jundiaí e chegando a Itu não aceitaram que se condicionasse a entrada de capitais de Sorocaba  a extensão de um ramal até esta. Portanto, voltaram de mãos vazias.
Conta a lenda que os Sorocabanos, dias depois, após a missa Domingueira, como de costume, reuniam-se em rodinhas para conversar e referiam-se a esse fato como uma ofensa. Numa dessas rodinhas encontrava-se o austro/húngaro Luiz Matheus Maylasky, que percebendo o rumo da conversa, propôs que esquecessem o episódio e que eles próprios deveriam construir a sua estrada. Por essa razão foi questionado por um dos integrantes do grupo: -“mas com o quê?” Ele, mostrou-se pensativo, levou a mão a um de seus bolsos, e retirando-a abriu diante dos demais e disse:  -“com isto!”(mostrou um punhado de tostões). Os demais olharam para a mão e não compreenderam. Mas adiantando-se a qualquer pergunta, disse – “e todas  as minhas  propriedades”.  Era ele já senhor de uma fortuna considerável. Assim constituiu-se a Companhia da Estrada de Ferro Sorocabana, que  iniciou  a sua construção em 1872 e inaugurou o seu primeiro trecho (São Paulo a Sorocaba) três anos depois 1875. Uma realização que pelo seu pequeno espaço de tempo – quase 100 km, com terreno para ser aplainado, assentado os trilhos, feitas obras de arte como túneis, pontes, viadutos, etc., -   merece ser aplaudida com louvor se fosse executada em nossos dias. Isto  foi o início de uma das maiores ferrovias que o Estado de São Paulo já possuiu.

256 ANOS DO NASCIMENTO DE JOSÉ BONIFÁCIO DE ANDRADA E SILVA. 13 DE JUNHO DE 1763.


256 a. do nascimento de JOSÉ BONIFÁCIO DE ANDRADA E SILVA, falecido em 6 de abril de 1838. Nasceu em 13 de junho de 1763. O PATRIARCA DA INDEPENDÊNCIA é uma das figuras mais veneradas do BRASIL. Foi o segundo filho de BONIFÁCIO JOSÉ RIBEIRO DE ANDRADA e de sua prima MARIA BÁRBARA DA SILVA. Um dos avós paternos de JOSÉ BONIFÁCIO, o reinol JOSÉ RIBEIRO, estabelecera-se no início do século XVIII em SANTOS, onde se dedicou ao comércio de escravos e de outras mercadorias, que vendia em MINAS GERAIS. Enriqueceu o bastante para mandar seus dois filhos mais velhos estudar em COIMBRA.  O terceiro encarregou-se de administrar os negócios da família. Era o pai de JOSÉ BONIFÁCIO, que se tornou o homem mais rico de SANTOS. Em 1777, aos 14 anos foi estudar em SÃO PAULO, Sua formação ficou a cargo do bispo local, MANUEL DA RESSURREIÇÃO, com quem aprendeu francês, lógica, retórica e metafísica e que orientou suas leituras na biblioteca da Cúria, a melhor da cidade. Mas a SÃO PAULO de então era um lugar acanhado, e o rapaz, que não demonstrara interesse em seguir os passos do irmão mais velho, PATRÍCIO, e tornar-se padre. Em 1783 partiu para PORTUGAL e matriculou-se a princípio no curso de Direito da Universidade de COIMBRA. A partir de 1984 passou a estudar também filosofia natural, que englobava história natural, química, filosofia e matemática. Só voltaria ao BRASIL em 1819. Corria o ano de 1790. Naquele final do século XVIII, com a mineração em decadência na AMÉRICA portuguesa, a COROA buscou formar cientistas capazes de reativar essa fonte de renda essencial para o País. JOSÉ BONIFÁCIO foi um dos escolhidos para percorrer a EUROPA e adquirir “por meio de viagens literárias e explorações filosóficas, os conhecimentos mais perfeitos de mineralogia e mais partes da filosofia e história natural”. Primeiro foi a PARIS, então em plena efervescência revolucionária, onde estudou química e mineralogia na Escola Real de Minas. Entre 1792 e 1794 freqüentou a Escola de Minas de FRIBURGO, na SAXÔNIA, e se tornou amigo de ALEXANDER VON HUMBOLDT, que em 1799 partiria para sua viagem de cinco anos pela AMÉRICA hispânica. Em 1796, mudou-se para UPSALA, na SUÉCIA, onde prosseguiu seus estudos, e sua carreira científica atingiu o ponto máximo ao descobrir e descrever doze novos minerais. Antes de fixar residência na DINAMARCA, em 1799, percorreu os distritos mineiros da SUÉCIA e da NORUEGA. Em 1800, estava de volta a PORTUGAL, recém-casado com a irlandesa NARCISA EMÍLIA O´LEARY. Era então um cientista respeitado, com trabalhos publicados em diversos países e membro de academias científicas em PARIS, BERLIM, VIENA, ESTOCOLMO, TURIM, GÊNOVA, COPENHAGUE, FILADÉLFIA, LONDRES e EDIMBURGO. Dominava onze idiomas, em seis dos quais era fluente. Ocupou  vários cargos em COIMBRA. No final de 1807, PORTUGAL foi invadido por tropas de NAPOLEÃO, e a Corte portuguesa fugiu para a AMÉRICA e o BRASIL foi elevado à condição de REINO UNIDO. JOSÉ BONIFÁCIO permaneceu em PORTUGAL. Em 1820, JOSÉ BONIFÁCIO empreendeu com seu irmão MARTIM FRANCISCO, também mineralogista, uma viagem de pesquisa pelo interior de SÃO PAULO, que resultou no trabalho VIAGEM MINERALÓGICA NA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO. Já então tinha recebido do rei o título de Conselheiro de Estado e sua intenção de manter-se longe da política estavam por um fio. Em 24 de agosto de 1820 irrompeu a REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DO PORTO, com a instalação, em janeiro de 1821, das Cortes – o Parlamento português, que não se reunia desde 1689. Para os ANDRADAS em particular, o movimento trouxe um benefício: a libertação dos revoltosos de 1817, entre eles ANTÔNIO CARLOS. A seqüência é conhecida da história com JOSÉ BONIFÁCIO no BRASIL. Passou os últimos anos da vida padecendo de reumatismo e sofrendo de complicações respiratórias, que o levaram a se transferir para NITERÓI, onde havia mais recursos para cuidar da saúde. Faleceu nessa cidade, as 75 anos de idade, no dia 6 de abril de 1838. A biografia completa do PATRIARCA DA INDEPENDÊNCIA está no número doze da HISTÓRIA VIVA (edição de outubro de 2004).      

AGENDA DIÁRIA - 13 DE JUNHO

13 DE JUNHO - DIA DE SANTO ANTONIO

Dia de Santo Antônio

Próximo  13 de Junho de 2019 (Quinta-feira)
Dia de Santo Antônio é comemorado anualmente em 13 de junho.
Santo Antônio de Lisboa, ou Santo Antônio de Pádua nasceu em Lisboa no dia 15 de agosto, provavelmente entre os anos de 1191 e 1195.
Este é considerado um dos santos mais populares entre os brasileiros e portugueses. No Brasil, Santo Antônio é conhecido por ser o "Santo Casamenteiro", sendo que o Dia dos Namorados é comemorado no dia 12 de junho no Brasil por ser a véspera do Dia de Santo Antônio.
De acordo com a crendice popular brasileira, neste dia as pessoas que desejam casar ou conseguir um namorado preparam simpatias para Santo Antônio, acompanhadas de orações.

Santo Antônio

Saiba mais sobre o Dia dos Namorados.
O Dia de Santo Antônio faz parte das celebrações da Festa Junina, assim como o Dia de São João e Dia de São Pedro.

Origem do Dia de Santo Antônio

O Dia de Santo Antônio é comemorado a 13 de junho por ser a data de sua morte. Santo Antônio morreu em Pádua, na Itália, no dia 13 de junho do ano de 1231.
Santo Antônio foi inicialmente um frade agostiniano e foi um grande estudioso e pregador. Mais tarde entrou para a Ordem de São Francisco de Assis (Franciscana), em 1220.
Foi muito conhecido pela sua vida despojada de riquezas, apesar de ter nascido em uma família influente. O seu trabalho com os pobres foi essencial para que fosse rapidamente reconhecido como santo após sua morte.
Também desenvolveu um grande amor pela figura do Menino Jesus e teria recebido visões Dele enquanto estava em oração. Por isso, o santo é representado carregando- o nos braços, junto a um ramo de lírios, símbolo da castidade.
canonização de Santo Antônio aconteceu poucos anos após sua morte, e muitos consideram que terá sido uma das canonizações mais rápidas da história.

Milagres

Santo Antônio fez vários milagres em vida e um dos mais famosos é o da pregação aos peixes. Quando o santo estava na Itália, se dirigiu a cidade de Rimini para evangelizar os hereges. Como não foi ouvido passou a falar da palavra de Deus para os peixes que prontamente apareceram com as cabeças fora d'água.
Também quando fez um sermão sobre a presença de Cristo na eucaristia, um homem, dono de um burro de carga, se pôs a burlar do santo. Este o desafiou pedindo que trouxesse o animal e que ele saberia reconhecer quem estaria contido na hóstia.
Imediatamente, trouxeram o burro e puseram um pouco de capim para que fosse atraído pelo alimento. Quando Santo Antônio mostrou-lhe a hóstia, o animal imediatamente se ajoelhou, fazendo uma reverência ao sacramento.

824 a. nasce SANTO ANTÔNIO (13 de junho de 1195), monge português da ORDEM FRANCISCANA. Falece em 1231. Foi batizado como FERNANDO DE BULHÕES Y TAVEIRA DE AZEVEDO. Aos 15 anos, ingressou na Ordem dos Cônegos Regulares e fez seus estudos filosóficos e teológicos em COIMBRA, onde também foi ordenado sacerdote. Foi cônego em PORTUGAL até os 25 anos, quando um fato mudou sua vida. Ao saber que cinco franciscanos tinham sido mortos no MARROCOS por pregarem o evangelho, ele decidiu se tornar missionário. Juntou-se aos franciscanos e foi pregar o evangelho naquele País. Chegando lá, uma enfermidade o obrigou a voltar para a EUROPA. Desembarcou na ITÁLIA e seguiu para ASSIS, onde se encontrou com SÃO FRANCISCO, que reconheceu em ANTÔNIO um profundo conhecedor de teologia e encarregou-o de ensinar os frades. Foi também o santo que mais teria feito milagres em vida. Em 1231, ANTÔNIO foi acometido de uma doença grave e morreu no dia 13 de junho, aos 36 anos. Acabou canonizado, no ano seguinte, pelo PAPA GREGÓRIO IX. Com o tempo, foi alvo de devoção surpreendente, principalmente nos países latinos, onde o povo costuma invocá-lo para encontrar objetos perdidos e auxiliar moças solteiras a encontrar noivos. “SANTO ANTÔNIO era muito caridoso e sempre repartia o pão. Daí surgiu a tradição do pão de SANTO ANTÔNIO, que se mantém até hoje”, conta o padre EZAEL JULIATTO, da paróquia SANTO ANTÔNIO, na VILA BRASILÂNDIA.