quinta-feira, 10 de outubro de 2019

SEMPRE NO MEU CORAÇÃO - ANTONIO MARCOS

UM POUCO DA HISTÓRIA DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, DESDE SUA FUNDAÇÃO ATÉ O ANO DE 1969.





















Ver a imagem de origem

Ver a imagem de origem

 

 Ver a imagem de origem

HISTÓRICO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32 – MMDC


Foi fundada a 7 de julho de 1954. É uma sociedade civil sem fins lucrativos, com propósitos cívicos e patrióticos e de assistência médica, auxílio funeral e assistência junto à Secretaria de Gestão (antiga Secretaria da Criança, Família e Bem estar Social), quanto ao auxílio – PENSÃO DA LEI ESTADUAL Nº 1.890/78, aos veteranos e às viúvas de veteranos, LEI ESTADUAL Nº 3.988/88
Durante mais de 45 anos a sede da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC se situou à Rua Anita Garibaldi, nº 25, no Centro da cidade de São Paulo (vizinha ao Corpo de Bombeiros). Ocorre que, após a revitalização do prédio em 2009, feita pela prefeitura, com a intervenção do Presidente do Tribunal de Justiça, verificou-se que o principal problema do prédio não foi resolvido e infiltrações de águas pluviais causaram grandes estragos ao longo dos anos 2010 a 2014. Solicitamos a intervenção da SubPrefeitura da SÉ para a realização da reforma, complementando-se a revitalização de 2009. Isso não foi feito e, em fins de 2014 não foi mais possível atuar nesse endereço. A Sociedade não tinha mais meios de comunicação: ficou sem o telefone, por causa da umidade nos fios, e sem a possibilidade de usar o computador. Durante 65 dias usamos uma sala no sexto andar do Corpo de Bombeiros. Foi então que, no dia 8 de dezembro de 2014 a sede da Sociedade foi transferida para o Monumento Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de 32, conhecido como OBELISCO DO IBIRAPUERA (cuja reinauguração se deu em 9 de dezembro de 2014).
Tem a Sociedade por fim precípuo preservar, na memória do povo paulista, a dignidade e a grandeza do Movimento Constitucionalista de 32. Em cumprimento às suas finalidades a Sociedade propõe-se a:
-Promover eventos cívico-militares e religiosos visando a rememorar os feitos e figuras expressivas do Movimento Constitucionalista de 32, em especial as datas de 23 de maio, 9 de julho, 2 de outubro e 2 de novembro, para cuja organização se valerá do apoio da Polícia Militar do Estado de São Paulo;
-Congregar os sócios em um corpo único, com o intuito de defender, intransigentemente, os interesses coletivos da classe, sem nunca perder de vista a inserção da mesma no campo dos altos objetivos nacionais;
-Promover o entrosamento dos descendentes dos veteranos, oficiais e praças da Polícia Militar do Estado de São Paulo, em atividade ou inativos, visto que são herdeiros das tradições da corporação, na sua participação ativa no Movimento Constitucionalista de 32 ;
-Prestar assistência social a veteranos, suas viúvas e dependentes disso carentes, internação hospitalar de acordo com a Lei Nº 5 049, de 22 de abril de 1986, comprovada sua filiação à Sociedade, aplicado ao regulamento da Lei Nº 1890/78. Fornecer material didático aos que estiverem cursando até o 2º Grau; manter o Monumento – Mausoléu do Soldado Constitucionalista, cujo Diretor é o Comandante da Academia de Polícia Militar do Barro Branco e a guarda afeta ao Batalhão da área;
-Imortalizar os despojos dos heróis constitucionalistas no Monumento Mausoléu;
-Organizar e atualizar um Memorial Constitucionalista “9 de julho” e um Arquivo Histórico e Biblioteca do Movimento Constitucionalista;
-Realizar cursos e conferências sobre o Movimento Constitucionalista:
-Promover visitação a lugares históricos do Movimento Constitucionalista;
-Organizar e/ou reconhecer entidades congêneres em outra cidades;
-Manter estreito relacionamento com o comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo, com vistas às suas finalidades;
-Defender o modo de vida brasileiro e as tradições, ideais e interesses da Pátria, em concordância com os preceitos constitucionais, intransferíveis e impostergáveis, atribuídos a todos os brasileiros.

A Sociedade Veteranos de 32 – MMDC foi reconhecida de utilidade pública pelo Decreto estadual Nº 5.530, de 14 de janeiro de 1.960 e pelo Decreto Municipal Nº 8.790, de 23 de maio de 1.979.
Quando de sua fundação, os sócios (obrigatoriamente veteranos de 32) reuniram-se no antigo torreão do Pátio do Colégio, por condescendência daqueles que promoviam a demolição do velho prédio, a fim de reconstruírem a Cabana de Anchieta e o Colégio dos Jesuítas, programada para o Quarto Centenário de São Paulo.
Sabiam os Veteranos de 32 o que significavam para São Paulo aquelas ruínas sagradas da capela do Colégio de Anchieta e reagiram quanto à demolição. Houve até ameaças de conflito e os soldados de 32 já se dispunham a ocupar o Pátio do Colégio para lutar novamente, não mais defendendo o torreão onde faziam suas reuniões, mas o próprio chão paulista.
Alguns nomes se destacaram nesta luta: Vilhena, Vilalva e outros que armados de revólveres tentavam evitar o duplo ultraje: a queda do torreão e o desalojamento dos ex-combatentes de 32.
Na época, o venerando e boníssimo padre Pedreira, com toda a sua humildade, não percebia a intriga que estava armada contra os veteranos e, pesaroso, pedia ao então presidente da Sociedade, Mércio Prudente Corrêa, a devolução do torreão para que se processasse a demolição. Delicadamente não foi atendido.
Surgiram tapumes e, mais tarde, os veteranos foram barrados de entrar no torreão. Os restauradores prometiam que salas seriam cedidas à Sociedade Veteranos de 32 após o trabalho de demolição.
Aproximava-se o Quarto Centenário de São Paulo e se notava que da Epopéia de 32 pouca coisa iria sobrar. A incipiente Sociedade cívica dos Veteranos de 32 tinha como meta perpetuar os feitos e fatos do Movimento Constitucionalista, colocando a Revolução na História do Brasil.
Um dia, no Pátio do Colégio, com frio intenso e sob a tradicional garoa paulista, ao relento, tendo como mesa apenas o capô de um automóvel e a luz da rua, sempre com a indefectível vigilância dos agentes do DOPS, realizaram mais uma reunião e depois prosseguiram numa caminhada à Casa de amigos. Mas tudo foi em vão. A demolição aconteceu e a Sociedade ficou desamparada.

Convocada pelos veteranos de 1932-MMDC foi realizada na noite de 26 de maio de 1955, no torreão do antigo edifício do Palácio do Governo, no PÁTIO DO COLÉGIO, importante reunião daquela associação. Debateu-se, num clima de ordem e civismo, o veto do governador do Estado ao projeto de lei que concedia 23 milhões de cruzeiros para a conclusão do Monumento do Soldado Constitucionalista. Compareceu grande número de associados daquela entidade, em sua maioria veteranos da revolução, tendo presidido os trabalhos o senhor MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, que fez um apelo ao governo e ao povo para que não deixassem a meio caminho as obras do Mausoléu. Foram formulados vários protestos pelo veto ao projeto de auxílio e, logo em seguida, foi oferecido um voto de aplauso ao vereador PAULO VIEIRA, autor do projeto que concede 20 milhões de cruzeiros às obras do monumento.
Ficou decidido ainda, que a Associação não cessaria seus esforços enquanto não alcançasse seus objetivos, ainda que devesse sair às ruas pedir ao povo fundos para a conclusão das obras.
Falaram diversos oradores, todos exaltando o sentido da obra do escultor GALILEU EMENDABILI, que também se achava presente. O presidente MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA destacou a figura do professor BENEDITO MONTENEGRO, presidente da Comissão Pró-Monumento, cuja luta ao longo de tantos anos deveria se transformar, agora, num estímulo aos que desejassem ver de pé a homenagem ao soldado de 32.
GALILEU EMENDABILI, responsável pela grande obra inacabada do IBIRAPUERA, não escondeu sua decepção pelo veto aposto ao projeto que dava origem â reunião. Revelou que a conclusão da obra depende ainda de mais 40 milhões de cruzeiros, mas acredita que a Câmara Municipal, a Assembléia Legislativa, o povo e o próprio Executivo estadual não permitirão que essa ajuda se ausente da homenagem que se quer fazer aos mortos de 32.  

Almoço de confraternização dos Veteranos da Revolução Constitucionalista de 1932 no Restaurante da LIGA DAS SENHORAS CATÓLICAS – RUA FORMOSA – VIADUTO DO CHÁ, em comemoração do dia da Fundação da Cidade de SÃO PAULO, no dia 25 de janeiro de 1957. Eram divulgadas as solenidades para a comemoração do “JUBILEU DE PRATA” da Revolução. A Sociedade Veteranos de 32-MMDC estava instalada na Galeria PRESTES MAIA.

No dia 27 de junho de 1957 reuniam-se os veteranos de 32, componentes do BATALHÃO “PAES LEME”, na Rua FORMOSA, 367S, 16º andar. A mesa que presidiu a reunião foi composta por FRANCISCO D´ALCÂNTARA QUARTIER, ex-comandante do BATALHAO “PAES LEME”, doutor JOÃO DE DEUS BUENO DOS REIS, JOSÉ ACÁCIO FONTOURA, CONRADO SERGENICHT FILHO e engenheiro RICARDO GUIMARÃES SOBRINHO. Durante a reunião que contou com grande número de ex-combatentes, foram rememorados os principais feitos do batalhão e lidas as atas de antigas reuniões, ficando resolvido o seguinte: 1º - apoiar integralmente o programa organizado pelos veteranos de 32 da MMDC e das rádios emissoras de São Paulo. 2º - comparecimento de todos os componentes do batalhão, às 7:30 horas do dia 9 de julho, na praça JOÃO MENDES, atrás da Catedral, para, incorporados, assistirem a missa das 8 horas. 3º - acompanhamento do cortejo até o IBIRAPUERA, em cujo mausoléu será depositada uma coroa na urna que guarda os despojos de FERNÃO SALES, simbolizando a homenagem do batalhão a todos os seus mortos. 4º - realização de nova reunião, à rua FORMOSA, 367, 16º andar, às 20 horas do dia 3 de julho de 1957, quarta-feira, para a qual ficam convocados todos os integrantes do batalhão.    
Foi aí que um prefeito cedeu, a título precário, um desvão de escada na Galeria Prestes Maia. Nesse lugar, a Sociedade Veteranos de 32 MMDC ficou até o ano de 1.969.

Inauguração das portas de bronze do Monumento-Mausoléu ao soldado de 32, no dia 6 de julho de 1958. Forma solenemente iniciadas nessa data as comemorações do 25º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932. Às 10 horas, procedeu-se à inauguração das portas de bronze do Monumento-Mausoléu no PARQUE IBIRAPUERA. A esta cerimônia estiveram presentes os senhores: doutor JOSÉ ATALIBA LEONEL, secretário da Segurança Pública, representando o governador do Estado general PORFÍRIO DA PAZ; brigadeiro ARMANDO ARARIGBOIA, comandante da 4 ª Zona Aérea; D. PAULO ROLIM LOUREIRO, bispo auxiliar; doutor MARIO RONDINELLA, representando o magnífico reitor da Universidade de SP; major DOMINGUES COSTA HERNANDES, do CPOR; representantes de secretários do governo do Estado; dona OLGA PEREIRA PINTO, presidente da Associação Cívica Feminina; ÊNIO EVES MINHOTO, presidente do Centro Acadêmico XV DE AGOSTO; representantes da Câmara Municipal, da Associação Comercial e de outras entidades.
Após a bênção das portas por D. PAULO ROLIM LOUREIRO, falou o veterano MACHADO FLORENCE, chefe do cerimonial da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, que expôs o significado das portas. A primeira, denominada “PORTA DA VIDA”, significa o trabalho, o progresso e a cultura do povo paulista, apresentando esculturas em alto relevo representativas de atividades econômicas e culturais de SÃO PAULO, na época da revolução constitucionalista. A segunda, chamada “PORTA DA GLÓRIA” é uma homenagem aos heróis de 1932 com esculturas representativas de suas lutas e sacrifícios. A “PORTA DA VIDA” está voltada para o nascente e a “PORTA DA GLÓRIA” para o poente.
Em seguida, a menina IARA MARIA PEREIRA LEITE e os meninos MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA FILHO e LUIZ ANTÔNIO SIQUEIRA SAMPAIO do Departamento Júnior da Sociedade Veteranos de 32-MMDC fizeram entrega das chaves das portas aos senhores JOSÉ ATALIBA LEONEL, secretário da Segurança Pública e ao professor BENEDITO MONTENEGRO, presidente da Fundação Monumento-Mausoléu, os quais abriram simultaneamente a “PORTA DA VIDA” e a “PORTA DA GLÓRIA”, inaugurando-as oficialmente. Ao final, foi realizada uma visita à cripta do monumento, onde se encontram sepultados os despojos dos heróis constitucionalistas.  

Primeira reunião do CONSELHO SUPREMO da SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, realizada no auditório “CARLOS DE SOUZA NAZARETH”, na ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO, em 19 de maio de 1959. Numa ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, foi eleito para PRESIDENTE DO CONSELHO o doutor JOSÉ AUGUSTO CÉSAR SALGADO. Foram escolhidos como secretários o doutor GERALDO GOULART e FRANCISCO CALDEIRA BELLEGARDE FILHO. Também foi eleito o primeiro presidente da DIRETORIA EXECUTIVA, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, ficando a data de 23 de maio para a posse do presidente. 

Minha participação na GUARDA DE HONRA dos despojos do TENENTE RUYTEMBERG ROCHA, ex-combatente da Revolução de 1932 (morreu em combate em BURI naquele ano), na FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO, em 8 de julho de 1963. No dia 3 de abril de 2009 o cadete RUYTEMBERG ROCHA é homenageado pela ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR DO BARRO BRANCO, dando seu nome ao núcleo da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, instalado com toda a tropa formada. Ele também é o patrono do CENTRO ACADÊMICO “XV DE DEZEMBRO”.

No dia 6 de julho de 1964 chega em BOTUCATU a caravana da Sociedade Veteranos de 32-MMDC sob a direção dos veteranos SILVIO SAMPAIO MOREIRA, JAIR PEREIRA BATISTA e ANTÔNIO FIGUEIREDO BORGES, conduzindo os despojos de heróis constitucionalistas desconhecidos, exumados em CAPÃO BONITO. Por volta das 16:10 horas é realizada a exumação solene dos despojos do Herói LUIZ GONZAGA ÁVILA, ex-combatente dos batalhões “ARQUIDIOCESANO” e “PAIS LEME”. Na prefeitura de BOTUCATU os despojos dos heróis são entregues às autoridades locais. Na noite, sessão solene na Câmara Municipal. Os restos mortais ficam em vigília na Câmara Municipal, sob a guarda da PM e do TIRO-DE-GUERRA. 

Falece NELSON DE MORAES LOPES. Em 26 de dezembro de 1969, data de sua morte, ele era o Presidente da Diretoria Executiva da Sociedade Veteranos de 32-MMDC. Em seu lugar assumiu o CAPITÃO Ref MOLINARI, da então FORÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Reunião do CONSELHO SUPREMO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC para a eleição do presidente do Conselho e do presidente da Diretoria Executiva, em 11 de março de 1964. Foi eleito o Dr. LAURO DE BARROS SICILIANO para o Conselho Supremo, assumindo o cargo em 23 de maio de 1964. Para a presidência da Diretoria Executiva foi eleito o General WALDEMIRO MEIRELLES MAIA, assumindo em 19 de março de 1964, em virtude da crise política que assolou o País naquele ano. Essa reunião foi realizada no SALÃO RUI FONSECA, na ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO. O então presidente do CONSELHO SUPREMO, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, e da DIRETORIA EXECUTIVA, ELÍSIO LEAL, eram demissionários. ELÍSIO LEAL passara a presidência para o Dr. BENEDITO LANG.     

Entrada do Sr GERALDO FARIA MARCONDES na Sociedade Veteranos de 32-MMDC, no dia 27 de agosto de 1964, recebendo o número de sócio 5.314. Serviu na Revolução Constitucionalista de 1932 no 5º BC, de QUITAÚNA. O seu comandante na linha de frente era o CAPITÃO ROSA. Na época do movimento passou pelo setor norte: SÃO LUIZ DE PARAITINGA, TÚNEL, FAZENDA BELLA, QUELUZ, PINHEIROS e CRUZEIRO. Ferido em combate, esteve no Hospital Militar do CAMBUCI. O Sr MARCONDES ocupou diversos cargos na Diretoria Executiva da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, inclusive os de presidente do CONSELHO SUPREMO e da DIRETORIA EXECUTIVA. Em 9 de julho de 2002 assumiu o cargo de Presidente da Diretoria Executiva para um mandato de três anos. Em 7 de julho de 2005 deixa a Presidência, sendo substituído pelo CAPITÃO Ref GINO STRUFFALDI, do Exército, combatente de 1932, eleito para o cargo em 27 de abril de 2005. Cumpriu o primeiro mandato até 7 de julho de 2007. Ele nomeou o Sr GERALDO FARIA MARCONDES como DIRETOR DO MONUMENTO-MAUSOLÉU. Em 2006, com sérios problemas de saúde na pessoa de sua esposa, dona JÚLIA, ele pediu demissão do cargo de Diretor do Monumento, cargo esse assumido pelo Professor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA. No dia 6 de julho de 2007, GINO STRUFFALDI foi reeleito e cumpriu o segundo mandato até 7 de julho de 2009. Senhor GERALDO FARIA MARCONDES perde a esposa, dona JÚLIA, em 28 de dezembro de 2007. Falece no dia 25 de julho de 2008. Seu corpo foi exposto no Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista, na noite de 25 para 26 de julho. Foi rezada missa de corpo presente no Monumento e o enterro realizou-se no Cemitério São Paulo, no dia 26 de julho de 2008. 

Reunião do CONSELHO SUPREMO da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, no Instituto de Engenharia PALÁCIO MAUÁ, viaduto dona PAULINA, número 80, 8º andar, em 30 de março de 1966. Foram reeleitos para a presidência do CONSELHO SUPREMO o dr. LAURO DE BARROS SICILIANO e para a presidência da DIRETORIA EXECUTIVA, o general WALDEMIRO MEIRELLES MAIA.  A posse dar-se-ia em 23 de maio de 1966 para o biênio 1966/1968.

Reunião do CONSELHO SUPREMO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, onde foi eleito para Presidente da Diretoria Executiva o Doutor NELSON DE MORAES LOPES, no dia 8 de março de 1968. Tomou posse em 23 de maio de 1968. No entanto, o Dr. NELSON, em janeiro de 1970, veio a falecer. Com a morte do presidente da Diretoria Executiva, substituiu-o o CAPITÃO FRANCISCO MOLINARI, em reunião do CONSELHO SUPREMO de 7 de janeiro de 1970.

Diretores da entidade, João Cintra Filho e Francisco Molinari desentranharam dos arquivos um ofício enviado em 1.963 ao Sr. Prefeito; dão-lhe nova redação, atualizando-o, e no dia 20 de maio de 1.968 entregaram ao General Meirelles Maia, Presidente da Sociedade. No dia 22 de maio, na casa do Comandante Saldanha da Gama, na solenidade de outorga da Medalha MMDC ao Senhor Prefeito Brigadeiro Faria Lima e personalidades, o Presidente da Sociedade faz entrega do documento em que pede uma sede para o MMDC.

O Brigadeiro Faria Lima ficou surpreso ao saber em que condições eram realizadas as atividades da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC assinando um ofício endereçado ao Tenente-Coronel Flávio Capeletti, seu chefe de gabinete militar da Prefeitura. Dizendo que a sede do MMDC teria de ser resolvida em oito dias

Na semana seguinte são chamados à Prefeitura João Cintra, Francisco Molinari e o Presidente recem-eleito, Nelson de Moraes Lopes, para decidirem quanto à escolha de um prédio – um na rua Conde do Pinhal, 88 e o outro na rua Anita Garibaldi, 25. Foi escolhido o segundo endereço.

O processo foi encaminhado a Coordenaria das Regionais (Sub-Prefeitura da Sé) que não o acolheu favorável. Voltou o mesmo às mãos do Prefeito que, com novo ofício da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, insistindo na escolha do prédio, sendo então homologado pelo Prefeito.

Em meados de novembro de 1.968, a Sociedade recebia aviso para desocupar urgentemente os Box da Galeria Prestes Maia onde funcionava, precariamente, a sede. Era Presidente na época, Nelson Moraes Lopes.

O DECRETO MUNICIPAL Nº 7.541, de 5 de julho de 1.968 autorizou a permissão de uso, a título precário, de imóvel de propriedade Municipal, na Rua Anita Garibaldi, º 25.
A Assembléia Legislativa, pelo Presidente Doutor Nelson Pereira, colocou à disposição da Sociedade o mobiliário que pertenceu à antiga Assembléia, colaborando com a Sociedade.
Finalmente, a Sociedade deixava a Galeria Prestes Maia e se instalou definitivamente na Rua Anita Garibaldi, nº 25, onde desenvolveu suas atividades até dezembro de 2014.
MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA foi o primeiro presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, fundada em 7 de julho de 1954. Nasceu em 11 de março de 1908. Faleceu no dia 20 de abril de 1983, no Hospital SANTA CATARINA, em SÃO PAULO, vítima de insuficiência cardíaca congestiva, doença pulmonar crônica obstrutiva. Estava com 75 anos. Seu filho, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA FILHO, solicitou à Sociedade Veteranos de 32-MMDC, em 2006, a autorização, deposição “ad perpetuum” das cinzas do ex-combatente. Por ocasião das comemorações do cinquentenário da Revolução de 32, assim se pronunciou FRANCISCO BELLEGARDE FILHO “para não esquecermos nesta data memorável o nome de MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, fundador da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, em 1954, e que hoje está com problemas de saúde nos seus pouco mais de 70 anos”. “queremos lembrar e prestar nossa homenagem ao grande soldado e lutador MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, por ter conseguido reagrupar os veteranos e reavivar o espírito de 1932, fazendo com que, hoje, o 9 de julho seja uma data nacional”. “Sempre tendo MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA como líder, a Sociedade Veteranos de 32 continuou sua luta para conseguir a sede própria. Tanto que, em 1957, o então prefeito de SÃO PAULO, TOLEDO PIZZA, autorizou os Veteranos a ocuparem o desvão de escadas e uma vitrine na GALERIA PRESTES MAIA, onde programamos e oficializamos o 9 de Julho como data máxima da entidade”, diz BELLEGARDE. “Mas – continua – a 8 de julho de 1968, o prefeito FARIA LIMA, através do DECRETO NÚMERO 7.541 de 5 de julho de 1968, autorizou o uso do edifício da nossa atual sede, à Rua ANITA GARIBALDI, nº 25, onde até hoje nos reunimos”. Na sessão plenária do dia 4 de setembro de 1971, o presidente do Instituto Histórico e Geográfico de SÃO PAULO, AURELIANO LEITE, conferiu ao MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA o COLAR D. PEDRO I. O colar foi criado para  comemorar a transladação das cinzas do Primeiro Imperador do BRASIL, da Igreja de SÃO VICENTE DE FORA, em LISBOA, para a CAPELA IMPERIAL, sob o MONUMENTO DA INDEPENDÊNCIA, na COLINA DO IPIRANGA, em SÃO PAULO, por ocasião das comemorações do sesquicentenário de nossa independência. O diploma da medalha está assinado pelo presidente AURELIANO LEITE e pelo Secretário do Conselho do Colar, HELIODORO TENÓRIO DA ROCHA MARQUES e datado de 23 de junho de 1976. No dia 21 de fevereiro de 2006, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA FILHO trouxe à Sociedade Veteranos de 32-MMDC várias fotografias da época em que seu pai foi presidente da Sociedade, bem como um livro onde consta a primeira ata da reunião da Diretoria Provisória da Sociedade. É datada de 8 de maio de 1957, sendo que MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA era o presidente. Em 22 de abril de 1955 foi constituída a Diretoria Provisória, pelos Estatutos aprovados em reunião efetuada nessa data: MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA – Presidente; FRANCISCO C. BELLEGARDE FILHO – Secretário; ELYSIO LEAL – Tesoureiro; EROS PRUDENTE CORRÊA, PAULO A. AQUILINI, LAMARTINE TEIXEIRA, EDMUNDO BAPTISTA, Dr. STYLITA RIBAS e PAULO F. RUCHEMBOCK, como diretores vogais. A COMISSÃO RELATORA DOS ESTATUTOS foi: Dr. OCTÁVIO UCHÔA DA VEIGA, Dr. HERMAN DE MORAES BARROS, Dr LAURO DE SAMPAIO ARAÚJO e Dr JOSÉ ANTUNES DE ABREU.

Convocada pelos veteranos de 1932-MMDC foi realizada na noite de 26 de maio de 1955, no torreão do antigo edifício do Palácio do Governo, no PÁTIO DO COLÉGIO, importante reunião daquela associação. Debateu-se, num clima de ordem e civismo, o veto do governador do Estado ao projeto de lei que concedia 23 milhões de cruzeiros para a conclusão do Monumento do Soldado Constitucionalista. Compareceu grande número de associados daquela entidade, em sua maioria veteranos da revolução, tendo presidido os trabalhos o senhor MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, que fez um apelo ao governo e ao povo para que não deixassem a meio caminho as obras do Mausoléu. Foram formulados vários protestos pelo veto ao projeto de auxílio e, logo em seguida, foi oferecido um voto de aplauso ao vereador PAULO VIEIRA, autor do projeto que concede 20 milhões de cruzeiros às obras do monumento.
Ficou decidido ainda, que a Associação não cessaria seus esforços enquanto não alcançasse seus objetivos, ainda que devesse sair às ruas pedir ao povo fundos para a conclusão das obras.
Falaram diversos oradores, todos exaltando o sentido da obra do escultor GALILEU EMENDABILI, que também se achava presente. O presidente MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA destacou a figura do professor BENEDITO MONTENEGRO, presidente da Comissão Pró-Monumento, cuja luta ao longo de tantos anos deveria se transformar, agora, num estímulo aos que desejassem ver de pé a homenagem ao soldado de 32.
GALILEU EMENDABILI, responsável pela grande obra inacabada do IBIRAPUERA, não escondeu sua decepção pelo veto aposto ao projeto que dava origem â reunião. Revelou que a conclusão da obra depende ainda de mais 40 milhões de cruzeiros, mas acredita que a Câmara Municipal, a Assembléia Legislativa, o povo e o próprio Executivo estadual não permitirão que essa ajuda se ausente da homenagem que se quer fazer aos mortos de 32.  

Solenidade comemorativa do vigésimo aniversário da REVOLUÇÃO HÚNGARA de 1936, em 24 de outubro de 1956 (domingo) no Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932. Às 10 horas, missa em memória dos que tombaram em defesa da liberdade e dos direitos humanos. Após a cerimônia religiosa, comemoração cívica para relembrar a insurreição heróica do povo húngaro.

Falece MARIA JOSÉ BARROSO, veterana da REVOLUÇÃO DE 1932, conhecida como “MARIA SOLDADO”, em 11 de fevereiro de 1958. Nasceu em 15 de dezembro de 1901. O número de inscrição de MARIA JOSÉ BARROSO na Sociedade Veteranos de 32-MMDC, onde começou em outubro de 1955, diz que ela nasceu em LIMEIRA, em 15 de dezembro de 1901. Serviu na Revolução Constitucionalista de 1932 na LEGIÃO NEGRA, nas frentes NORTE e SUL, como enfermeira. O jornal A GAZETA diz em 5 de setembro de 1932 que “uma mulher de cor, alistada na LEGIÃO NEGRA, vencendo toda a sorte de obstáculos e as durezas de uma viagem acidentada, uniu-se aos seus irmãos negros em pleno entrincheiramento na frente do sul, descrevendo a página mais profundamente comovedora, mais cheia de civismo, mais profundamente brasileira, da campanha constitucionalista, ao desafiar a morte nos combates encarniçados e mortíferos para o inimigo. MARIA DA LEGIÃO NEGRA! Mulher abnegada e nobre da sua raça.”
 O Museu que ficava no interior do Monumento-Mausoléu do IBIRAPUERA leva o seu nome. Em reunião da Diretoria Executiva de 20 de abril de 2006 determinou-se que esse Museu fosse transferido, em caráter precário, para o Colégio SANTO IVO, onde fica a exposição da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, na LAPA, pois peças estavam sendo sucateadas do museu, numa situação de abandono no interior do Monumento Mausoléu, que se encontrava em restauro. No dia 24 de abril de 2006 foi feito cuidadoso inventário das peças situadas nesse Museu e, dias após, foram transferidas para o COLÉGIO SANTO IVO. No dia 20 de abril de 2006, o Professor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA, coordenador do núcleo da LAPA, foi designado DIRETOR DO MUSEU “MARIA SOLDADO”. Em fevereiro de 2011 mandei para a Diretora de Comunicação Social da Sociedade Veteranos de 32-MMDC um breve histórico de MARIA JOSÉ BARROSO para ser publicado na edição do mês do jornal eletrônico “32 EM MOVIMENTO”, que foi colocada na web em fins de fevereiro desse ano.

Enterro de MARIA JOSÉ BARROSO, “MARIA SOLDADO”, falecida em 11 de fevereiro de 1958. O jornal “A GAZETA”, de 12 de fevereiro de 1958 publicava a seguinte notícia:
FALECEU A MULHER SÍMBOLO DE 32
O falecimento da senhora MARIA JOSÉ BARROSO, ocorrido ontem nesta Capital, causou profunda consternação, pois todos os que participaram direta ou indiretamente da Revolução Constitucionalista lembram-se da bravura demonstrada pela mulher combatente, assim chamada pelo seus heróicos feitos nas frentes revolucionárias, como integrante da LEGIÃO NEGRA. A bravura demonstrada por MARIA JOSÉ BARROSO causava sempre admiração a seus companheiros, razão pela qual passou a ser chamada de “MARIA SOLDADO”.
Terminada a Revolução, continuou a merecer a simpatia de todos e quando aparecia nas comemorações alusivas àquele movimento era sempre alvo das mais carinhosas e expressivas manifestações dos paulistas. Ainda recentemente, por ocasião do JUBILEU DE PRATA do Movimento Constitucionalista, em agosto de 1957, foi escolhida como “MULHER SÍMBOLO DE 32”, o que demonstra admiração e respeito que lhe atribuíram os ex-combatentes.
O seu corpo foi velado, em câmara ardente, na sede dos Veteranos de 32-MMDC, instalada na Galeria PRESTES MAIA, de onde saiu o enterro, hoje, às 10 horas, para o Cemitério do ARAÇÁ.

No dia 6 de julho de 1958 - inauguração das portas de bronze do Monumento-Mausoléu ao soldado de 32, no dia 6 de julho de 1958. Forma solenemente iniciadas nessa data as comemorações do 25 º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932. Às 10 horas, procedeu-se à inauguração das portas de bronze do Monumento-Mausoléu no PARQUE IBIRAPUERA. A esta cerimônia estiveram presentes os senhores: doutor JOSÉ ATALIBA LEONEL, secretário da Segurança Pública, representando o governador do Estado general PORFÍRIO DA PAZ; brigadeiro ARMANDO ARARIGBOIA, comandante da 4 ª Zona Aérea; D. PAULO ROLIM LOUREIRO, bispo auxiliar; doutor MARIO RONDINELLA, representando o magnífico reitor da Universidade de SP; major DOMINGUES COSTA HERNANDES, do CPOR; representantes de secretários do governo do Estado; dona OLGA PEREIRA PINTO, presidente da Associação Cívica Feminina; ÊNIO EVES MINHOTO, presidente do Centro Acadêmico XV DE AGOSTO; representantes da Câmara Municipal, da Associação Comercial e de outras entidades.
Após a bênção das portas por D. PAULO ROLIM LOUREIRO, falou o veterano MACHADO FLORENCE, chefe do cerimonial da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, que expôs o significado das portas. A primeira, denominada “PORTA DA VIDA”, significa o trabalho, o progresso e a cultura do povo paulista, apresentando esculturas em alto relevo representativas de atividades econômicas e culturais de SÃO PAULO, na época da revolução constitucionalista. A segunda, chamada “PORTA DA GLÓRIA” é uma homenagem aos heróis de 1932 com esculturas representativas de suas lutas e sacrifícios. A “PORTA DA VIDA” está voltada para o nascente e a “PORTA DA GLÓRIA” para o poente.
Em seguida, a menina IARA MARIA PEREIRA LEITE e os meninos MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA FILHO e LUIZ ANTÔNIO SIQUEIRA SAMPAIO do Departamento Júnior da Sociedade Veteranos de 32-MMDC fizeram entrega das chaves das portas aos senhores JOSÉ ATALIBA LEONEL, secretário da Segurança Pública e ao professor BENEDITO MONTENEGRO, presidente da Fundação Monumento-Mausoléu, os quais abriram simultaneamente a “PORTA DA VIDA” e a “PORTA DA GLÓRIA”, inaugurando-as oficialmente. Ao final, foi realizada uma visita à cripta do monumento, onde se encontram sepultados os despojos dos heróis constitucionalistas.  

Primeira reunião do CONSELHO SUPREMO da SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, realizada no auditório “CARLOS DE SOUZA NAZARETH”, na ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO, em 19 de maio de 1959. Numa ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, foi eleito para PRESIDENTE DO CONSELHO o doutor JOSÉ AUGUSTO CÉSAR SALGADO. Foram escolhidos como secretários o doutor GERALDO GOULART e FRANCISCO CALDEIRA BELLEGARDE FILHO. Também foi eleito o presidente da DIRETORIA EXECUTIVA, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, ficando a data de 23 de maio para a posse do presidente. 

O NÚCLEO DE FRANCO DA ROCHA da Sociedade Veteranos de 32-MMDC proporciona em 23 de setembro de 1962 a inauguração do OBELISCO comemorativo do 30º aniversário da Revolução Constitucionalista, às 16 horas, na FONTE LUMINOSA daquele município.

Solenidade realizada no quartel do “BATALHÃO TOBIAS DE AGUIAR”, em 29 de setembro de 1962, comemorando o 30º Aniversário do término da Revolução Constitucionalista de 1932. As festividades foram iniciadas às 8:30 horas com o recebimento das bandeiras, seguindo-se a revista às tropas. Compareceram à solenidade entre outras autoridades: VIRGÍLIO LOPES DA SILVA, secretário da Segurança Pública; MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC; ANTÔNIO HÉLIO XAVIER DE ALMEIDA, representando o presidente da Câmara Municipal; HILDA MACEDO, diretora da Polícia Feminina; General EURÍALE DE JESUS ZERBINI, chefe do Estado Maior do II Exército, ex-comandante geral da Força Pública; Capitão de Mar e Guerra HERIK MARQUES CAMINHA, chefe da Comissão Naval em SÃO PAULO; Coronel OLDEMAR FERREIRA GARCIA, comandante geral da FORÇA PÚBLICA. Foram condecoradas 16 bandeiras e estandartes dos Batalhões da FORÇA PÚBLICA que participaram da EPOPÉIA DE 32. Cerca de 58 medalhas foram entregues às famílias dos que tombaram no cumprimento do dever durante o Movimento de 32. Entre eles figuram o general JÚLIO MARCONDES SALGADO; o Tenente-Coronel ANTÔNIO PINTO DE OLIVEIRA; o Coronel OTÁVIO AZEREDO; o 1º Tenente JOSÉ ERNANI TRAVASSOS; O 1º Sargento BENEDITO ESPÓSITO; o 1º Sargento ADERBAL SERPA; o 3º Sargento RODERVAL RUBENS MARTINS; o Cabo ALFREDO DOS ANJOS FONSECA; o Coronel VIRGÍLIO RIBEIRO DOS SANTOS; o Cabo JOSÉ BORGES DA SILVA; o Coronel OSCAR DE MELO GAIA. Foram entregues também 26 medalhas a combatentes de 32 que ainda se encontram no serviço ativo: Coronel Monsenhor PAULO AURISOL CAVALHEIRO FREIRE; Coronel RODOLFO ASSUMPÇÃO; Tenente-Coronel WÁLTER JOSÉ HOLATZ NOGUEIRA; Major CÁLIO DE CAMPOS MONTES; Capitão OSVALDO TALARICO; Major FRANCISCO ANTÔNIO BIANCO JÚNIOR; Tenente-Coronel ANTÔNIO PAES DE BARROS NETO; Tenente-Coronel ADAUTO FERNANDES DE ANDRADE; Coronel JARBAS NOGUEIRA DE LIMA; Tenente-Coronel MARCO AURÉLIO CIDADE; Major AZAEL SIMÕES LEISTNER; Tenente LIBERTÁRIO PALUMBO; 2º Tenente LUIZ FELICIANO DE OLIVEIRA; Tenente-Coronel UBIRAJARA SILVEIRA; Major PAULO AFONSO FONSECA PIRES; Capitão TANCREDO COLAÇO; Coronel NABOR NOGUEIRA SANTOS; Tenente-Coronel HUGO DE ALMEIDA PORTELLA; Tenente-Coronel ALFREDO COSTA JÚNIOR; Tenente-Coronel DAGOBERTO VELTRI e várias praças que estiveram na Revolução.
Na mesma solenidade mais 800 medalhas MMDC foram entregues pelo Conselho da Sociedade Veteranos de 32-MMDC aos elementos da reserva e reformados da FORÇA PÚBLICA; ex-combatentes e civis veteranos da Revolução. Em seguida, foi lida pela senhora JULIETA SIQUEIRA, presidente da Associação de Viúvas e Órfãos da Caixa Beneficente, o “POEMA A NOSSA FORÇA PÚBLICA”, de autoria do CORONEL PEDRO PRADO FILHO. Logo depois discursou o presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, seguindo-se a oração do TENENTE-CORONEL UBIRAJARA SILVEIRA, comandante do 1º BP, ambos lembrando os fatos admiráveis ocorridos durante a Revolução de 32. 

Reunião do CONSELHO SUPREMO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC para a eleição do presidente do Conselho e do presidente da Diretoria Executiva, em 11 de março de 1964. Foi eleito o Dr. LAURO DE BARROS SICILIANO para o Conselho Supremo, assumindo o cargo em 23 de maio de 1964. Para a presidência da Diretoria Executiva foi eleito o General WALDEMIRO MEIRELLES MAIA, assumindo em 19 de março de 1964, em virtude da crise política que assolou o País naquele ano. Essa reunião foi realizada no SALÃO RUI FONSECA, na ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO. O então presidente do CONSELHO SUPREMO, MÉRCIO PRUDENTE CORRÊA, e da DIRETORIA EXECUTIVA, ELÍSIO LEAL, eram demissionários. ELÍSIO LEAL passara a presidência para o Dr. BENEDITO LANG.     

No dia 6 de julho de 1964 chega em BOTUCATU a caravana da Sociedade Veteranos de 32-MMDC sob a direção dos veteranos SILVIO SAMPAIO MOREIRA, JAIR PEREIRA BATISTA e ANTÔNIO FIGUEIREDO BORGES, conduzindo os despojos de heróis constitucionalistas desconhecidos, exumados em CAPÃO BONITO. Por volta das 16:10 horas é realizada a exumação solene dos despojos do Herói LUIZ GONZAGA ÁVILA, ex-combatente dos batalhões “ARQUIDIOCESANO” e “PAIS LEME”. Na prefeitura de BOTUCATU os despojos dos heróis são entregues às autoridades locais. Na noite, sessão solene na Câmara Municipal. Os restos mortais ficam em vigília na Câmara Municipal, sob a guarda da PM e do TIRO-DE-GUERRA. 

No dia 7 de julho de 1964 procedeu-se a retirada dos despojos dos heróis da Revolução Constitucionalista de 1932 da Câmara Municipal de BOTUCATU e em cortejo conduzidos para a Catedral Metropolitana. Às 8 horas, missa celebrada por D. FREI HENRIQUE GOLLAND TRINDADE, arcebispo metropolitano. Os ataúdes são retirados da Igreja e colocados no seu adro. Palavra oficial do Prefeito JOAQUIM AMARAL AMANDO DE BARROS; desfile do TG 123; honras fúnebres; toque de silêncio pelo corneteiro da Sociedade Veteranos de 32-MMDC e partida para o Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista no IBIRAPUERA. Entre os despojos conduzidos para o Monumento Mausoléu estão os do herói LUIZ GONZAGA ÁVILA, ex-combatente dos batalhões ARQUIDIOCESANO” e “PAIS LEME”. LUIZ GONZAGA ÁVILA alistou-se voluntariamente aos 16 anos de idade e nas linhas de frente recebeu ferimentos graves tendo seu braço esquerdo amputado e por doze anos consecutivos sofreu em silêncio, conseqüências dos ferimentos recebidos, porém, enaltecendo sempre o seu querido Estado de São Paulo. 

Entrada do Sr GERALDO FARIA MARCONDES na Sociedade Veteranos de 32-MMDC, no dia 27 de agosto de 1964, recebendo o número de sócio 5.314. Serviu na Revolução Constitucionalista de 1932 no 5º BC, de QUITAÚNA. O seu comandante na linha de frente era o CAPITÃO ROSA. Na época do movimento passou pelo setor norte: SÃO LUIZ DE PARAITINGA, TÚNEL, FAZENDA BELLA, QUELUZ, PINHEIROS e CRUZEIRO. Ferido em combate, esteve no Hospital Militar do CAMBUCI. O Sr MARCONDES ocupou diversos cargos na Diretoria Executiva da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, inclusive os de presidente do CONSELHO SUPREMO e da DIRETORIA EXECUTIVA. Em 9 de julho de 2002 assumiu o cargo de Presidente da Diretoria Executiva para um mandato de três anos. Em 7 de julho de 2005 deixa a Presidência, sendo substituído pelo CAPITÃO Ref GINO STRUFFALDI, do Exército, combatente de 1932, eleito para o cargo em 27 de abril de 2005. Cumpriu o primeiro mandato até 7 de julho de 2007. Ele nomeou o Sr GERALDO FARIA MARCONDES como DIRETOR DO MONUMENTO-MAUSOLÉU. Em 2006, com sérios problemas de saúde na pessoa de sua esposa, dona JÚLIA, ele pediu demissão do cargo de Diretor do Monumento, cargo esse assumido pelo Professor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA. No dia 6 de julho de 2007, GINO STRUFFALDI foi reeleito e cumpriu o segundo mandato até 7 de julho de 2009. Senhor GERALDO FARIA MARCONDES perde a esposa, dona JÚLIA, em 28 de dezembro de 2007. Falece no dia 25 de julho de 2008. Seu corpo foi exposto no Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista, na noite de 25 para 26 de julho. Foi rezada missa de corpo presente no Monumento e o enterro realizou-se no Cemitério São Paulo, no dia 26 de julho de 2008. 

No dia 30 de março de 1966 realiza-se uma reunião do CONSELHO SUPREMO da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, no Instituto de Engenharia PALÁCIO MAUÁ, viaduto dona PAULINA, número 80, 8º andar, em 30 de março de 1966. Foram reeleitos para a presidência do CONSELHO SUPREMO o dr. LAURO DE BARROS SICILIANO e para a presidência da DIRETORIA EXECUTIVA, o GENERAL WALDEMIRO MEIRELLES MAIA. A posse dar-se-ia em 23 de maio de 1966 para o biênio 1966/1968.

Reunião do CONSELHO SUPREMO DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC, onde foi eleito para Presidente da Diretoria Executiva o Doutor NELSON DE MORAES LOPES, no dia 8 de março de 1968. Tomou posse em 23 de maio de 1968. No entanto, o Dr. NELSON, em janeiro de 1970, veio a falecer. Com a morte do presidente da Diretoria Executiva, substituiu-o o CAPITÃO FRANCISCO MOLINARI, em reunião do CONSELHO SUPREMO de 7 de janeiro de 1970.

Na PRAÇA DA REPÚBLICA, em 23 de maio de 1968, diz o Comandante da QUARTA ZONA AÉREA: “Aqui também está o altar da Pátria! E pensando nela, a Pátria que os mercenários não venceram, nós, representantes da FORÇA AÉREA BRASILEIRA, associando-nos ao ardor da mocidade de SÃO PAULO, estamos certos de atender ao estímulo do poeta, tão caro aos jovens desta Terra, assegurando que: JAMAIS A DEIXAREMOS MORRER!”.  47 a. da posse do Presidente da Diretoria Executiva da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, doutor NELSON DE MORAES LOPES. Nesse 23 de maio de 1968 faleceu o ex–combatente doutor TITO PACHECO. O doutor NELSON DE MORAES LOPES veio a falecer em janeiro de 1970 e, no dia 7 de janeiro daquele ano, em reunião extraordinária do CONSELHO SUPREMO foi eleito, para substitui-lo, o CAPITÃO FRANCISCO MOLINARI.

Em 5 de julho de 1968 era publicado em DIÁRIO OFICIAL o Decreto nº 49.946  que autorizava o sepultamento de despojos de HERÓIS DE 32, no Monumento Mausoléu, de 6 de julho de 1968:
ANTÔNIO CAMARGO – CABO do 4º Esquadrão do Regimento de Cavalaria da Força Pública (atual Regimento de Cavalaria Nove de Julho); HERMES RIBEIRO DE FREITAS – Aspirante do 4º RI; SYLVIO DE CAMPOS – Chefe Eminente do Movimento Constitucionalista; SEVERO FOURNIER – Capitão do Exército Brasileiro; AUGUSTO CORRÊA LEITE, Anspeçada do 5º B.C.P da Força Pública; VENÂNCIO RAMOS – Soldado do 5º BCP da Força Pública;JOÃO PROCÓPIO MODESTO – voluntário do Batalhão 23 de Maio; além de quatro Heróis não identificados e exumados em SÃO JOSÉ DOS BARREIROS, que participaram do Movimento Constitucionalista de 1932, conforme relação fornecida pela Sociedade Veteranos de 32-MMDC, tornando-se, assim, merecedores do mais alto respeito público.    

08JULHO1968 Solenidade de entrega da nova sede da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, ato assinado solenemente pelo Exmo. Sr. BRIGADEIRO JOSÉ VICENTE FARIA LIMA, DD. PREFEITO da Capital, às 9 horas de 8 de julho de 1968, com a presença de todos os diretores da Sociedade, Membros do Conselho Supremo e do Conselho da Medalha. Às 10 horas, o prefeito inaugurava a rua “ARCY DA ROCHA NÓBREGA” GENERAL R/1 do Exército Brasileiro, combatente de 1932 e falecido em 8 de janeiro de 1968. No quartel do 4º R.I., em QUITAÚNA, às 12:30 horas, partida do cortejo com os restos mortais dos heróis de 32 para o BATALHÃO “TOBIAS DE AGUIAR”. Nesse batalhão, às 14 horas, solenidades em homenagem aos Heróis, pelos Exmos. Srs. Cmt Geral da FORÇA PÚBLICA, Comando do Batalhão, Oficialidade e Tropa. Responsável: CORONEL ALTINO MAGNO FERNANDES. Às 15 horas, partida do cortejo em demanda a PRAÇA DA REPÚBLICA. Às 16 horas, na PRAÇA DA REPÚBLICA, encontro dos Heróis, exumados na Capital e no Interior do Estado. Chefe do Cerimonial: PAULO BOMFIM. Encomendação Religiosa: Padre ELISEU MURARI, veterano Capelão Militar em 1932, acolitado pelo veterano Dr. GERALDO GOULART. Assumiria o Comando do Exército Constitucionalista, o CORONEL JOSÉ THEÓFILO RAMOS, em substituição ao GENERAL CÉSAR S. SEIXAS, em sistema de rodízio, ambos veteranos de 1932. Comando do Destacamento Militar: veteranos ARLINDO VIEIRA DE SOUZA CAMPOS e GERALDO NORBERTO FREIRE BRAGA.
ESTADO MAIOR: DOUTOR IBRAHIM NOBRE, DOUTOR GUILHERME DE ALMEIDA, DOUTOR LAURO DE BARROS SICILIANO, GENERAL WALDOMIRO MEIRELES MAIA, DOUTOR NELSON MORAES LOPES, DOUTOR JOSÉ AUGUSTO CÉSAR SALGADO, ALFREDO ELLIS JÚNIOR, DOUTOR BENEDITO MONTENEGRO, PROFESSOR ERNESTO LEME, PROFESSOR REINALDO RAMOS DE SALDANHA DA GAMA, PADRE ELISEU MURARI, DOUTOR FRANCISCO EMÍDIO PEREIRA NETO, PROFESSOR BRUNO ALVES CRUZ, DOUTOR JOSÉ MARIA CABELO DE CAMPOS, DOUTOR PEDRO CABELO CAMPOSS.
PORTA BANDEIRA: HENRIQUE DE AGUIAR VALIM
PORTA ESTANDARTE DA SOCIEDADE: ARMANDO BARSUGLIA.
CORNETEIRO MOR – ELIAS DOS SANTOS OLIVEIRA.

36º aniv. da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 32, em 9 de julho de 1968. No Monumento-Mausoléu, às 8 horas, outorga da MEDALHA “MMDC”. Responsável: Tenente FRANCISCO MOLINARI e membros do Conselho da Medalha. Ás 9 horas, Missa solene de “Requiem” oficiada por Sua Eminência Reverendíssima doma AGNELLO ROSSI, Cardeal Arcebispo de SÃO PAULO, na CATEDRAL METROPOLITANA, com homenagens póstumas aos companheiros falecidos de 1967 a 1º de julho de 1968. Durante a missa, a guarda de honra aos ataúdes estava a cargo dos veteranos: ELÍSIO LEAL, Dr. GERALDO GOULART, Dr. BENEDITO LANG, SYLVIO SAMPAIO MOREIRA, FRANCISCO C. BELEGARDE FILHO, DARCY BANDEIRA DE MELLO, AMLETO MARQUES e JÚLIO DA COSTA LEAL. Às 10:45 horas, chega do cortejo, ao Monumento-Mausoléu, trazendo os restos mortais dos heróis. Chefe do cerimonial: PAULO BOMFIM com o roteiro seguinte: Colocação das URNAS no cadafalso; Honras Fúnebres por Tropas Militares; Encomendação Religiosa por Sua Eminência Reverendíssima dom AGNELO ROSSI, Cardeal Arcebispo de SÃO PAULO; Oração Ante a Última Trincheira pelo Poeta Soldado de 32, GUILHERME DE ALMEIDA; Cerimônia de Sepultamento dos Heróis; Toque de Missão Cumprida pelo Corneteiro-Mor da Sociedade Veteranos de 32, veterano ELIAS DOS SANTOS OLIVEIRA; Desfile em continência aos Heróis pelos Veteranos de 32, Forças Armadas Federais, Estaduais e Instituições.
Desfile Militar: a cargo das Forças Armadas.
Desfile de Veteranos: a cargo do CORONEL HOMERO DA SILVEIRA. Comandante do Exército Constitucionalista em 1968: CORONEL JOSÉ THEÓFILO RAMOS. Ajudante de Ordens: Veterano JARBAS DE ARAÚJO. ESTADO-MAIOR: Dr. LAURO DE BARROS SICILIANO e Dr. NELSON MORAES LOPES. Membros do Conselho Supremo, Diretoria, Conselho da Medalha e Senhoras Veteranas de 32.
Responsáveis pelos sepultamentos: TENENTE ELVIMEDORACH P. C. CARVALHO, Diretor da Exumação; Subinspetor JOEL CARDOSO MELLO, diretor do Departamento da Juventude; e veteranos: BENEDITO CAMPOS CARVALHO, JARBAS DE ARAÚJO, PAULO AQUELINO, JÚLIO DA COSTA LEAL, AMLETO MARQUES e JOÃO CINTRA FILHO.    

Falece o Coronel Ref. BENEDICTO DE CASTRO OLIVEIRA, ex–combatente de 32, no dia 3 de maio de 1969. Como CAPITÃO, ele comandou o Batalhão de Voluntários de SOCORRO. Seu sub–cmt. foi o então segundo–tenente RUBENS TEIXEIRA BRANCO. Em 32, pertencia ao Batalhão de SOCORRO, o então aluno–oficial JONAS FLORES RIBEIRO. TEIXEIRA BRANCO chegou a ser cmt. da FP e JONAS foi comandante do CORPO DE BOMBEIROS.

37º aniversário da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932, em 9 de julho de 1969. O programa comemorativo ao aniversário, promovido pela Sociedade Veteranos de 32-MMDC começou com missa solene na CATEDRAL DA SÉ, oficiada por dom AGNELLO ROSSI, cardeal arcebispo de SÃO PAULO. Os despojos dos dez heróis constitucionalistas, exumados neste Estado e no RIO DE JANEIRO, foram velados durante toda a noite por uma guarda militar e pelos veteranos de 32. A celebração da missa de requiem começou às 9 horas. As dez urnas, com os restos mortais dos heróis LELIO RIBEIRO BOAVENTURA (Major do Exército Brasileiro, trasladado do Cemitério São João Batista, paulista), BOLIVAR RIBEIRO BOAVENTURA (2º Tenente do Batalhão “PAES LEME”, também paulista) e YOLANDO RIBEIRO BOAVENTURA (voluntário do Batalhão PAES LEME, paulista), ÉRICO NEVES DE MELO (do 2º RCD do Exército Brasileiro, riograndense), JOSÉ ALVES BERNARDO (soldado do 7º BCP da Força Pública, paulista), HYGINO MESSA (voluntário do Batalhão “MARCÍLIO FRANCO”, paulista), JOÃO DE PAULA FRANCO (voluntário do Batalhão “MARCILIO FRANCO”, paulista), PAULO LIMOEIRO (soldado do 2º RCD do Exército Brasileiro, paulista), DANTE MARTELETTI (voluntário do 2º BATALHÃO ESPORTIVO, paulista) e outro não identificado, estavam cobertas com as bandeiras brasileira e paulista, e escoltadas por uma guarda mista, composta por soldados do Exército, Marinha, Aeronáutica, Força Pública, Guarda Civil e veteranos. Após a missa, o cardeal abençoou as urnas, que foram carregadas pelas mais altas autoridades presentes para a escadaria da Catedral, onde foram homenageadas pelo povo e por um destacamento da Divisão de Polícia Militar da FORÇA PÚBLICA, que prestou as honras devidas. Em seguida, uma a uma as urnas foram colocadas sobre os carros do Corpo de Bombeiros, enquanto a banda de música da FORÇA PÚBLICA executava a marcha fúnebre. O cortejo foi formado, com destino ao Monumento-Mausoléu no IBIRAPUERA. Compareceram à missa de requiem o governador ABREU SODRÉ; o prefeito PAULO MALUF; o general CANAVARRO PEREIRA, comandante do II EXÉRCITO; o brigadeiro JOSÉ VAZ DA SILVA, comandante da 4ª ZONA AÉREA; o almirante HÉLIO DE AZEVEDO LEITE, comandante do 4º DISTRITO NAVAL; os almirantes JÚLIO DE SÁ BIERRENBACH e LUÍS PENIDO BURNIER; comandantes de várias unidades do Exército, assim como os comandantes das Forças Auxiliares –FORÇA PÚBLICA e GUARDA CIVIL– e os senhores CARVALHO PINTO, HÉRBERT LEVY, LAUDO NATEL, DEPUTADO NELSON PEREIRA, VEREADOR JOSÉ MARIA MARIN, além de outras autoridades.
Enquanto era celebrada a missa na SÉ, a Sociedade Veteranos de 32-MMDC fez a entrega de 45 condecorações durante as comemorações realizadas no PARQUE DO IBIRAPUERA, no Monumento-Mausoléu. Após a outorga das condecorações, que foi dirigida pelo CAPITÃO FRANCISCO MOLINARI, secretário do Conselho da Medalha MMDC, houve nova cerimônia para a recepção do cortejo que transportou os despojos dos heróis de 32, da SÉ ao IBIRAPUERA. Num breve discurso, o governador ABREU SODRÉ disse que as solenidades traduziam a “inspiração do povo paulista e do povo brasileiro, em geral, de amor à lei, respeito à Constituição e luta pela liberdade. O poeta PAULO BOMFIM, que foi escoteiro da Revolução Constitucionalista, presidiu a cerimônia de recepção. Assim que o cortejo chegou no Monumento-Mausoléu, com os DRAGÕES DA INDEPENDÊNCIA à frente e dois carros de bombeiros transportando as urnas, foram iniciadas as honras fúnebres. O arcebispo de SÃO PAULO, dom AGNELO ROSSI, fez a encomendação dos despojos, jogando água benta sobre as urnas. O poeta PAULO BOMFIM recitou em seguida um trecho da “ORAÇÃO ANTE A ÚLTIMA TRINCHEIRA”, de autoria de GUILHERME DE ALMEIDA, e finalmente pediu às autoridades para fazer o sepultamento das urnas no interior do Mausoléu. As solenidades terminaram com um desfile “puxado” pela BANDA da GC, ao longo da avenida IBIRAPUERA, com a participação dos veteranos de 32, batalhões da FORÇA PÚBLICA e corpos da GUARDA CIVIL. Receberam condecorações, entre outras autoridades: o secretário de TURISMO, ORLANDO ZANCANER; CORONEL EURICO JOSÉ COLLA; TENENTE-CORONEL ARNALDO RÉGIS; PRIMEIRO-TENENTE ALAOR SILVA BRANDÃO; ODETE GOMES e o INSPETOR-CHEFE DE DIVISÃO DA GUARDA CIVIL, ANTÔNIO VICENTE.  
Era Presidente do Conselho Supremo o Doutor LAURO DE BARROS SICILIANO. Presidente da Diretoria Executiva: NÉLSON MORAES LOPES. A responsabilidade geral pelo evento esteve a cargo do doutor NÉLSON MOARES LOPES e o Chefe Geral de Programação foi BENEDITO CAMPOS CARVALHO.
Responsáveis pelas caravanas: número 1, RIO DE JANEIRO, veteranos: Doutor DARCY BANDEIRA DE MELLO, Doutor JOSÉ PARANHOS DO RIO BRANCO e SUBINSPETOR WALDYR AGENOR BRAMBILLA, da Guarda Civil de São Paulo, membro do Departamento da Juventude. Caravana número 2, OLÍMPIA, PIRASSUNUNGA e BRAGANÇA PAULISTA. Veteranos: BENEDITO CAMPOS CARVALHO, GERALDO NORBERTO FREIRE BRAGA, JOSÉ LEANDRO DE BARROS PIMENTEL, 1º TENENTE ELVIMEDORACH PENHA CRHISTOPHE CARVALHO, Diretor de Exumação e Transladação e 2º TENENTE JOSÉ ROBERTO CAPPELLI da Força Pública do Estado de São Paulo, membros do Departamento da Juventude. O CORNETEIRO-MOR foi o veterano ELIAS DOS SANTOS OLIVEIRA.  

Falece o ex-combatente de 32, PAULO NOGUEIRA FILHO, autor dos quatro volumes de “A GUERRA CÍVICA DE 1932”, em 30 de outubro de 1969. Em 23 de maio de 1980, os restos mortais de PAULO NOGUEIRA FILHO foram trasladados do Cemitério da CONSOLAÇÃO para o 1º BATALHÃO DE POLÍCIA “TOBIAS DE AGUIAR” e, desse batalhão, para o Monumento-Mausoléu do Soldado Constitucionalista, no IBIRAPUERA.

Falece NELSON DE MORAES LOPES em 26 de dezembro de 1969. Ele era o Presidente da Diretoria Executiva da Sociedade Veteranos de 32-MMDC. Em seu lugar assumiu o CAPITÃO Ref MOLINARI, da então FORÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO.