sábado, 1 de outubro de 2011

MEMÓRIAS DO VENTURA: 1º DE OUTUBRO DE 2011

MEMÓRIAS DO VENTURA: 1º DE OUTUBRO DE 2011: PRIMEIRO DE OUTUBRO DE 2 011 - S Á B A D O. 74 anos, 9 meses e 4 dias de idade. Início de minhas memórias – 9 de Julho de 1950. 23 ano...
Leiam o jornal "32 EM MOVIMENTO" pelo link
www.sociedademmdc.com.br

79º ANIVERSÁRIO DA CESSAÇÃO DAS HOSTILIDADES DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 - 02 DE OUTUBRO DE 2011 UMA POESIA DE FRANCES DE AZEVEDO ABORDA ESSE MOMENTO DA HISTÓRIA BRASILEIRA ENTREGA DE MEDALHAS

79º ANIVERSÁRIO DA CESSAÇÃO DAS HOSTILIDADES DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA.

BANDEIRA DA ESPERANÇA


A bandeira da esperança

Lá, bem no front, foi erguida

Com fé e perseverança

Ante a Carta preterida!



A marcha da juventude

No horizonte resplandece

Revestida de atitude

O ideal então floresce!



Avançam os federais

Na linha da liberdade

Mas encontram samurais

A lutarem com vontade!



Pela pátria, tão amada

Tombam corpos na trincheira

Em tão fria madrugada

Dão a nota derradeira!



Este episódio marcante

À nação deu outro alento

E num tempo não distante

Trouxe novo regramento!

Frances de Azevedo
MMDC
02/10/2011


MEDALHA  “GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO”

DIA 02 DE OUTUBRO DE 2011

1 Vice Almirante LUIZ GUILHERME SÁ DE GUSMÃO

2 Cap-de-Mar-e-Guerra CIRO DE OLIVEIRA BARBOSA

3 General de Exercito ADHEMAR DA COSTA MACHADO FILHO

4 Coronel HELDER CLÉBER DE BARROS RIBAS

5 Cel Aviador CESAR AUGUSTO BORGES TUNA

6 Coronel INT ADILIO MARTINS DE MOURA FILHO

7 Cel PM REGINALDO CAMPOS REPULHO

8 Cel Méd PM JOSÉ CARLOS QUEIROZ

9 Cel PM MARCOS ROBERTO CHAVES DA SILVA

10 Cel PM MANOEL MESSIAS MELLO

11 Sr. JOÃO CARLOS DIAS

12 Dr. GUÉRDSON FERREIRA

13 Dr. ARCHIMEDES CASSÃO VERAS JUNIOR

14 Dr. WALTER MÁRCICO RAMOS

15 Dr. JORGE PEREIRA DE OLIVEIRA

16 Inspetor JOSÉ CARLOS RODRIGUES DA SILVA

17 Inspetora MARIA DAS DORES ALVES DE OLIVEIRA

18 Dr. DIEGO MORENO GONÇALES

19 Dr. ROGÉRIO DO NASCIMENTO CARVALHO

20 Dr. DANIEL ZANETTI MARQUES CARNEIRO

21 Dr. SÉRGIO LUIZ PEREIRA SOARES

22 Dr. RUBENS DO SANTOS CRAVEIRO

23 Dr. JÁCOMO SPAMPINATO NETO

24 Dr. MARIO MARIANO MACHADO

25 Dr. JOSÉ VIEIRA DA SILVA JUNIOR

26 Sr. VANDERLEI DOS SANTOS

27 Sr MARCELO AUGUSTO TIBURCIO

28 Dra. MARIA LÚCIA CAMARGO

29 Dr. CELSO PERIOLI

30 1º Ten PM BEATRIZ DE ASSIS BASTOS MORASSI

31 2º Ten Méd PM Dr. FILIPE MINZON RODRIGUES

32 Dr. CARLOS ALBERTO LENZI





02 DE OUTUBRO DE 2011



Em 2 de outubro, sempre acontece uma solenidade neste MONUMENTO- MAUSOLÉU em comemoração à CESSAÇÃO DAS HOSTILIDADES DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA, cujos preparativos são realizados pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, apoiando a Sociedade Veteranos de 32-MMDC.

Em 2 de outubro de 1932, às 15:30 horas, o CORONEL EDUARDO LEJEUNE, o MAJOR MÁRIO RANGEL e o CAPITÃO JOÃO FRANCISCO DA CRUZ, todos da FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO, apresentaram-se diante do GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO, comunicando-lhe que ele estava deposto, que o CORONEL HERCULANO DE CARVALHO E SILVA havia sido nomeado GOVERNADOR MILITAR DO ESTADO e que terminava a luta. Diante desses fatos, elaborou-se um documento, encabeçado pelo próprio PEDRO DE TOLEDO, sempre altivo, com detalhadas e corajosas explicações “AO POVO DE SÃO PAULO”.

Houve inconformismo popular, difícil de ser contido. Na frente de batalha, mesmo diante da situação totalmente adversa, alguns soldados não aceitaram o final das hostilidades. Não concordando com aquele epílogo, o CORONEL EUCLYDES DE FIGUEIREDO pretendeu resistir, com uns poucos e obstinados combatentes. Mas, todos foram presos doze dias após. IBRAHIM NOBRE, exaltado, fez um desabafo: “A Revolução não deveria terminar assim. Depois que fossem os filhos, iriam os pais. Depois que eles morressem, iriam as irmãs, as mães, as noivas. Todos morreriam. Mais tarde, quando alguém passasse por aqui, neste SÃO PAULO deserto, sem pedra sobre pedra, levantando os olhos para o céu, haveria de ler, no epitáfio das estrelas, a história de um povo que não quis ser escravo”. Com as esperanças perdidas, porém com a dignidade conservada, os líderes civis e militares da Revolução foram presos. Arbitrariamente, a Ditadura remeteu-os na direção do Nordeste, pelo navio-presídio “PEDRO I”, do qual foram transferidos para o “SIQUEIRA CAMPOS”, em RECIFE. Esperava-os o exílio, no acolhedor PORTUGAL.

Uma moeda cunhada em 1932 que diz “TUDO POR UM SÃO PAULO FORTE NO BRASIL UNIDO”. No outro lado lemos: “AOS HERÓICOS SOLDADOS DA LEI, DEFENSORES DA MAIS ALTA ASPIRAÇÃO NACIONAL. HOMENAGENS DO POVO DE SÃO PAULO.” Esses dizeres simples demonstram o espírito nacional do Movimento que pretendia a normalização política do BRASIL.

Infelizmente, ainda em nossos dias, pretensos historiadores que não conhecem a fundo o que foi o Movimento Constitucionalista, dizem que SÃO PAULO queria se separar do BRASIL. Nada mais infame. Uma das provas mais eloqüentes que outros Estados também participaram desse esforço está o episódio em que os artilheiros do Forte ÓBIDOS, sobre o Rio AMAZONAS, partem para tomar MANAUS e, não podendo transportar os seus obuses, armam-se apenas com metralhadoras e fuzis, ocupando pequenos barcos. Contra eles, que sobem o rio, o governo estadual expediu dois navios com tropas. O encontro ocorreu diante do ITACOATIRA. Um dos navios, o BAEPENDI, o maior dos que sulcavam o AMAZONAS, foi empregado como aríete sobre as frágeis embarcações dos revoltados. Jarbas Passarinho assim conta o episódio: “Agindo com essa proa como se fosse um aríete, afundou-os. Em seguida, sem nenhuma contemplação para com os náufragos, metralhou-os.”

Acredito que os escritores que afirmam que São Paulo queria se separar do Brasil não conhecem o manifesto da Frente única, desertada por FLORES DA CUNHA. Essa Frente Única cumpriu o seu compromisso pelo brio pessoal de BORGES DE MEDEIROS, RAUL PILLA, FONTOURA, COLLOR, BATISTA LUZARDO e outros. Saíram a campo, em operações de guerrilhas que pelo menos retardaram a subida de tropas estaduais destinadas a combater os constitucionalistas de São Paulo. Só a 20 de setembro, aprisionado BORGES DE MEDEIROS, acaba a guerrilha constitucionalista da FRENTE ÚNICA gaúcha.

Também não devem conhecer o manifesto assinado por dom DUARTE LEOPOLDO E SILVA, arcebispo Metropolitano de SÃO PAULO; monsenhor GASTÃO LIBERAL PINTO, vigário-geral; JOSÉ MARIA WHITAKER, diretor do BANCO COMERCIAL; FRANCISCO PAIS LEME DE MONLEVADE, diretor da Estrada de Ferro SOROCABANA; GUILHERME DE ALMEIDA, da Academia Brasileira de Letras; CANTÍDIO DE MOURA CAMPOS, diretor da Faculdade de Medicina; desembargador COSTA MANSO, presidente do Tribunal de Justiça, e PLÍNIO BARRETO, presidente do Instituto dos Advogados, intitulado “AO POVO BRASILEIRO” acentuando: “SÃO PAULO não pegou em armas para combater os seus queridos irmãos dos outros Estados, nem para praticar a loucura de separar-se do BRASIL, mas unicamente para apressar a volta do País ao regime Constitucional. Enganam-se os que supõem que a atitude de SÃO PAULO esconde propósitos separatistas e é obra de partidarismo político. Podemos afiançar que é essencialmente nacionalista e sem o mais leve colorido partidário.”

79 anos passados, lembremos os grandes feitos dos nossos três irmãos gaúchos sacrificados em SÃO JOÃO; daquela moça loira que aos ombros de dois rapazes fazia ondear a bandeira paulista no Centro da Capital Federal, RIO DE JANEIRO; daquele herói juvenil paraense, PAULO CÍCERO TEIXEIRA, lutando uma noite inteira e morrendo com o dedo no gatilho; daqueles estudantes baianos feridos na Faculdade de Medicina; dos 38 mil voluntários paulistas; dos quase 300 mortos nas fileiras da FORÇA PÚBLICA, a maioria filhos de outros Estados; daqueles outros 330 voluntários que deram seu sangue pela causa constitucionalista; daquelas heróicas mulheres curitibanas; das 72 mil mulheres paulistas que deixaram o lar para servir à Revolução. Que sejam lembrados neste dois de outubro também os voluntários gaúchos que formaram em SÃO PAULO o BATALHÃO BENTO GONÇALVES; e também os mineiros, que a exemplo dos gaúchos, organizaram o BATALHÃO TIRADENTES; dos heróis matogrossenses de PORTO MURTINHO, COXIM, TRÊS LAGOAS; dos voluntários do PARANÁ; do BATALHÃO GOIANO; da FRENTE ÚNICA do RIO GRANDE DO SUL; dos estudantes de BELAS ARTES do RIO; dos heróis de ÓBIDOS, no AMAZONAS; dos de SOLEDADE, no RIO GRANDE DO SUL; do Batalhão de garimpeiros de MATO GROSSO; dos constitucionalistas de VIÇOSA e ARAPONGA, em MINAS; dos combatentes pela causa paulista de CASTRO (dessa cidade paranaense um tenente comandou um esquadrão de cavalaria que veio para São Paulo e lutou na região do Túnel da Mantiqueira). Outra cidade do PARANÁ que lutou pela causa constitucionalista foi SENGÉS.

Quero frisar com essas palavras o caráter nacional da Revolução Constitucionalista de 1932, afastando de uma vez por todas o mito do separatismo que pairava sobre SÃO PAULO, fruto de uma bem urdida manobra de GÓIS MONTEIRO, chefe das forças ditatoriais. Acredito mesmo que o tempo fez esquecer toda essa gente que lutou ao lado de SÃO PAULO.

O momento dessa solenidade de 2 de outubro é o ideal para agradecermos aos nossos irmãos do BRASIL que comungaram conosco o ideal de Direito, da luta pela normalização política do BRASIL, conspurcada pelo governo ditatorial de VARGAS.

Saibam que a única bandeira de Estado que tem o BRASIL em sua formação é a de SÃO PAULO. Dizia-se em 1932 PRO BRASILIA FIANT EXIMIA. Os selos, o dinheiro, tudo dizia para um BRASIL MELHOR. Onde está o separatismo? Somente na cabeça de maus brasileiros que pretendem denegrir o nosso Estado.

Hoje, são poucos os heróis de 1932 que estão vivos, bem poucos, cerca de apenas 45. No Monumento Mausoléu estão imortalizados 797 combatentes. A maioria dos heróis são de outros Estados ou de outros países, uma prova de que não havia idéia de separatismo no Movimento Constitucionalista.

Em homenagem à plêiade de heróis de 1932 tomo a liberdade de ler a carta do TENENTE MARIO HILÁRIO DALLARI. Ele partiu de SÃO PAULO integrando o 2º Batalhão da FORÇA PÚBLICA “MARCÍLIO FRANCO”. O TENENTE MÁRIO DALLARI, no dia em que partiu para o “front”, em 13 de julho de 1932, enviou aos seus familiares, em SERRA NEGRA, uma carta em que prenunciava a sua própria morte:

Bendita e adorada mãe, querido pai, inesquecíveis irmãos, sobrinhos e cunhados:

A DEUS peço ter-vos sob sua bendita guarda. Talvez, entes do meu coração, ao chegar estas linhas em vossas mãos, já o meu corpo se corrompa na podridão esfaceladora dos vermes asquerosos, ou talvez ainda eu esteja me batendo pela causa sacrossanta de SÃO PAULO e do nosso amado BRASIL. Se vos endereço esta carta, no dia de minha partida para o “front”, é para pedir-vos perdão pelos desgostos que vos tenho dado e dizer-vos que, se parti para a frente de batalha, não foi por falta de conselhos de meus queridos amigos AURÉLIO LEME DE ABREU, Dr NELSON, ROQUE, dona AINDA e meu tio FERRÚCIO, que me pediram muita prudência para tomar essa decisão.

Parti, porque assim me ordenava o coração e assim exigem os meus brios de paulista e de brasileiro. Levo sobre o meu coração, a medalha que minha abençoada mãe me deu, quando deixei minha casa para servir o Exército.

Se, por desventura, uma bala me ferir e eu tenha tempo, beijarei a imagem do SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS, da medalha, e pedirei perdão a meu pai, e o SAGRADO CORAÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA, como sendo minha mãe.

Não culpem ninguém por este meu ato. Se eu morrer, sentir-me-ei honrado morrendo por SÃO PAULO e pelo BRASIL. Lembranças minhas aos padrinhos FELIPE e MARIA JOSÉ e aceitem um forte abraço do filho que vos pede a bênção, do irmão, tio e cunhado, MÁRIO. VIVA SÃO PAULO, VIVA O BRASIL. VIVA A DEMOCRACIA. SÃO PAULO, 13 de julho de 1932.

O bravo serrano MÁRIO DALLARI, que, pela sua coragem e espírito guerreiro, foi logo promovido ao posto de 2º Tenente, morreu a 10 de setembro, quando, comandando um pelotão, tentava a travessia do RIO DAS ALMAS, na região de ITAPETININGA.

Essa carta foi-nos entregue pelo doutor HÉLCIO DALLARI JÚNIOR, nosso associado, no dia 19 de maio de 2006.

Expressando o sentimento de 1932, trazido para os dias atuais, um de nossos associados assim se expressa:

O Brasil é um país que resiste na beira do abismo. Abençoado por Deus e pela natureza, vive na dúvida entre o atalho do atraso e a reta da certeza. Uma nação que maltrata sua história e não agradece, todos os dias, a generosidade divina que nos concedeu uma extensão territorial de dimensão continental, rica em terras férteis, praias que enchem os olhos do mundo inteiro, água doce em abundância, fauna e flora que não devem nada aos países mais ricos.

Todos os versos e cantos ufanistas de nossa Pátria são verdadeiros e merecem o cultivo da eternidade. Quando Gonçalves Dias declama que “Nossa terra tem palmeiras, onde canta o sabiá...”, pratica um ato de civismo exemplar pelo caminho encantador da poesia. Assim como outros brasileiros exemplares, Gonçalves Dias tentou plantar raízes de civismo e amor à Pátria.

Civismo é a difícil tarefa de amar, em grandeza superior, os valores do País, do Estado e do Município. Uma pessoa acometida do vírus cívico é aquela que consegue romper os muros estreitos e menores de um cotidiano medíocre para se envolver em lutas e projetos que dignifiquem a vida. É fácil, cômodo e comum viver a pobre rotina da casa para o trabalho e de trabalho para casa, intercalada por um tempo livre que nada acrescenta e apenas demonstra que existe gente que passa por este mundo sem nunca ter vivido.

E a grande tragédia contemporânea do Brasil é a crescente alienação de sua população em relação aos valores cívicos que deveriam nortear uma nação civilizada.

Os jovens desapareceram das praças e a política, ciência superior do poder, deixou de ser pensada e discutida nas esquinas, evidenciando uma decadência social e cultural de elevada periculosidade cívica. A história nos ensina que o afastamento da juventude é um sinal de alarme para as nações, exigindo dos patriotas uma providência qualquer diante da falência de nossas instituições.

Por muito menos do que acontece no Brasil de 2010, os paulistas pegaram em armas dia 9 de Julho de 1932. Data máxima do povo paulista, 9 de Julho é a referência de honra e glória que jamais deixaremos desaparecer de nossa história.

Fizemos a maior guerra civil da história do Brasil em busca de uma Constituição para conquistarmos a democracia. Fomos derrotados militarmente, mas vencemos politicamente. Mesmo com a ditadura usando o rádio como propaganda enganosa, vendendo ao Brasil a idéia de que nossa revolução era separatista, liderada pelos italianos e barões do café, conseguimos a Constituição em 1934 e grandes avanços em direção à cidadania, como a conquista do voto feminino, por exemplo.

9 de Julho é o exemplo para sempre. Em 1932 fizemos a maior guerra cívica militar. Em 2011 precisamos, em paz, promover esse movimento cívico, partindo de São Paulo, para resgatar a ética, o próprio civismo e a cidadania numa nação destroçada pela corrupção.

O Brasil precisa buscar o exemplo nos tempos atuais da Epopéia de 32, onde o IDEAL DO DIREITO era a única meta daqueles 130 mil homens, mulheres e crianças envolvidos no Movimento Constitucionalista Eles conseguiram, embora derrotados pelas armas, o retorno da Carta Magna do País. A eles nosso preito de gratidão!