segunda-feira, 16 de março de 2020

BLOG DO ANTONIO MORAIS: MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO SAI EM DEFESA DE BOLSONARO E DO POVO BRASILEIRO.


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara

segunda-feira, 16 de março de 2020

Ministro Luis Roberto Barroso sai em defesa de Bolsonaro e do povo brasileiro após manifestações: "Um grande líder de uma grande Nação."


O ministro do STF, Luis Roberto Barroso comentou sobre as manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro que aconteceram no último domingo (15), em todos os estados do Brasil.
Para o ministro, Bolsonaro foi corajoso e demonstrou ser um grande líder, pois não abandona sua nação nem em momentos difíceis como o que estamos passando agora, com a pandemia do COVID-19.
Barroso também criticou a hipocrisia de certos líderes políticos e de opositores do presidente que o atacaram de forma articulada e corporativista.
O ministro afirmou que a grande maioria de quem criticou a atitude do presidente, que saiu às ruas para cumprimentar a população, fez o mesmo em outras situações, como foi o caso de alguns deputados, senadores,  ministros e jornalistas que participaram da cerimônia de estréia da "CNN Brasil" no último dia 9, que reuniu cerca de 1300 pessoas em um espaço confinado, diferente das manifestações do domingo, que foram em local aberto.
Roberto Barroso também deixou claro que o povo é soberano e não irá se submeter às ordens de políticos que foram colocados lá para trabalhar para a nação

O BRASIL ESTÁ EM GUERRA - REBELIÕES COORDENADAS EM TODOS OS PRESÍDIOS DO PAÍS, MILHARES FOGEM.

O BRASIL ESTÁ EM GUERRA - REBELIÕES COORDENADAS EM TODOS OS PRESÍDIOS DO PAIS, MILHARES FOGEM.



Porto Feliz tem o recorde de detentos em fulga, são cerca de 3 mil presos segundo informações de funcionários.
Cerca de 400 detentos fugiram no início da noite desta segunda-feira (16) do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) Dr Rubens Aleixo Sendin, localizado em Mongaguá, no litoral de São Paulo, após o cancelamento das 'saidinhas' por conta do coronavírus. Ainda há reféns no local.

O CPP de Mongaguá fica no Balneário Arara Vermelha e tem capacidade para receber 1.640 presos. A penitenciária funciona no regime semiaberto e presos podem trabalhar durante o dia e voltar a unidade prisional para dormir na cela durante a noite.
Ainda não há informações de como os presos conseguiram escapar mas, eles teriam se rebelado após a suspensão da saída temporária como forma de medida preventiva para conter o avanço do coronavírus. No Estado de São Paulo, outros presídios que também registraram fugas após a nova ordem.
Em Mongaguá, os presos fizeram funcionários reféns na portaria do CPP e, em seguida, fugiram em massa do local. Ainda há reféns dentro do presídio e a polícia trabalha na negociação para conseguir liberar os funcionários.

UNIDADES EM REBELIÃO NESSE MOMENTO EM SP NO SISTEMA PRECARIZADO NESSA GESTÃO DORIA,  ATUALIZADO!

CR de Sumaré
CPP 1 de Hortolândia
Tremembé
Porto feliz
Irapuru
Mirandopolis
Monguagua
Taubaté
Franco da Rocha
Osasco
Campinas


FUGA CDP MONGAGUÁ SP
400 PRESOS

FUGA CDP MIRANDÓPOLIS SP
200 PRESOS

FUGA CDP TAUBATÉ SP
200 PRESOS

ORDEM DO PCC
ATACAR TODA ESPÉCIE DE AGENTE DE SEGURANÇA PUBLICA
POLICIAIS
 
A penitenciaria de Porto Feliz esta tomada pelos presos.
Presos estão tomando a rodovia e roubando os carros para efetuar fugas.
LIGUE 190 em caso de alguma suspeita.

A Rebelião no estado de São Paulo, orquestrada pelo PCC, usa o corona vírus como o estopim para tal ato, desde que o atual governador João Doria assumiu a gestão do estado, o mesmo dificultou o trabalho sócio-educativo dentro dos presídios, colocando "uma faca na garganta" dos empresários paulistas cobrando taxas e tributos absurdos, forçando assim a saida de mais de 60 empresas que trabalhavam em conjunto com o sistema prisional, levando o beneficio ao preso, redução de pena, o pagamento da sua divida com o estado, tendo como ocupação e ressocialização dos detentos, deixando-os com o minimo de tempo ocioso para maquinar estrategias como está.
Não existe um fato isolado, todos os fatos são uma somatória de fatores e erros, o GOVERNADOR DÓRIA, por mera pirraça contra a gestão Bolsonaro, está sacrificando e provocando uma eminente falência de  60  empresas que atuam dentro e foras dos presídios paulistas, gerando 37 mil desempregos diretos e indiretos.

MAJOR OLÍMPIO E JOÃO DORIA DISCUTEM DURANTE EVENTO EM SP E SÃO APARTADOS POR SEGURANÇAS DO GOVERNO

Por G1 SP — São Paulo
 

--:--/--:--
Major Olímpio e João Doria discutem em evento da polícia na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo.
O senador Major Olímpio (PSL) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), trocaram insultos na manhã desta segunda-feira (16) durante um evento na sede do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo.
A confusão começou quando o senador Major Olímpio tentou interceptar o governador na chegada ao evento, sentando no carro oficial do governo e gritando palavras de ordem, ao lado do deputado federal Coronel Tadeu (PSL). Doria tinha uma agenda oficial agendada com os policiais do DOPE.
Na versão do senador Major Olímpio, o governador convocou os policiais para ficarem desde as 7h da manhã para fazerem imagens com ele e, incomodados pela espera, os policiais teriam acionado o parlamentar, que foi para frente do DOPE acompanhado pelo deputado federal Coronel Tadeu (PSL).
Pelos vídeos gravados por participantes do evento, o governador deixou o carro e decidiu entrar a pé no evento depois que o carro foi interceptado, sendo perseguido pelo senador.
“Fujão, fujão. Você não tem respeito”, gritou o senador contra João Doria.
Já dentro do DOPE, é possível ver o governador e o senador sendo apartados por seguranças, enquanto Doria chama o parlamentar de “vagabundo, vagabundo”.
O governador de São Paulo, João Doria, discute com o senador Major Olímpio (PSL) na sede do DOPE, na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. — Foto: Reprodução/Redes SociaisO governador de São Paulo, João Doria, discute com o senador Major Olímpio (PSL) na sede do DOPE, na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. — Foto: Reprodução/Redes Sociais
O governador de São Paulo, João Doria, discute com o senador Major Olímpio (PSL) na sede do DOPE, na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. — Foto: Reprodução/Redes Sociais
Por causa das discussão, o senador foi colocado para fora do evento pelos seguranças e o DOPE deve os portões fechados.
“Com a minha caixinha de som, ficamos fazendo falas. Ele começou a me dizer impropérios e, obviamente, protegido pela segurança, fez com que esses seguranças me colocassem para fora do evento. Lamentável, atitude covarde do governador João Doria. Não comigo, comigo que se dane, mas com os policiais de São Paulo. Não vai ficar barato isso", disse Major Olímpio em um vídeo publicado nas redes sociais.
Em nota oficial divulgada pela assessoria de imprensa do Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria declarou que está "preocupado com a saúde dos brasileiros de São Paulo” e que o senador Major Olímpio “deveria honrar o seu mandato e fazer o mesmo”.
“Não é hora de fazer proselitismo político eleitoral. É um desrespeito ao povo de São Paulo um senador da República que vira as costas para o grave tema da saúde pública. E quer fazer campanha política, ideológica e sindical na hora errada", disse o governador.