terça-feira, 15 de outubro de 2013

IMAGENS DA ENTREGA DA MEDALHA "GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO" NO DIA 15 DE OUTUBRO A NOSSOS ASSOCIADOS POR OCASIÃO DAS COMEMORAÇÕES DO 81º ANIVERSÁRIO DE ENCERRAMENTO DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932

SEDE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC
SOLENIDADE ALUSIVA AO 81º ANIVERSÁRIO DA CESSAÇÃO DAS HOSTILIDADES DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932.
NOSSOS ASSOCIADOS RECEBEM A MEDALHA 

Cap PM Fabiano de Souza Pereira
Cap PM Anderson Luiz Alves dos Santos
Cap PM Wagner Roberto Sanchez Lima
Sra Elza Busato
Sr. Américo Calandriello Júnior
Sr. Diógenes Domingues Calandriello
Tenente PM Paulo Roberto Reis Teixeira de Souza
1º Tenente PM Rafael de Oliveira Casella
1º Tenente PM Victor Adolfo Carvalho e Silva
2º Tenente PM Gerson Rodrigues Redicopa
Dr. Luiz Gustavo Cury Cardoso
Aspirante a Oficial PM Bruno Lopes Ribeiro
 Aspirante a Oficial PM Fernanda Mello Magrini
Al Of PM Alberto Vinícius Caldeira Lima
2º Sgt PM Donizete Antonio Mariano
3º Sgt PM Jeimis Henrique Mota Alvarenga
3º Sgt PM Agnaldo Langannis
Cabo PM Carlos Alberto Cabrera
Cabo PM Carlos Eduardo Nunes
Professor João Francisco de Aguiar
Dr. José Carlos Barone
Soldado PM Robson de Santana
Soldado PM Antonio Sobral dos Santos
Soldado PM Ronaldo Luiz Bilha
Soldado PM Daniel Repulo Moriente
Soldado PM Adriana Paula dos Santos
Sr. Guilherme Mantovani Coli




POR PROPOSITURA DO VEREADOR TONINHO PAIVA, O LEGISLATIVO PAULISTANO REALIZOU SESSÃO SOLENE EM 04 DE OUTUBRO, LEMBRANDO OS 81 ANOS DA CESSAÇÃO DAS HOSTILIDADES DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 E CONCEDEU O “DIPLOMA DE GRATIDÃO” OS QUE PRESTARAM RELEVANTES SERVIÇOS À CAUSA DA CONTRA REVOLUÇÃO DE 32.

Profº Doutor JOSÉ CARLOS DE BARROS LIMA
Profª MARGARIDA ROSA DE LIMA
Profª Doutora MARIA CECÍLIA NACLÉRIO HOMEM







UM CÉU CINZENTO: A HISTÓRIA DA AVIAÇÃO NA REVOLUÇÃO DE 1932 - CARLOS ROBERTO CARVALHO DARÓZ



PREZADO CARLOS DARÓZ
Nesta tarde, quando estávamos recebendo os convidados para a Solenidade de Outorga da Medalha "GOVERNADOR PEDRO DE TOLEDO", na sede da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, chega o seu livro, como caído do céu.
Entusiasmado com o presente, fiz menção ao seu nome e à sua obra aos civis e oficiais e praças presentes à cerimônia, logo em seguida.
O professor JEFFERSON BIAJONE, nosso presidente do Núcleo de Correspondência
de ITAPETININGA, já havia feito menção ao seu livro.
No meu retorno a GUARULHOS, onde moro (viajo sempre de ônibus) tive tempo para me inteirar de seu trabalho muito bem feito e que elucida pontos obscuros da aviação em 1932.
Sua obra é oportuna pois em dezembro comemoraremos o centenário da aviação no Brasil.
Tomei a liberdade de lançar em meu blog a sua carta, servindo também de uma triangulação com o seu blog.
Seu livro, certamente, precisa ser difundido em SÃO PAULO. Colocada a carta em "MEMÓRIAS DO VENTURA", vai também para o FACEBOOK e haverá o conhecimento de todos os nossos associados.
Vamos pensar em sua presença em uma data importante em 2014, quando você poderá nos brindar com uma palestra sobre o tema.
MEUS PARABÉNS PELA REALIZAÇÃO DE "UM CÉU CINZENTO: A HISTÓRIA DA
AVIAÇÃO NA REVOLUÇÃO DE 1932 e agradeço por você ter me enviado o seu livro.
Estou à sua disposição para outros contatos





RECIFE-PE, O2 DE OUTUBRO DE 2013
OITENTA E UM ANOS DO FIM DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA

PREZADO CEL VENTURA,
Meu nome é CARLOS ROBERTO CARVALHO DARÓZ, sou tenente-coronel do Exército Brasileiro atualmente servindo como Chefe da Divisão de Ensino e professor de História do Colégio Militar do RECIFE. Sou neto de ex-combatente de 32, o então Sargento Enfermeiro PEFANI DARÓZ, que, à época, servia no 4º Regimento de Artilharia Montada de ITU e combateu nas Frentes Mineira e do Vale do Paraíba. Posteriormente, meu avô tornou-se oficial do EB e, servindo no 2º Regimento de Artilharia Antiaérea, de QUITAÚNA, foi enviado para FERNANDO DE NORONHA em 1942, participando da defesa do arquipélago. Dois anos mais tarde, voluntariou-se para integrar a Força Expedicionária Brasileira e atuou na ITÁLIA em 1944-1945. De retorno ao BRASIL, prosseguiu na carreira das armas e chegou ao posto de coronel, quando comandou o Estabelecimento de Material de Intendência da 2ª RM, com sede na LAPA, capital paulista. Durante muitos anos foi membro da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, cuja carteira de sócio envio em anexo. Faleceu alguns anos atrás, aos 93 anos de idade, na cidade do RIO DE JANEIRO.
Além de oficial do EB, sou professor de história e historiador militar, com formação pela Universidade Federal do Estado do RIO DE JANEIRO e pelo Instituto de Geografia e História Militar do BRASIL. Há anos venho pesquisando a história da Revolução Constitucionalista, que reputo em um dos mais importantes fatos históricos da História do BRASIL e que deve ser valorizado por sua dimensão democrática.
Como resultado de minhas pesquisas – realizadas em diversos órgãos, arquivos, museus e bibliotecas, públicos e privados, produzi o livro UM CÉU CINZENTO: A HISTÓRIA DA AVIAÇÃO NA REVOLUÇÃO DE 1932, que teve por objetivo resgatar a história dos homens e máquinas que lutaram nos céus de SÃO PAULO, seja do lado constitucionalista, seja do lado federal. O livro foi lançado aqui no RECIFE em junho deste ano e tem alcançado um grande sucesso de divulgação e comercialização, pois, felizmente, muitos são os que se interessam pelo assunto.
Nesse sentido, para mim é uma grande honra presentear o Presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC com um exemplar do meu livro. Pretendo, ainda, caso consiga operacionalizar, realizar um lançamento do livro aí em SÃO PAULO – o coração da Revolução – em que pese o fato de eu não dispor de nenhum apoio ou contato na cidade e a dificuldade de deslocamento RECIFE – SP – RECIFE.
O livro possui uma página no FACEBOOK, para divulgação e contatos com o autor, no seguinte endereço: https://www.facebook.com/UmCeuCinzento
Espero sinceramente que o senhor aprecie a leitura do trabalho, realizado após seis anos de cuidadosa pesquisa, que é minha contribuição para o estudo deste importante capítulo da história da aviação e da Revolução de 32.
No mais, estou à disposição do senhor aqui no RECIFE.

ATENCIOSAMENTE,
CARLOS DARÓZ

MÉTODO GIRALDI - ORIENTAÇÕES




            Aos (Às) Professores (as) do “Método Giraldi”
             
         1. Recentemente, convidado, estive na “CONECTAS” (Av. Paulista, nº 575, 19º andar, São Paulo-SP) órgão internacional de defesa do cidadão, incluindo o policial, fazendo exposição do “Método Giraldi” a qual, ao final, foi muito aplaudida, elogiada e aprovada;
         1.1. Logo em seguida (26Set13), convidado, estive na Câmara Municipal de São Paulo-SP fazendo, também, exposição do “Método Giraldi” a qual, ao final, também foi muito aplaudida, elogiada e aprovada;
        1.2. No último dia 04Out13, convidado, estive na Universidade Federal de São Carlos-SP ministrando um “mini curso” sobre ‘Segurança Pública e Polícia” onde, integrado, esteve o “Método Giraldi”, o qual, ao final, foi muito aplaudido, elogiado e aprovado;
            1.3. E muitos outros compromissos me aguardam;
            2. Atualmente, o grande problema para treinamento do “Método Giraldi” são locais próprios, em quantidade suficiente, para essa finalidade;
            2.1. SOLUÇÃO?
            2.1.1. Aplicar o que no anexo se encontra;
            3. Antes de dar início a qualquer aula do “Método Giraldi”, não importa em que fase, digam aos alunos:
3.1. “---- Não estou aqui para ensiná-los a matar; matar qualquer um sabe, inclusive os agressores que matam, no Brasil, em torno de 50.000 pessoas por ano sem nunca terem treinado”;
3.1.1 “---- Estou aqui para ensiná-los a preservarem suas vidas e suas liberdades”;
3.1.2. “---- A regressarem, íntegros, ao seio das suas famílias, após uma jornada de trabalho, e não para o necrotério, para uma cadeira de rodas ou para a prisão”;
3.1.3. “---- A usarem usas armas de fogo para servir e proteger a sociedade e a si próprios”;
3.1.4. “---- Pois essas são as finalidades do “Método Giraldi”. “Quem não quiser aprender pode ir embora; e os que ficarem colaborem”;
3.2. Em seguida leiam e divulguem para seus alunos e não alunos as seguintes estatísticas:-
3.2.1. Em 1999, sem o “Método Giraldi”, foram assassinados, no Estado de São Paulo, pelos agressores, 318 policiais militares quando defendiam a sociedade;
3.2.2. No início de 2.000 a média era de 1 por dia, fato que ganhou as manchetes de jornais, inclusive do “Estadão” através de editorial especial;
3.2.3. A projeção era a de que, a continuar naquela progressão, dez anos depois (2009) seriam em torno de 450;
3.2.4. A PMESP deu início à implantação do “Método Giraldi”; cem mil homens e mulheres pela frente a serem requalificados; uma luta heróica. Faltava tudo, desde professores, alvos e locais para treinamento, até munição, tempo suficiente para fazê-lo e uma mudança de cultura;
3.2.5. Antes nosso policial era ensinado a matar e quem morria era ele. Passou a treinar para preservar vidas, a começar da sua e de pessoas inocentes; também dos agressores naqueles instantes em que não há necessidade de disparos contra os mesmos;
3.2.6. O disparo do policial passou a ser efetuado como última alternativa; medida extrema para preservar vidas inocentes, incluindo a do policial; dentro da “legalidade”, obedecendo aos princípios da “necessidade”, “oportunidade”, “proporcionalidade” e “qualidade”. Um disparo dentro dessas circunstâncias jamais levará seu autor a ser por ele condenado nos tribunais;
3.2.7. Procedimento passou a ser regra, disparo exceção, pois arma de fogo sem procedimentos não vale nada;
3.2.7.1. Justificativa: Procedimentos, na quase totalidade das vezes, é que preservam vidas, a começar pela do policial, e solucionam problemas;
3.2.7.2. Resultado:- Em 2009 ao invés dos 450 policiais militares previstos para serem assassinados no Estado de São Paulo, em serviço, foram 12; e nenhum havia aprendido, ainda, o “Método Giraldi”;
3.2.7.2.1. Em 2012 foram 03 (três); nenhum aplicou o “Método Giraldi”;
3.2.7.2.2. E os confrontos amados, nesse período, triplicaram;
3.2.7.3. E centenas de policiais militares deixaram de perder suas liberdades;
3.2.7.4. E a vida de centenas de pessoas inocentes e contra as quais não havia necessidade de disparos também foi e está sendo preservada;
3.2.7.5. E dezenas de outras deixaram de morrer nos casos de reféns tomados, seqüestros, e situações semelhantes em que o agressor usa sua vítima para obter o que deseja;
3.2.7.6. Antes da aplicação do que estabelece o “Método Giraldi”, para esse tipo de ocorrência policial, com a atuação da polícia as vítimas é que, normalmente, sofriam as conseqüências, morrendo ou tendo sua integridade física atingida;
3.2.7.7. Com a aplicação das normas estabelecidas pelo “Método Giraldi” as conseqüências passaram a ser:- Vítimas ilesas; agressores presos; polícia aplaudida; policiais regressando, íntegros, ao seio das suas famílias;
3.2.7.8. Nesse tipo de ocorrência a vida e a integridade física da vítima precedem tudo;
3.2.8. Essas são as finalidades do “Método Giraldi”:- Preservar a vida e a liberdade do policial;
3.2.8.1. Na vida há alguma coisa mais importante que a vida? Depois da vida a liberdade?
3.2.9. E tudo isso só foi conquistado graças a vocês, professores do “Método Giraldi”. Parabéns! Continuem! Que as dificuldades encontradas sirvam apenas para fazê-los crescer e cada vez mais fortes ficar. Mais uma vez: PARABÉNS!
            4. Em seguida peçam para seus alunos repetirem com vocês, numa só voz, várias vezes, até que decorem:-
4.1. “---- Deixo meu suor no campo de treinamento para não deixar meu sangue e minha liberdade no campo de trabalho”;
4.2. “---- Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos”;
4.3. “---- Trabalho de polícia é trabalho de equipe”;
4.4. “---- Jamais fugirei das minhas responsabilidades, mas tenho limites; não devo ultrapassá-lo; se o fizer tragédias poderão ocorrer, inclusive minha morte e a morte de pessoas inocentes; devo chamar apoio”;
4.5. “---- Para o Estado sou um número; para minha família sou imprescindível; ela me espera”;
OBS: Essas frases são todas do “Método Giraldi” e estão registradas.
5. E mais o que vocês julgarem necessário.
Abração para todos (as), com saudades...
Giraldi