segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

CONVITE - APRESENTAÇÃO DA BANDEIRA NACIONAL AOS NOVOS SOLDADOS DA POLÍCIA MILITAR NO COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR 7 - SOROCABA.

CONVITE

Caixa de entrada
x

cpi7p5 cpi7p5@policiamilitar.sp.gov.br por  polmil.sp.gov.br 

16:08 (Há 5 horas)
 para marinogabinetejdmauriciolaraepadilhajose.eugeniomfarahtoni.silveiraeulamarckedmilson.moraeszecomitreiso.recepcaojoaoguilhermemariana'thais'luis.oliveirajaquelincoutinhoesyllosepaulinociespetpcamargodrs16prsp-prm_sorocabasandra.soaresjpedrosacontatocontatoturismoangelabrunarobertojsmelojoaoabreu
   
Ver mensagem original
compian

FALANDO DE BRASIL - LAURO HENCHEN

 OI BLOGUINHO ESTÁ ATUALIZADO

lauro@laurohenchen.com.br

21:01 (Há 32 minutos)
para

-------- Mensagem original --------
Assunto: OI BLOGUINHO ESTÁ ATUALIZADO
Data: 2019-01-14 20:46
De: <lunafreire@falandodebrasil.com.br>
Para:

TEMOS UM JUSTIÇA DESMORALIZADA [1] - Esse foi o título que dei para o
último dos três textos que colei no bloguinho.

LINK DE ACESSO: www.falandodebrasil.com.br [2]

Humberto

Links:
------
[1] http://falandodebrasil.com.br/?p=6511
[2] http://www.falandodebrasil.com.br

CONVITE DA SOLENIDADE DOS 465 ANOS DA CIDADE DE SÃO PAULO.


BOLSONARO ESCOLHE GENERAL COMO PORTA-VOZ DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Bolsonaro escolhe general como porta-voz da Presidência da República

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2019 20h15
  •  
  •  
  •  
José Cruz/Agência BrasilImagem de arquivo do presidente da República, Jair Bolsonaro
O general Otávio Santana do Rêgo Barros foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para ser porta-voz da Presidência da República, informou nesta segunda-feira (14) a Secretaria de Governo.
Natural de Recife, Rêgo Barros tem 58 anos e ingressou na carreira militar em 1975, como aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Ele ocupava desde 2014 a chefia do Centro de Comunicação Social do Exército, onde era um dos assessores do então comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas – que deixou o posto na semana passada e vai integrar a equipe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).
Rêgo Barros ainda foi assessor da extinta Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), onde participou da organização do livro Desafios Estratégicos para a Segurança e Defesa Cibernética. Atuou na Cooperação Militar Brasileira no Paraguai e na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti. Como oficial general, comandou também a força de pacificação nos complexos do Alemão e da Penha, no Rio de Janeiro, e a segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.
*Com Agência Brasil

ÀS PORTAS DO MONUMENTO DE 32 - DE JUDAS ISGOROGOTA.


VIDA E OBRA do Poeta e Jornalista

ÀS PORTAS DO MONUMENTO CONSTITUCIONALISTA DE 32 

    O poema "A Última Legenda", em homenagem aos paulistas de 32, incluído no livro"A Árvore Sempre Verde" (S.Paulo, Edições Saraiva, 1959) foi inspirado nos versos que Judas Isgorogota escreveu, em 1945, a pedido do grande Escultor Galileo Emendabili, destinados às portas do Monumento ao Soldado Constitucionalista de 32, no Ibirapuera:
 
        ENTRAI, LEVANDO ÁS MÃOS O CORAÇÃO EM JÚBILO,
        VOSSA HUMILDE OFERENDA À ETERNIDADE BELA,
        SEJA EM LOUVOR DO HERÓI - O SÍMBOLO DE UM POVO
        A QUEM A MORTE INSPIROU APENAS UM SORRISO.
 
 
Porta de Bronze do Escultor Galileo Emmendábile do Obelisco no Ibirapuera em homenagem aos soldados mortos da revolução de 32.
 
 
Documento assinado pelo escultor italiano Galileo Emendabili declarando que os versos hexamétricos que figuram nas duas portas do Monumento ao soldado Constitucionalista de 32 é obra prima de Judas Isgorogota.
 
A ÚLTIMA LEGENDA

                   Aos paulistas de 32


Num gesto juvenil, tombou tal como um lutador olímpico:

— sobre a face risonha a expressão do herói helênico e esportivo
que lutou, golpe a golpe, ombro a ombro, a alma aberta, incendiada,
do mais alto ideal: — morrer pela Pátria que morre;

— o ultimo olhar preso ao gradil das sorridentes pálpebras
como ainda a lembrar a ação do lance decisivo:
a lâmina luzindo ao sol, os músculos retesas,
e, aureolada de tênue lua, florão de glória e sangue,
a cabeça a pender, feliz, diante da Eternidade;
— e à flor do lábio ingênuo e puro, iluminado e telo, 
        
o sorriso de quem sangrou por amor à beleza              
da vida, por amor do Ideal e por amor da luta,            
dando o exemplo imortal: cair, sorrindo, como um símbolo,         \
e não perder a fé, mesmo perdendo a derradeira lança.

Grande o povo a quem, a Morte inspirou apenas um sorriso.
                                                           Judas Isgorogota


Leia mais: https://judasisgorogota.webnode.com/%C3%A0s-portas-do-monumento/

GREVE NA FORÇA PÚBLICA - 14 DE JANEIRO DE 1961.

Resultado de imagem para GREVE NA FORÇA PÚBLICA EM JANEIRO DE 1961.
  58 a. da publicação no jornal FOLHA DE SÃO PAULO, em 14 de janeiro de 1961, sobre a greve na FORÇA PÚBLICA: “ALASTROU-SE A VARIAS UNIDADES DA FP A GREVE DEFLAGRADA ONTEM PELOS BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Irrompida pouco depois das 8:30 horas da manhã, a greve dos bombeiros da Capital – em sinal de protesto contra o nível de seus soldos – ganhou corpo durante todo o dia, alastrando-se pelas unidades com sede no Interior do Estado. Houve adesões na FORÇA PÚBLICA, paralisando inclusive parte do policiamento ordinário da cidade, a cargo da RÁDIO PATRULHA (22 das 144 viaturas) e, ao terminar a jornada, o movimento transformou-se numa greve “por tempo indeterminado”. Trinta detenções –aspirantes e oficiais– foram efetuadas, cinco chamados de incêndio (só na zona centro) deixaram de ser atendidos, além de uma ocorrência em GUARULHOS em que o corpo de um menor afogado não pôde ser retirado da água. As últimas horas da noite de ontem surgiram os primeiros informes segundo os quais, além das trinta prisões, tornadas públicas, dois ônibus lotados de oficiais detidos haviam sido enviados à SOROCABA, embora fontes oficiais não confirmassem a notícia. Às 15:40 horas de 13 de janeiro, o Comandante do CORPO DE BOMBEIROS, CORONEL MILTON MARQUES DE OLIVEIRA, saiu do QG dos Bombeiros e dirigiu-se ao da FORÇA PÚBLICA onde passou a conferenciar com o comandante-geral, o CORONEL do Exército Brasileiro OLDEMAR FERREIRA GARCIA (nomeado por decreto de 7 de janeiro de 1961) e com o chefe do Estado-Maior. Pouco antes das 17 horas o coronel saiu do QG como portador de um apelo a ser dirigido à Corporação em favor da disciplina. O comandante mandou reunir a tropa no pátio do QG. Houve de início resistência dos oficiais e soldados que se encontravam nas imediações, e não desejavam ingressar, desejando antes que o comandante fosse a eles. Depois de alguma hesitação e conduzidos por um tenente, os milicianos reuniram-se, afinal, no pátio interno, onde o CORONEL MILTON MARQUES DE OLIVEIRA lhes dirigiu a palavra. As palavras do comandante foram acolhidas com serenidade, mas não  logrou reprimir a greve que, a partir de então, ganhou características de movimento por tempo indeterminado. Logo em seguida, chegou ao QG o presidente do CLUBE DOS SARGENTOS DA FORÇA PÚBLICA, o qual informou que o movimento tinha a solidariedade de todos os sargentos da FORÇA. Às 18 horas, chegou ao QG o CORONEL COSTA JÚNIOR, comandante do 9 º Batalhão de Policiamento que, em companhia de toda a oficialidade da unidade, resolveu solidarizar-se com o movimento. Interpelado se toda a unidade entrara também em greve ou se apenas hipotecara solidariedade moral, respondeu: “O canário na muda não canta. E eles estão na muda”. Quando retornou à tarde para o QG, o carro que conduziu o comandante da FORÇA PÚBLICA foi seguido por uma perua. Mas os soldados que se achavam à frente do edifício, julgando que o veículo conduzia milicianos presos, montaram verdadeira barreira humana para impedir o seu ingresso no QG. À circulação do boato de que um choque da FP iria dispersá-los, instalaram as mangueiras e prepararam quatro guarnições, dispondo-se a enfrentar qualquer choque com jatos d´água. Foi o momento de maior tensão no curso dos acontecimentos do dia. O povo, do lado de fora, também em ambiente de tensão, se pôs a aplaudir a formação da defesa improvisada. Pouco depois das 17 horas compareceu ao QG uma comissão de líderes sindicais, acompanhados de um deputado. Às 20 horas, foi retirada a ESCADA MAGIRUS que os bombeiros haviam erguido em frente do prédio do CORPO DE BOMBEIROS, tendo no alto uma bandeira preta. Também o clarim aderiu a greve. Os toques ordinários deixaram de ser dados, a partir do toque de revista, ao meio-dia.    
O CHEFE DA CASA MILITAR, CORONEL DJALMA ARANTES, confirmou as notícias de PRONTIDÃO GERAL na FORÇA PÚBLICA e guarda redobrada no PALÁCIO.
Cerca das 22 horas, o GENERAL STÊNIO CAIO DE ALBUQUERQUE LIMA, comandante do II EXÉRCITO, esteve nos CAMPOS ELÍSIOS, a chamado do governador. Nada transpirou da conversa mantida entre ambos, sabendo-se apenas que foi tratada a situação criada na FP com a greve dos bombeiros.
Às 23 horas, o CAPITÃO SIDNEI GIMENEZ PALÁCIOS, comandante do 5º BC, de TAUBATÉ, que se encontrava no QG do CORPO DE BOMBEIROS, informou à reportagem que o BATALHÃO DE GUARDAS aderiu ao movimento, abrindo os portões da unidade, sem rendição da tropa.
À tarde, o BATALHÃO DE TRÂNSITO da FORÇA PÚBLICA aderiu ao movimento e os guardas abandonaram os semáforos e o policiamento de trânsito. Diante da crise eclodida na FORÇA PÚBLICA, o governador do Estado convocou para ontem à noite uma reunião das principais autoridades do Estado, a fim de estudar o assunto. Cerca das 22 horas teve início essa reunião, que durou até às 23 horas. À saída, a reportagem interrogou o Comandante do II EXÉRCITO, GENERAL STÊNIO CAIO DE ALBUQUERQUE LIMA, que afirmou ter examinado, com o governador e demais autoridades do governo, a situação da crise na FORÇA PÚBLICA. Interrogado se era iminente a intervenção do EXÉRCITO, informou que por enquanto, não cogitava do assunto. Obtiveram-se também do Comandante da FORÇA PÚBLICA, as seguintes informações: 1º) a FP tentará debelar com seus próprios recursos a crise, sem recorrer ao EXÉRCITO; porém, se isso não for possível a intervenção do EXÉRCITO se dará; 2º) A “greve branca”, na sua opinião, continua a mesma; 3º) Não houve propriamente prisão de oficiais do Corpo de Bombeiros, mas apenas de praças e soldados; 4º) Quanto a situação em si, naquelas dependências da FORÇA, disse que o foco de greve permanecia o mesmo. Acentuou, finalmente, que a situação ainda é obscura. Outro participante da reunião de ontem à noite nos CAMPOS ELÍSIOS foi o BRIGADEIRO FARIA LIMA, que ao deixar o PALÁCIO, não quis confirmar nem desmentir as notícias de mediação no caso da FORÇA PÚBLICA. O CORONEL HUGO ALMEIDA PORTELA, Comandante do 2º BP, e o MAJOR ÊNIO COLAÇO FRANÇA, comandante do 12º BP, entregaram-se ao comando da FORÇA PÚBLICA por não pretenderem participar do movimento.
Após receber informações do governador CARVALHO PINTO sobre a crise na FORÇA PÚBLICA, o ministro ODÍLIO DENYS entrou em contato com o ministro ARMANDO FALCÃO, da Justiça, com quem tratou do assunto, discutindo providências.
À zero hora de 14 de janeiro, todos os carros (ou quase todos) dos diversos distritos do CORPO DE BOMBEIROS, foram levados para o QG da Corporação, totalizando 63 veículos e 4 escadas MAGIRUS.
Aos 40 minutos de hoje continuavam as reuniões governamentais para cuidar da crise da FORÇA PÚBLICA. Nos CAMPOS ELÍSIOS, na ala residencial do PALÁCIO, além do governador, estavam reunidos o secretário da Segurança Pública, FRANCISCO JOSÉ DA NOVA; JOSÉ BONIFÁCIO NOGUEIRA (Agricultura), MÁRCIO PORTO (Governo), HÉLIO BICUDO e HÉLIO DAMANTE, auxiliares do chefe do Executivo. Já no Quartel General da FORÇA PÚBLICA, para onde retornou dos CAMPOS ELÍSIOS, o seu comandante, com ele tratavam do assunto todo o Estado-Maior da FP e comandantes de departamentos da milícia, inclusive do CORPO DE BOMBEIROS.”
Ontem, dia 13, pela manhã, iniciada parcialmente a greve na CMTC –setor de ônibus– motivada pelo atraso de pagamento. O setor de bondes não foi afetado e não se fala, ainda, em greve.     

62 ANOS DO FALECIMENTO DO ATOR HUMPHREY BOGART, EM 14 DE JANEIRO DE 1957.

Resultado de imagem para falecimento do ator humphrey bogart
  62 a. falecimento do ator norte-americano HUMPHREY BOGART, em 14 de janeiro de 1957. BOGART tinha 57 anos e atuara em 75 filmes. Nem sempre era, na vida real, o que aparentava ser, no cinema: misantropo, durão, impaciente, pragmático, iracundo. A viúva LAUREN BACALL garante: “Ele era romântico e muito emotivo, daqueles que choram em casamento”. Mas a imagem que dele ficou e seu mito consolidou como sendo um sujeito inflexível, sem rodeios, curtido pelo ceticismo, sempre pronto para puxar uma briga, e em cujos olhos brilhava o que um poeta definiu como “a luz das batalhas”. Não tinha pinta de galã, nem físico para as refregas em que se metia, mas, como inventou o jeito cool de ser e interpretar, ficou com as chaves do reino. Seu modelo de integridade era, como sua voz, pessoal e intransferível. Quando sorria, só o lábio inferior se movia. O superior, imobilizado por uma cicatriz de guerra, calibrava o ceceio. Sua urbana rusticidade podia até ser uma fachada, para espantar os chatos e isolar seu melindroso coração, mas há testemunhos de que se podia acender um fósforo riscando-o em seu queixo, mesmo quando BOGIE estava de traje a rigor. Seu pique de popularidade, em vida, foi entre 1943 e 1949. Seu único OSCAR, porém, só viria em 1952, por conta das rabugices de CHARLIE ALLNUT, o barqueiro pinguço que encarnou em UMA AVENTURA NA ÁFRICA. Três anos depois, ei-lo de volta aos TOP 10; tarde demais para quem só tinha dois anos de vida pela frente. O câncer que lhe devastou o esôfago precisou de apenas onde meses para reduzi-lo a um farrapo humano, pesando 36 quilos, de olhos esbugalhados e hálito repugnante. “Foi o preço que paguei por ter trocado o uísque pelo Martini”, pilheriou em seu leito de morte. BOGIE bebia além do recomendável – e ainda reclamava de que o resto da humanidade estava sempre três drinques atrasado. Fumando, de quebra, três maços de CHESTERFIELD por dia, o que mais podia esperar? Entre seus filmes: ACOSSADO, SONHOS DE UM SEDUTOR, A TRÁGICA FARSA, RELÍQUIA MACABRA, À BEIRA DO ABISMO, UMA AVENTURA NA MARTINICA, O TESOURO DE SIERRA MADRE, NO SILÊNCIO DA NOITE. Na mais terna lembrança que dele se conserva é a luz do dia, debaixo de chuva, num cemitério italiano, prestigiando os funerais de MARIA VARGAS, a CONDESSA DESCALÇA, imortalizada por AVA GARDNER. Mas não há dúvida de que a noite era a sua melhor moldura.

467 ANOS DE SANTO AMARO, FUNDADO EM 14 DE JANEIRO DE 1552.



Resultado de imagem para FUNDAÇÃO DE SANTO AMARO


467 a. de SANTO AMARO, na zona sul da cidade de SÃO PAULO, fundado em 14 de janeiro de 1552. SANTO AMARO é mais antigo do que a própria cidade de São Paulo, que completará 459 anos no dia 25. O bairro nasceu em uma aldeia indígena, catequizada por padres jesuítas. Uma pequena igreja foi erguida e consagrada ao santo português AMARO. O chefe índio da aldeia teria casado uma de suas filhas com um noviço da ordem jesuíta. Um de seus descendentes, BORBA GATO, se tornou bandeirante e um dos maiores orgulhos do bairro. O explorador ficou famoso por ter se exilado no Interior do BRASIL, fugindo da justiça espanhola, e descoberto ouro em MINAS GERAIS. Hoje, a imagem de BORBA GATO é preservada em uma estátua do artista JÚLIO GUERRA, e se tornou símbolo do bairro. Em sua história mais recente, SANTO AMARO ficou conhecido como o lar dos botinas amarelas, imigrantes alemães e austríacos que chegaram na região no século XIX e eram conhecidos por suas botas de couro de baixa qualidade.