segunda-feira, 20 de abril de 2015

Geraldo mostra os mistérios de um dos pontos turísticos mais conhecidos ...

Pro Brasilia Fiant Eximia - documentário - Revolução Constitucionalista ...

Paris-Belfort - Hino 9 de Julho / MMDC

Revolução Constitucionalista de 1932-Ontem,hoje e sempre

Revolução de 1932

CLUBE DOS "ENTAS" DE CATANDUVA: 9 de julho, o Estado de S Paulo comemora a Revoluç...

CLUBE DOS "ENTAS" DE CATANDUVA: 9 de julho, o Estado de S Paulo comemora a Revoluç...: Voluntário Paulista na Revolução Constitucionalista Para os paulistas, a Revolução de 1932 transformou-se em símbolo máximo do Estado, a ...

CALA-TE, LULA! - POR SACHA CALMON

Exibindo CALA-TE 002.jpg

O IMPEACHMENT SILENCIOSO - POR DEMÉTRIO MAGNOLI

O IMPEACHMENT SILENCIOSO
Dilma Rousseff "está numa armadilha", diagnosticou FHC à Folha (26/3). "Ela não tem o que fazer. O que tinha, já fez: nomeou o Levy. E isso só aumenta a armadilha, porque agora ela não pode demitir. É refém dele." O diagnóstico está certo, mas ilumina só um terço do cenário. A presidente é refém, igualmente, do PMDB (de fato, do trio Renan Calheiros/Eduardo Cunha/Michel Temer) e do lulopetismo (de fato, de Lula e dos movimentos sociais que operam ao redor dele). Numa entrevista ao "Estadão", Eduardo Graeff explicou que o governo Dilma "chegou ao fim". É verdade: imobilizada na armadilha triangular, sem "credibilidade" nem "capacidade de ação política" (FHC), Dilma reduziu-se a "uma assombração política" (Graeff). Já aconteceu um impeachment tácito, informal.
Levy é proprietário da credibilidade econômica. O ministro funciona como uma delgada película que separa a economia de um catastrófico rebaixamento pelas agências de rating. Dilma não pode demiti-lo pois, sem a promessa do ajuste fiscal que ele personifica, o país seria tragado no vórtice da fuga de capitais. Mas, como registrou FHC, "a racionalidade econômica pura esmaga tudo" --ainda mais, acrescente-se, quando essa "racionalidade" está contaminada pelo dogma ideológico do equilíbrio fiscal a qualquer custo. O ajuste sem reformas estruturais de Levy, complemento simétrico da farra fiscal de Mantega, não serve ao país, mas conserva no Planalto a "assombração" de uma presidente sem poder.
O trio peemedebista é proprietário da maioria no Congresso, que hoje se forma pela oscilação do PMDB entre o governo e a oposição. Dilma não pode confrontá-los, pois eles empunham o sabre do impeachment formal e o fazem girar, sadicamente, em torno do pescoço da presidente. O jogo da chantagem, uma norma do nosso doentio "presidencialismo de coalizão", atinge níveis agônicos. Os chefões do PMDB utilizam esse poder extraordinário em nome dos seus próprios interesses, desenhando a reforma política que lhes convêm e articulando com o governo os acordos de leniência destinados a resgatar as empreiteiras do "petrolão".
Lula, com seu cortejo de movimentos sociais (CUT, a UNE, o MST), é proprietário da sustentação partidária de Dilma. O candidato declarado às eleições de 2018 pode cortar, num momento conveniente, o tubo do regulador que ainda fornece ar comprimido ao fantasma do Planalto. Os andrajos da autonomia da presidente, que atendem pelos nomes de Aloizio Mercadante, Miguel Rossetto e Pepe Vargas, já foram descartados no cesto de roupa suja. Nas ruas, dia 7, repetindo o dia 13, o "exército" de Lula, força mercenária em declínio, não oferecerá um contraponto impossível às manifestações anti-Dilma, mas cobrará novos gestos de submissão da "companheira". Eles exigem iniciativas simbólicas (e verbas publicitárias sonantes), destinadas a compensar a militância pela dores do apoio ao ajuste fiscal.
No presidencialismo, o chefe de Estado não pode tudo --mas tem o poder de determinar os rumos estratégicos do governo. A legitimidade emanada do voto popular é o ativo intangível que proporciona ao presidente o poder de contrariar interesses entranhados no sistema político. FHC confrontou o conjunto da elite política ao estabelecer a Lei de Responsabilidade Fiscal. No seu primeiro mandato, Lula confrontou o PT ao conservar o tripé da estabilidade macroeconômica herdado de seu antecessor. Capturada na teia da mentira, Dilma perdeu a legitimidade concedida pelos eleitores. Sem o rito da denúncia, processo e julgamento, a presidente sofreu um impeachment silencioso.
Assombrado pela figura errante da presidente destituída, o Planalto está entregue ao triângulo de beneficiários do impeachment silencioso, que agem em direções diferentes, sob motivações distintas. O desgoverno não pode perdurar por quatro anos.
DEMÉTRIO MAGNOLI

A MEDALHA DRÁUSIO SERÁ ENTREGUE NO DIA 21 DE MAIO DE 2015, ÀS 19 HORAS, EM SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DA CIDADE DE SÃO PAULO - PUBLICADA A RELAÇÃO DOS RECIPIENDÁRIOS NOVAMENTE, POR CONTER ERRO NA PRIMEIRA PUBLICAÇÃO.

RECIPIENDÁRIOS DA MEDALHA DRÁUSIO

FERNANDO CAPEZ - PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA SP

JOSÉ RENATO NALINI - DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SP

PAULO ADIB CASSEB - JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR SP

JOÃO CAMILO PIRES DE CAMPOS - GENERAL COMANDANTE DO EXÉRCITO MILITAR                                                                     SUDESTE

MARCELO KANITZ DAMASCENO - MAJOR-BRIGADEIRO COMANDANTE IV COMAR

WILSON PEREIRA DE LIMA FILHO - VICE-ALMIRANTE COMANDANTE DO 8º DN

ANTONIO DONATO MADORNO - VEREADOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL SP

ALEXANDRE DE MORAES - SECRETÁRIO DE SEGURANÇA DO ESTADO SP

ROBERTO DE LUCENA - SECRETÁRIO DE TURISMO DO ESTADO SP

MARCELO MATTOS ARAÚJO - SECRETÁRIO DE CULTURA DO ESTADO SP

HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD - SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO SP

RICARDO GAMBARONI - CORONEL PM COMANDANTE GERAL PMESP

JOSÉ ROBERTO RODRIGUES DE OLIVEIRA - CORONEL PM SEC. CHEFE DA CASA                                                                                                MILITAR DO GOVERNO SP

SÉRGIO OLÍMPIO GOMES - MAJOR PM DEPUTADO FEDERAL.

ÁLVARO BATISTA CAMILO - CORONEL PM DEPUTADO ESTADUAL SP

PAULO ADRIANO LOPES LUCINDA TELHADA - CORONEL PM DEPUTADO ESTADUAL

MARCOS DA COSTA - PRESIDENTE DA OAB - SEÇÃO DE SÃO PAULO

YOUSSEF ABOU CHAHIN - DELEGADO GERAL DA POLÍCIA CIVIL

ELIVAL DA SILVA RAMOS - PROCURADOR GERAL DO ESTADO SP

TONINHO PAIVA - VEREADOR DA CIDADE DE SÃO PAULO

JAIRO PAES DE LIRA - CORONEL PM PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DA                                               SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC

ÍTALO MIRANDA - DELEGADO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA URBANA DA CIDADE SP

SANDRA HELENA PERTICARRARI - COMANDANTE SUPERINTENDENTE GCM

CARLOS ALBERTO TRAMONTINA

LOURIVAL SANTANA

MILTON NEVES

JOSÉ ANTÔNIO BELUSCI

MARIO QUARANTA FILHO

REINALDO PAPAIORDANOU

EDUARDO ZERBINI











IMAGENS DA REUNIÃO DO CONSELHO DAS "CONDECORAÇÕES MÉRITO DA JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA, COM O LANÇAMENTO DA MEDALHA DRÁUSIO - DECRETO Nº 60.730, DE 15 DE AGOSTO DE 2014

Fotos Atibaia




x

george trajano de souza

Anexos


O Presidente do Conselho de Honrarias e Mérito do Palácio do Governo do Estado de São Paulo condecora o Presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, que por força do Decreto que instituiu as Condecorações é também o Presidente do Conselho.
O Presidente do Conselho da Condecorações MÉRITO CONSTITUCIONALISTA  condecora o Presidente do Conselho de Honraria e Mérito do Palácio do Governo do Estado de São Paulo e os membros do Conselho:
Vereador NELO RODOLFO, Secretário 
Coronel PM ANTONIO CARLOS MENDES
Major PM ÂNDERSON LIMA DE OLIVEIRA
FERNANDO MORENO
Subtenente GEORGE TRAJANO 

17 anexos


Mario Ventura celmario@gmail.com

20:22 (Há 0 minutos)

para george

CARO GEORGE

Foi uma manhã importantíssima para a história do MMDC.
DRAUSIO passa a ser a Medalha símbolo da JUVENTUDE.
Muito obrigado pela sua grande parcela de participação efetiva
nessa nossa luta.
Vamos colocar no FACE

CORONEL PM MARIO FONSECA VENTURA
PRESIDENTE DA SOCIEDADE VETERANOS DE 32-MMDC
MONUMENTO MAUSOLÉU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 32
PRAÇA IBRAHIM NOBRE
FONE: 3105 8541  



MEUS AGRADECIMENTOS AO SENHOR JULIO MELLO, DO ATIBAIA RESIDENTE HOTEL,
POR TER CEDIDO O ESPAÇO ONDE ACONTECEU A MEMORÁVEL REUNIÃO DO CONSELHO DAS CONDECORAÇÕES ´"MÉRITO DA JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA.
Assembleia Legislativa do Estado de São PauloFicha informativa

DECRETO Nº 60.730, DE 15 DE AGOSTO DE 2014

Dispõe sobre a oficialização das "Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista", da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e à vista da manifestação do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito,
Decreta:
Artigo 1º - Ficam oficializadas, sem ônus para os cofres públicos, as “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” instituída pela Sociedade Veteranos 1932 - MMDC, e aprovado o Regulamento que acompanha este decreto.
Artigo 2º - Este decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Palácio dos Bandeirantes, 15 de agosto de 2014
GERALDO ALCKMIN
Saulo de Castro Abreu Filho
Secretário-Chefe da Casa Civil
Publicado na Casa Civil, aos 15 de agosto de 2014.


REGULAMENTO DAS “CONDECORAÇÕES DO MÉRITO JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA”
a que se refere o artigo 1º do Decreto nº 60.730 de 15 de agosto de 2014


Artigo 1º - As "Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista", têm por objetivo galardoar as personalidades civis e militares, bem como instituições públicas e privadas, que tenham prestado relevantes serviços à Sociedade Veteranos de 32, contribuindo desta forma para a preservação e memória dos ideais dos jovens constitucionalista de 1932.
Artigo 2º - As “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista”são compostas das seguintes honrarias:
I - Medalha do Mérito Juventude Constitucionalista;
II - Medalha Draúsio Marcondes de Sousa;
III - Colar do Mérito Juventude Constitucionalista - Draúsio Marcondes de Sousa.
Artigo 3º - As honrarias de que trata o artigo 2º deste regulamento, possuem as seguintes descrições:
I - a Medalha do Mérito Juventude Constitucionalista é de ouro, formato circular com 35mm (trinta e cinco milímetros) de diâmetro, assim descrita:
a) no anverso: ao centro, o escudo da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC em alto relevo; orlado de goles (vermelho) com a inscrição de prata (branco) em caracteres versais maiúsculos “MEDALHA DO MÉRITO JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA” na parte superior e “MMDC - 1932” na parte inferior separadas por duas estrelas de cinco pontas;
b) no verso: ao centro o nome da instituição mantenedora da medalha “Sociedade Veteranos de 32 - MMDC” e em semicírculo a inscrição “JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA”;
c) a medalha pende de uma fita de gorgorão de seda chamalotada, com 60mm (sessenta milímetros) de comprimento, por 35mm (trinta e cinco milímetros) de largura, listada com as seguintes cores e obedientes a essa ordem:
1. preto com 2mm (dois milímetros) de largura;
2. branco com 2mm (dois milímetros) de largura;
3. vermelho com 2mm (dois milímetros) de largura;
4. branco com 7mm (sete milímetros) de largura;
5. preto com 9mm (nove milímetros) de largura;
6. branco com 7mm (sete milímetros) de largura;
7. vermelho com 2mm (dois milímetros) de largura;
8. branco com 2mm (dois milímetros) de largura; e
9. preto com 2mm (dois milímetros) de largura;
II - a Medalha Dráusio Marcondes de Sousa é assim descrita:
a) no anverso: escudo redondo, de prata com 21mm (vinte e um milímetros) de diâmetro, ao centro a efígie do jovem Dráusio Marcondes de Sousa; orlado de goles (vermelho) com a inscrição de prata em caracteres versais maiúsculos “MEDALHA DRAÚSIO MARCONDES DE SOUSA” na parte superior e “23 DE MAIO DE 1932” na parte inferior separadas por duas estrelas de cinco pontas; sobreposta a uma cruz pisana, gironada de dois esmaltes sendo o 1º de goles (vermelho) e o 2º de sable (preto), com 55mm (cinquenta e cinco milímetros) de diâmetro; o todo filetado de prata;
b) no verso: todo de prata, no escudo redondo, ao centro o brasão d’armas da “Sociedade Veteranos de 32 - MMDC”, orlado pela inscrição em caracteres versais maiúsculos “JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA”; sobreposto a uma cruz pisana, inteiramente coberta de maneira repetitiva pela sigla “MMDC”, colocada em obliqua da esquerda 0º graus para a direita 20º graus;
c) a medalha pende de uma fita de gorgorão de seda chamalotadade 60mm (sessenta milímetros) de comprimento por
35mm (trinta e cinco milímetros) de largura e as cores obedecerão a seguinte ordem:
1. preto, com 10mm (dez milímetros) de largura;
2. ao centro, vermelho, com 15mm (quinze milímetros) de largura;
3. preto, com 10mm (dez milímetros) de largura;
III - o Colar do Mérito Juventude Constitucionalista - Draúsio Marcondes de Sousa é de ouro, e assim descrito:
a) no anverso: escudo redondo, de ouro com 30mm (trinta milímetros) de diâmetro, ao centro a efígie do jovem Draúsio Marcondes de Sousa; orlado de goles (vermelho) com a inscrição de ouro, em caracteres versais maiúsculos “COLAR DO MÉRITO JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA” na parte superior e “DRÁUSIO MARCONDES DE SOUSA” na parte inferior separadas por duas estrelas de cinco pontas; sobreposta a uma cruz pisana, gironada de dois esmaltes sendo o 1º de goles (vermelho) e o 2º de sable (preto), com 70mm (setenta milímetros) de diâmetro; o todo filetado de ouro;
b) no verso: todo de ouro, no escudo redondo, ao centro o brasão d’armas da “Sociedade Veteranos de 32 - MMDC”, orlado pela inscrição em caracteres versais maiúsculos “JUVENTUDE CONSTITUCIONALISTA”; sobreposto a uma cruz pisana, inteiramente coberta de maneira repetitiva pela sigla “MMDC”, colocada em obliqua da esquerda 0º graus para a direita 20º graus;
c) a medalha pende de uma fita de gorgorão de seda chamalotada de 40mm (quarenta milímetros) de largura e as cores de suas listas obedecerão a seguinte ordem:
1. vermelho, com 5mm (cinco milímetros) de largura;
2. branco, com 5mm (cinco milímetros) de largura;
3. preto, com 20mm (vinte milímetros) de largura, ao centro;
4. branco, com 5mm (cinco milímetros) de largura; e
5. vermelho, com 5mm (cinco milímetros) de largura.
§ 1º - Acompanharão as condecorações:
1. as medalhas: a roseta, a barreta e o respectivo diploma;
2. o colar: a roseta, a barreta, a miniatura e o respectivo diploma.
§ 2º - As rosetas terão o diâmetro de 10mm (dez milímetros) e as mesmas cores das fitas de cada honraria.
§ 3º - As barretas terão 35mm (trinta e cinco milímetros) de comprimento por 10mm (dez milímetros) de altura, obedecendo às cores das fitas de cada honraria, tendo ao centro a letra “D”.
§ 4º - Os diplomas terão as características e dizeres a serem estabelecidos pela Comissão a que se refere o artigo 4º deste regulamento.
Artigo 4º - O Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” será integrado por 7 (sete) componentes, sendo 6 (seis) personalidades escolhidas e indicadas pelo Presidente da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC, e presidida por este último.
§ 1º - Todos os integrantes do Conselho deverão fazer parte do quadro de associados da Sociedade Veteranos de 32 e estar rigorosamente em dia com suas obrigações de membro da associação.
§ 2º - As decisões do Conselho somente serão consideradas válidas, quando tomadas em conjunto em assembléia prévia e especialmente convocada, salvo questões de foro relevante.
Artigo 5º - O Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” se reunirá por convocação de seu Presidente, tantas vezes quantas se tornarem necessárias ao bom cumprimento de suas atribuições, incluindo a solução dos casos omissos deste regulamento.
Artigo 6º - As propostas para a outorga das condecorações serão dirigidas ao Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” em requerimento especial, contendo as razões/justificativas acompanhadas do "curriculum vitae" do proposto.
Artigo 7º - A aprovação das propostas se fará pela maioria dos votos dos membros do Conselho presentes, "ad referendum" do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito.
Artigo 8º - Os diplomas acompanhados do "curriculum vitae" do indicado serão encaminhados ao Conselho Estadual de Honrarias e Mérito para deliberação e registro.
Parágrafo único - A recusa do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito em registrar o diploma importará no cancelamento da indicação.
Artigo 9º - A entrega da venera ocorrerá preferencialmente em solenidade especial, ou em ocasiões determinadas e consentidas pelo Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista”, mas obrigatoriamente realçando e valorizando a outorga e o fato histórico da participação dos jovens durante a Revolução Constitucionalista de 1932.
Artigo 10 - Perderá direito a qualquer das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” devendo devolvê-lo, juntamente com seus complementos, à Sociedade Veteranos de 32 - MMDC, o condecorado que praticar qualquer ato contrário à dignidade ou ao espírito da honraria, garantido o devido procedimento administrativo assegurado pela Carta Mandamental e devido processo legal, amplo direito de defesa e os recursos a ela inerentes, dando-se por maioria absoluta dos votos de seus membros especialmente convocados para esse fim.
Artigo 11 - Mantida a cassação da honraria e decorrido o prazo para interposição de qualquer ato recursal, a decisão será formalizada pelo Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista” (CCMJC).
Artigo 12 - A medida de que trata o artigo 11, deste regulamento, determinada pelo Conselho das “Condecorações do Mérito Juventude Constitucionalista”, será comunicada ao Conselho Estadual de Honrarias e Mérito.
Artigo 13 - Na hipótese da extinção das honrarias, seus cunhos, exemplares remanescentes e complementos serão recolhidos ao Conselho Estadual de Honrarias e Mérito, sem quaisquer ônus para os cofres públicos.
Artigo 14 - O presente regulamento somente poderá ser alterado após a manifestação do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito.