quarta-feira, 22 de julho de 2015

O TUIUTI Nº 147

O TUIUTI 147

Entrada
x

Claudio Luiz Senise

Anexos20 de jul (Há 2 dias)
para Cco:mim
---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Luiz Giorgis
Data: 7 de julho de 2015 12:24
Assunto: O TUIUTI 147
Para:


EDITORIAL
Em 11 de junho de 1865, às margens do arroio Riachuelo, um afluente do rio Paraná, na província de Corrientes, na
Argentina, deu-se a Batalha do Riachuelo. Através dela, ficaram famosas na História Militar Brasileira as mensagens
transmitidas às embarcações brasileiras pelo Almirante Barroso, pela sinalização de bandeiras, que exaltavam
à vitória e delegavam a cada um a responsabilidade de combater pelo Brasil. Neste número, o Cel Caminha Giorgis,
nosso Presidente no RS, apresenta uma visão da Batalha e da sua importância histórica. Como data magna da Marinha
do Brasil, ela não poderia ficar ao largo dos destaques de O Tuiuti. Para reforçar a lembrança de Riachuelo, a matéria seguinte apresenta uma rápida biografia do Almirante Barroso. A força naval brasileira era composta de 11 navios, mas no dia da batalha contava só com 9; outros dois, as canhoneiras Itajaí e Ivaí, encontravam-se destacadas em ponto distante rio abaixo. Nem por isso Barroso recuou; avançou contra os paraguaios e emitiu a ordem: "Atacar e destruir o inimigo o mais de perto que puder". O resultado, após uma luta difícil, foi a tomada da iniciativa pelos brasileiros e uma derrota fragorosa para Solano Lopez. Por fim, nota sobre o lançamento do novo livro da AHIMTB/
RS, o Dia a Dia da FEB na 2ª Guerra Mundial. No dia 26 de junho passado, seu lançamento contou com uma grande
quantidade de membros e colaboradores da Academia, ressaltando ainda mais sua importância.
F. G. Dillenburg (Co-Editor) por
Luiz Ernani Caminha Giorgis, Cel (Editor)

CASABLANCA - 200 ANOS DE HISTÓRIA - VELHOS TEMPOS, BELOS DIAS!!!! MEUS CUMPRIMENTOS À MARIA CLARA LIRA!!!!

Feeds:
 
Posts
 
Comentários

Archive for julho \08\UTC 2015

O dia 9 de Julho, que marca o início da Revolução de 1932, é a data cívica mais importante do Estado de São Paulo é feriado estadual. Os paulistas consideram a Revolução de 1932 como sendo o maior movimento cívico de sua história.

A lei 2.430, de 20 de Julho de 2011, inscreveu os nomes de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, o MMDC, heróis paulistas da Revolução Constitucionalista de 1932, no Livro dos Heróis da Pátria.

mobilizaçao

Os atos de heroísmo e de abnegação foi unanime em todos os lares paulista, principalmente em Casa Branca. Toda a fronteira com Minas Gerais, ficou transformada em campo de guerra e Casa Branca não escapou à fúria do conflito, sendo palco destacado de duas fases do acontecimento que recebeu o nome de “Revolução Constitucionalista de 1.932.


Acervo do Blog
Acervo do Blog

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de  Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Tivemos que pagar pesado tributo, no campo de batalha muitos perderam vidas entre eles é preciso citar os casa-branquenses Ângelo Stefanini, Manoel Martins, José Gerônimo de Vasconcellos. Mas a lista de nossos heróis não se restringe a esses bravos que perderam a vida lutando por São Paulo, pela liberdade, pelos ideais democráticos. Muitos foram os casa-branquenses que integraram as forças paulistas com dedicação e coragem. Voltaram, tiveram mais sorte que outros companheiros, mas retornaram com mágoa na alma, com o dever cumprido.

Acervo de  Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

A primeira fase dessa sangrenta luta, refere-se a todo o período em que nossa cidade alojou os soldados paulistas que lutavam pela liberdade geral. Milhares deles aqui estiveram sediados, ocupando estabelecimentos de ensino, hotéis, pensões, ,estação ferroviária. Etc. Na velha estação da Mogiana, encontrava-se oculto o Trem Blindado, poderoso instrumento de guerra, o terror dos soldados de Getúlio Vargas. Foi no interior desse trem que Manoel Martins morreu, vitimado por uma bala de fuzil, que adentrou através de um orifício.

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

No velho prédio, onde funcionava a Fábrica de Tecido, instalou-se o MMDC – sede do comando (atualmente a fabrica não existe mais seu terreno foi loteado, situa-se no bairro Nazaré em frente ao DECET). Esses dois pontos eram o alvo do ataque de aviões de Getúlio Vargas, que surgiam nos céus casabranquenses, sempre em numero de três. O povo ficava apavorado e fugia para os arredores da cidade, a qual apresentavam um aspecto de verdadeira guerra: na praça da Escola Normal, na Matriz, mesmo em cima de igreja soldados usavam metralhadoras, fuzis tentando alvejar os aviões. Tarefa difícil mas entre Lagoa Branca e Casa Branca um deles foi abatido por nossos soldados, incendiando-se no solo. O piloto do avião inimigo, Tenente Lauro Horta Barbosa foi sepultado no cemitério desta cidade, era filho de Lauro Horta Barbosa, General da Aviação Brasileira. O trem Blindado nunca foi atingido pelos aviões ditatoriais e causava danos e mortes numerosas nos soldados que tentavam invadir Casa Branca. Numa dessas lutas, morreu Manoel Martins, foguista da Mogiana.


Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Mobilisa

Acervo do Blog
Acervo do Blog

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

A Segunda fase da revolução começou com a retirada dos soldados paulista e a ocupação pelas forças ditatoriais. Eles chegaram numa noite de Domingo. O jardim principal Praça Barão de Mogi-Guaçu, achava-se tomado por muitos casabranquenses, quando um carro, com uma bandeira vermelha desceu a Rua Coronel José Júlio e passou em frente ao jardim contornando a praça. Um grito se ouviu “os Inimigos!” e a praça ficou vazia, todos correram para suas casas ou fugiram para fazendas de parentes ou para cidades afastadas de Casa Branca.

Intervenção Federal 1932 - Rua Coronel José Julio
Acervo do Blog – Intervenção Federal 1932 – Rua Coronel José Julio

No alto da estação da Mogiana, começou a chegar veículos de todos os portes. Eram os inimigos que ocupavam Casa Branca e formavam um enorme cordão de soldados. Perto de 25 mil ocuparam todos os pontos. Eram tropas irregulares, formadas de jagunços, voluntários engajados por Getulio Vargas. Eles vinham combater São Paulo e com ódio. Pois Getulio Vargas convenceu o Brasil que São Paulo queria a separação do resto dos Estados Brasileiros.

Acervo de Adolpho Leganaro Filho
Acervo de Adolpho Leganaro Filho – Arnaud Cintra

Acervo de Adolpho Leganro Filho
Acervo de Adolpho Leganro Filho – Arnaud Cintra

Acervo de Adolpho Leganro Filho - Arnaud Sintra
Acervo de Adolpho Leganro Filho – Arnaud Cintra

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Leganro Filho - Dr. Francisco Nogueira de Lima comandante de Campos de Jordão
Acervo de Adolpho Leganro Filho – Dr. Francisco Nogueira de Lima comandante de Campos de Jordão

Acervo de Adolpho Leganro Filho - Dr. Francisco Nogueira de Lima
Acervo de Adolpho Leganro Filho – Dr. Francisco Nogueira de Lima

Acervo de Adolpho Leganro Filho - Filhos do Dr. Francisco Nogueira de Lima
Acervo de Adolpho Leganro Filho – Filhos do Dr. Francisco Nogueira de Lima

Acervo de Adolpho Legnaro - Residência da Família Lima
Acervo de Adolpho Legnaro – Residência da Família Lima

Relação de Alguns Nomes do 2º Batalhão Nove de Julho.

Fotos do Acervo de Adolpho Leganro Filho
Fotos do Acervo de Adolpho Leganro Filho

Este batalhão era formado por 58 casa-branquenses não se tem o nome de todos. E outros mais que alistaram em outras fileiras por estarem estudando na capital e por outros motivos,  assim como Dr. Arnou Cintra, Teophilo Siqueira…

1- Francisco Caetano Marques; 2- x; 3- x; 4- Nenê Teixeira; 5- x; 6- Teodorico Gome – Antônio; 7- x; 8- Otavio Brito (Oriovaldo Brito); 9- João Nogueira; 10- Manoel Teodorico Gomes; 11- Aquiles Rodrigues; 12- José Antonio Romano; 13- Vito Antônio Tomeli; 14- Nestor Freitas; 15- Estavo Benetti; 16- Leônidas Horta de Macedo; 17- Iolando Basilone; 18- José Ângelo Romano; 19- Moacir Troncoso Peres; 20- x; 21- Aristides Troncoso Peres; 22-x; 23- Diogo José de Souza; 24- x; 25- x; 26- Antônio Tristão de Carvalho (Nenzinho); 27- João Horta de Macedo; 28- João Caetano de Lima; 29- Moises Villela de Andrade; 30- x; 31- Gentil Palmiro; 32- Orlando Barbosa; 33- Carlos Correia Mascaro; 34- Luiz de Mello Rodrigues; 35- x; 36- x; 37- José Beni; 38- José;  39- Vicente de Paula Salgado; 40- x; 41- Esmeraldino de Silos (Lalado); 42- x; 43- Paulo dos Santos (Paulo Pretinho); 44- x; 45- x; 46- x;47- x; 48- Mauro Correia Carvalho; 49- Nestor Rodrigues Conceição; 50- x; 51-x; 52- Paulo de Barros Ferraz; 53- Antônio Teodoro Gomes; 54- Ângelo Stefanini; 55- Paulo Carvalho de Lima; 56- x; 57- Antônio de Castro Carvalho;  58- x.


Acervo de Nicanor
Acervo do Blog – Nicanor Coelho Pereira

Ajoelhado a direita Nicanor Coelho Pereira, deitado Gentil Palmiro
Acervo do Blog – Ajoelhado a direita Nicanor Coelho Pereira, deitado Gentil Palmiro

No centro Nicanor Coelho Pereira
Acervo do Blog – No centro Nicanor Coelho Pereira

 Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho - Treinamento
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – 

Acervo de Adolpho Leganro Filho - Treinamento dos Soldados
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – Treinamento dos Soldados

Acerco de Adolpho Legnaro Filho. - Treinamento com Armas
Acerco de Adolpho Legnaro Filho. – Treinamento com Armas

Acervo de Adolpho Legnaro Filho - Batalha
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – Batalha

Acervo de Adolpho Legnaro Filho - Batalha
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – Batalha

Acervo Adolpho Legnaro Filho - Hora do Rancho.
Acervo Adolpho Legnaro Filho – Hora do Rancho.

Lista de Casa-branquense que alistaram a Revolução Constitucionalista:

Achiles Rodrigues, Alcides Morgado, Alcir Cunha, Alvino Bittencourt, Alziro Soares, Ângelo Stefanini, Antonio B. Coelho da Silva, Antônio Borragini, Antônio Carrara, Antônio Castro de Carvalho, Antônio Cezario Lima Horta, Antonio Firmino Silva, Antônio Rodrigues Oliveira, Antônio Theodoro Gomes Jr., Antônio Tristão de Carvalho, Apparecido Ignácio, Aristides Peres, Arlindo B. da Silva, Armando Rossi, Arthur Pellegrini, Arthur Rodrigues, Attilio de Figueiredo, Benedicto dos Santos, Benedicto Marques, Caetano Marques (Francisco), Carlos Corrêa Mascaro, Carlos Leite Ribeiro, Cássio Ferraz Sampaio, Cícero Braga, Dario Bacha, Décio Figueiredo, Domingos Zanchetta,Dórico Santa Lúcia, Dr. Accacio Vallim, Dr. Feijó Bittencourt, Dr. Francisco Nogueira de Lima, Dr. Moacyr Troncoso Peres, Edgard Palieiro, Elias Miguel Jacob, Elzio Ribeiro, Ernesto dos Santos, Evaristo Policarpo, Felix Milan Ferraz, Floriano Peixoto Abes, Francisco Nogueira de Lima Filho, Gentil Palmiro, Geraldino de Silos, Hercílio Felis Argentino, Hypolito de Freitas, Irineu Correa, Jarbas Nogueira de Lima, Jasson Andrade Dias, João Caetano de Lima Neto, João de Carvalho Nogueira, João Diniz Jr, João Furlani, João Horta de Macedo,João Radi, João Teixeira, Joaquim Mariano, José Ângelo Romano, José Benedicto, Antônio Firmino, José Borragini, José Dias, José dos Santos, José Farani, José Miranda, José Monteiro Seraggioli, José Thomáz de Carvalho, Júlio Gabriel Lopes, Laércio de Barros Castro, Lázaro da Silva, Leônidas Horta de Macedo, Luis Américo Introini, Luiz Bartalotti, Luiz Cazonato, Luiz Galotti, Luiz Gonzaga Balieiro, Luiz Gonzaga de Carvalho, Luiz Mello Rodrigues, Manoel Balbino da Silva, Manoel Benedicto, Manoel Theodorico Gomes, Mario Jacon, Mauro Corrêa Carvalho, Miguel Nogueira Carvalho, Milton de Carvalho, Moacyr Cunha Fonseca, Moisés Vilella de Andrade, Nelson Rangel, Nestor Antônio de Oliveira, Nestor Antônio, Nestor dos Santos, Nestor Freitas, Nicanor Coelho Pereira, Nicolino Thomáz, Octavio Teixeira, Odenero Simoncini, Oriovaldo Brito, Orlando Rossi, Oscar Borragini, Osvaldo de Oliveira Lima, Oswaldo de Silos, Oswaldo Galotti, Otávio Brito, Otávio Pádua Lima,Paulo Barros Ferraz, Pedro de Carvalho,Pedro Ribeiro da Silva, Pedro Sebastião, Prof. Joaquim Braga de Paula, Raul Neponuceno, Raymundo Dias dos Santos, Sebastião Augusto Castro, Sebastião Pinheiro Cardoso, Vicente de Carvalho, Vicente de Paula Salgado, Victor Antônio Atolia, Victor Joaquim, Vladimir Carvalho, Walter Pezuto, Yolando Basilone, Zacarias de Carvalho.

Acervo de Adolpho Legnaro Filho - José Basilone
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – José Basilone

Abaixo os desenhos de José Basilone no front, cedidos pela filha Beth Basilone.

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Voluntários mandados para São Paulo:

Adelino C, Castro (Sargento), Anezio Marchs Burchuser, Antônio de Araújo Brandão, Antônio Flores Pânico, Antônio Pagino Filho, Benedicto Brandão,Benedicto Tobias, Emiliom Dias, Gonçalo Damar Ferreira, Herculano Silva Rosa, João Baptista Cazonato, João Floriano, João Pacheco, João Rodrigues, João Silva, João Araújo, Jorge Nogueira de Lima, José Eurides da Silva, José Jerônimo de Vasconcellos, José Pires, José Vieira dos Santos, Justino Clemente.Manoel Francisco, Mario Alonso, Miguel Mugalli, Sadi Bento da Silva, Silvio Castro Lima, Silvio Meira, Timotheo Gonçalves, Venâncio Gomes Júnior, Wladislao Gomes, Yzidro Bernardo dos Santos.


Acervo de Adolpho Leganro filho
Acervo de Adolpho Legnaro filho – Veteranos

Acervo de Adolpho Legnaro Filho - Veteranos Anos 70
Acervo de Adolpho Legnaro Filho – Veteranos Anos 70

Voluntários Casa-branquenses alistados em São Paulo: Dr. Arnaud Cintra Rodrigues, Dr. Teófilo Siqueira, e outros.

Primeiros Mártires: Ângelo Stefanini, Manoel Martins, morto ao conduzir o trem de tropas, José Jerônimo de Vasconcellos.

Ângelo Stefanini 1911 – 1932  – Filho da Exma. Sra. D. Angelina Sasso Stefanini e do Sr. Diomede Stefanini, ambos italianos, nasceu Ângelo Stefanini no ano de 1911, em Casa Branca, onde sempre residiu em companhia de seus pais e seis irmãos. Deixando o Grupo Escolar, aprendeu com seu pai o ofício de alfaiate, tendo trabalhado com ele. Ultimo emprego entregador de pães na padaria Italo- Brasileira. Em julho de 1932, alistou-se como voluntário nas fileiras do exército Constitucionalista, tendo partido desta cidade a 18 do mesmo mês e entrando para o 9º Batalhão 9 de Julho, seguiu a 28 para Itabatinga, a 30 para Guapiara e a 31 para Apiaí. Daí a Retirada e, consequentemente, sua morte a 4 de agosto do mesmo anos, em Ivapurunduva, município de Iporanga.

Manoel Martins 1899 – 1932 Filho da Sra. D. Maria Perpétua e do Sr. Antônio Martins, já eram falecidos. Nasceu Manoel Martins em Funchal (Portugal), em 1899, de onde veio para trabalhar na Fazenda Santa Cândida. Foi portador, limpador e foguista da Companhia Mogiana em Casa Branca; onde se casou com D. Amélia Martins, Portuguesa, deve dez filhos, dos quais seis morreram. Manoel Martins deixou ainda três irmãos moradores nesta cidade. Ferido a bala a 4 de novembro de 1932, dentro do trem Blindado, no setor de Lagoa Branca, o foguista heroi foi amparado por seus colegas. Removido para a Santa Casa de Casa Branca faleceu en vista da gravidade do seus ferimentos.

José Jerônimo de Vasconcellos 1906 – 1932 Filho da Sra. D. Bonifácia Alves e do Sr. Nico Alves, falecidos, nasceu em Passos (Minas Gerais), vindo já moço para esta cidade, onde se casou, em 1922 com a Sra. D. Izolina Nogueira de Vasconcellos, de cujo matrimonio nasceram Terezinha e Maria do Carmo. A 17 de setembro de 1932 caiu José Jerônimo mortalmente ferido no Cerrado, perto do município de Itapetininga, junto aos bravos soldados do Batalhão 14 de Julho, do qual era motorista. Assim narrou “Áureo de Almeida Camargo a morte de Jerônimo, no seu livro “A Epopéia”:- “o ataque inimigo é violento. Os canhões atacavam com tamanha fúria, colocavam M. P., fogo no mato, granadas de mão, do lado paulista, um escarcéu dos demônios! Desocupada uma trincheira inutilizada pela artilharia, Lauro de Barros Penteado é atingido por um estilhaço de Granada. Jerônimo Vasconcellos “pagador de boia” morre atingido por um tiro, na mesma posição em que se encontrava – deitado debaixo do caminhão.” “ O preto Jerônimo morreu humildemente, como vivera”.


Translado dos heróis de Casa Branca

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Acervo de Adolpho Legnaro Filho
Acervo de Adolpho Legnaro Filho

Capacete dos Soldados Constitucionalista o verde era de fabricação francesa o marrom de Fabricação inglesa , o cinturão bem a frente, peças doadas ao Museu de Casa Branca.

Foto de Adolpho Legnaro Filho
Foto de Adolpho Legnaro Filho

Medalhas, pente de fuzil, braçadeira e uma granada ao fundo.

acervo
Foto de Adolpho Legnaro Filho

Este é um conjunto de medalhas de um veterano da Revolução de 32 falecido já com bastante idade nos anos 80. Quem teve a oportunidade de conhecer um ex-combatente, sabe o orgulho com que esses velhinhos usavam suas medalhas – e entende o quanto esse barrete é EMOCIONANTE! Por São Paulo façam-se grandes coisas. Foram lá e fizeram.

Foto de Adolpho Legnaro Filho
Foto de Adolpho Legnaro Filho

Obelisco da Revolução
Obelisco da Revolução

O Obelisco Mausoléu aos Heróis de 1932 - Parque Ibirapuera
O Obelisco Mausoléu aos Heróis de 1932 – Parque Ibirapuera

Curiosidade um Ritual entre os Soldados Constitucionalista

(http://tudoporsaopaulo1932.blogspot.com.br/)
entalhe

Detalhe do entalhe na porta de entrada do Mosteiro de São Bento.

No sítio “Tudo por São Paulo 1932″, onde foi postada a foto acima, para apreciação e debates de seus leitores, Débora Moura – Gerente Administrativo na empresa BJ Comercial e imobiliário Ltda. – esclarece com os seguintes dizeres “… quando os “papais” entram eles cumprem um rito de colocar os dois dedos na cavidade dos olhos da caveira, não sei porque, mas se olhar de perto veras que as marcas de anos de rito são visíveis.”

Fonte de pesquisa: Legnaro Filho- Prof. Adolpho / Pedagogo/ Museólogo / Turismólogo.

Termino esse “Post” com um vídeo que esclarece bem a Revolução Constitucionalista.

Uma excelente produção histórica, creio deveria ser material de museu e vídeo obrigatório nas salas de aula de São Paulo e do Brasil.  Parabéns aos produtores, historiadores, narradores e profissionais.