RIO — Um sequestrador identificado como Willian Augusto da Silva, de 20 anos, que manteve como reféns os passageiros de um ônibus que levava 37 pessoas na Ponte Rio-Niterói , foi morto por um atirador de elite do Bope na manhã desta terça-feira, após mais de 3 horas de um dramático cerco que afligiu familiares dos passageiros e todos que acompanharam a ação, além de interditar a via e provocar enormes congestionamentos e transtornos a milhares de pessoas em Niterói e no Rio.



Por volta das 6h, o ônibus da Viação Galo Branco, que fazia a linha 2520 / Jardim Alcântara (São Gonçalo)-Estácio ficou atravessado na Ponte Rio-Niterói, sentido Rio. O  sequestrador deu ordem para que o coletivo fosse atravessado na subida do vão central. Agentes das polícias Militar e Rodoviária Federal (PRF) cercaram o veículo. Em seguida, o coletivo foi estacionado na pista lateral direita.
Reféns que estavam no ônibus afirmaram que o sequestrador teria dito que sofria de depressão. Ele se apresentou como policial, embora não fosse. Ele portava uma pistola (que depois os policiais constataram tratar-se de uma arma de brinquedo), uma faca, uma arma de choque (taser) e gasolina. O sequestrador rendeu o motorista e os passageiros, que foram amarrados, fez ameaças e chegou a jogar na pista da Ponte um pequeno artefato semelhante a um coquetel molotov. Ele usava calça preta, blusa branca, um boné e um lenço também preto que escondia parte do rosto. Segundo a porta-voz da PRF, ele ameaçou jogar gasolina no ônibus.



O SEQUESTRO

Após mais de 3h de cerco, um sequestrador que manteve passageiros de um ônibus como reféns na Ponte Rio-Niterói foi morto pela polícia

Jardim
de Alcântara

Ponte Rio-Niterói

Local de partida
da linha de ônibus

N

Niterói

Rio de Janeiro

ICARAÍ

CENTRO

Estácio

SÃO
FRANCISCO

Local de chegada
da linha de ônibus

GLÓRIA

TIJUCA

CHARITAS

1km

N

O coletivo é da linha 2520 (Jardim Alcântara - Estácio), da Viação Galo Branco

1

37

REFÉNS

SEQUESTRADOR

Onde o sequestrador
foi baleado pelo sniper

(QUANTIDADE DE TIROS)

2

Braço
esquerdo

1

Tórax

1

1

Abdômen

Antebraço
direto

Perna
esquerda

1
Com o ônibus fechado e as pistas da Ponte interditadas, os agentes começaram o trabalho de negociação e, antes de ser morto, o sequestrador libertou seis reféns. Por volta de 9h, ele saiu do ônibus apontando a arma para a cabeça de um refém e voltou para o veículo. Minutos depois, deixou o ônibus com um casaco nas mãos e o jogou em direção à frente do coletivo. Ao retornar, foi baleado por um 'sniper' e tombou na escada da porta de entrada do coletivo.
- Essa é a polícia que queremos ver. Foi necessário o disparo do sniper para neutralizar o marginal e salvar as pessoas do ônibus. Ele está em óbito no local - afirmou Fliess.


Por volta de 9h40, o governador Wilson Witzel pousou de helicóptero na Ponte Rio-Niterói. Ele deixou a aeronave comemorando, com um dos braços estendidos para o alto, e foi saudado por pessoas que estavam no local. Entre eles, um policial do Bope, que abraçou o governador.
- Vou cumprimentar meus homens primeiro - disse o governador antes de falar com a imprensa.

Witzel chega ao local do sequestro após a ação Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo
Witzel chega ao local do sequestro após a ação Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

Depois, em entrevista, ele classificou o trabalho da PM como "muito técnico":
- O meu papel como governador é fazer com que tudo funcione. E funcionou - disse Witzel.

Ponte interditada

As pistas nos sentidos Rio e Niterói foram totalmente interditadas por conta do cerco policial. Alguns passageiros seguiram a pé de volta para Niterói.
— Não tenho como ficar aqui parado. Vou tentar ver se consigo recuperar o tempo perdido —  disse o engenheiro Rafael Oliveira, de 40 anos.

Estação Araribóia lotada nesta manhã, após interdições na Ponte Foto: Márcio Alves
Estação Araribóia lotada nesta manhã, após interdições na Ponte Foto: Márcio Alves

Assis Viana, de 61 anos, é gerente de um restaurante em Copacabana e seguia de táxi vindo de Alcântara, em São Gonçalo, onde mora. Próximo ao pedágio, pagou a corrida e resolveu voltar a pé para pegar a barca.
- Nunca vi nada disso. A situação lá em cima está horrível. Tudo completamente parado. Fiquei uma hora dentro do carro. Decidi descer porque preciso abrir o restaurante.
Por volta das 10h45, o trânsito foi reaberto.

Momento em que um dos reféns que estava no ônibus é liberado Foto: Fabiano Rocha / Fabiano Rocha
Momento em que um dos reféns que estava no ônibus é liberado Foto: Fabiano Rocha / Fabiano Rocha