quarta-feira, 7 de outubro de 2015

DILMA DEMITIU UM GENERAL PARA BOTAR PAU-MANDADO DE DIRCEU EM SEU LUGAR!!!! - BLOG DO CLÁUDIO TOGNOLLI

Dilmaterrorista pos para correr General Elito para agradar Dirceu


x

TOGNETTI, Americo

para CBB


 
 
 
Claudio Tognolli

Dilma demitiu um general para botar pau-mandado de Dirceu em seu lugar


Claudio Tognolli |
O chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, general José Elito, foi demitido na reforma ministerial de Dilma. Seu órgão foi engolido pela nova Secretaria de Governo, que fagocitou também a Secretaria Geral da Presidência. O novo ministério, Secretaria de Governo, tem como titular Ricardo Berzoini –com certeza o maior ícone petista no chamado “capitalismo de estado”. Berzoini é o inimigo número 1 do capital e da livre inicitiva.
Ou seja: a Abin, Agência Brasileira de Inteligência, terá Berzoini à sua frente.  E Berzoini pensa e age como José Dirceu. Pode ser uma boa notícia: vou te provar que conhecemos o Mensalão publicamente só porque Dirceu passou a mandar na Abin…
O governo do PT deu o maior tiro no seu pé quando, enquanto ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu meteu suas garras na Abin. Todos os dias Dirceu,  Lula e o general Jorge Félix se reuniam às 12h30. E Dirceu dava as ordens sobre quem a Abin deveria grampear. Com Berzoini, vai ser igual.
Mas pelo menos devemos a Zé Dirceu o maior fogo amigo que o PT já produziu.
O PTB de Roberto Jefferson não precisava tanto da grana do Mensalão. O partido tinha em mãos os cargos nos Correios. Livres assim, foram alvos de José Dirceu: que ordenou que a Abin plantasse provas contra o PTB para poder garrotear o partido ao PT.
Ao retirar o general José Elito da parada, e colocar Berzoini à frente da Abin, ( ele é homem que pensa e age como Dirceu) Dilma radicalizou perigosamente essa área.
Não custará que a Abin dê novamente um tiro sobre o próprio governo.
Vou te contar como isso aconteceu no passado recente, sob Lula. Este episódio é melhor explicado no livro que lancei em junho passado, como o tenente-coronel André Soares, sobre a Abin. Confira algo sobre o livro:
 
Pois bem: a Operação Monte Carlo, da PF, focou-se em prender agentes ilegais na Abin.
Um deles, o policial Jairo Martins de Souza,  foi quem gravou a fita que detonou, em 2005, o escândalo do Mensalão. Trata-se da cena em que um ex-funcionário dos Correios, Maurício Marinho, aparece recebendo uma propina de R$ 3 mil. 
É do conhecimento público que Jairo Martins era um “empregado” da quadrilha de Carlinhos Cachoeira. Recebia R$ 5 mil mensais e tinha a função de cooptar policiais e também levantar informações que pudessem prejudicar os negócios do grupo. Em 2005, na crise do Mensalão, Jairo Martins depôs no Congresso  e disse que gravou a fita com Maurício Marinho por “patriotismo”. Não se sabe, ainda, se Cachoeira estaria por trás da denúncia.
 Em seus primeiros quatro anos de governo, Lula usava a Agência Brasileira de Inteligência para obter antecipadamente informações de corrupção. Todos os dias, meio dia e meia, Lula se reunia com o general Jorge Félix, do gabinete de segurança institucional. Ali lhe eram repassados os nomes dos membros do governo de quem Lula deveria publicamente se afastar. Por isso a ABIN começou a remunerar, com verbas secretas, policiais federais: para saber deles quem do governo iria cair nas mãos das operações da PF. Lula sempre aplaudiu e apoiou publicamente essas operações porque, afinal de contas, já sabia de tudo antes. 
Para entender, comece com o que foi declarado publicamente. Na página da ABIN,  na internet consta o seguinte extrato:
“Cumprindo promessa formulada em sua campanha presidencial, o Presidente Fernando Collor de Melo, empossado em 1990, extinguiu o SNI, no bojo de ampla reforma administrativa. Para a continuidade do exercício da atividade de Informações, foi criada a Secretaria de Assuntos Estratégicos - SAE. Sua concepção era similar à que orientava as ações do antigo SFICI, ou seja, retornava-se ao modelo composto por um órgão superior intermediário entre os produtos de Inteligência e o Presidente da República. De acordo com o texto da nova lei, a EsNI passou a se chamar Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Recursos Humanos - CEFARH. Houve, na realidade, mais uma tentativa de depuração do exercício da atividade de Inteligência, particularmente no caso da produção de conhecimentos sobre a conjuntura interna, buscando-se eliminar questões que envolvessem matérias de natureza ideological”.
O papel do general Jorge Félix com Lula era justamente o de suprir o presidente com informações de corrupção em ministérios, que antigamente brotavam de agentes arapongas lotados, nesses mesmos ministérios, institucional e legalmente por atribuição do SNI –o que Collor justamente extinguiu.
Pois bem, vejamos o caso de Jairo Martins de Souza, o araponga, teve uma missão no governo Lula: gerar provas contra o partido de Roberto Jefferson. Por quê? Porque o partido não precisava do mensalão petista para sobreviver: viviam das nomeações e sinecuras dos Correios, como aquelas arrumadas para esposas de policiais federais no DNIT, órgão do Ministério dos Transportes. Jairo Martins de Souza teve a missão de grampear Mauricio Marinho, levar essas provas ao general Jorge Felix, e este entregaria ao presidente Lula. Que, por sua vez, obrigaria o PTB a votar com o PT. Mas Jairo Martins de Souza teve uma apoteose mental: confessou que queria “ganhar o prêmio Esso”, e entregou o grampo contra Marinho para a revista Veja, e não para a ABIN.
No depoimento que prestou à CPI dos Correios, no dia 5 de julho de 2005, o ex-agente da ABIN, Jairo Martins de Souza, confirmou que havia “facilitado” o acesso da mídia à gravação clandestina do diretor dos Correios, Maurício Marinho, no momento em que este recebia propina, fato considerado como o marco inicial do chamado mensalão. Disse que estava afastado da ABIN há quatro anos e que, nesse intervalo, teria buscado uma nova qualificação profissional para ganhar a vida, e fez o curso de jornalismo na Faculdade ICESP, em Brasília. Essa informação foi dada à CPI à guisa de justificativa: em vez de agir como espião, Jairo teria agido como “jornalista investigativo, para o bem do Brasil”. O comentário levou o deputado José Eduardo Cardozo, nosso futuro ministro da Justiça, a ironizar: “Quer dizer, o senhor não é um jornalista investigativo? É um investigador jornalista?”
O fato é que Jairo Martins de Souza obteve o registro de jornalista profissional, de número 6704/15/147-DF, na Delegacia Regional do Trabalho do Distrito Federal, em 5 de abril de 2006. Ele se filiou ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF no dia 21 de agosto de 2007. Em sua ficha no sindicato consta um email curioso: excatorra@ig.com.br.
Se Berzoini repetir os códigos de comportamento  de Dirceu, o governo Dilma cai por ele mesmo.
Post Scriptum:
 
O general José Elito, demitido por Dilma, divulgou a seguinte carta nessa sexta-feira:
1. Desde que a Sra Presidente da República me comunicou sua intenção de incluir o GSI na reforma administrativa, argumentei sobre a possibilidade de não inserir, em uma mudança política, um Ministério de Estado com 77 anos de existência (desde 1938) e com competências institucionais que exigiram, desde a sua criação, o nível ministerial. Disse-me, então, que ainda não havia decidido e que a argumentação fosse submetida ao Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República.
2. Com o Chefe da Casa Civil, tive uma excelente e longa troca de informações onde enfatizei o porquê de o GSI não ser incluído nesta reforma. Além das considerações citadas anteriormente, detalhei nossas competências que tornam essenciais a manutenção do status quo. Sensibilizado, afirmou que abordaria o tema com a Sra Presidenta. Julguei, naquele momento, que a decisão a ser tomada pudesse ser favorável ao GSI.
3. Por minha iniciativa, falei, ainda, com autoridades do primeiro escalão do governo sobre nossa preocupação com um dos mais antigos Ministérios do país sofrer mudanças significativas nas suas estrutura e competência. Eles também foram sensíveis às justificativas apresentadas.
4. Ao saber no dia de hoje do conteúdo da reforma, cumpre-me, por um dever de lealdade e em memória aos que me antecederam, lamentar a decisão tomada que, no mais curto prazo, desejo que seja retificada para o bem da sociedade e do BRASIL.
5. Deixo o cargo de Ministro de Estado Chefe do GSI imensamente feliz e realizado pelo trabalho institucional executado. Agradeço à Sra Presidenta as demonstrações de respeito durante esses 4 anos e 9 meses, desejando que o seu governo saiba conduzir nosso país e seu povo ao destino que merecem.
6. Meus sinceros agradecimentos a todos os senhores Ministros, Autoridades e Servidores com quem tive a satisfação de conviver nesse período.
7. Finalmente, não poderia deixar de agradecer e cumprimentar essa numerosa e excepcional equipe que compõe o GSI. Lidar com profissionais como as senhoras e os senhores foi um prazer e um privilégio. Desfrutar, cotidianamente, deste ambiente de responsabilidade, amizade, lealdade, espírito de equipe e camaradagem foi, também, um permanente alimento na minha motivação e na certeza de que estávamos no caminho certo, fruto da excelência dos resultados obtidos. Parabéns e meus sinceros votos de saúde e realizações para todos.
Brasília, DF, 02 de Outubro de 2015.
 

CANIL SETORIAL DO 7º BPM/I VISITA APAE EM SOROCABA/SP


CANIL SETORIAL DO 7º BPM/I VISITAM APAE EM SOROCABA/SP

Blog da Polícia Militar do Estado de São PauloemBLOG DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO - Há 6 minutos
Ontem (6), alunos da APAE de Votorantim/SP receberam a visita do Canil setorial do 7º BPM/I (Sorocaba/SP) CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PMESP “Nós, Policiais Militares, sob a proteção de Deus, estamos compromissados com a Defesa da Vida, da Integridade Física e da Dignidade da Pessoa Humana”.

AMEAÇA DE MORTE! - ARNALDO JABOR - URGENTE

 AMEAÇA DE MORTE! Arnaldo Jabor - URGENTE... (repassando)

Entrada
x

Nelson Nunes Fernandes

08:27 (Há 6 horas)
para

 
AMEAÇA DE MORTE! 

 

 
http://3.bp.blogspot.com/-xSuU3EWN3nc/Ve-CHr1pnyI/AAAAAAAADTA/GpjzvzlVdQM/s320/hqdefault.jpg

 

Arnaldo Jabor - URGENTE...

 

 
"Estamos caminhando para o fundo do poço. Começa a acontecer no Brasil algumas pequenas manifestações legítimas do povo....Com as redes sociais a propagação de ideias está tomando um rumo contra o atual governo da "presidenta" Dilma de forma incontrolável...

 

 
Eu, Arnaldo Jabor venho sofrendo ameaças de forma não mais velada...mas clara....Mas, como jornalista independente que sou, não me furtarei a falar a verdade...a externar o sentimento do povo, mesmo que isto custe um preço alto...Afinal de contas estamos precisando no Brasil de Militares corajosos...médicos corajosos....Jornalistas corajosos.....Padres corajosos... Pastores corajosos... cidadãos corajosos....todos nesse momento crucial do país. Todos têm que dar sua forma de colaboração contra um sistema de governo que escraviza o capital trabalhador em detrimento do capital externo...Não tenho e não terei medo de morrer....Meu pai Carlos Jabor ja dizia: "MORRA PELA VERDADE, MAS NÃO VIVA PELA MENTIRA!

 

 
Povo brasileiro chegou o momento das manifestações legítimas e de exigirmos a saída dessa mulher que se chama Dilma Roussef e que atrasou o pais em mais de 50 anos"...

 

 
Comentário: Um governo que tomou tudo dos brasileiros, ainda chega a ameaçar aos que defendem a ética e o fim dessa quadrilha de bandidos. Um partido que saqueou as contas públicas aparelhando o Estado com um “sindicato de ladrões”, como bem definiu o ministro do Supremo, Gilmar Mendes. Uma presidente que implodiu com a economia e praticou mirabolantes pedaladas fiscais para esconder seus erros. Uma administração que tem inúmeros atos investigados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que podem cassar o mandato ou levar ao impeachment. 

 

 
Um oceano de provas sobre esquemas fraudulentos. Desvios de estatais. Doações ilegais em campanha. Negociatas de cargos e verbas para garantir apoio. O enredo de podridões já podia estar no limite, mas a esquadra petista segue armando tramoias sem fim e mentindo descaradamente para sustentar a todo custo o seu projeto de poder. 

 

 
REAGE BRASIL!

 

 

 

BLOG DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

É PRATA BRASIL!!!!!!!!!! 1º policial militar a participar dos JOGOS MUNDIAIS MILITARES - JMM, o paratleta Soldado PM André Luiz da Rocha ANTUNES conquistou ontem a MEDALHA DE PRATA nos 6ª JMM, na Coreia do Sul. Em 2014 quebrou o recorde brasileiro no ARREMESSO DE PESO por 5 vezes e o recorde Pan-americano por 4 vezes, além de conquistar a Medalha de Prata nos jogos Parapan-americanos de Toronto, nesse ano. "Para os quatro paratletas do Brasil que vieram à Coreia já é uma vitória estar aqui. Essa quebra de paradigma está sendo fantástica. Estou muito feliz de levar uma medalha par... mais »

PM REALIZA OPERAÇÃO SAQUE SEGURO EM COSMÓPOLIS

Blog da Polícia Militar do Estado de São PauloemBLOG DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO - Há 2 horas
O 19° BPM/I iniciou nesta terça-feira (6) a operação “Saque Seguro” para combater o crime conhecido como “saidinha de banco” em Cosmópolis, interior de São Paulo. A iniciativa reforça o policiamento na cidade até o dia 9 de outubro, momento de maiores movimentos nas agências bancárias. Mas terá continuidade para combater roubo ou extorsão e garantir a segurança de quem se dirige a instituições bancárias. A ação, na região central e bairros próximos, contará com empenho dos policiais em intervenções dentro das agências, levando segurança aos funcionários e clientes. O reforço poli... mais »

Ricardo Boechat Chama Lula e Políticos Brasileiros de Ladrão ao vivo 2015

OS SINAIS SE REPETEM. 5ª DIVISÃO DE EXÉRCITO INICIA OS PREPAROS PARA A OPERAÇÃO BORMANN. O EXÉRCITO DE CAXIAS ESTEVE, ESTÁ E ESTARÁ SEMPRE PRONTO - CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO É DEVER INALIENÁVEL -

Os sinais se repetem


Brasil, acima de tudo!






  • 5ª Divisão de Exército inicia os preparos para a Operação Bormann

 

Curitiba – A 5ª Divisão de Exército (5ª DE), por intermédio da 5ª Região Militar (5ª RM), está realizando o deslocamento estratégico de meios para a Operação Bormann, que será realizada no Campo de Instrução Marechal Hermes (CIMH), em Três Barras (SC), entre os dias 10 e 23 de outubro de 2015. O deslocamento consta de transporte de blindados e de material de emprego militar de Artilharia, por meio ferroviário e rodoviário, a cargo da organização militar constituída para o Exercício, a 5ª Companhia de Transporte, sob o comando do também constituído 5ª Grupamento Logístico. Os meios estão sendo concentrados no 5º Regimento de Carros de Combate, localizado em Rio Negro (PR), onde permanecerão até o dia 5 de outubro, data em que se inicia o deslocamento operacional até o CIMH.


Os meios militares empregados na operação provêm do 20º Batalhão de Infantaria Blindado (Curitiba/PR), com o M113 BR; do 5º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (Curitiba/PR), com o Obuseiro VBC M108; do 15º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (Lapa/PR), com o VBC OAP M109; da Bateria de Comando da Artilharia Divisionária da 5ª DE (Curitiba-PR), com o M113 B; do 12ª Grupo de Artilharia de Campanha (Jundiaí/SP), com o Obuseiro M 114; do 2º Grupo de Artilharia de Campanha (Itu/SP), com o Obuseiro M 56; do 20º Grupo de Artilharia de Campanha Leve (Barueri/SP), com o Obuseiro M 56 e o Mrt P 120mm; do 26º Grupo de Artilharia de Campanha (Guarapuava/PR), com o Obuseiro Light Gun L118; da 11ª Bateria de Artilharia Antiaérea Blindada (Ponta Grossa/PR), com o Gepard; e do 33º Batalhão de Infantaria Mecanizada (Cascavel/PR), com a Viatura Blindada Transporte de Pessoal – Média de Rodas Guarani.


A Operação Bormann foi concebida num quadro de Defesa Externa, no período de Adestramento Avançado da 5ª DE. Nesse contexto estão inseridas as Operações Acanto, Setembrino de Carvalho, Aço e Silva Paes, que ocorrerão de forma integrada, atendendo aos objetivos de adestramento estabelecidos no Contrato de Objetivos do Comando de Operações Terrestres 2015.


Nesse quadro, a Operação Acanto contará com a 5ª RM mobiliando um Comando Logístico da Força Terrestre Componente, responsável pelo desdobramento de uma Base Logística Terrestre e de três Destacamentos Logísticos, tudo em apoio às Grandes Unidades e às organizações militares desdobradas no campo de instrução. A Operação Setembrino de Carvalho visa ao adestramento dos sistemas de fogos da Artilharia Divisionária da 5ª DE por meio de exercício de tiro no CIMH. Já as Operações Aço e Silva Paes constituem-se de exercício no terreno, no qual a 5ª Brigada de Cavalaria Blindada e a 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, respectivamente, empregarão seus meios em um quadro de defesa móvel.




 

Fonte: 5ª DE

Publicado:30/09/15 17:37



As Hostes vermelhas há muito preparam o golpe...

Resultado de imagem para exercito stedile lula
 
 
 
 

O Exército de Caxias Esteve, Está e Estará sempre Pronto...

Cumprir a Constituição é Dever Inalienável...



--
Clique aqui para Responder

POLICIOFOBIA - MEUS CRÉDITOS AO GIFFONI - ASP 84. TEXTO DE FELIPE BEZERRA

G I F F O N I - Asp 84 

6 de out (11 horas atrás)

Outros destinatários: alicexavier_andrade@hotmail.com


Caros amigos Policiais ou não, boa noite

A matéria abaixo escrita pelo brilhante Policia Rodoviário Felipe Bezerra, vale cada palavra escrita, esclarece todo o preconceito que grande parte da população brasileira desavisada e inculta, tem de seus policiais; a policiofobia, como ele assim descreve, demonstra a injusta e cruel realidade pela qual passam os Policiais brasileiros, sobretudo os Policiais Militares, e que como ( Gran finale ), grande resultado final desta VIL construção cultural de esquerda, apoiada infelizmente pela grande mídia sensacionalista, esta a insegurança pública hoje instalada em nosso querido Brasil. Peço aos meus amigos policiais ou não, que leiam este presente de lucidez.

GiffoniPOLICIOFOBIA

A policiofobia é uma construção cultural que pode ser conceituada como a promoção sistemática do ódio, da aversão, do preconceito, do descrédito e da desmoralização dos profissionais de segurança pública do Brasil.

Ao contrário do que imagina o senso comum a policiofobia não é consequência da violência policial ante a população de periferia, e tampouco é uma resultante do período do regime militar. A população de periferia historicamente nunca teve voz e a maioria dos policiais de hoje sequer viveram ou tiveram alguma ligação direta com o período dos chamados "anos de chumbo".

Ela é, na verdade, uma construção artificiosa e ideológica de setores da política, da mídia e da academia, e é propagada, em regra,  por indivíduos das classes média e alta que, no alto de suas torres de marfim,  nunca sofreram abusos ou violência de policiais.

Não se pode negar, entretanto, que em meio ao efetivo das polícias exista uma minoria de psicopatas, corruptos e demais espécies de bandidos de farda, mas ninguém deseja mais que estes sejam excluídos, processados e presos do que a grande maioria de policiais honestos e de bem que tem a sua reputação profissional maculada pelas transgressões e crimes dos maus policiais. Mas é importante dizer que em nenhum outro grupo profissional o todo é julgado pela parte através de uma maliciosa e sistemática campanha de desmoralização.

Não faz muito tempo em que a mídia brasileira abordava o trabalho policial se não de uma forma positiva, mas, pelo menos, de uma forma neutra que possibilitava ao homem comum fazer um juízo de valor solidário aos homens e mulheres que arriscam a vida nas ruas na nobre missão servir e proteger a sociedade. De uma hora pra outra fatos isolados começaram a ganhar destaque e serem superdimensionados. A grande maioria das ações policiais -  legítimas por natureza - passaram a ser solenemente ignoradas, de uma forma que hoje quase toda a cobertura  do trabalho policial na grande mídia é em forma de pauta negativa. As séries e filmes policiais que exaltavam a humanidade, o heroísmo e a bravura desses profissionais sumiram e hoje é praticamente impossível encontrar uma produção cultural onde o personagem policial tenha razão.

Como os militares voltaram para os quartéis após a redemocratização  a polícia passou a ser o bode expiatório preferido de pseudointelectuais da academia e da política que, para promoverem a “luta de classes” através de um revanchismo tardio e descabido, fomentam abertamente à tolerância( e o estímulo moral) ao banditismo e, por conseguinte, a criminalização da atividade policial legítima.

O produto cultural destas ações é a grande inversão de valores que produz hoje no país a enorme sensação de impunidade que fez explodir a criminalidade. Essa mentalidade que odeia a polícia “opressora” invadiu também o judiciário já nos bancos universitários, e os policiais foram empurrados assim para uma legalidade que, de tão estreita, virou uma espécie de corda bamba onde se o policial age é acusado de abuso e caso se omita é acusado de prevaricação. Operou-se a assim um verdadeiro desmonte do arcabouço jurídico de proteção à atividade policial. Hoje no Congresso Nacional, por exemplo, partidos políticos que sobrevivem da promoção do caos patrocinam projetos que querem acabar com auto de resistência e com o crime de desacato o que, se concretizado, sepultaria de vez a polícia e entregaria o Brasil de bandeja ao crime.

Em países de cultura sadia o heroísmo e a bravura da polícia é estimulada. Policiais que trocam tiros com bandidos perigosos são aclamados e valorizados, e não são raras as vezes que são promovidos por bravura pelas autoridades constituídas. No Brasil a mesmas ações resultam sempre numa presunção de culpabilidade de forma que é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um policial ter, por exemplo, uma legítima defesa putativa reconhecida pelo judiciário. Ao policial brasileiro é presumido quase sempre o erro, a má fé, o excesso, o abuso e, muitas vezes, o crime. Abandonados pelo estado e escutando apenas a parte esquizofrênica da sociedade que os condena, os policiais ficaram entregues à própria sorte e, por isso, são jogados à omissão.

O fomento da desmoralização da polícia ante a população menos letrada produziu também um paradoxo: se a polícia é violenta, ela deveria provocar medo e respeito na população e na criminalidade. Não é o que acontece. Se multiplicam as ocorrências em que pessoas desrespeitam a figura dos policiais e avançam sobre eles, o que tem causado mortes e lesões dos dois lados. Num passado recente era inconcebível uma pessoa sã atacar um policial armado.

Ante esse quadro, a desumanização da figura do policial veio à reboque. É possível observar uma certa psicopatia no ar ao ver que a sociedade não demonstra nenhuma empatia com os operadores de segurança pública que tombam assassinados por marginais. É como se o discurso hegemônico de proteção ao banditismo e criminalização da polícia produzisse uma Síndrome de Estocolmo coletiva, onde os indivíduos passaram a ter simpatia por seus algozes e odiar seus protetores, assim como ovelhas que odeiam cães pastores e sorriem simpáticas para os lobos que as devorarão.

Não se combate a criminalidade vestindo camisas brancas e pedindo paz. Nenhum bandido  abandonará o crime e se tornará um trabalhador por causa disso. É preciso que a sociedade entenda em sua plenitude o velho adágio romano: si vis pacem, para bellum, que, nos dias de hoje, significaria: se queres paz, apoie a polícia. É preciso sustar o cheque em branco da impunidade e da hipocrisia e valorizar os soldados cidadãos que, ao fazer o enfrentamento direto ao crime, tentam devolver as ruas do país às pessoas de bem.

Filipe Bezerra é Policial Rodoviário Federal, bacharel em Direito pela UFRN, pós-graduado em Ciências Penais pela Anhaguera-Uniderp, bacharelando em Administração Pública pela UFRN e membro da Ordem dos Policiais do Brasil

NOTA:
Neste texto só faltou explicar que a policiofobia foi patrocinada pelo projeto de poder executado pela esquerda, e que é esta elite politica que hoje se encontra nas torres de Marfim citada acima... A classe média hoje no Brasil é quem esta pagando a conta e não deve ser generalizada... Por isto achei importante identificar exatamente os criadores da policiofobia.