quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

ERA UMA VEZ........POR ROBERTO DE ALMEIDA

ERA UMA VEZ....

Entrada
x

Roberto de Almeida

00:49 (Há 14 horas)
para AraciGiselleMartatelfleschtelma-lobotelmaricardoallegroRicardoAndréRicardoRicardoricknnickeljoaolemosbarbo.JoaquimJoséTâmarajoseJoseJosejosilspJoséKleberCarlosCarloscarlinhos
AMIGOS

Assim  eram  iniciadas  as  antigas  histórias  de  fadas,  duendes e  princesas  que  serviam  para  entreter  as crianças  antes  do  advento  da  "máquina  de  fazer  doido".  Tais  histórias,  para  aqueles  que  tiveram  a  felicidade de  ouvi-las  de  seus  pais  e/ou  familiares,  nos  transportavam  para  uma    espécie  de  "reino  mágico",  onde,  no  fim,  o  "bem"  sempre  vencia,  os  "maus"  eram  punidos, as  princesas  encontravam  seus  príncipes,   e  os  reis,  com  algumas  exceções,  cuidavam  do  povo  que  governavam.

Hoje, graças  a  "máquina  de  fazer   doido",  as  novas  gerações  podem   constatar    que  o  "reino  mágico"  nunca  existiu  e  a  "realidade"  é  mais  parecida  com  um "asilo  de  loucos",  um  lugar onde prevalece  a  "esperteza",  o  "bem"  não  existe,  e   os  maus  têm  direito  a  "foro  privilegiado", que,  em  última  instância,  lhes  garante  a  "impunidade" de  "fato".   As  princesas  buscam  príncipes  que  não  existem,  e  os  reis  aproveitam-se  dos  governados.

Parece  que,  finalmente,  alguns   órgãos  da  imprensa  estão  descobrindo  a  realidade  que  estamos  vivendo.  Uma  realidade  que  pode  ser  "feia",  na  medida  em  que  nada  tem  a  ver  com  a  "doce  ilusão"  de  uma utopia  apelidada  de  "democrática",  onde  o  "povo"  é  o  endeusado  senhor,  e  os  governantes  "velam"   pelo  seu  bem  estar.

Há  mais de  um  ano  venho  expondo  aos  amigos  a  minha  descrença  nos  atuais  poderes  da  República  no  que  se  refere  a  punir  aqueles  que  levaram  o  pais  à  situação  atual.   Sempre  afirmei, e  até  o  presente  nada  desmentiu  minhas  previsões,  que  nada  vai  acontecer  com  os  que "capitanearam"  o  atual  "estado  de  coisas".  Claro  que  "algumas"   figuras  menos  importantes  vão  sofrer  algum  tipo  de  restrição.   Como  dizia  Lampedusa,  "alguma  coisa  tem  que   mudar,  para  que  tudo  continue  como  está".    É  necessário  que  "alguns  judas"  sejam  "malhados".   Não  significa  que sejam  "inocentes",  são,  apenas,  "pouco  importantes",  "descartáveis".   Mesmo  para  esses  restará  a  possibilidade  de  voltar  aos  seus  negócios  portando  uma  "tornozeleira",  se  o  estado  (ou  seja,  "nós")  tiver  dinheiro  para  pagar  por  ela.

Talvez,  num  futuro  que  não  vislumbro,    os  "contadores  de  histórias  de   amanhã",  quando  falarem  às  novas  gerações  sobre  a  nossa  "democracia",  escrevam,  como  os  "inventores"  dos  contos  de  fada,   ERA  UMA  VEZ......  

 Enquanto  isso,  o  POVO  PRECISA  "DANÇAR"    Como  disse  o  escritor   Philip K.  Dick :  "As  vezes,  a   loucura   é  uma  resposta  apropriada à  realidade". 


BOA  NOITE,   BOA  SORTE  

Nenhum comentário: